1. Spirit Fanfics >
  2. O Legado de um Amor >
  3. BoruSara I One-Shot

História O Legado de um Amor - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Boa Leitura <3

Capítulo 1 - BoruSara I One-Shot


Fanfic / Fanfiction O Legado de um Amor - Capítulo 1 - BoruSara I One-Shot

Às exatas oito horas da matina naquele novo dia que começava, um jovem ninja de cabelos amarelados pulava apressadamente sobre as intermináveis casas e edifícios da gigantesca Vila da Folha.

Quem olhasse pensaria que o rapaz estava extremamente apressado em chegar à algum lugar, suas várias acrobacias e pulos colossais não escondendo em nada esse fato. 

Após alguns minutos de correria, o destino do ninja finalmente estava à vista; afastando-se diretamente para a extensão oposta dos portões da vila, uma grande construção histórica era-se apresentada: sendo um dos maiores edifício de Konohagakure e com designer circular, aquele era o local mais importante da vila. Suas cores avermelhadas e telhados de madeira firmes eram bem avantajados e imponente, a palavra "fogo" escrita com capricho no telhado central do edifício.

Aquele era o Escritório do Hokage, ou seja, onde o chefe da vila, assim como muitos outros ninjas, trabalhavam o dia todo.

O jovem ninja aterrissou de um último salto proferido do telhado de uma loja e aproximou-se das portas de entrada, passando apressadamente por elas. 

Por muito tempo foi acostumado a usar uma das janelas de acesso a um dos escritórios para entrar no edifício, mas após uma reclamação unânime de praticamente todos que trabalhavam ali, ele fora proibido de fazer tal coisa.

Mas diante da adrenalina do momento, o jovem Boruto Uzumaki nem foi capaz de sentir irritação com o fato.

O rapaz de recém vinte anos completados correu sem se importar pela construção, esbarrando e ignorando os chamados surpresos das outras pessoas pelo seu inesperado retorno mais cedo. Boruto nem mesmo se incomodou de dar uma passada no escritório do Hokage para saudar seu pai, Naruto Uzumaki — e Sétimo Hokage — como sempre fazia.

Na verdade, o jovem ninja estava com maiores urgências no momento: passar nos escritórios de análises de pergaminhos e entregar seu relatório da missão em tempo recorde — que milagrosamente havia conseguido concluir durante todo o decorrer de sua missão, e não ao fim dela, quando era-se comum os ninjas começarem a fazer.

Mas aquela não era uma situação comum. Mas últimas 3 semanas ele buscou ao máximo completar sua missão o mais rápido que pôde, não deixando que o relatório fosse um empecilho que pudesse lhe atrasar.

Afinal, definitivamente precisava chegar em casa o quanto antes.

— Boruto Uzumaki retornando da missão no País dos Pássaros. — mal passara pelas portas do escritório e já foi se anunciando, enquanto se dirigia às prateleiras e gavetas contendo intermináveis pergaminhos devidamente arrumados. Mal se importou em reconhecer uma figura sentada em uma das mesas da sala — Estou entregando o relatório de missão, já sei que Shikamaru não está aqui hoje, então vou guardar o pergaminho para que ele analise mais tarde. Definitivamente preciso me apressar... — acabou soltando a última frase em nervosismo.

Após alguns segundos de silêncio — provavelmente observando aquele jovem ninja tão agitado organizar as coisas apressadamente, tanto em guardar o relatório no lugar certo, quanto em assinar seu nome em uma das listas de retorno —, a pessoa do local deu um pequeno suspiro.

— Parece que está bem apressado... — a voz feminina observou com estranho tédio. — Não estaria indo tirar o pai da forca, estaria? Todos sabem que o Hokage está na sala dele, como sempre...

— Não é nada disso. — o jovem Uzumaki negou, agilizando seus processos o mais rápido que podia. Estava checando arquivos criptografados agora. — Tenho que correr pra casa, não faço ideia se minha esposa já deu a luz a nossa criança, ou não. Maldita hora em que fui pegar uma missão longa, ela ficou tão irritada...

— Ah… — a voz saiu novamente sem grandes emoções. — Isso parece um problemão. —  comentou sem entusiasmo. — E quando você saiu em missão ela já estava com quantos meses de gestação?

Boruto mordeu os lábios. — Perto dos nove, acredita? Minha sogra me garantiu que com certeza o bebê nasceria mais tarde, mas acho que ela estava tentando me consolar. Ah, será que já nasceu?... — perguntava-se nervoso.

— Vai saber... — a jovem moça falou. — E você tem alguma ideia do sexo do seu bebê? Ou você e sua esposa escolheram esperar?

— Escolhemos esperar. — respondeu Boruto, apressadamente. — Mas ela sentia que seria uma menina... Deve ser coisa de mãe. Só sei que preciso saber se ela já deu a luz ou não. Já estou preparado para descobrir que cheguei tarde demais, mas se for esse o caso tenho que ver o bebê imediatamente!

— Ah, sim. — a voz suspirou, dando uma longa pausa. Logo continuou. — E por acaso seria esse bebê aqui que você gostaria de ver?

O Uzumaki travou, derrubando uma pilha de relatórios que passara o último minuto analisando e comparando. Seu coração deu um completo salto, se agitando ainda mais ao virar-se e reconhecer, surpreendentemente, a pessoa com quem estivera conversando até então.

Tratava-se ninguém mais, ninguém menos que sua linda e assustadora esposa, Sarada.

Mesmo estando sem reação diante da grande surpresa, Boruto não conseguiu deixar de admirá-la. Desde que descobriu que era apaixonado por Sarada o jovem Uzumaki foi percebendo que amar alguém era gostar por inteiro de uma pessoa, seja pela personalidade séria e, por vezes, humorística que sua esposa apresentava às vezes, seja o jeito incrível que suas belas feições apresentavam força, confiança e perseverança inabalável, seja por ser reconhecida como uma das ninjas mais poderosas que Konoha já teve, ou até mesmo sua extrema beleza, como seu corpo magro, esbelto e...

"Espera aí!", Boruto cortou com surpresa seu emaranhado de pensamentos. "Magro?!".

E para seu espanto — e uma grande pontada de desapontamento consigo mesmo — ele observou que a barriga gigantesca de sua esposa havia desaparecido por completo. Seria até difícil imaginar que aquela jovem moça teria ficado grávida alguma vez na vida.

E se a barriga não estava mais ali, queria dizer que o bebê...

— Não acredito... — os cintilantes olhos azuis de Boruto estavam bem abertos, em seguida apresentando uma mistura de chateação e surrealismo. — Então nasceu?

Os incríveis olhos ônix de Sarada estavam inexpressivos e não demorou para Boruto notar que ela não estava muito feliz.

— Exatamente dois dias depois que você partiu.

Boruto engoliu em seco, sentido uma sensação nada agradável.

Apertou os punhos, frustrado e preocupado. Ela com certeza devia estar com raiva.

— Olha, me perdoe, eu não queria ter saído em missão, eu fiz de tudo para evitar. Na verdade, eu...

Sarada revirou os olhos.

— Vem conhecer sua filha, idiota.

Os olhos do Uzumaki se arquearam em surpresa. Só agora notara o pequeno volume enrolado em milhares de lençóis sobre os braços de Sarada. 

Sentiu o sangue congelar. Era seu bebê!

Esquecendo-se momentaneamente que ainda devia estar com medo de sua esposa, Boruto se aproximou, admirado.

— Uoh, você estava certa, era uma menina mesmo... — comentou, puxando uma cadeira ao lado de Sarada e sentando-se de frente para ela. — Como é pequena...

— Estava ainda mais quando saiu da minha barriga. — Sarada ajeitou os lençóis claros, levantando os olhos ao companheiro. — Quer segurar?

Os olhos de Boruto brilharam de animação, confirmando afirmativamente com a cabeça. Nada era mais empolgante e mágico que admirar algo gerado por ele e Sarada!

Ela passou o bebê embrulhado delicada e cuidadosamente para seus braços, no que Boruto segurou direitinho. O jovem emocionou-se quase que instantaneamente.

Era um bebê lindo, completamente magnífico. Mesmo recém-nascido a quantidade de cabelos era absurda, e Boruto ficou eufórico ao ver que eram loiros que nem os seus. A pele era um pouco mais pálida, igual a de Sarada, e ainda observou, com surpresa, que a bebê não possuía os riscos nas bochechas como ele, seu pai e sua irmã, Himawari, possuíam.

— E os olhos? — olhou questionador para Sarada, sentindo uma felicidade que nunca sentira na vida. — São iguais ao meus? Ou ela terá o sharingan? — indagou com expectativa, deixando claro que estava mais animado com a possibilidade da segunda opção ser a real.

Sarada sorriu sem humor.

— Estamos com sorte. Felizmente ela herdou o lado forte da família.

Boruto fez uma careta interna. Se Sarada estava fazendo brincadeira com aquilo queria dizer que ele ainda não estava livre de tomar uma dura.

Olhou para o bebê, que ressonava suavemente. Parecia estar no melhor sono do mundo.

Suspirou. 

— Olha, Sarada... 

— Não precisa se explicar, Boruto. Ainda não entendeu? — Sarada inclinou-se sobre a mesa, colocando a mão na testa com impaciência. Voltou a olhar para o esposo. — Eu já tenho mais do que ciência de que a culpa não é sua, mas é impossível não ficar descontente. — ela voltou a sentar-se ereta. — Foi meio desanimador passar pelo parto sozinha.

Boruto engoliu em seco outra vez.

— Maldita hora em que fui escalado para uma missão...

— Não há o que fazer, a missão demandava especificamente suas habilidades. E, como planejo ser a futura Hokage, entendo mais do que ninguém que a vila tem que estar sempre em primeiro lugar.

Boruto acenou em concordância. Era incrível como anos antes ele discordaria completamente daquele ponto de vista, e, agora, ele via-se incapaz de imaginar aquela verdade como sendo outra.

E era igualmente maravilhoso ver Sarada se esforçando tanto para realizar seu grande sonho de se tornar Hokage. Atualmente ela aprendia a concluir tarefas de variados setores correlacionados ao trabalho de Hokage. Era ela, por exemplo, uma das ninjas responsáveis por analisar os relatórios das missões.

Sarada o encarou por alguns segundos, logo desviando e passado os olhos pelos pergaminhos nas prateleiras e gavetas. 

— Não precisa se preocupar, eu mesma vou analisar seu relatório. Leve o bebê para casa e...

— "Bebê?" — Boruto piscou, surpreso. — Ainda não colocou um nome?

Sarada pareceu ser pega de surpresa.

— Bem... — ela refletiu. — Mesmo irritada eu não queria te excluir de tudo. E também ainda não consegui pensar num bom nome. — ela admitiu, dando de ombros.

O coração de Boruto se encheu de alegria. Uma das preocupações que andara sentindo nas últimas semanas foi o fato de acabar não participando na hora de discutir um nome para o bebê!

Pelo visto Sarada devia conhecê-lo melhor do que ele mesmo. Sentiu-se ainda mais admirado pela esposa.

— Sério? Então vamos pensar em um nome agora... — ele ficou pensativo. Após pensar por um tempo, logo sua mente acendeu. — Que tal "Aimi"? 

Sarada arqueou as sobrancelhas.

— Aimi? — ela repetiu. — Significa amor, não é?

Ele assentiu, bastante feliz.

— Tem tudo a ver com a gente. Afinal, foi do amor que ela surgiu, não é?

Os olhos de Sarada pareceram brilhar por um momento, suas bochechas tingindo-se de uma quase imperceptível coloração vermelha.

Ela desviou o olhar, quase sem jeito.

— Uau... Isso é bem piegas.

— Está dizendo que sou brega? — ele ofendeu-se.

Pela primeira vez o sorriso de Sarada conteve verdadeira parcela de divertimento.

— Isso não quer dizer que eu achei um nome ruim. Afinal, metade dela é você, não é? Faz sentido ter um nome como esse.

Boruto fez uma cara azeda, mas não disse nada. Estava nítido que Sarada ainda estava um pouco irritada.

Mas ficou contente com o nome que escolheu. Era perfeito para aquela linda bebê!

Boruto sentiu o coração falhar outra vez ao mirar aquela cabecinha minúscula da pequenina e seu rostinho sonolento. Mal passara dois minutos na companhia de sua filhinha e já sentia uma amor surreal pela pequena.

— Certo, será Aimi, então! — anunciou, contente.

Sarada pareceu relaxar. Era nítido o quanto ela estava feliz de ver seu marido conhecendo sua filha, mesmo tentando manter a descrição de "durona".

— Bom, tenho que trabalhar agora. — Sarada se ergueu da cadeira. — Leve Aimi para casa e cuide dela com sua vida. É melhor a janta estar pronta quando eu chegar, também — acrescentou.

Boruto ergueu-se também, completamente animado com a possibilidade de conhecer e aprender melhor sobre como cuidar de um bebê.

— Pode deixar, Sarada! Agora que voltei não me separarei dessa miudinha por nada! — garantiu.

Sarada abriu um leve sorriso. Aproximou-se de Boruto, colocando os dedos delicadamente sobre as bochechas da pequena bebê adormecida, observando demoradamente seu rostinho.

Após isso afastou-se, mostrando que seu "momento-despedida" havia terminado.

— Vou tentar chegar cedo. Daí eu te ensino como trocar fraldas. — abriu um sorriso maldoso.

Boruto franziu o cenho. — Ah é, esqueci dessa parte sobre os bebês. Mas isso não importa, irei me divertir como nunca com nossa filhinha! — observou-a sonhador e completamente satisfeito. — Não se preocupe, Sarada, pode deixar tudo comigo! — surpreendeu a esposa ao depositar um rápido beijo em seu rosto, já se dirigindo animadamente para a porta. Estava louco para começar seu papel como "pai".

— Ei, a bebê não é nenhum brinquedo, idiota! — ouviu Sarada protestando ao deixar a sala. — Toma conta dela direito e... Droga, pelo jeito terei que me apressar mesmo por aqui... — ela resmungou.

Enquanto isso, Boruto ia saído do edifício radiantemente com seu pequeno legado no colo. Desde que descobriram que seriam pais, ele e Sarada vibravam e ansiavam por aquele momento que, ao mesmo tempo, parecia tão distante, assustador e animador.

Mas agora enxergava que o nascimento de Aimi realmente significava: a dobra na responsabilidade do jovem casal de Konoha. Dali pra frente, os dois cuidariam de proteger e assegurar o melhor futuro possível para aquela menininha, e amá-la com todo o coração. Boruto percebeu que agora aquela era uma missão de vida e teria o maior prazer e alegria em completá-la.

Afinal, aquela bebê havia se originado, como ele mesmo dissera, do amor de dois jovens que escolheram passar o resto de suas vidas juntos. 

Havia se originado de Boruto Uzumaki e Sarada Uchiha.


Notas Finais


E aí, gostou? Deixe seu comentário e recomende com amigos que curtem esse shipp ^-^
Confesso que me derreti por essa one; imaginar eles adultos e tendo filhos... Ah, que sonho <3

Irei deixar o link de outras duas ones de Boruto que escrevi:

Boruto e Sarada:

https://www.spiritfanfiction.com/historia/aquario-shinobi-19187899

Inojin e Himawari:

https://www.spiritfanfiction.com/historia/a-verdadeira-obra-de-arte-19479470

Até outra hora ^-^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...