1. Spirit Fanfics >
  2. O "Mafioso" >
  3. Capítulo Único

História O "Mafioso" - Capítulo 1


Escrita por: e TopJKProject


Notas do Autor


Espero que gostem ah, boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction O "Mafioso" - Capítulo 1 - Capítulo Único

“A porta da enorme sala foi aberta apressuradamente, uma mulher com longos cabelos vermelhos, com a maquiagem borrada, chorando, enquanto chamava pelo homem, que calmamente degusta o líquido amarelado. Sentindo o corpo se aquecer, o estômago revirar com a misturar amarga, ao sentir o cheiro enjoativo do destilado.

— Marco… boss, você não precisa… — a mulher o chamou chorosa, temendo dizer seu nome, pronunciá-lo em voz alta.

— Sou o líder e meu dever proteger vocês, nem que eu morra tentando! — exclamou, não contendo a irritação em seu tom de voz.

A blusa social está com os primeiros três botões abertos, suas mangas dobradas até a altura dos cotovelos; os fios longos estão bagunçados, as tatuagens que colorem a pele marcada pelos confrontos, pelo treino que foi submetido quando ainda era somente uma criança.

Seus dedos tremeram de raiva, seu corpo ficou tenso ao ver a mulher aproximar-se, tocando o peitoral largo, acariciando-o com cuidado. Como se tivesse machucar ainda mais ao homem, esse que não sorria, não demonstrava qualquer reação, nem ao menos repeliu a aproximação da bela dama de cabelos vermelhos.

Os lábios pintados com cor chamativa, essa que combinava com os cabelos ondulados, com a roupa usada pela mulher. Lágrimas, pequenas e singelas lágrimas apareceram no canto de seus olhos, molhando o tecido do vestido curto.

— Por favor, repense! Você, não precisa se arriscar assim, por Deus, Marco!

— Verônica, não chora, minha rosa, está tudo bem e o meu destino; desde o começo estava destinado a isso, a esse fim! Mas eu prefiro perder a minha protegendo um dos meus, por meus amigos, do que morrer vergonhosamente escondido, sendo protegido por pessoas que só estão aqui por dinheiro, alguns poucos por lealdade.

— Podemos dar um jeito nisso, Marco, podemos superar isso! — exclamou chorosa, agarrando ao tecido escuro, molhando-o com as suas lágrimas. — Sei que você sairá dessa, que iremos superar mais essa adversidade!

O homem se compadeceu da mulher, da face bela e delicada de Verônica Marcone.

— A máfia é uma coisa cruel, lealdade e aliados só ficam ao lado quando estamos no topo; mesmo sendo um homem influente, com os nomes e os contatos certos em minha agenda, sou incapaz de ir contra a minha própria família. — Sorrio. — Pois apesar de tudo, mesmo após as coisas que eles fizeram ainda, eles ainda são a minha família! E não se mata a família, não se machuca ela.

— Marco, se eles fossem sua família jamais o machucariam, ou até mesmo levantariam a mão contra você! Mas te traíram sem nem ao menos hesitar, lhe viraram a costas e deixaram a sua cabeça a prêmio! Jungkook, a Liga está atrás de você, até mesmo aqueles jovens do gueto tentaram contra a sua vida!

— Não irei me machucar, juro a ti, sou um soldado ágil, não morrerei facilmente. Por isso, não se preocupe, eles não conseguiram me derrubar, sou um homem forte, já disse isso a ti. Já fui traído antes…

— Aquelas pessoas não conhecem! Marco, estamos falando do seu irmão mais novo, ele esteve ao seu lado desde sempre, te conhece melhor do que ninguém, aquele homem sabe de coisa que nenhum dos seus inimigos sabem… então pare de agir como se fosse uma simples guerra, uma batalha para manter a família no topo, quando nós dois sabemos que vai além disso! — pronunciou irritada, não contendo a frustração, o cansaço que vem tomando conta de seu corpo nos últimos dias.

— Meu irmão só quer o título, herdar tudo o que o meu pai e o meu avô deixaram para mim. Uma coisa tão boba, tosca, que uma parte de mim nem ao menos vê sentido em reagir… Mas, não darei nada a ele, mesmo que isso signifique a destruição de tudo aquilo que construímos.”

Foi nessa parte, nessa maldita parte que Jeon Jungkook travou. Em uma das últimas cenas ao lado da protagonista antes da primeira guerra interna de sua “família” acontecer.

Isso foi há seis dias atrás, pouco antes de bater na porta da casa do homem na qual divide a cama, o seu amado e cansado Min Yoongi.

Esse que bebericou o café puro, forte para aquecer o corpo e afastar de si a preguiça, a vontade de procrastinar, ficar deitado e ignorar a fadiga presente em cada movimento seu. Seus dedos tocaram a tecla sensível do notebook, deslizando e abrindo as pastas, procurando arquivos de áudio, começando a seu prazeroso trabalho.

A roupa larga, a peça íntima que nem ao menos foi colocada devido a ardência em suas partes íntimas, em especial a sua bunda. Essa que foi usada demais para o seu gosto, tanto que acabou “assado” e com medo de perder o restante da sua dignidade, ou o que sobrou dela. Cada passo dado por ele, movimento, o cheiro de pomada para dor é sentido, tanto que criou aversão ao cheiro mentolado, a fragrância ajuda a suavizar as dores em sua lombar. Não é como se a pomada fosse a única coisa existente em sua casa para aliviar a dor, longe disso há também os comprimidos, esses que foram ingerido por ele assim que tomou coragem para sair da cama, se aventurando até a cozinha preparando o café puro para si e deixando o leite, com açúcar e canela para Jungkook, aquecido dentro do microondas e em sua caneca favorita. Esse que não demoraria ir atrás de si, clamando e pedindo novamente a mesma coisa. Essa que o fez perder a noção do tempo, atrasando toda a sua agenda.

— Certo, só tenho que terminar isso e poderei dormir — disse tomando mais um pouco do café. Sorrindo alegremente, por finalmente achar que terá paz.

O sabor amargo, o gosto forte da bebida quente o deixou animado. Terminaria o trabalho e descansaria, rejeitando a todo e a qualquer pedido de ajuda do namorado. Sua mente, bunda e alma merecem um descanso! Apesar do seu mafioso não pensar assim, afinal ainda não se sentiu inspirado o suficiente.

O jovem ator deseja inspiração e Yoongi é uma ótima fonte, sempre despertando dentro de si reações e ações estranhas. Tanto que no momento em que o diretor o expulsou, o colocando para fora do estúdio, o mandado ser homem e honrar aquilo que só sobe quando vê Yoongi nu. Tanto que ao menos hesitou em bater em sua porta, com a carinha triste, com as orelhinhas inexistentes de coelho abaixadas, com a voz chorosa e tristinho, Jungkook pediu ajuda, algo que o ajudasse a entrar no personagem, para finalmente ser capaz de fazer todas as cenas íntimas com a atriz principal.

— Yoongi! — Jungkook gritou, irritando aos  tímpanos do homem, que revirou os olhos antes de olhar para ele. — Socorro, por favor, me ajuda! Não sei mais o que fazer!

— Com o que Jungkook? Seja breve, tenho coisas para fazer! — disse irritado, cruzando os braços, encarando os olhos esbugalhados do namorado. — Se bem, que eu nem quero ouvir já sei o que é!

Yoongi, havia acordado de mal humor, a noite mal dormida e o fato do namorado ficar em cima de si buscando inspiração não o ajudou em nada! Na realidade nem ao menos pode chamar aquilo de ajuda, afinal ele o fodeu por uma noite quase inteira, parando só quando Jungkook sentiu que Yoongi estava satisfeito, coisa que aconteceu às quatro da manhã, há pouco mais de duas horas atrás.

Vitalidade, força e disposição; três coisas que Jungkook tem demais, deixando o Min curioso, pois ele não durava muito, na realidade sua disposição morria sempre após gozar, depois de ejacular pela primeira vez. Enquanto o outro parecia com uma disposição infinita, sempre o colocando o jovem produtor em posições variadas, essas que o cansam fisicamente, deixando-o dolorido no dia seguinte e com a disposição de uma senhora de noventa e dois anos.

— Por favor, transa comigo! — clamou.

— Não, Jungkook! A minha bunda dói horrores e eu tenho amor ao meu buraco! Esse que nem se recuperou da última rodada.

— Vai ser rapidinho, você nem ao menos vai se cansar, prometo ‘pra tu — Yoongi o encarou desconfiado, não acreditando em nada que o Jeon lhe disse. — Por favor…

— Não, nem pagando! Jungkook, por Deus! Você não cansa não?

— Não. É sexo, como alguém consegue se cansar de fazer amor, especialmente quando se faz com alguém especial… — sussurrou. — Você me excita, é difícil controlar.

“Já escutei isso antes e sempre acabou ‘fodido’, e vai bem além do sentido literal da palavra!”, as dores em suas costas, bunda e pernas foi um lembrete da última vez que Jungkook lhe prometeu algo.

Pois o homem só queria dormir, quem sabe um pouco de paz e um descanso para as suas pregas da bunda, além de um tempo longe de Jungkook, de preferência. O namorado o esgota, afinal desde que começaram a namorar, isso há mais de dois anos era a primeira vez que recusava sexo a ele. Na realidade era a primeira vez que sentia desejo em expulsar o Jeon, mandá-lo de volta para casa.

Sexo. É a coisa que ele mais fazia desde o sábado anterior, quando o Jeon chegou aos prantos em sua casa, clamando para que ele lhe desse inspiração, para que ele finalmente conseguisse evoluir e concluir a cena hot.

Após anos de luta ele finalmente havia ganhado o papel principal em um filme, atuando como um mafioso cheio da grana, com uma aura misteriosa, com um passado sombrio, uma família desnaturada e um ar extremamente sexy; quente ao ponto de enlouquecer, de fazer com que uma sequência de pensamentos impuros surjam, junto a vontade lasciva de vê-lo sem roupa.

Jungkook, deveria ser o cara perfeito para isso, todavia ele travou. Não conseguia fazer as cenas onde a tensão sexual deveria existir, na realidade ele nem ao menos conseguiu iniciar a cena, apesar de ter se saindo maravilhosamente bem nas de ação, especialmente nas que deveria ter um dublê ao invés do ator. Um ator maravilhoso, pelo menos nas cenas de ação, na hora do “pau” ele é sempre bem disposto, mas na hora do “vamos ver”, na “hora H”, ele não consegue. Tanto que quando ficou travado recorreu ao namorado, um simples produtor, que pela primeira vez foi escalado para produzir algo para uma grande companhia de filme.

Isso foi há uma semana, quando o diretor deixou o Jeon de lado, dando um tempo para que ele ache o que precisa para fazer as cenas quentes com a protagonista, tirando a paz de Yoongi e o desgastando, levando o corpo masculino ao limite, em especial os quadris e nádegas.

— Use os dedos! A sua mão Jungkook, se masturbe e me esqueça! — Yoongi respondeu exaltado. — Porra, Gguk! Só quero um dia de descanso, o que custa ficar na mão ou me dar um descanso um mísero dia?

— Custa inspiração, o diretor me ligou, pediu para eu voltar para o estúdio, pois as cenas secundárias já foram gravadas! Yoongi, só me ajuda…

— Não, olha eu quero muito te dar inspiração, mas, Jungkook, eu ‘tô cansado. A minha coluna parece de um senhor de oitenta e seis anos, não tenho forças para fazer é nada há dias! Dias, Jungkook! Além do mais eu ‘tô com um problema lá embaixo… — completou constrangido.

— Qual?

— Olha não vou entrar em detalhes...

— Guinho-ah, estou pedindo somente que me dê inspiração. É difícil fazer a cena que o diretor pediu, não consigo fazer aquilo, é complicado… — sussurrou, chamando a atenção de Yoongi, que se virou encarnando ao namorado.

A roupa larga, o moletom cinza e a calça grossa, o dia frio veio bem a calhar, tanto que passou grande parte do dia em cima da cama, aproveitando a folga e dando desculpas ao namorado. Só quando o sol “saiu”, brilhando timidamente entre as nuvens cinzas do dia chuvoso, Yoongi, foi para o estúdio. Terminado de compor e produzir a trilha sonora para o filme que Jungkook, irá atuar. Havia entregado somente a versão demo, faltava pouco para concluir as edições, todavia o cansaço e o fato de ter passado os últimos dias dando atenção ao namorado, acabou não finalizando o trabalho.

As bolotas castanhas encaram o nada, o biquinho feito por ele chamou a atenção de Yoongi. Que respirou fundo antes de perguntar:

— O que é complicado Jungkook, por qual motivo não consegue fazer a cena com a atriz? — questionou curioso. — Jungkook, você parece um coelho transando, não cansa nunca e agora não tem coragem de tirar a blusa, deitar em uma cama e beijar uma atriz? Por Deus, Jungkook!

— Eu fico pensando que estou traindo você, aí acabo travando — confessou. — Sei que não é algo real, que só estamos atuando, mas a minha mente não aceita isso.

— É o quê que tem? Jungkook é beijo técnico, cena falsa, confio em você Jungkook! — disse tocando na bochechas gordinhas.

Puxando o para perto, fazendo-o inclinar o corpo para frente, apertando-o, antes de beijar os lábios rosados. A batida lenta, suave que deveria pertencer a cena hot protagonizada pelo Jeon.

— Por favor, juro que vai ser rapidinho — comentou ao mordiscar o lábio róseo.

Sentindo o gosto amargo do café se misturando com a canela, o sabor doce do açúcar. Yoongi, podia sentir o rosto esquentar, as pernas amolecerem, queria ceder, ir na onda do namorado, aproveitar o momento quente, entregar-se ao momento protagonizado por ambos. 

A língua que parecia envolver-se com a sua, fazendo com que a saliva acumlada em sua cavidade bucal escorre, molhando a blusa moletom, seus dedos percorreram com urgência a lateral do corpo malhado, tateando os músculos, levantando o tecido grosso, mostrando o elástico da peça íntima. Yoongi, sentiu o corpo enrijecer, seus dedos tocaram na ereção, alisando-o, queria tanto o Jeon.

“Vou me arrepender tanto disso depois.”

Entregar-se, arriscar a aumentar o cansaço, se bem que depois poderia dormir, deitar a cabeça no travesseiro sem carregar nenhum arrependimento. Mesmo reclamando, com dores e afins, ainda queria transar, terminar de estragar o que já está fodido.

Os dedos longos apalparam as nádegas do Min, apertando-as, separando e instigando-o. Yoongi suspirou, sentindo o peito arder, os mamilos sensíveis enrijeceram. A saliva misturou-se em meio a luxúria, a vontade de ficar de costas, usando a parede como apoio, tudo para senti-lo, para ter o pênis do namorado tocando em seu ponto doce. Queria entregar-se ao orgasmo, ao volume que o deixou “largo”, pois sempre que ele se aprofundava dentro de si, entrando e saindo rapidamente, fazendo o corpo do Min ir para frente e para trás.

Yoongi, queria isso! Senti-lo, esticar a entrada rosada, esse que já o recebe sem grandes sofrimento, sem gastar tanto tempo o dedando, lubrificando e brincando com o seu buraco favorito. Era só sentar, sentir o membro quente dentro de si, enquanto cavalga com mestria sobre o membro do Jeon.

“Porra, não deveria ceder, pois eu vou literalmente perder as pregas se isso continuar!”, a euforia de Jungkook tomou conta de si, como se nega algo a ele? Yoongi, não sabia mesmo se esforçando para não ceder com tanta facilidade.

— Me fode! — sussurrou, beijando-o novamente, tomando os lábios inchados, marcando-o.

— Tenho que te preparar… — afastou-se, encarando o rosto rosado.

— Jeon, não acaba com o clima, é só meter! Estou sem cueca, faça antes que eu mude de ideia! É só meter, porra!

Ditou irritado, abaixando a calça do outro, apertando o membro rígido. Masturando-o, enquanto sentia as mãos do Jeon lhe provocando.

O Min arfou ao sentir os dedos do homem invadirem o moletom, tocando em seu escroto, indo em direção às nádegas, apertando-as, antes de separá-las.

— Quero cavalgar no seu pau!

— Yoongi…

— Para de tentar me dedar… porra, já tô mais do que pronto! Já disse é só meter, só meter!

— Adoro te ouvir dizendo palavrão, é quente! Me excita, Yoongi!

Disse se afastando, empurrando-o lentamente em direção ao sofá pequeno de couro preto, este localizado na parede oposta a porta, onde as fotos com Jungkook e amigos estão penduradas.

Estava com pressa, queria fazer isso antes do seu subconsciente o advertir, lembrando-o que mima demais ao namorado. E de acordo com ele, já o estragou demais.

Livrando-se da calça moletom, mostrando as pernas marcadas. As marcas de beijo, os cinco dedos de Jungkook em suas nádegas, cintura e quadris, até mesmo as suas coxas. Estava com uma mistura de vermelho, branco e tons de roxo. Seus dedos tocaram nos mamilos eretos, brincando-os por cima da peça aquecida, puxando a pequena jóia — essa sendo fruto de uma pequena aposta —, Yoongi passou a provocar o Jeon, que seguir o esquecido primeiro conselho.

Masturbando-se, tocando no pênis ereto com firmeza, subindo e descendo, alisando a cabeça inchada, já vermelha e com o pré-gozo escorrendo.

— Mal te toquei é já está assim? — o homem de cabelos escuros questionou.

— É isso que acontece quando o seu namorado é gostoso e provoca! Mas preciso de lubrificante, não posso fazer amor contigo sem.

— Gaveta — respondeu observando o Jeon, vendo-o se masburcar.

Brincando, praticamente, com o membro ereto e os escrotos, podia ver o pré-gozo escorrer, ajudando-o a movimentar-se, a evitar machucar a pele sensível. 

Jungkook, se levantou apressado, indo até a pequena gaveta; pegando o frasco azulado no fundo, antes de voltar a se sentar. Repetindo as coisas que havia feito anteriormente, tudo para instigar ao Min.

— Jungkook, quero sentar! — choramingou, aproximando-se do Jeon, tocando no membro quente.

Jeon não respondeu, somente bateu as duas mãos em suas coxas, o chamado. Yoongi, ronronou em resposta, flexionando o joelho, apoiando-os sobre o estofado macio, passando o membro ereto por entre as nádegas, Seu corpo tremeu, saliva escorria pelo seu lábio, os dedos pequenos afastaram as nádegas, esticando o buraco do Min, abrindo o frasco azul, Jungkook o preparou.

Dedando o buraco do namorado. Esse que segurou o pulso do jovem, afastando-o, antes se subir e  direção aos dedos frios, entrelaçando-os.

— Jungkook… — gemeu ao posicioná-lo. — Fique ciente, gozou tu vai embora trabalhar, garantir o seu papel principal e o jantar que me prometeu!

— Me sinto inspirado, pois quando estiver com ela irei me lembrar de você… nossa, isso pegou mal, desculpa…

Yoongi, sentiu os olhos lacrimejarem ao colocá-lo por completo, sentando, movimentando-se lentamente, enquanto o beija, impedindo Jungkook de estragar o clima; afinal ele estava mais do que inspirado, havia passado dias longe do homem de cabelos castanhos, esse que sempre o recebe carregando uma xícara de café em mãos.

Queria que ele fosse mais fundo, para que ele o deflora-se por completo — como se não estivesse satisfeito, mesmo tendo feito isso durante uma semana, ou nem tanto, afinal não lembra ao certo o que fez. Recordar-se somente nos momentos em que ficou ao lado do namorado, beijando e entregando-se a ele. Orgasmos eram algo fáceis de acontecerem com ele ao lado.

Nem ao menos precisa se tocar, necessita somente ter Jungkook, com ele dentro de si, o fazendo ir do céu ao inferno em questão de segundos. Senti-lo mover os quadris, acompanhando-o animadamente enquanto “cavalga”.

— Está tão intenso hoje… — comentou, antes de enfiar o rosto no tórax do Min, beijando a pele clara.

Procurando pela jóia existente no mamilo direito, álcool e apostas não combinam, ainda mais quando um perde de propósito só para realizar os desejos alheios.

— Fala menos e mete mais! — rebateu ofegante, tirando a blusa de mangas, ficando nu.

Sentiu as costas doerem devido a posição, tanto que fez o Jungkook ficar com a coluna, reta. Privando-o de sugar os mamilos do Min, esse que rosnou irritado, estava fazendo amor com o namorado, com a trilha sonora da cena quente que deveria acontecer com a atriz tocando ao fundo. Deveria ser um momento de paz, de encontro com o seu lado lascivo, aquele que ama sexo, em especial sexo com o Jeon.

Com o cara que faz o seu coração acelerar. Com o seu ator, o mafioso favorito. Tanto que se julgou capaz de gozar somente o observando, vendo o rosto vermelho, os lábios convidativos e os fios grudados na testa. Na realidade podia gozar só de olhar para ele, para o homem que enlouquecer somente por existir.

Yoongi, sentiu algo quente escorrer, o corpo ficar mole, seu abdômen estava sujo, a blusa de moletom do mafioso também. Quis rir da sonolência que o abateu, ou pelo fato de ter gozado com tão pouco.

Seu quadril havia parado de se mover, estava tão cansado que nem ao menos se importaria de dormir assim, sujo e com o pau do namorado dentro de si. Pois, naquele momento Yoongi se sentia realizado.

Afinal, havia matado a saudade que sentia e dado inspiração para o seu amado “mafioso”, inspiração para concluir o seu primeiro filme atuando como ator.

[...]

PS.: o diretor mudou a cena, fazendo com que Jungkook não precisasse realizar uma cena “romântica”. Yoongi descobriu isso no dia seguinte e realizou uma greve que não durou duas semanas.

“Máfia: San Marco”, foi um verdadeiro sucesso, fazendo com que uma trilogia fosse criada. Jungkook, foi o protagonista em todos os filmes, esse que foi finalizado com “chave de ouro”, pois no dia do lançamento ele pediu Yoongi em casamento.


Notas Finais


Capa feita pela @koocolors, obrigada amora! Ficou tão lindinho, amei demais.
Vamos fingir que todo mundo percebeu que o Yoongi dormiu, gozou e puff, dormiu! Bem, é isso. Ela ainda não foi betada, mas assim que eu receber ela coloco aqui.
Obrigada por terem lido!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...