História O Marrentinho Do Hyukkie - Capítulo 1


Escrita por: e RK

Postado
Categorias Super Junior
Personagens Kim Heechul, Lee Donghae, Lee Hyukjae "Eunhyuk", Park Jungsu, Yesung
Tags Comedia, Donghae, Eunhae, Eunhyuk, Fluffy, Menção Heechul, Menção Jongwoon, Menção Jungsu, Menção Siwon, Suju, Super Fiction, Super Junior
Visualizações 126
Palavras 2.143
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção, Fluffy, LGBT, Shonen-Ai, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Segunda estória no Super Fiction! Espero que vocês gostem. Boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo Único


— Qual é, Hae — Hyukjae seguia um Donghae irritado e com uma feição não muito boa. — Era só brincadeira!

— Aham — concordou, abrindo a porta com força e fazendo-a bater na parede de gesso. — Então vai lá brincar com ele — respondeu, referindo-se ao dongsaeng abusado que passou praticamente o show inteiro alisando Eunhyuk.

— Você ‘tá sendo infantil, Hae — cruzou os braços enquanto estancava no lugar, olhando para o namorado que parecia mais uma mãe raivosa batendo em tudo que via pela frente.

— Ah, agora eu sou o infantil — colocou a mão na cintura. — Fica com o adultão lá, cacete — fez bico à medida que cruzava os braços. O acinzentado sentia as vistas arderem num chorinho de manha, pois o ciúme que sentiu e ainda sentia não estava no gibi. — Me deixa logo.

— Oh, Hae — aproximou-se rapidamente do mais novo, passando mãos pelo pescoço alvo ao mesmo tempo que os polegares faziam um carinho singelo nas bochechas. — Desculpe, uh? — selaram os lábios. — Desculpe, neném.

Fatality.

O acinzentado sabia que o moreno não resistia a carinha de choro que fazia quando queria alguma coisa. Ou quando queria fazê-lo concordar que fora um mau menino durante aquele show em questão — e Ryeowook que guardasse muito bem o pauzinho dele, porque as consequências das provocações durante a performance seriam gravíssimas.

— Não — escondeu o rosto no pescoço do maior, movendo os braços pela cintura forte em um abraço carinhoso.

Ah, neném — distribuía beijinhos no topo da cabeça do menor, achando-se um otário por gerar aquele furdunço só para Donghae ficar mordido. Em tese, ele conseguiu o que queria, porém não sabia quais resultados sairiam do pequeno em seus braços. — Desculpa.

Não — resmungou, inalando o cheirinho de sabonete, shampoo de lavanda, um perfume que nunca fazia questão de decorar o nome e o suor, mas que gerava uma mistura muito gostosinha de sentir o dia inteiro. — Talvez eu devesse fazer a mesma coisa — sussurrou enquanto beijava a clavícula do parceiro.

Nem pensar — prendeu a respiração só de imaginar Donghae devolvendo na mesma moeda. De repente aquela brincadeira de irritá-lo não era mais engraçada como imaginava. — Vamos, Hae, me desculpe.

— Por que eu deveria? — O indicador passeava pelas linhas fortes do mais velho, parando vez ou outra para massagear algum lugarzinho dolorido depois de tanta ‘palhaçada’ em cima do palco.

— Porque... — mordeu a bochecha, trazendo o rosto do acinzentado para perto enquanto murmurava uma desculpa quase perfeita. — Eu sou seu namorado e sei que errei, ‘tô muito triste por deixá-lo chateado — capturou o lábio inferior do outro, dando algumas mordidinhas.

— Hm — aprofundou o beijo, sentindo os braços do moreno o prenderem mais e mais.

— Ah, não — escutaram a voz de Jongwoon preencher a sala. — De novo essa melação?

— Chato — cantarolou Donghae ao partir o ósculo, voltando a esconder o rosto no pescoço do moreno.

— Nem parece que estavam trocando farpas e quase socos a minutos atrás — Siwon se pronunciou, lançando-se num sofá próximo ao casal. — Um pouco de ação e drama não faria mal.

— Belo amigo — grunhiu Eunhyuk. — Estou tentando garantir a minha...

— Ah! — interrompeu Heechul, mordendo uma maçã à medida que fitava seu dongsaeng. — Poupe os nossos ouvidos e a minha imaginação, eu não quero sonhar com vocês novamente — fez careta ao se lembrar do sonho particularmente erótico que teve com os mais novos depois de escutar um monólogo de como foi maravilhosa a transa deles.

— Mas você gostou — retrucou Donghae, encolhendo-se nos braços do namorado ao mesmo tempo que se permitiu rir da indignação do hyung encabulado.

— Aish, eu vou dar uns tapas em você — rosnou. — Quem sabe Kang Hodong não dá um jeito como fez com Yesung? — riu ao notar o olhar indignado do mais novo. — Não mandei você me provocar — deu de ombros, voltando a comer a maçã.

— Hyukkie — chamou a atenção do mais alto e de alguns membros do grupo. — Heechul hyung é malvado — choramingou, fazendo mais manha.

— Vou chamar o Raul — lamentou Jongwoon, gerando também mais uma careta. — Talvez uma sala separada seria legal — olhou esperançoso para Jungsu, que o ignorou devido ao celular e aos inúmeros grupos que não respondera desde o almoço.

— Não foi dessa vez, amor — Heechul gargalhou quando vislumbrou um bico chateado em Yesung. — Tenha paciência — lançou a cabeça para trás. — Será que hoje é o dia dos emburrados?

— “Não mandei você me provocar” — devolveu Jongwoon, dando risada em seguida.

— Vão ‘pra um quarto — falou Hyukjae.

— Você não está em condições de “criticar” ninguém, Eunhyuk — a voz de Jungsu marcou presença, porém sem tirar os olhos do telefone.

— Hyukkie — chamou Ryeowook.

— Ah, não — o moreno arregalou os olhos assim que o apelido carinhoso, e que apenas Donghae usava consigo, saíra da boca do mais novo. Umas risadinhas foram soltas, mas devidamente ignoradas.

— Essa eu quero ver — Siwon e Heechul se acomodaram no sofá olhando exclusivamente para um Donghae paralisado.

Bem...

O plano de provocar um ciumento chamado Lee Donghae era até que Hyukjae falasse “chega” e risse, entretanto, isso nunca aconteceu, uma vez que o acinzentado saiu marchando do palco e mandando todos para as cucuias enquanto o moreno ia atrás para tentar resolver a situação. Ou seja, Kim — abusado — Ryeowook não sabia que a pirraça havia findado.

— Ah, não — desesperou-se.

— “Hyukkie”? — repetiu Donghae, sentindo as pálpebras tremerem em um nervosismo evidente.

— Ah, não — repetiu mais uma vez, percebendo a própria respiração ficar mais rápida e um turbilhão de pensamentos inundarem seus miolos.

Salvava a própria pele ou a do dongsaeng que apenas estava cumprindo o papel que foi designado? Afinal, não havia nada melhor para se fazer que irritar um hyung estritamente enciumado pelo parceiro — algumas vezes Donghae sofria o pão que o diabo amassou nas mãos dos mais novos e ‘velhos’.

— Donghae — chamou num sorriso petrificado enquanto se afastava lentamente do mais baixo.

— Ih — Heechul soltou, voltando a comer a maçã devagar, fitando com expectativa na possível briga que sairia dali.

Quem seria o vencedor?

Donghae?

Ryeowook?

Hyukjae?

Façamos as apostas!

— Fica quieto, hyung — o moreno falou entredentes, dando um passo para trás. — Hae, meu amor.

— Hyukkie — olhou-o de soslaio em uma expressão absolutamente não satisfeita com o apelido abandonar aos lábios de Ryeowook. — ‘Tá de sacanagem com a minha cara? — engrossou a voz.

Naquele momento até Jungsu se permitira observar o espetáculo que se desenrolava diante de si. Tudo bem que não permitiria violência entre os membros — ok, possivelmente até o primeiro pedir arrego — e nem palavras muito duras — que mentira! — porque ele prezava por cada um.

E, qual é, Hyukjae pediu por aquilo! Ninguém mandou provocar o membro mais fofinho e metido a cuti cuti — e que quando provocado na medida certa faltava se transformar na forma sublime de belzebu.

— F-foi só uma br-brincadeira, amor — queixou-se, dando mais passos para longe de Donghae, tentando inclusive alcançar a porta para salvar a si e seu dongsaeng. — Ryeowook — chamou atenção do pequenino que ainda estava atrás da porta, detendo um bico e um vergão na testa à medida que pensava: “onde seus hyungs teriam se metido”. — Corre!

O baixinho enrugou ainda mais a testa, afinal de contas qual seria o motivo para meter o pé na tábua?

— ‘Tá tentando proteger esse filhote alisador de namorados alheios? — berrou, chutando uma caixa de isopor vazia para o outro lado do cômodo.

— Merda — murmurinhou Ryeowook, correndo para longe assim que escutara o barulho da caixa se chocando com a parede do cômodo. Foi erradíssimo provocar Donghae, ainda mais sabendo que ele o caçaria até o inferno se fosse possível. — Desculpa, hyung — choramingou, pondo-se atrás de alguns caixotes.

[...]

Um lábio cortado. Olhos nublados. Carrancas expostas. E um silêncio preciosamente mortal na volta para a empresa.

De um lado estava Donghae completamente mudo, de braços cruzados e querendo muito abrir um berreiro até que fosse mimado por Hyukjae; este que, até então, possuía alguns hematomas vermelhos pelos braços e uma careta de dor estampada pelos tapas que levara — mesmo quando se pôs na frente do dongsaeng numa tentativa inútil de livrá-lo da “coça” que tomaria. Do outro lado encontrava-se Ryeowook encolhidinho em um constrangimento sem fim e o beiço inferior talhado.

— Hoje foi produtivo — Jongwoon quebrou o silêncio logo que a van parou em frente a empresa, espreguiçando-se. Os orbes castanhos fitaram Hyukjae, que estava cabisbaixo e esquecido no final do veículo. — Vocês deveriam crescer.

— Falou o cara que semana passada balançou uma coca-cola em lata ‘pra estourar na cara do Heechul — soltou Siwon, parando em frente ao prédio da companhia.

— Não acredito! — exclamou o mais velho indignado, arrancando uma gargalhada de Jungsu. — Miserável! E vocês sabiam?

— Choices — retrucou Siwon.

— ‘Cê vai ver o “choices”, traidor de uma figa — ameaçou se aproximar.

— ‘Cê não faria mal ‘pra um bebê desses, certo? — indagou, oferecendo um sorriso falso e várias piscadelas, cravando o olhar na faceta de falsa fúria do mais velho.

— Ui, na lata — disse Jungsu.

— Não, foi em humano mesmo — soltou a piada infame.

— Depois dessa eu vou ‘pra casa — Donghae se manifestou pela primeira vez desde o encerramento da briga. — Até amanhã — sussurrou, afastando-se lentamente do veículo.

— Nós temos uma reunião! — o líder gritou, tentando atrair a concentração do mais novo.

— Eu sei que você vai repassar as informações no grupo do whatsapp — continuou o caminho. — Não estou com cabeça ‘pra enfrentar uma reunião, hyung — as mãos invadiram os bolsos da calça ao mesmo tempo que mantinha o semblante emburrado, afastando-se do lugar.

— Hae — soltou o ar pela boca, transferindo um olhar feio para os membros do grupo. — Eu vou deixar um olho roxo no próximo que inventar uma brincadeira dessa — expôs.

— Hyung, sem querer cutucar a ferida, mas já cutucando e girando o dedo até sangrar, você não fez nada — disse Eunhyuk, abrindo a porta de vidro e sumindo prédio adentro.

— Se o pica-pau tivesse informado a polícia sobre a briga do casal eunhae, nada disso teria acontecido — recitou Heechul, furando a caixinha de achocolatado.

— ‘Tá querendo um olho roxo, né? — semicerrou os olhos.

— Foi mal.

[...]

Já era noite quando a campainha de Donghae tocou.

Por alguns poucos segundos ele considerou ignorar para continuar assistindo ao novo episódio de “Gumball”, já que fazia quase um ano desde que terminou a quarta temporada e nada do catálogo da Netflix atualizar — que a propósito revoltou ao pequeno e até o narrador quando cancelaram umas séries aí.

— Hm — fechou os olhos, choramingando. Estava tão quentinho e em uma posição tão confortável que sair não era uma opção. — Quem é? — berrou, ignorando completamente que vivia em um prédio e possuía vizinhos.

Novamente a campainha foi acionada. E em nenhum momento o intruso resolveu se pronunciar.

— Aí, caramba — resmungou, jogando a manta para o lado enquanto enfiava os pés nas pantufas. — Não se tem mais sossego hoje em dia — deu pausa numa cena em que o Darwin implicava com o irmão. — Quem é? — perguntou mais uma vez, mesmo sabendo que a resposta era nula.

Balançou a cabeça em negação, — sabia que era loucura em abrir aquela porta, ainda mais quando não houve o comunicado do porteiro! — destrancando a entrada e deparando-se com um namorado encabulado ao mesmo tempo que segurava um urso gigante.

— Boa noite — falou, preparando-se para fechar a porta.

— Calma, Hae — impediu que fechasse a porta ao colocar o pé na frente. — Eu sei que nenhuma desculpa vai ser suficiente ‘pra melhorar o que eu fiz, eu fui muito idiota ao brincar desse jeito com você — murmurou, escondendo o rosto no urso. — Mas eu ‘tô muito arrependido, sério.

— Hm — a vontade que o acinzentado tinha de se jogar em cima do mais velho estava estampado no gibi.

— Me desculpa, meu bebê — lamentou, pondo o urso encostado no umbral da porta. — Caso queira ficar sozinho, eu vou entender. Porém, eu preciso saber se está tudo bem entre nós — encolheu-se quando percebeu que a porta não era mais um empecilho e o pequeno estava centímetros distante de si.

— Se fizer isso de novo — pegou o urso, abraçando-o. — Nem “a liga da justiça” vai salvar você — sorriu, voltando para o sofá.

— Então...

— ‘Tá tudo bem — pôs o presente fofinho ao seu lado no estofado. — Vai ficar aí a noite toda ou nem um beijinho eu ganho depois desse rebuliço? — cruzou os braços, esperando alguma reação do maior.

Os olhos se arregalaram, mas um sorriso satisfeito e tranquilo preencheu seu rosto. Nunca se sentira tão tolo por machucar Donghae — e seu dongsaeng. Ele queria apenas cuidar do namorado e enchê-lo de beijos até que cansasse.

— Vem cá, Hyukkie — Donghae o chamou para um enlace, ficando todo bobinho quando sentiu os dígitos do outro em seu cabelo e inúmeros beijinhos em sua bochecha. — Hm — exibiu um sorriso enquanto fechava os orbes.

Uma áurea de amor atestou perfeitamente o cômodo, levando-os a respirarem fundo à medida que se acomodaram numa posição gostosinha. Ainda bem que o dia chegara ao fim e com um finalzinho muito tenro — exceto quando Donghae recitava umas ameaças para Hyukjae, caso isso viesse a se repetir.


Notas Finais


<3

// Capa por @RK e betagem por @DAMETUALM4 e @Hannlice <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...