1. Spirit Fanfics >
  2. O medo - Asheiji >
  3. Um

História O medo - Asheiji - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Um


"Você sabe como funciona a beleza de uma flor? A distância é a resposta certa, flores são frágeis, delicadas, se tocar elas com força ou sem jeito as pétalas se soltarão e vira a acabar com a vida e a beleza dela, se a arrancar para levar para casa e observar sua beleza, ela morrerá, nunca pude entender como as pessoas destroem aquilo que acham belo, as vezes se deve só preservar mantendo a distância e apreciar a beleza sempre...

Aquele rapaz... O de cabelos negros como a noite... Ele é a minha flor." – Ash Lynx

Ash Lynx é o diretor executivo de uma companhia de seguros, todos os dias ele faz o mesmo percurso para a sua casa, ele caminha dois quarteirões até seu apartamento solitário, no meio do caminho abriu uma academia de dança, o loiro nunca teve interesse nesse tipo de coisa então ele nunca perdia seu tempo olhando suas vezes pela academia de gigantescas janelas de vidro para que pudessem observar os passos de danças do alunos.

Mas em algumas semanas atrás algo chamou atenção do jovem diretor executivo, um jovem de belos cabelos negros dominava a aula em questão, seus passos de dança era tão sútil, tão doce, tão gracioso, que os olhares do loiro foram atraídos como imã, jovem mexia todo seu corpo com tanta naturalidade que os olhos de Ash não conseguiam desviar... E durante dias essa foi sua rotina.

O loiro pegava sua maleta, saia do trabalho, parava diante da janela para observar os belos passos de dança do moreno, aquele jovem se entregava tanto a sua dança que nem reparava os belos olhos verdes sobre ele, então ao fim da aula, ele ia até seu apartamento ajeitar seus relatórios para o dia consecutivo.

Essa manhã em especial parecia ter começado errado, Ash saia as pressas do apartamento com um pão de forma entre os dentes e encaixando os sapatos nos pés.

– Acordou atrasado hoje hein... - Jessica a vizinha de seu lado esquerdo dizia com tom brincalhão.

– Bom dia tia, como vai o coroa? - Ash mordia o pão, enquanto a moça se aproximava ajeitando o terno e sua gravata.

– Dormindo, Max sabe fazer outra coisa? - tom dela parecia bravo mas ainda repleto de carinho. - Venha jantar conosco hoje, meu bem.

– Claro, não aguento mais comer comida congelada. - Loiro acenou enquanto comia seu pão indo até o trabalho, ele correu tanto que chegou no trabalho perdendo o fôlego.

– Está atrasado. - Golzine o olhava sério. - Esperava mais do meu herdeiro.

– Desculpe... - Ash passou a mão na nuca, a presença daquele homem sempre o deixava incomodado e desconfortável.

– É assim que trata seu pai? - O homem estendeu a mão para o jovem.

– Desculpe... Pai. - Ele não conseguia esconder a repulsa na voz, ele odiava aquele homem, cada átomo do corpo dele sentia nojo.

– Beija a mão do seu pai. - Golzine permanecia com a mão estendida.

– Não... - Ash ergueu as sobrancelhas. - Sinceramente, vai se foder, enfia essa empresa no seu cu, seu arrombado de merda. - O loiro saiu pela porta e foi parado por dois seguranças.

– As coisas não funcionam assim Ash, você é meu... Meu filho e amante até eu dizer que não quero mais... Não seja um menino rebelde, vá para a sua mesa, e faça um bom serviço na empresa que será sua um dia. - O homem dizia com um sorriso maldoso.

O jovem voltou para sua mesa, passou os braços por tudo e derrubou os objetos no chão, ele estava ofegante, irritado, enojado, nem se quer sabia distinguir todos aqueles sentimentos que o preenchiam.

– Hey amigo! - Shorter se aproximou. - Você parece irritado, quer sair pra beber?

– Não posso, prometi a Jessica jantar com ela, Max e o pequeno. - Ash começou a arrumar sua mesa com os objetos que havia jogado no chão.

– Vou com você então, faz um tempo que não os visito... Cara você precisa tomar uma atitude sobre isso. - Shorter moveu a cabeça apontando para os seguranças.

– Se eu pudesse já teria feito... Se eu ainda fosse de menor poderia denunciar ele de pedofilia, mas eu já completei 18 anos, não é como se eu não pudesse me defender... - O loiro apoiou a testa na mesa dando leves batidas.

– Não tem como provar que ele é um pedófilo desgraçado? - O de moicano dizia para o amigo.

Foi como se uma luz acendesse na cabeça do jovem. - Vamos conversar sobre isso depois, aqui não é um bom lugar, me encontra em frente aquela academia de dança.

– Ok. - Shorter piscou e voltou para sua mesa.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...