História O Medo Da Vida - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama
Visualizações 2
Palavras 1.255
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Linguagem Imprópria, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá, só quero deixar alguns avisos.
Essa história não é real, é apenas retratada pelos personagens.
Se tem problemas emocionais não leia.
Não quero magoar ninguém com as histórias.

Agora aproveitem o primeiro capítulo

Obg ♡

Capítulo 1 - O soldado


Os humanos sempre tem medo de mim, e isso eu acho uma pena, eles não sabem porque eu tenho que leva-los.
Você constrói seu próprio caminho na vida, quando você faz coisas boas, no final do seu caminho você terá um bom descanso. Caso contrário eu nem preciso explicar.

Hoje, a história que irei acompanhar é de um soldado.
Seu nome é Hunter, de 29 anos, tem uma esposa linda que infelizmente irá deixar pra trás.
Hoje mesmo sua esposa que está chorando, esperando que ele volte para entregar uma carta, a carta que muitas famílias temem. A convocação para a guerra.
Ao chegar em casa, e sua esposa a entregar a carta, ele apenas olha para ela em silêncio, porque sabe que  seu futuro esta em risco, "vai ficar tudo bem" ele diz a ela com um sorriso em meio de lágrimas.
Ao se acalmarem ambos vão para cama juntos, ela dorme, mas ele não, ele passa a noite olhando para a janela, pensando se ele irá ou não voltar para casa e poder abraçar sua esposa, mas apenas eu posso decidir seu futuro.

Em seu dia de despedida, eu observo seu último momento com sua esposa,  ele a abraça e olha para sua casa, se perguntando quanto tempo irá demorar para que possa voltar novamente. E infelizmente, sua esposa não sabe que a vida está acompanhando ela. No final, a morte irá com o marido e a vida ficará com a esposa.

Infelizmente para muitos homens, a guerra é o lugar onde a vida se esconde atrás do medo.
Na guerra, os homens correm e se escondem de mim, eles sabem que ao qualquer descuido eu posso encontra-los, e infelizmente para sua família, nosso soldado foi atingido.
Com dificuldade ele é levado às pressas aos primeiros socorros. Deitado em uma maca, os homens correm para salva-lo, mas enquanto eles apenas correm para salvar uma vida, eu preciso apenas caminhar em sua direção para leva-la.
Com um ferimento grave em seu peito, seu sangue se derrama sem controle para fora de sua ferida, o que permite que eu possa me aproximar de forma que ele possa me ver. Ele me olha surpreso e com medo, e como eu disse antes, isso é uma pena, a única coisa que irei fazer é livra-lo desse sofrimento e guia-lo ao seu descanso.
Mas em toda história tem um estraga prazer.
A morte, é apenas um esqueleto de manto escuro que carrega um foice. Essa é a aparência que os humanos nos dão. Mas ao mesmos olhos, qual seria a aparência da vida? Uma linda mulher de manto branco que carrega uma espada talvez? Se for assim, então assim será sua na minha história.

A vida decide interferir na minha missão. Ela tenta me empurrar para longe, mas apenas tenta, é assim que os humanos passam pela briga da vida e da morte. A mais forte vence. Mas quando a vida luta por você, ela só pode usar as únicas forças que te restam, o que para mim é um problema, não tão fácil levar a vida de um soldado.

- Ele levou um tiro no peito, o ferimento não irá sarar. Se afaste e deixe que eu o leve para seu descanso, assim ele não sofrerá! - infelizmente, minhas palavras não fazem diferença na maioria das vezes, a vida não desiste tão rápido.

- Apenas um tiro no peito não é um motivo para que o leve! Ele ainda tem muito que viver, você não tem esse direito. Se afaste dele, para que ele ainda tenha sua última chance. -

A morte e a vida não são tão diferentes uma da outra, ambas não gostam desistir.

Enquanto lutamos, nosso soldado se encontra na "beira da morte" como os médicos dizem. Eles fazem de tudo para o soldado ficar acordado e não fechar os olhos, o que dá forças para a vida, mas o sangue que se derama sozinho me dá uma vantagem.

- Por favor, eu não quero morrer.. eu preciso voltar pra casa! - diz o soldado.

Suas palavras de misericórdia me fazem pensar se realmente devo leva-lo, afinal os humanos carregam sentimentos que os fortalecem, eles não podem ver, mas sentimentos como o amor são os mais fortes entre eles.

Depois de horas lutando, eu derrubo a vida, e nosso soldado desiste. Nessa hora se encontra seu último suspiro, aquele que o trás para mim.
Ao puxar sua alma eu espero que ele abra seus olhos sozinhos, para que assim ele possa decidir para onde seguir.

Ele abre seus olhos, e se assusta ao me ver.

Como todos que eu já levei, ele fica confuso, com medo... olhando em volta procuram uma porta ou alguma saída para não olhar para mim, mas infelizmente para ele, eu sou seu único caminho agora.
 
Depois de se acalmar, e olhar para mim, vejo em seu olhar que tem muitas dúvidas, e quer saber se isso está realmente acontecendo.

- Não tenha medo. Estou aqui para te guiar -

- Se afaste de mim!... me leve de volta à vida! Eu não quero morrer!! - diz o soldado.

- Sinto muito, mas não posso leva-lo de volta. -

- Como não!? Você me trouxe aqui! agora concerte o que fez! -

- Raiva... -

-... o que? -

- o sentimento que brilha de sua alma é raiva... -

- você vê sentimentos? - pergunta o soldado olhando para si mesmo confuso.

- vejo, mas conheço poucos. Raiva, tristeza, vazio, medo e saudade -

- você não os sente? -

- Eu não sei. -

Ele fica em silêncio, e finalmente se aproxima de mim.

- por que não posso voltar? -

- por que apenas a vida pode te levar de volta -

- e onde ela está? -

- longe de você -

- eu quero voltar - ele insiste.

- já disse que não posso -

- Então eu voltarei sozinho -

- se tentar voltar sozinho sua alma se perderá -

Ele tenta achar várias soluções mas minhas respostas apenas o aborrecem. Eu converso com ele por muito tempo para que aceite sua morte, mas ele me lembra que tem sua mulher e que tem uma família, mas eu não o entendo.
Quando ele finalmente aceita eu o levo para seu caminho, aquele que você vê sua vida. Ele se a vê desde pequeno, até agora. O humanos dizem que depois da vida existe um céu e um inferno, mas eu não nos vejo... imagino que eles ficam no final do caminho, porque nem eu nem a vida sabemos o que fica no final, mas eu torço para que seja seu descanso.

Ele anda ante que some da minha vista. A história de sua vida se torna uma jóia, que brilha como uma estrela. Isso significa que ele irá descansar agora.

A melhor parte para mim, é levar a vida para o céu, não o que os humanos falam, o céu que está que todos podem ver, o céu que a lua ilumina.

Eu levo a jóia de Hunter para o céu e a coloco junto a outras estrelas, para que sua história possa brilhar e ser guardado para sempre. E mesmo que se apague seu brilho possa lembrará  a todos que o conhecia que ele ainda estará lá para aqueles que ele amava.

De noite, as estrelas que iluminam o céu, mas de dia a vida as cobre para com que aqueles que tiveram uma perda possam ver que existe um novo amanhã para elas.


Notas Finais


Obrigada por ler até aqui
Espero que tenham gostado

Até o próximo capítulo ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...