1. Spirit Fanfics >
  2. O Medo de se perder >
  3. Capítulo 2: Trabalhando com possibilidades

História O Medo de se perder - Capítulo 2


Escrita por: GraceSmith209

Notas do Autor


Atenção: Além de ter spoiler dos dois recentes filmes, envolverá palavrões, momentos perturbadores e violência. Que esteja avisado.

Caso tenha chegado aqui de paraquedas e está totalmente perdido, recomendo que leia o capítulo anterior.

Capítulo 2 - Capítulo 2: Trabalhando com possibilidades


Sᴇɢᴜɴᴅᴏ ᴄᴀᴘɪᴛᴜʟᴏ: ᴛʀᴀʙᴀʟʜᴀɴᴅᴏ ᴄᴏᴍ ᴘᴏssɪʙɪʟɪᴅᴀᴅᴇs


_________________________________________________________________________

Atenção: Além de ter spoiler dos dois recentes filmes, envolverá palavrões, momentos perturbadores e violência. Que esteja avisado


Caso tenha chegado aqui de paraquedas e está totalmente perdido, recomendo que leia o capítulo anterior.

_________________________________________________________________________


Após isso o pequeno grupo percebeu que os garotos estavam agindo de uma forma diferente, seus olhos estavam brancos e sem vida, até parecia que suas almas tinham sido roubadas só deixando o vazio de suas mentes, com isso Ben se aproxima deles estalando os dedos ao redor dos seus rostos, eles não esboçaram nenhuma reação, todos ficam assustados com aquilo, quebrando o silêncio Celina dar algumas risadas e bate no ombro do jovem e diz:


— Ah gente relaxa, é pegadinha deles olha


Ela se vira para frente deles, segura ombro de Bill dizendo com um sorriso:


— Vai Bill deixar de graça o meu, isso não tem graça meu!


Finn ficou irritado com aquela atitude dela, Com isso em mente ele se aproximar dela gritando:


— Para com essa porra Celina! você tá vendo que eles não estão bem e mesmo assim fica fazendo essa merda!


— Foi mal Finn, só queria descontrair um pouco as coisas...


— Mas não tá ajudando em porra nenhuma! 


Ângelo vendo aquilo coloca a sua mão no seu rosto e arrasta devagar, com um olhar de indignação com a discussão, com isso a interfere falando:


— Pelo amor de Jesus Cristo parem de ficar brigando por bosta! Temos que pensar em alguma maneira para tirar essas criaturinhas de Deus desse.... Desse troço ai! né Elie?


Ela estava imóvel, olhando em direção da árvore que aquela moça havia desaparecido, tentando entender não só como ela fez aquilo, mas como deixou os perdedores daquela maneira e qual seria a conexão dela com a sua ida indesejada a Derry, Durante o tempo que passeava em sua própria mente, escuta:


— ELIE! 


Com isso ela volta para a realidade, vendo Mike ao seu lado e os outros olhando para a mesma, assim deu um sorriso de canto, revelando:


— Acho que tenho uma ideia de como trazê-los de volta ao normal


Nesse meio tempo, Uma garota com cabelos ruivos brilhantes, olhos azuis como lápis lazúli e com uma aparência adorável, caminhava em direção a sua casa carregando em algumas sacolas de compras que teria acabado de fazer, no entanto ela ver uma trilha de sangue seguindo na direção de uma caçamba de lixo que se localizava próximo de uma rua sem saída, seu coração disparar de ansiedade, seus olhos arregalam um pouco, olhando para os lados percebendo que ninguém estava dando a mínima atenção para aquilo, estranhando isso decide continuar seguindo o seu caminho até que escuta uma voz de uma criança vindo de lá, implorando por ajuda, ouvindo isso a mesma estava mais assustada se aproxima um pouco e diz;


— Ei, aguente firme, eu vou chamar ajuda.


— Por favor não me deixe sozinha, ele vai  me achar, por favor me ajude! 


— Quem vai te achar?


— O  palhaço… por favor me ajude moça, eu estou com tanto medo… Por favor moça me ajude! 


Vendo o desespero da pobre garotinha, ela caminha seguindo aquela rota de sangue, se aproximando cada vez mais dele, entrando cada vez mais fundo naquela beco frio, escuro e caligem como uma madrugada sem nenhum áster e sem nenhuma iluminação, chegando perto do grande balde de lixo, ver uma silhueta de uma garotinha a 15 passos de distância, percebendo isso a garota diz:


— Você chegou! Obrigada moça


— Vamos… procurar os seus pais e depois comunicar a polícia, pode vir.


A Silhueta da pequena e frágil garotinha se desfazia de acordo com  a quantidade dos passos que era feito, se mostrando a sua verdadeira forma, na qual era de uma mulher magra com cabelos ressecados, olhos claros com uma pele branca e estava completamente nua, além disso em seu corpo estava com feridas graves e hematomas horrendos, tendo também sangramentos na sua boca e em sua parte íntima, essa criatura gritava e gemia de dor a cada passo, a jovem vendo isso grita aterrorizada com a cena que estava vendo em sua frente, ela imediatamente tenta correr para fora do beco, contudo a coisa a pega com a sua velha e ferida mão, a agarrando em seu pescoço e a colocando perto do rosto, gritando ainda mais alto, a jovem pega um canivete que estava nas compras e apunhalar no rosto, fazendo soltá-la e caindo no chão, enquanto gritava de dor e tentava tirar do seu rosto, ela se levantou e começou a correr para fora do beco, sem saber a sua própria direção, pois estava sendo movida pelo medo e desespero junto com a sensação de ansiedade com diversos questionamentos em sua mente, tudo isso levou ela entrar em outro beco, contudo lá estava um grupo de jovens tentando apartar uma briga.


— Vai se fuder seu merda! eu te ajudei a tirar você daquela merda de transe! Me solta logo Ângelo pra arrebentar a cara desse bosta.


— Pra vocês se matarem? nem fudendo Elie! É sério, vocês são muito infantis.


— Vo-você na-não tinha que f-fazer aquilo! 


—  É Sério Bill já chega, essa briga não vai ajudar em nada! Temos coisas mais importantes para fazer.


— É isso ai Eds 


— Não me chame assim Richie!


— Ah qual é gente esse barraco tava mó bom! Vocês são chatos, viu?


— Para quem só está observando está ótimo.


— Tudo isso só porque ela jogou um balde d'água neles, em que mundo isso é uma briga séria?


— Hum Pelo menos daria uma boa porradaria.


—  Ah Oi moça! O que aconteceu? porque está tão assustada?


Perguntou Celina se dirigindo a jovem ruiva que estava escorada na parede do bequinho, respirando de forma ofegante, enquanto os outros ficaram sem reação quando perceberam finalmente a presença dela, Com isso aos poucos paravam de fazer o que estavam fazendo, no entanto Elie depois de ser solta por  Ângelo vai em direção a garota perguntando ansiosamente: 


— Você foi atacada pelo palhaço não foi? ou pelo menos por uma de suas ilusões?


— Como... você sabe disso?


— Ah sabe, foi ele que me trouxe aqui para essa, sem ofensa, Cidade de merda junto com os meus amigos aqui, aqueles 3 especificamente.


A Mesma aponta Finn, Ângelo e Celina que junto com os outros estavam as observando, após isso continua:


— Não sei dizer se o restante foi atacado pela coisa, mas por mim e por aqueles três ali, posso confirmar isso.


Billy então com suas dúvidas e questões, faz a seguinte pergunta:


—  En-Então a-aquele "Transe" fo-foi u-um ataque de-dessa coisa?


Stanley escutando aquilo logo a questionou assustado, usando a razão ao seu favor:


— É sério que vocês acreditam nisso?


Eliza então os respondem, mas não era o que esperavam ouvir vindo dela, afinal de contas, mal a conheciam pessoalmente:


— Sinceramente nem sei explicar o que foi aquilo mas... não acredito que tenha sido coisa do palhaço, mas sim daquela mulher...e só para deixar claro, se essa suposta criatura não existessse eu não estaria aqui para início de conversa! 


Celina a repreende dizendo em seu tom humorístico e otimista: 


— Gente calma ai, tá legal? Perdoe a atitude da minha amiguinha, ela pode ser um pouco dura e grossa as vezes com as pessoas, acho melhor eu explicar as coisas, basicamente essa criatura nos capturou e trouxe a gente pra cá, então nós formos tentar achar respostas contudo formos perseguidas pela polícia, já começou bem! então fui entrando na escola e foi lá que fui atacada pela coisa, tán rá! 


— Carai celina, belo resumo ein mas enfim, talvez se a gente unisse forças poderíamos descobrir mais sobre esse troço ai.


Eliza estende a mão na direção de Billy declarando, com a mão um pouco tremida por conta da ansiedade:


— Olha vamos fazer o seguinte, a gente esquece e supera essa briga de merda que a gente estava tendo e também sinto em dizer que só estava tentando tirar não só você mas os seus amiguinhos daquele negócio, Após isso vamos unir forças, se claro o seu grupinho ai estiver de acordo, afinal de tudo todos que estão aqui sem ofensa, são jovens otários vítimas da coisa e... talvez só acabando com a coisa a gente consiga voltar pra casa e vocês conseguirem voltar as suas vidas normais.


Billy então se fica em silêncio pensando nessa proposta enquanto olhava para os membros do seu grupo.








Notas Finais


Caso tenha gostado, Acompanhe o lançamento dos próximos capítulos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...