1. Spirit Fanfics >
  2. O Melhor Amigo Do Meu Irmão >
  3. Segunda Feira Muito Louca

História O Melhor Amigo Do Meu Irmão - Capítulo 20


Escrita por:


Notas do Autor


Boa Noite mores, espero que gostem desse cap 💜

Boa Noite ♡

Capítulo 20 - Segunda Feira Muito Louca


pov's james

Fui em direção ao ginásio na espera de encontrar algum dos meus amigos, que ultimamente andam limitados, cheguei verificando que estava completamente vazio como o esperado, me sentei em uma das arquibancadas próximas do vestiário, tive a sensação de estar sendo observado, mas isso acontece com muita frequência para ser sincero, as meninas dessa escola são estilo psicopata que ficam me seguindo o tempo todo, se bobear elas me seguem até o banheiro, lembrando que se foi a época em que eu levava as meninas para o banheiro.
Tomei um susto ao ver Bethany sentada ao meu lado, nem sequer notei quando ela havia entrado no ginásio quanto mais sentado do meu lado, seus cabelos negros estavam soltos e batiam na cintura, ela usava uma saia curta e apertada definindo as suas curvas e para piorar ainda usava uma mini blusa em que podíamos ver o seu sutiã azul, procurei olhar diretamente para os seus olhos, não quero dar motivo de certa ruiva me bater até a morte. A morena deu um sorriso malicioso para mim enquanto os seus olhos pareciam querer me comer vivo.
– Oi Jay. – Disse Bethany, suas mãos faziam uma linha do meu ombro até o meu queixo, afastei o meu corpo do dela apenas para prevenir, mas Bethany estava bem disposta a conseguir o que queria hoje.
– O que foi Beth? – Perguntei passando as mãos no meu cabelo de maneira frustrada, a ideia de ter ido estudar química com os outros não me parece tão mal agora, eu já estava começando a me estressar, tenho muita facilidade para isso. Ao longo dos anos nunca fui grosso com nenhuma mulher porque todas elas eram “comestíveis”, só uma sabe o quanto sou insuportável. Bethany fez biquinho e se aproxima novamente, seus olhos brilhavam de tanto desejo, me fulminavam, eu já estava começando a ficar desconcertado.
– Você está estranho. Fiquei tão feliz quando descobri que você e a Hanna tinham terminado no acampamento, mas o que eu recebo? Você sendo frio e não me tratando com a devida atenção que eu mereço. – Bethany disse com uma voz melosa, ODEIO menina melosa, revirei os olhos diante do seu discurso.
– Eu preciso de um tempo sozinho.
Bethany prendeu a risada e me olhou como se eu estivesse fazendo uma piada, ela colocou a mão na frente da boca apenas num gesto dramático para então explodir em gargalhada.
– James Overstreet quer um tempo sozinho? – Bethany analisou as suas palavras e em seguida voltou a rir descaradamente. – Isso é algum tipo de piada?
– Bethany em nome de tudo ou de quase nada que já tivemos, esqueça! Vai crescer e parar de colocar tanto silicone. – Eu disse com raiva, Bethany me olhou com a expressão misturada em raiva e surpresa, eu nunca havia sido grosso e nem frio com ela, acho que as mulheres ao meu redor vão começar a ficar surpresas comigo.
– Você voltou com aquela vagabunda não foi? – Bethany se referia a Hanna, e todas as vezes que reclamei de Hanna dizendo que ela era a pior mulher que eu havia conhecido, maior blefe! Bethany está no topo das mais irritantes, ela nem sequer gosta de mim, é pelo simples desejo de ter tudo o que Hanna já teve, outra coisa ODEIO mulher mimada. – Eu não quero esquecer porra nenhuma! Eu quero você.
– Você voltou com aquela vagabunda não foi? – Bethany se referia a Hanna, e todas as vezes que reclamei de Hanna dizendo que ela era a pior mulher que eu havia conhecido, maior blefe! Bethany está no topo das mais irritantes, ela nem sequer gosta de mim, é pelo simples desejo de ter tudo o que Hanna já teve, outra coisa ODEIO mulher mimada. – Eu não quero esquecer porra nenhuma! Eu quero você.
– Vai ficar querendo! Entenda que eu não te quero mais! Nem você e nem nenhuma vagabunda, agora se dê ao respeito e saía daqui enquanto eu ainda não dei umas tapas na cara. – Resmunguei, dirigindo o meu olhar para o outro lado da quadra, eu não precisava olhar para saber que Bethany não iria se deixar abater, mas mesmo assim no fundo estava surpresa e um tanto decepcionada, não que isso me incomodasse afinal partir o coração de mulheres que não sinto nada nunca foi problema para mim, principalmente as vagabundas.
– Você vai voltar se arrastando, James. E não me importo se você está com Hanna ou qualquer outra, porque você vai ser meu. – Disse Bethany descendo as arquibancadas rapidamente, seu salto alto fazia um som irritante enquanto ia embora
Soltei um suspiro cansado sabendo que ela não iria desistir tão fácil, isso que dá nascer perfeito. Cory saiu do vestiário ao lado de Hanna e não pude evitar uma risada ao perceber que eles haviam feito sexo no vestário, Cory colocava a camisa enquanto Hanna limpava a maquiagem borrada, meus dias de putaria se foram. Encenei uma tosse falsa para eles me notarem, ambos olharam na minha direção com um olhar assustado, Cory pareceu aliviado enquanto Hanna me fitava com raiva.
– Muito bonito. – Eu disse batendo palmas e finalmente ganhando a atenção dos dois, apoiei o meu corpo na escada de cima da arquibancada, os dois se aproximaram envergonhados.
– Você não tem nada melhor para fazer? – Perguntou Hanna com raiva, a loira se sentou ao meu lado enquanto Cory ficou em pé na escada de baixo.
– Não. É legal ver o rosto das pessoas pós-transa. – Eu disse com um sorriso zombeteiro, Cory começou a rir junto comigo.
– Você não muda mesmo. – Disse Hanna balançando a cabeça. - Fiquei sabendo da festa de ontem, tenho minhas informantes. –Hanna piscou para mim.
– Dylan está de olho mesmo na Kat. – Disse Cory me provocando. Apenas ele e Hanna sabiam de mim e de Katherine. - Você tem um concorrente.
– Merda nenhuma! – Gritei. Já podia sentir o ódio circulando por todo o meu corpo, sou tão instável, mas as vezes não consigo explicar e já estou explodindo.
– Se acalma esquentadinho! – Cory colocou os braços nos meus ombros de modo confortador. Levantei-me imediatamente da arquibancada e sai sem nem dar tchau, os dois já estão acostumados com os meus surtos, todos estão na verdade, apesar de fazer muito tempo que eu não desapareço por 3 ou mais dias, quando simplesmente quis fugir da minha vida e dos meus problemas, agora não vejo mais necessidade de fugir para uma cidade vizinha ou para um local perigoso, eu tenho ELA e não vou deixar ninguém me tirar o que tanto um dia quis, a minha paz. Andei pelos corredores, finalmente chegando no corredor da nossa sala, Katherine estava andando distraidamente enquanto sibilava alguns assuntos em que lia do seu livro, seus óculos caiam para frente dos seus olhos, enquanto a sua franja queria escapar da sua trança, ainda assim era a mais linda.
Logo atrás estava Jack e alguns meninos do time de basquete, um deles apontou para Katherine e em passos rápidos demais Jack empurrou Katherine que caiu de cara no chão, senti o meu sangue ferver de raiva e me aproximei de onde eles estavam.
– James! – Gritou Jack com um sorriso animado a me ver. – Estamos nos divertindo com a nerd, quer participar?
Sem dar muita importância para o garoto, me abaixei e ajudei Katherine a se levantar e organizar o seu livro junto com as suas anotações e seus lembretes, aparentemente ela não estava machucada.
– Que isso, James? – Perguntou Jack chocado, mas eu não prestava atenção naqueles idiotas, só queria saber se ela estava bem afinal no seu rosto parecia que nada tinha acontecido.
– Você está bem? – Perguntei tocando o seu rosto delicado.
–Estou ótima. – Disse Katherine dando de ombros. – Tudo bem James, isso é normal, você sabe. – Meu estômago se retorceu, não por aqueles idiotas mas sim porque aquele “você sabe” ficou ecoando na minha mente e se repetindo diversas vezes, realmente eu sabia MUITO bem, humilhei Katherine diversas vezes e hoje as lembranças de que fui um perfeito idiota estavam aqui para me assombrar.
– Isso não pode ser normal! – Eu esbravejei, mas Katherine olhava a situação com indiferença como se já estivesse acostumada com aquilo, e realmente estava, mas era algo para se tomar providências. Claro que sempre busquei chateá-la e muitas vezes fui um idiota, mas partir pra violência é incorreto. – Eu juro que se isso voltar a acontecer, vocês estão mortos, entenderam? – Olhei com ódio para os garotos, Katherine se escondeu atrás de mim.
– Tá defendendo ela agora?
– Isso não importa, mas se prepare porque eu não vou ter piedade da próxima vez e acredito que o Derek também não vai ter. – Eu disse.
– Aproveita e fala para ele todas as vezes que você fez a mesma coisa, idiota. – Disse Jack, a raiva me subiu novamente a cabeça e dessa vez não me controlei, acertei um soco no maxilar de Jack, senti as mãos de Katherine apertarem o meu ombro em um sinal para eu parar.
– Não vou perder meu tempo com você. – Assim que virei de costas encontrei o diretor me olhando com raiva, fudeu.
– Minha sala agora, Overstreet. – O diretor disse o meu sobrenome com nojo, que velho nojento. Segui-o até a sua sala, várias fotos da família dele decoravam a mesa de madeira, com passos lentos o velho se sentou na sua cadeira, em seguida cruzou os braços exigindo uma explicação da minha parte. Dei o meu melhor sorriso cínico enquanto ajeitava a minha jaqueta de couro. – Sente. – Ordenou o diretor. Me sentei de forma desleixada na cadeira, aquela não é a primeira e nem seria a última vez que venho para a diretoria, portanto sou de casa.
– Foi aquele idiota que começou.
– Então pode me explicar porque apenas ele estava machucado? – Perguntou o diretor arqueando as sobrancelhas, passei a língua ao redor de toda a minha boca tentando ir atrás de alguma justificativa. – Finalmente vou poder expulsar você.
– O senhor não pode me expulsar! – Praticamente gritei, eu estava definitivamente muito ferrado. Antes que o velho me respondesse a porta é aberta abruptamente por Katherine, suas bochechas estavam vermelhas, ela odiava receber atenção ainda mais quando fazia algo de errado como agora.
– Eu sei o que você vai fazer, mas vou expulsar esse delinquente, senhorita Fields! Já aguentei muito. – O velho explicou para Katherine que assentiu com a cabeça, parece que os dois já haviam discutido bastante sobre as minhas “travessuras”. E mais uma vez eu estava sendo protegido e defendido por Katherine, sinto o poder da nerd.
– Mas isso seria injustiça! Ele estava apenas me protegendo do Jack, o senhor sabe como são as pessoas comigo. – Katherine falava baixinho, já podia sentir o velho tocado e mais sensível só de conversar com ela, o diretor gemeu frustrado, o sonho dele é me expulsar.
– Você quer que eu acredite que esse delinquente te ajudou? – O diretor apontou a sua caneta para mim enquanto olhava descrente para Katherine, talvez nem eu mesmo tivesse acreditado.
– Exatamente. – Katherine disse ajeitando os seus óculos. – Além de que seria muito motivador o James participar do grupo de matemática da escola. – Katherine tinha um sorriso maligno no rosto, meus olhos imediatamente saltaram das órbitas.
–Nem morto! – Gritei.
– É isso ou vai ser expulso! – Disse o diretor com o mesmo sorriso maligno de Katherine, me vi em um beco sem saída.
– Aceito. – Murmurei ainda descrente que eu iria participar. O diretor deu um olhar entusiasmado para Katherine, isso só pode ser castigo.
– E está suspenso por uma semana. – Assenti com a cabeça e me retirei da sala já imaginando a raiva do meu pai quando ele descobrisse. Estava sendo seguido o tempo todo por Katherine, podia sentir seus passos calmos e silenciosos.
– Esta com raiva? – Sua voz fina me desperta, noto que já estou perto da sala em que vai ocorrer nossa prova, provavelmente todos já estão lá, olhei para Katherine e pude ver seus olhos verdes clamando para que eu não estivesse com raiva, Katherine parecia tão pequena e tão miúda, apenas parece, ela era uma muralha, você nunca vai conseguir ultrapassar ou ser maior.
– Não, mas acho desnecessário participar de algo assim. – Eu disse, Katherine estava de cabeça baixa o tempo todo, seus lábios estavam vermelhos em uma linha reta.
– Ele não ia deixar você sair daquela sala sem uma punição, e achei que seria divertido passar mais tempo juntos, além das suas notas melhorarem, mas tem razão, foi uma péssima ideia. – Katherine suspirava ao final de cada frase, para mim aquele era um excelente teatro para me convencer a participar, mas eu estava caindo perfeitamente nele, eu queria cair.
– Não! – A puxei pelo o braço antes que pegasse o rumo da diretoria novamente. – Você tem razão, pode ser legal. – Katherine abriu um sorriso largo, totalmente ingênuo e empolgado para poder estudar comigo. – Vamos.
A sala já estava pronta para o inicio da prova, todos sentados em suas respectivas cadeiras, apenas a primeira cadeira e uma do fundo estavam vagas, uma minha e a outra de Katherine.
– Atrasados, mas vou perdoar, entrem! – Disse a professora de química, tenho certeza que se tivesse chegado sozinho nunca que aquela mulher iria me deixar fazer a prova, os professores e os funcionários da escola só faltam se reunir para exigir a minha expulsão, nem sou tão mal assim. Os olhares de todos os alunos pousaram em algo a baixo de mim, então fixei o meu olhar em minhas mãos entrelaçadas com as de Katherine que parecia extremamente frágil unida a minha, nos separamos rapidamente e cada um seguiu para o seu lugar.
– Lembrando que é proibido colar. – Disse a professora esclarecendo o óbvio, mesmo que ninguém escute. Acabei colando de Derek que acho que consegue tirar pelo menos um 7. Olhei ao redor e restava apenas eu e Jason na sala, entreguei a minha prova e dei uma piscadinha para a professora antes de sair afinal também tenho que garantir algum ponto extra.
– Estou tão nervosa, mas acho que fechei. – Escutei Natsumi dizendo para Katherine, Kurt e Alec. Fui puxado pela gola da camisa até um local sem pessoas, Derek me fitava furioso.
– Que porra foi aquela com a minha irmã? – Derek estava rangendo os dentes, confesso que nunca senti medo de ninguém, mas eu temia Derek, não pelo os motivos que todos acham, mas sim por ele ser o meu melhor amigo e a única pessoa em que confiei todos os meus segredos e momentos, eu não poderia perdê-lo porque seria como perder um irmão, e mais uma vez para proteger a nossa amizade e o que sinto por Katherine, menti.
– Nada cara, ela estava apenas me ajudando com a prova. – Eu disse tentando parecer certo das minhas palavras, um pouquinho convincente, Derek uniu as sobrancelhas e pareceu avaliar a situação.
– Da próxima vez peça ajuda para outra pessoa. – Disse Derek se acalmando aos poucos, mas ainda podia sentir que ele estava com raiva.
– Atrapalho? – Perguntou uma voz fina e aveludada que eu poderia reconhecer a léguas de distância.
– Não. – Respondi balançando a cabeça.
– Só vim avisar que não vou com vocês hoje. – Disse Katherine já virando de costas para ir embora, imediatamente Derek a puxou pela alça da mochila. – V-vou apenas na casa da Hanna. – Eu sabia que ela estava mentindo, sua boca se retorcia em descrença consigo mesma, suas fala e seus olhos a traíam naquele momento.
– Tudo bem, não volte tarde. – Disse Derek beijando o topo da cabeça dela, como eu queria poder fazer isso em público. A pergunta era onde aquela pequena mentirosa iria.

 pov's Katherine

Estava passando em frente ao Tower Bridge quando o meu celular começou a tocar, me aproximei das grades de ferro que dava vista para o rio Tâmisa, o nome da minha mãe aparecia na tela me deixando frustrada. Embarquei na indecisão de atender ou não, parecia que o mundo estava conspirando para eu não ir á casa de Claire hoje, mas no fim o meu instinto falou mais alto.
– Alô? – Atendi.
– Filha, liguei para avisar que a Amanda deu entrada nos hospital faz alguns minutos, ela foi atropelada por um carro, mas parece que já ligaram para a mãe da Natsumi que vai comunicar os pais dela, achei que você precisava saber. – Disse minha mãe, apoiei os meus braços nas grades ainda não acreditando, só Deus sabe como minha amiga estaria agora, engoli a vontade de chorar.
– Estou indo, tchau. – Desliguei o celular e olhei ao redor, tentando prever se chegaria mais rápido correndo ou pegando um metrô, Aldersgate Street era a rua onde ficava o hospital que por acaso era do outro lado da cidade, definitivamente um metrô cairia bem.
Entrei na estação mais próxima podendo sentir o meu corpo esquentar com tantas pessoas ao meu redor e a falta de ar se fez presente. Um homem esbarrou em mim fazendo minha mochila cair no chão, amaldiçoei até a terceira geração da família dele, me organizei novamente e fui comprar minha passagem, o metrô demorou exatamente 22 minutos para chegar. Ao invés de me sentar como a maioria das pessoas, decidi ficar em pé, eu não tenho essa calma toda, estou nervosa e sentar não é uma boa opção no momento, abaixei a minha cabeça novamente reprimindo a vontade de chorar, precisava chegar até o hospital.
– Aldersgate Street. –Anunicaram. Me levantei às pressas e sai correndo da estação como uma louca, algumas mulheres me olhavam com raiva e outras apenas pediram para eu tomar cuidado. Assim que avistei o hospital, entrei correndo e passei direto até chegar na recepção.
– Oi Suzy, preciso saber informação sobre a paciente Amanda Haber. – Eu disse com a voz ofegante, Suzi me conhecia por todas as vezes que fui atrás da minha mãe no hospital.
– Não temos noticias ainda, Kath. Via ter que aguardar um pouco, sua mãe logo vai terminar de examina-la. – Disse Suzy com uma voz doce, abaixei a cabeça rezando para que Amanda estivesse bem. Lágrimas rolavam pelo o meu rosto. – Se quiser pode esperar junto com os outros. – Olhei para as cadeiras da recepção onde se encontravam a mãe de Natsumi, Derek, James, Natsumi, o pai de Amanda e uma mulher com roupas brancas no estilo hippie.
– Tudo bem. – Eu disse forçando um sorriso que saiu como uma careta. Me aproximei de Natsumi que pulou em minha direção me dando um abraço apertado que fiz questão de retribuir, choramos juntas o tempo todo.
– Amanda não vai ficar boa se os chacras de vocês não estiverem positivos, você estão negativos, vamos respirar e inspirar,vai dar tudo certo. – Disse a mulher estranha.
– Quem é essa doida? – Perguntei para Natsumi.
– A mãe da Amanda. – Respondeu Natsumi dando de ombros, o pai de Amanda estava visivelmente infeliz com a presença da ex-mulher. – Parece que ela se separou do marido para ficar com um hippie drogado.
– Estou sentindo uma tensão sexual entre vocês dois. – Disse a mãe de Amanda apontando para mim e para James.
– Cala a boca! – Gritou o pai de Amanda.
– Quer saber esqueçam tudo! Vamos dar as mãos e mandar forças positivas para a minha filha, já estou sentindo uma luz saindo de cada um de vocês. – Disse a louca.
Que segunda feira...


Notas Finais


eai gostaram ???? deixem nos comentários Bjos na Buchecha ♡😂


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...