1. Spirit Fanfics >
  2. O Melhor Amigo do Noivo - Taekook >
  3. Capítulo 5 - Ele não virá.

História O Melhor Amigo do Noivo - Taekook - Capítulo 6


Escrita por: e SornNukenin


Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 6 - Capítulo 5 - Ele não virá.


Fanfic / Fanfiction O Melhor Amigo do Noivo - Taekook - Capítulo 6 - Capítulo 5 - Ele não virá.

        Em nosso último adeus, guardei as lágrimas como companhia. Mesmo que sufocando o passado e pensando no futuro que ainda viria, contrariando toda aquela tristeza, quase desafiando a própria solidão, porque sabia que ao olhar o horizonte... desapareceria a minha metade. Então peguei a taça de dor e provei de todo o fel, quem sabe essa fosse a melhor cura para amenizar, talvez por nós dois, a saudade. E ao ver teus olhos em prantos, te dei meu sorriso mais belo da nossa eterna cumplicidade, para que sempre levasse contigo nosso infinito amor como a tua metade. ─ Rafael vocalista. 

─ Tem certeza que não quer comer nada? Posso comprar algo para você, aqui e agora. ─ Mamãe ofereceu outra vez. 

─ Estou sem fome mãe, obrigado. ─ Sorri de lado.

─ Filho...
 
─ Comerei algo no avião, prometo. ─ Ela pegou nas minhas mãos. ─ Não se preocupe comigo. 

─ Está esperando por alguém? 


Merda, está tão na cara assim? Pelo visto sim... mamãe notou.


─ Esperando talvez não seja a palavra certa, eu tenho certeza que ele não vem.

─ Fala por Kim Taehyung? ─ Acenti. ─ Talvez esteja sendo difícil para ele filho, tente entender o lado dele. Você pode voltar se quiser. ─ Balancei a cabeça. ─ Você está bem com isso?


─ Papai está.

─ Você está? ─ Pensei.

─ Papai Está. Não quero decepciona-lo, não quero decepcionar você... olha, fizeram tudo isso por mim, e eu quero isso também. 

─ Filho eu─

─ Primeira chamada para o vôo duzentos e vinte e três, área vinte e sete com destino a Nova York. ─ A voz do toque de chamada  ecoou por todo o aeroporto. 
 
─ Esperarei até o último toque. 

─ Jungkook, querido. ─ A mãe de Taehyung havia aparecido, olhei atrás dela para ver se ele havia vindo junto e ai a decepção. 

─ Oi. ─ Sorri de lado. 

─ Segunda chamada para o vôo duzentos e vinte e três, área vinte e sete com destino a Nova York. 

─ C-como ele está? ─ Minha voz falhou. ─ Papai e mamãe se afastara para que eu pudesse me despedir dela. 

─ Ele ficará bem. ─ Ela passou a mão pelo meu rosto. 

─ alguma chance dele... ─ Fiz uma pausa. 

─ Última chamada para o vôo duzentos e vinte e três, área vinte e sete com destino a Nova York. 

─ Dele... ─ Segurei o choro.

─ Ele não virá... Lamento querido, mas você precisa ir agora. ─ Senti as lágrimas quentes escorrerem pelo o meu rosto sem permissão.

─ Pro-promete me... ─ Arfei. ─ Promete m-me enviar notícias, me atualizar e dizer como e-ele está? 

─ Última chamada para o vôo duzentos e vinte e três, área vinte e sete com destino a Nova York. 

─ Eu prometo, mas agora você precisa ir. Precisa entrar no avião.

─ Pode m-me dar um abraço? 

─ Nem precisa pedir, vem cá. ─ Ela me puxou para um abraço. 

─ Vá, querido. Boa sorte por lá... 

─ Obrigado. ─ Olhei para mamãe e papai, mamãe estava chorando e papai estava a abraçando. ─ Mãe, pai... Eu amo muito vocês. ─ Peguei minha mala. ─ Adeus. ─ Acenei para eles e comecei a andar em direção a ala vinte e sete. 

   Havia algumas pessoas que ainda estavam para entrar no avião, então me juntei a elas. Assim que entrei, me sentei no banco reservado ao lado da janela e apoiei minha cabeça ali. Eu queria chorar, naquele momento eu queria explodir, eu sabia que ele não viria, mas tinha esperanças de que aparecesse como nos filmes clichês. Não importa, isso não queria dizer ele não me ama, eu sei que ele me ama, e não aparecer aqui hoje mudaria os fatos quanto a isso. 
 
   Um tempo depois, uma senhorina de idade, aparentava ter setenta anos ou mais, os cabelos brancos como a neve e a pele enrugada se sentou do meu lado, limpei as lágrimas e continuei a olhar pela janela. Mas ela pareceu notar meu olhar de tristeza e não esitou em perguntar.

─ Por que choras meu rapaz? Está triste por ir embora daqui? 

─ Er, por isso também. Mas porque estou deixando a pessoa que eu mais amo para trás me perguntando se isso é o certo a de fazer. ─ Voltei a olhar a janela.

─ Estar apaixonado jovem? Na sua idade eu também era assim, indecisa em relação a isso. ─ Ela riu. ─ Você pode desabafar se quiser, gosto muito de ouvir histórias.

─ Vovó, deixe-o talvez ele não queira conversar. ─ Uma menina que estava sentada do outro lado dela disse, ela parecia ter minha idade, os cabelos eram pretos ondulados caindo sobre o ombro, linda a ponto de deixar qualquer garoto ajoelhado, era realmente encantadora.

─ Tudo bem, eu posso contar. 

─ Viu, ele irá me contar. Me desculpa jovem, mas como é mesmo o seu nome? ─ As duas me olharam.

─ Jeon Jungkook, muito prazer. 

─ Oh Jungkook, o prazer é nosso. Me chamo Young e essa é a minha neta Yeowoon. ─ A menina corou e se virou para frente. 

─ Prazer. ─ Mumurou ela.

─ Bem, ela está com vergonha agora. ─ Ela riu. 

─ Oras vovó, você sempre tão brincalhona. ─ Ela desviou o olhar para frente.  
    
─ Senhores passageiros eu sou a aeromoça Jung Hyeong, sejam bem vindos ao vôo duzentos e vinte e três anos em nome de todos da nossa aeronave. Pedimos que se sentem confortavelmente  em suas poltronas e pedimos que todo tipo de aparelho eletrônico sejam desligados. Que todos tenham uma excelentes viagem e obrigada. 

(...)

Com um bom tempo de conversa, notei que a neta dela não havia ido com a minha cara. Primeiro ela revirava os olhos cada vez que eu dizia uma palavra, e depois me olhava com um olhar de desinteresse.  Mas a senhora Young era bastante gentil e foi muito compreensiva e cuidadosa ao me aconselhar no que eu deveria fazer em relação a Taehyung. Depois ela me contou como era dua vida antes do seu querido esposo falecer, por um momento, me senti ao lado da minha avó nos tempos de criança e isso havia me deixado um pouco animado, eu havia deixado de lado Taehyung por um momento e sorri com as histórias emocionantes que ela me contara. Ainda faltavam mais duas horas dr viagem, por mais que eu não soubesse como Nova York era nem como chegar nos estabelecimentos eu deveria estar um pouco aflito, mas na verdade estava ansioso. 

─ Para onde está indo meu rapaz? ─ Perguntou  ela.

─ Nova York. 

─ Oh, que coincidência. Estamos indo para lá também, pretende morar lá? 

─ Na verdade, ganhei uma bolsa de estudos mas não tenho onde ficar ainda. 

─ E você ficará sozinho num lugar tão grande quanto Nova York? De quiser poderá ficar conosco, será um prazer recebe-lo na minha humilde casa. ─ A garota, Yeonwoo arregalou os olhos quando ela havia me oferecido isso.

─ N-não obrigado, não quero incomoda-las. ─ Corei.

─ Vamos meu jovem, não me perdoaria saber que deixei-o sozinho perdido, aceite minha proposta. Somos só eu e a minha neta, você não nos incomodaria. O que me diz? 

─ Bom, eu... ─ Ela me olhou e eu fiquei com um pouco de receio em não aceitar, ela esta sendo tão gentil comigo, não poderia recusar. ─ E-então eu aceito. 

─ Você vai adorar Nova York meu rapaz.

─ Espero que sim, nunca sai daqui antes e a minha primeira vez em um avião. ─ Olhei de novo para janela vendo o avião sair do chão. ─ Nossa! Vai ser uma viagem entanto.  



Notas Finais


Faltam poucos capítulos para a segunda fase em.

Espero que tenham gostado e até a próxima!
.
.
.
.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...