História .o melhor presente - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Tags Happy B-day Naruto, Sasunaru
Visualizações 89
Palavras 3.026
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Fluffy, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Era para ter saído ontem, mas eu me empolguei demais e ficou algo maior do que eu ia fazer, então deixei para terminar hoje e cá estamos nós. Quem me conhece sabe que eu amo Naruto, e tenho por esse anime e também personagem algo muito emocional, sentimental, que beira ao estranho, eu realmente tenho uma ligação forte com Naruto por conta de alguns acontecimentos do passado, onde eu encontrei neste anime uma forma espécie de Refúgio. Eu realmente amo demais. E sempre quando é o aniversário do Naruto eu faço alguma coisa, seja uma drabble ou uma one, então, aqui estamos nós com o meu otp, meus pais e meu personagem favorito, espero que vocês gostem <3

Boa leitura.

Capítulo 1 - Notelhadodoapartamento.png


 

 

Naruto ergueu-se de sua mesa no escritório do Hokage. Colocou sobre o ombro a capa que não deveria tirar, mas por conta do calor a deixou de lado aquele dia, enquanto assinava milhares de papéis e acordos para que o País do Fogo tivesse sempre paz com os outros países. O dia havia sido produtivo, e Shikamaru sequer precisou reclamar sobre ele estar dormindo sobre os papéis, havia recebido Ramen de graça, e também um sorvete de laranja enquanto passava para ir trabalhar. Sabia que tudo isso era devido ao fato de ser seu aniversário, mas não reclamava pela atenção extra. Na verdade era grato por tudo que vinha recebendo desde que se tornou um Hokage. Na verdade, desde que finalmente se tornara um ninja. Nos altos e nos baixos momentos de sua vida, era grato por tudo que havia vivido e pelo que iria viver. 

 

Antigamente passava os aniversários sozinho, rara eram as vezes que tinha a companhia de alguém, isso, porque o dia de seu aniversário era considerado o dia de muita dor no passado, onde milhares de pessoas perderam vidas e outras perderam seus familiares queridos. Mas agora era diferente, agora era um dia de alegria, era um feriado para comemorar a paz e também seu nascimento, afinal, ele era o Herói do Mundo Ninja. 

 

Deixou o escritório e passou pelos corredores, tudo ainda parecia o mesmo, mas era notável as mudanças nos tons da parede, aquele prédio já havia caído várias vezes, mas sempre era construído com muito cuidado, sempre da mesma forma, na mesma cor. Um sorriso pequeno nasceu em seus lábios, quando ao seu lado passaram duas garotas que trabalhavam por ali, e lhe parabenizaram com seus sorrisos doces e mão erguidas em um aceno, ao que ele retribuiu da mesma forma, sorridente e acenando. Não podia mentir, estava feliz com toda aquela atenção. 


 

Era feriado, mas as pessoas ainda assim gostavam de trabalhar, principalmente em um dia tão especial onde as pessoas iam para rua soltar fogos em comemoração ao Hokage. Naruto gostava de passar pela vila e acenar sorridente, e também de aceitar os presentes que lhe eram entregues. Konohamaru sempre aparecia nesses momentos para lhe ajudar a carregar tudo. 

 

— Nee, Naruto-niisan, as crianças estão animadas com seu aniversário. — Konohamaru disse, quando deixou as coisas sobre a mesa do velho apartamento de Naruto, ao qual o loiro passou a vida toda. — Não irá demorar para que eles passem por aqui e lhe tragam presentes. Boruto fez questão de terminar a missão mais cedo apenas para isso.

 

Naruto riu da folha escandalosa de sempre, e se livrou da capa e dos sapatos. 

 

— Irei preparar algo para nós jantarmos, irei ficar feliz em tê-los por aqui. — Disse, se largando na cadeira em frente a Konohamaru, o moreninho lhe sorriu feliz por vê-lo tão animado. — Estou com saudades dele, Hima nem tanto, eu a vejo todos os dias, mas Boruto anda indo em muitas missões. 

 

— Ele lembra muito você quando mais novo, qualquer missão de níveis mais alto já se oferecia. Você poderia o parar, mas não o faz porque sabe que ele e os companheiros são capazes. — Sorriu ameno, suspirando, havia treinado aqueles garotos, sentia orgulho dos adolescentes grandiosos que eles haviam se tornado — Eu adoraria uma folga de vez em quando também, se quer saber… — Comentou rindo por fim. 

 

— Vou pensar mais no seu caso. — Naruto olhou para a foto da família que um dia teve e sorriu. Não se arrependia de ter pedido o divórcio a Hinata, e sabia que a azulada tão pouco sentia o mesmo, já que ambos terminaram de uma forma justa e boa para ambos. A muito eles já não se amavam, e sim, houve amor no começo, era algo honesto e puro, Hinata o ajudou a se tornar o homem que era, lhe deu filhos, e lhe deu seu segundo maior sonho, que era ter uma família. Contudo, o amor acabou se tornando amizade, e eles dois chegaram a conclusão que o melhor era cada um ir para um lado. Naruto ofereceu o clã Uzumaki para Hinata ficar com as crianças, mas a mesma recusou achando desnecessário, já que tinha seu próprio Clã. Ela levou Himawari e Boruto com ela, e Naruto não quis ficar em uma casa enorme sozinho, então voltou para seu antigo apartamento, onde sentia-se mais confortável. — Lembra de como ele ficou feliz quando completou 16 anos de idade e eu ofereci o Clã Uzumaki para ele viver com o namorado? 

 

Ambos deram risadas e ficaram por mais alguns minutos conversando, até Naruto iniciar o preparo do jantar, não sabia fazer muitas coisas, quando estava sozinho em sua adolescência, comia apenas Ramen, depois casou-se com Hinata e ela passou a cozinhar, mas fora com a ex-esposa mesmo que ele aprendeu, pelo menos o básico, como arroz, carne grelhada e tomate recheado com queijo e frango. No caso, aquele dia ele faria tomates recheados com queijo e frango, por ser rápido e fácil, acompanhado de um arroz fresco e suco de laranja, pois não beberia com seus filhos. Konohamaru o ajudou, colocando a mesa, recusando o convite de ficar, já que tinha um encontro para ir com Hanabi. 

 

— Naruto-niisan posso te perguntar uma coisa? 

 

Naruto percebeu que era algo sério quando Konohamaru perguntou se podia, e ele nunca fazia isso, abusado como era. Por isso, sem se virar enquanto lavava o que havia sujado, o loiro apenas concordou rapidamente com a cabeça. 

 

— Hmmm… Uchiha Sasuke não irá mais voltar? Digo, já faz quase um ano que ele partiu, Sarada diz que recebe cartas, mas nada informando quando ele irá voltar, então achei que…

 

— Eu soubesse de algo? — Perguntou, olhando por sobre ombros, vendo o mais novo concordar. Naruto virou-se para o teto e engoliu em seco, por fim apenas respirou fundo e deu e ombros — Eu não sei, Kona… Mas é o Sasuke, nós nunca sabemos. — sorriu de novo — Sei que quando ele voltar, ela será a primeira a saber. 


 

A conversa com Konohamaru lhe fez pensar em Uchiha Sasuke. Sasuke vivia viajando, não mais por conhecimento, o moreno havia deixado claro para a filha que já havia visto o mundo de muitas formas, e que agora queria dar toda atenção para a menina. E ele o fez, cuidou de Sarada como um pai deveria cuidar, mas quando Sarada completou 15 anos, Sasuke partiu novamente, mas desta vez avisando somente a filha, que depois passou a mensagem para todos os outros. Naruto obviamente ficou chateado, ele queria ter sido avisado sobre isso, mas sabia que Sasuke voltaria, ele tinha uma filha para criar, então não se preocupou. Mas depois de meses, começou a se questionar onde o moreno havia se enfiado. 

 

A verdade é que, não queria o perder de vista novamente. Não quando finalmente descobrirá o que se passava consigo e todo aquela inundação de sentimentos que tinha pelo Uchiha. Foi antes mesmo de decidir pedir o divórcio para Hinata que Naruto descobriu o que sentia por Sasuke, foi quando a própria morena questiono-ou certa noite quem Naruto escolheria em uma batalha, de vida ou morte. Ela ou Sasuke. No momento, com todo seu altruísmo ele disse o que era de praxe dele “Eu não precisaria escolher, eu salvaria os dois”, mas minutos depois quando Hinata já estava dormindo, Naruto se permitiu chorar, por perceber que salvaria Sasuke sem pensar duas vezes, que escolheria ele. E sempre foi assim, Sasuke sempre esteve em primeiro lugar como seu objetivo, até mais do que ser Hokage, até mais do que salvar o mundo. Naruto só viveu de verdade, depois que conseguiu trazer Sasuke consigo, e mesmo que depois ele tenha partido, Naruto ficou tranquilo porque sabia que ele iria voltar. Sempre foi Sasuke, Sasuke, Sasuke. 

 

Perceber que seu melhor amigos, que seu irmão de alma, é mais do que somente isso foi um baque para Naruto. Sabia que amava Sasuke, amava-o como amigo, como um irmão, e descobrir que amava-o como… Homem, foi diferente, mas tudo fez sentindo, fora como se uma venda tivesse sido retirada de seus olhos. No começo veio alívio, depois tristeza, depois felicidade, e por fim medo. Medo de que não fosse correspondido, medo de que seu sentimento destruísse a amizade e irmandade que tinha com o moreno, medo de que tudo acabasse. Por isso calou o sentimento dentro dele. 

 

Ninguém precisava saber.

 

Deu um pulo na cadeira quando a campainha tocou e logo em seguida a porta fora aberta, os gritos de Himawari fora a primeira coisa que ouviu, antes de sentir o corpo de sua menina crescida se chocar de encontro ao seu. Logo sendo seguida por Boruto, que fez o mesmo, levando os três e a cadeira para o chão, em um baque estrondoso no chão, tirando risos de Mitsuki e Sarada que os acompanhava. Naruto podia não querer uma grande festa, e podia não ter a companhia de Sasuke, mas aqueles quatro jovens eram o suficiente para lhe deixar feliz durante uma semana. 

 

O jantar ocorreu de forma calma, Sarada sempre elogiava seus tomates recheados, e dizia querer a receita para fazê-los para a namorada — Chou-Chou — no aniversário de namoro de ambas. O jantar correu bem, falaram sobre a missão, mas rapidamente mudaram para algo mais divertido, como a vida de quase casado de Boruto e Mitsuki — o última alegando que estava muito feliz por morarem juntos, apesar de Boruto ser bagunceiro a beça. Boruto sempre fazendo piada ou falando de um jogo novo, e Himawari confessando sua enorme queda — nada secreta por Inojin. Naruto estava feliz, não era sempre que podia reunir suas crianças favoritas no mundo todo em uma noite, gostava das comemorações e feriados por aquele motivo, de alguma forma as crianças sempre terminavam a sua volta e ele se divertia com isso. 

 

Boruto, Mitsuki e Himawari foram embora juntos. Os dois haviam prometido deixar a menina de 11 anos no clã Hyuuga antes das onze da noite, mas antes de partirem, eles entregaram seus presentes a Naruto. Hima deu ao pai um álbum de foto, onde só continua foto deles dois juntos, Naruto emocionado, pegou a menina no colo e a girou, do casal ele recebeu algo que ele amava demais, Ramen, uma caixa enorme de Ramen, produzido pelo Ichiraku Ramen. Sarada ficou mais um pouco, ajudando-o a limpar toda a bagunça, no final ela sorriu e antes de ir disse: 

 

— Eu tenho um presente para o senhor também, mas o meu presente está lá no telhado. — Sorriu enigmática, fazendo o loiro arquear a sobrancelha e se despediu abraçando o mais velho e rindo da cara de bobo que o mesmo tinha — Não demora, vai logo. A gente se vê amanhã. Boa noite, Naruto-sama! 

 

Naruto ficou um tempo olhando para a porta, se perguntando o que poderia ser o presente. Cansado de só se questionar, o loiro saltou pela janela e subiu para o telhado, olhando para todos os lados, no entanto não viu nada. Coçou a cabeça confuso, com sua expressão de bobo como sempre e se virou para ver a vila. Do telhado ele tinha uma vista perfeita de todo o centro iluminado, que subia até o céu se misturando as estrelas, era interessante o contraste que ficava de longe, era bonito. Se tivesse habilidades artísticas com certeza pintaria um quadro com aquela vista. Sentou-se então sobre a mureta, observando o céu bonito, que logo fora coberto por fogos. 

 

Eram tão lindos quanto as estrelas, apesar de efêmero. Os laranjas eram seus favoritos, mas o rosto também ganhava um espaço em seu coração. Alguns vinham bem trabalhados formando palavras e desenhos, sempre com o alimento “naruto” e seu nome escrito. Era bom receber aquele amor, depois de tanto ódio, Naruto queria somente aquela sensação de bem-querer, de ser amado e respeitado, e retribuía de igual maneira. 

 

Estava em um momento sereno de contemplação, estava tranquilo só ele e as estrelas, mas foi quando ele sentiu aquele poder, aquele calor, o chakra que se mesclava ao seu de uma forma tão intensa, seu mundo parou e sua respiração travou na garganta. Era ele, depois de quase um ano ele estava ali, o mesmo de sempre, sorrateiro, frio, uma sombra em meio todas as luzes. Todas as luzes clamavam atenção de Naruto naquele momento, mas ele não pensou duas vezes ao se virar ainda sentado na mureta e olhar para a sombra, pois era ali que ele se encontrava. 

 

E um sorriso nasceu em seus lábios. 

 

Aquele sorriso de rasgar o rosto e iluminar os olhos celestiais que tinha, seus amigos haviam nomeado de sorriso sasuke. Pensando bem, o nome fazia todo sentido visto que só sorria assim para ele, com ele e por ele. Sasuke saiu da sombra, a capa preta por sobre suas roupas de tonalidade também escura, a espada dentro da bainha sendo segurada desleixadamente pela única mão que tinha e a expressão fria que tinha era quebrada por um fino levantar de lábios, um sorriso único que somente duas pessoas recebiam espontaneamente: Sarada e Naruto. 

 

— Tadaima — O moreno disse, se aproximando do loiro e ficando ao lado do mesmo, olhando o céu iluminado pelos fogos que ainda soltavam. 

 

— Okaeri, teme. — Naruto devolveu, voltando a virar-se e observando mesmo céu, sem perder o sorriso nos lábios. 

 

Sasuke desviou seus olhos até Naruto, a franja lhe cobria o olho roxo e o olho ônix mirava atentamente a pele amorenada do loiro mais alto. Naruto tinha o sorriso mais bonito do mundo, era como um raio de sol em dias frios e triste, alegria em forma de gente e que aquecia seu interior gelado só por estar ao seu lado. Apaixonou-se por Naruto a muito tempo, mas tempo do que poderia entender, quando ainda era um moleque metido e que só tinha um objetivo. Tinha a amizade de Naruto, tinha a irmandade dele, mas nunca entendeu que fagulha quente no meio do peito era aquela. Quando se é jovem demora para entender as coisas. Depois, percebeu que o que sentia por Naruto o deixava fraco, o deixava preso, tirava o verdadeiro foco de sua vida. No fim as coisas só foram desandado, até que ele voltou. 

 

No inicio, a primeira viagem, Sasuke realmente queria ver e conhecer o mundo com sua própria visão, queria o entender. Teve um breve relacionamento com Sakura, fora apenas uma noite de conversas jogada ao vento, confissões secretas e sexo de conhecimento, uma experiência que mostrou aos dois que aquilo não era para eles. Depois, foi em sua jornada, com a promessa que voltaria. E ele voltou, anos depois e conheceu sua filha. Sua herdeira. Sarada fora a coisa mais bela que lhe aconteceu, e ele jurou ficar e cuidar dela como um pai deveria cuidar. 

 

Viu a menina crescer, passaram por lutas juntos, conheceu Boruto e viu aquele menino um aprendiz. Sasuke teve uma boa vida enquanto Sarada crescia. 

 

Mas o calor em seu peito quando via Naruto continuava ali, naquela época fora mais fácil entender, já era um adulto e não mais um menino, mas mesmo que fosse fácil de entender, não era fácil de aceitar. Amar Naruto sempre fora um problema em sua vida. Primeiro como melhor amigo, depois como irmão, e agora como um homem. Nunca era certo, nunca parecia bom, mesmo que a sensação de tê-lo ao seu lado como amigo e irmão fossem maravilhosas, pensar de outra forma seria um caos, principalmente para o loiro. Desta forma, após o aniversário de Sarada ele partiu em busca de entender o que sentia e colocar os sentimentos no lugar. 

 

Conectados por vidas, já foram irmãos, já foram melhores amigos, aquela época eles estavam sendo tudo. Mas aquele sentimento, aquele sentimento era novo, não era? Era bom e perigoso. 

 

Durante esses quase um ano fora, Sasuke se entendeu com ele mesmo. Entendeu que seu amor por Naruto era a coisa mais pura que tinha, depois de seu amor por Sarada. O que sentia pelo loiro vinha de gerações, não era algo novo, pelo contrário, era velho, mas não menos bonito ou importante, era algo profundo e inquebrável como pode ver. E tendo os olhos celestiais do loiro o mirando naquele momento, era algo correspondido. 

 

Eles dizem que podiam sentir o que se passava um com outro por socos, mentira, a verdadeira forma que eles sempre se comunicaram foram por olhares. Eram intensos, duradouros, falavam com movimentos oculares, e Sasuke nunca viu tantas coisas em uma única piscada. Naruto estava entregando tudo o que sentia, e o moreno não estava tão diferente. 

 

Eles não precisavam falar, mas mesmo assim o loiro foi o primeiro a quebrar o contato e soltar um risinho envergonhado, coçando a nuca. 

 

— Você vai ficar… não é? — A pergunta fora simples, mas Sasuke conseguiu entender. Naruto havia se confessado com os olhos, e temia que ele partisse novamente por causa disso. — Nada irá mudar, só…

 

— Tudo já mudou, Naruto. — Sasuke disse, a voz calma e um suspiro deixando seus lábios. Ele voltou a mirar o céu, mas os fogos já tinham acabado, sobrando apenas as estrelas. — Há muito tempo, tudo mudou. Só fomos lerdo demais para perceber, mas não é ruim. De qualquer forma, ainda temos tempo, não é… Dobe? 

 

Naruto mordeu os lábios contendo o sorriso e olhou para o céu, sim, tudo havia mudado a tempos atrás, mas estava tudo bem agora, e sim eles teriam bastante tempo. Respirou fundo e aproximou-se mais de Sasuke que não se afastou, pelo contrário, apenas esperou que o loiro se virasse novamente para si, e selou seus lábios. Era um beijo calmo, sentido, saudosos, quente. Havia tanto sentimento naquela dança de lábios, que a falta de ar não parecia querer se fazer presente, era como se tudo conspirasse para que aquele ósculo não se quebrasse. Naruto tinha as duas mãos no rosto de Sasuke, era gelo contra sua pele quente, era boa e Sasuke gostava daquele calor. 

 

Quando o beijo finalmente terminou, suas testas foram postas uma contra a outra, e os olhos abertos lentamente, aquelas misturas de cores se chocando uma contra outra, com sentimentos que não precisavam ser ditos, e sim, somente sentidos. 

 

Naruto não esperava receber aquele presente, mas com certeza, aquele foi o melhor presente. 

 


Notas Finais


Eu não revisei direito, mas espero que não tenha tanto erros.
Espero que vocês tenham gostado também, obrigada por lerem <3
Até mais, beijinhos ><


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...