História O Melhor Presente de Aniversário - SasuSaku. - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Chouji Akimichi, Deidara, , Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Guren, Hidan, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Karin, Kimimaru, Kizashi Haruno, Kushina Uzumaki, Mebuki Haruno, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Temari, TenTen Mitsashi
Tags Deiino, Gaafuu, Itakarin, Naruhina, Naruto, Nejiten, Sasusaku, Shikatema, Tuni
Visualizações 114
Palavras 1.899
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Festa, Hentai, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Para quem leu a primeira versão, esse capítulo está diferente do original, mantendo a essência.

Boa Leitura!

Capítulo 4 - Pós Festa.


I

 

Perdi a noção do tempo estando com ele ali. Sinto algo completamente diferente com ele.

 

-Fica comigo essa noite, por favor. – pediu em meio a carinhos. – Seja minha por sua vontade.

 

“O que ele quer dizer isso?”

 

Tentei me afastar dele para perguntar sobre o que ele estava falando, mas não me permitiu, voltando a unir seus lábios nos meus.

 

Sua língua adentrou já mais confiante e explorava e se deliciava em minha boca como uma abelha pegando o néctar de sua flor preferida.

 

Suas mãos passeavam em minha cintura e nuca. Ele separou-se minimamente de mim levando seus lábios ate meu pescoço. Sua respiração quente e levemente ofegante me trazia sensações maravilhosas. Eu sentia uma leve contração em meu ventre além de perceber a excitação crescente em mim.

 

Seus toques eram sutis e ao mesmo tempo firmes. Eu queria ficar ali para sempre.

 

Eu queria ser dele!

 

Como era bom.

 

Num rompante, me veio à mente que ele ficava com todas as meninas que se dispunham para ele e provavelmente dizia a mesma coisa para elas da mesma forma.

 

Fiquei estática enquanto ele tomava meus lábios novamente.

 

A realidade me bateu em cheio.

 

Ele era um cara que ficava com todas e eu só estava sendo mais uma na lista dele, como pude me deixar levar.

 

Terminei o beijo me afastando e ele me soltou relutante.

 

-Agora entendo o porquê as amiguinhas te querem – disse dando as costas e caminhando de volta para a festa, estava confusa e atordoada com o que tinha ocorrido.

 

-Sakura, por favor, volta aqui. Vamos conversar – parei e virei. – Você é a única que quero, só você não vê que eu sou só seu...

 

“Ele estava implorando?” Sua voz parecia embargada parecendo a ponto de chorar ou eu que estou entendendo coisas que não existem.

 

Fecho os olhos. Minha cabeça está girando. Devo estar bastante bêbada para ter beijado ele, ou foi influência da conversa da minha mãe mais cedo.

 

Abri e o mirei franzindo o cenho, fechei-os tentando me situar, mas parecia piorar. Separei as pálpebras novamente e Sasuke já não era mais uma imagem nítida aos meus olhos e minha vista estava escurecendo nas laterais.

 

-Que que está acontecendo? – colocando as mãos na minha cabeça e piscando violentamente...

 

-Sakura? Você está bem?

 

Não consegui responder, definitivamente estou passando mal. Preciso fazer alguma coisa para melhorar, contudo, eu não conseguia me mover.

 

-Sakura! – O vi correndo em minha direção enquanto tudo ficava preto ao meu redor ao perder a consciência.

 

II

 

Acordei em quarto um iluminado, minha cabeça doía muito e eu não conseguia manter meus olhos abertos devida a intensa luz.

 

-Alguém apaga a luz? Minha cabeça está explodindo. – Pedi na esperança de alguém aparecer e diminuir a luminosidade do ambiente e eu finalmente conseguir enxergar sem tanto incomodo.

 

-Querida – a voz de minha mãe ecoou em meus ouvidos. – Ainda bem que acordou. A dor já vai passar. Estava tão preocupada – fechou a cortina mantendo apenas as luzes artificiais acesas, o que melhorou um pouco.

 

-O que aconteceu? – perguntei confusa. – Eu estava na festa, eu cantei com Itachi e as meninas e o carinha amigo dele ficou me importunando, dando em cima de mim e falando no meu ouvido coisas chatas. A última coisa que me lembro foi que ele me beijou. O resto eu não me lembro de mais nada... – forcei minha mente a lembrar o que tinha acontecido para eu chegar ali.

 

-Sakura – ela suspirou cansada. – Você entrou em coma alcoólico. Como bebeu tanto assim? Não é disso. – Me olhou exasperada demonstrando preocupação, mas logo riu. – O menino beijava tão ruim assim pra você se embebedar? – Era incrível como seu humor mudava rapidamente.

 

-Deve ter sido – sorri. – Não faço ideia se ele beijava bem ou não. Não me lembro disso só da sensação de não gostar de estar com ele, eu acho. Mas me diga mãe, como cheguei aqui?

 

-Sasuke te achou e te acudiu – falou.

 

-Sasuke? Não me lembro de ter visto ele além do bar quando estava na balada.

 

-Ele te achou do lado de fora do salão, deve ter passado mal.

 

-Ou devia estar fugindo do carinha, pelo menos acho que foi isso – falei ainda tentando forçar minha memória, pensamento na qual minha mãe interrompeu ao gargalhar.

 

-Eu te perdoo só dessa vez, afinal eu disse que você poderia aproveitar – ela disse compreensiva. – Mas me prometa tomar cuidado para isso não acontecer de novo. Coma alcoólico é muito grave Sakura. Não sei o que seria de você se o menino Uchiha não tivesse te encontrado a tempo.

 

-Com certeza, mãe – prometi. – Não quero passar por isso nunca mais.

 

-Falando em Uchiha, tem gente esperando do lado de fora para te ver – abriu a porta chamando sem ao menos me dar tempo de ver se eu estava o mínimo apresentável. Eu não vestia mais as roupas da festa, estava com um pijama que minha mãe provavelmente trouxe de casa e me trocou.

 

Entrou toda a família Uchiha exceto o patriarca. Karin os acompanhava.

 

-Que susto você nos deu, Flor – Itachi foi o primeiro colocando os dois dedos em minha testa, e um beijo doce na face.

 

-Nos deixou tão preocupada, Sakura – Mikoto suspirou aliviada. – O que aconteceu?

 

-Estou tentando me lembrar – disse confusa ao tentar puxar pela memória algo que simplesmente não vinha. – Mas só me lembro claramente até a gente cantar no palco, e do seu amigo Itachi. – Completei a contra gosto o indicando ao meu lado.

 

Percebi na tia Mikoto um semblante triste e não entendi o motivo.

 

-O menino que te beijou? – perguntou minha mãe querendo saber a quem me referia.

 

-O que? – Sasuke praticamente gritou assustando a todos nós.

 

Ele estava mais afastado encostado na parede. Vi todos os olhos se voltarem a ele com censura. Não pareceu ser pelo fato que estávamos no hospital.

 

Nossas mães o olharam significativamente e isso me deixou curiosa.

 

Sem dizer mais uma palavra, Sasuke fechou a cara e bufou desviando o olhar.

 

-Esse – respondi tentando mudar o clima e voltar a atenção para mim.

 

-Pegou um partidão, hein Sakura? – Karin emendou.

 

-Ela não lembra – minha mãe se intrometeu. – Não sabe se foi bom ou ruim.

 

-Não lembro mesmo, mas pelo visto não estava tão bom, já que eu estava sozinha do lado e fora quando Sasuke me achou. A propósito, obrigada por ter me acudido Sasuke.

 

Ele apenas se limitou a um menear de cabeça aceitando meu agradecimento.

 

-Então precisa de experimentar outra vez para ter certeza – Karin voltou ao assunto tentando me incentivar a um novo relacionamento piscando para mim, o Uchiha mais novo deu uma risada anasalada de desdém.

 

-Não, obrigada – encerrei o assunto do Hidan, pois aquilo me desagradava muito. – Nem deveria ter acontecido.

 

-Vamos deixar meu amigo pra lá, não é? – sugeriu Itachi olhando para o irmão que continuava emburrado, mas virou para mim.

 

-Sakura, tem certeza que não se lembra de mais nada? – o mais novo insistiu.

 

-Absolutamente – respondi triste. – Estou tentando me esforçar, mas não sei nem como parei fora do salão antes de passar mal.

 

-Entendo – falou não demonstrando nenhuma emoção.

 

Quantas perguntas. Nem entendo porque ele estaria interessado, deve ser porque me achou caída do lado de fora do salão e se preocupou.

 

-O médico disse que isso ocorre com algumas pessoas – minha mãe interpelou explicando ao moreno de cabelos curtos o motivo de eu não me lembrar, aconteceu algo que eu não sei? – Algumas vezes essas lembranças voltam, outras não.

 

Sasuke ia abrir a boca, mas sua mãe o cortou antes mesmo dele começar a falar.

 

-Vamos, então. Já vimos que a Florzinha está bem e ela precisa se recuperar, não é? Descanse, Sakura – me deu um beijo e foi saindo acompanhada dos outros.

 

Antes de sair, Sasuke me lançou um olhar decepcionado em minha direção. Não entendo por que isso, será que é porque sempre fui uma das mais ajuizadas e bebi demais?

 

Meus outros amigos entraram e a conversa toda ficou em torno de Hidan, mas que chatice. Acho que sei como Shikamaru se sente as vezes...

 

III

 

Quando saí do hospital, decidi passar o resto do fim de semana em casa, afinal a próxima semana na faculdade iria ser corrida demais.

 

Adiantei meus trabalhos da faculdade, o que não foi algo muito difícil pois me dou bem com os números. Depois fiquei fazendo maratonas de filmes ou séries na Netflix.

 

Itachi e Karin apareceram para ver como eu estava.

 

Ficamos maratonando um monte de conteúdo durante a tarde de domingo, de repente, a ruiva deu a ideia de pedirmos uma pizza. Como ela já conhece nossos gostos apenas se levantou, pausou o filme e saiu.

 

Se aproveitando da deixa, Itachi me chamou a atenção.

 

-Hei Florzinha, me diga uma coisa. Você conseguiu se lembrar de algo depois que saiu de perto da gente e foi lá pra fora?

 

-Não me lembro. Eu forço a memória, tento lembrar, mas as ultimas coisas que me recordo foi quando eu beijei seu amigo de volta.

 

-Está interessada nele? – levantou uma sobrancelha.

 

-Não. Foi ele quem me beijou, eu apenas o beijei pra curtir o momento, mas eu não senti nada de especial nele, então definitivamente não estou interessada no seu amigo.

 

Ele suspirou aliviado.

 

-Porque o suspiro? O que mudaria se eu tivesse interessada no seu amigo, Pocahontas?

 

-Sério que você está me chamando pelo apelido que os meninos inventaram pra mim?

 

-Não muda de assunto Rapunzel.

 

-Esse apelido é do Neji! O cabelo dele é o dobro do meu. – sinalizou a cintura como era o cabelo do Hyuuga r mostrando que o cabelo dele estava no meio das costas.

 

-Está enrolando demais senhor Uchiha Itachi.

 

-Por nada, ele pareceu interessado em você.

 

-Que pena pra ele. Não quero relacionamentos, você sabe disso e sabe o porquê.

 

-Imagino o motivo, mas o acho completamente irrelevante. Você é linda e se achar indigna de alguém apreciar sua beleza é desperdício. Devia dar uma chance ao amor.

 

-Concordo com Itachi, Sakura – Karin chegou se sentando na mesa de centro de frente para nós. Você precisa esquecer aquele cara e seguir em frente.

 

-Eu já esqueci aquele cara Senhorita Uzumaki!

 

-Ela está usando nossos nomes de forma formal, Karin. Acho essa situação bastante alarmante.

 

-Deixa de ser bobo, Pocahontas! – a ruiva tornou.

 

-Mais uma! – reclamou ele cruzando os braços.

 

-Não temos culpa que nossos irmãos sabem nomear bem as pessoas. – Retorqui e olhei de soslaio para Karin que segurava o riso.

 

-Isso é complô! – o Uchiha jogou os braços para o alto.

 

-Nós amamos você irmãozinho, não é Sakura? – ela perguntou cumplice.

 

-Com toda a certeza. – Karin nos puxou para um abraço grande.

 

A pizza logo chegou. Jantamos e agradeci a presença e companhia deles. Já que tínhamos aula no dia seguinte e o moreno precisava trabalhar.

 

Novamente, pensei sobre o que aconteceu no final da festa e infelizmente nada me vinha a mente, era tudo um vazio. Me pergunto se algum dia eu irei conseguir me lembrar do que aconteceu.

 

Fiquei com raiva por ter sido tão imprudente e jurei para mim mesma não repetir a dose, afinal aquela era uma situação onde se eu não estivesse com conhecidos, poderia me dar muito mal. Por sorte, Sasuke apareceu para me acudir.

 

Sasuke.

 

Porque ele reagiu daquela forma? Eu o conhecia bem pouco naquela altura da vida. Irônico para alguém que literalmente cresceu na casa e ao seu lado.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...