História O Menino De Pijama Listrado-Taeseok-V-hope - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Personagens Originais
Tags Bangtan Boys (BTS), Hoseok (shmuel), Hoseok Kid, Nazista, Segunda Guerra, Taehyung (bruno), Taehyung! Kid, Taseok, Tragedia, Vhope
Visualizações 4
Palavras 1.369
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


voltando na maior cara de madeira
pelo menos voltei

Capítulo 5 - Capitulo 5- PROIBIDO ENTRAR EM TODOS OS MOMENTOS SEM EXCEÇÃO


so havia uma coisa a fazer, e era falar com o pai. O pai nao viera de berlim no mesmo carro que eles naquela manha. Ele tinha vindo alguns dias antes, na noite daquele mesmo dia em que Taehyung havia chegado em casa e encontrado Yumi remexendo na suas coisas, ate mesmo as coisa de que ele escondera no fundo e que pertenciam somente a ele e nao era da conta de  mais ninguem. Durante os dias que se seguiram, a mae, Gretel e Yumi, o cozinheiro, Lars e Taehyung passaram todo o tempo empacotando seus pertences e carregando-os num grande caminhao para que fossem trazidos ate a nova casa em Haja-Vista.

Desde que chegaram em Haja-Vista e a casa nova, Taehyung nao vira seu pai. Pensou que talvez ele estivesse em seu quarto quando a porta rangeu e se abriu, mas, afinal, se tratava apenas do soldado pouco amigavel que encarara Taehyung sem nenhum calor nos olhos. Ele nao ouvira  a potente voz do pai em parte alguma, nem mesmo passos de suas pesadas botas contra as tabuas do assoalho no andar de baixo. Mas era certo que havia pessoas indo e vindo, e, enquanto pensava no que seria melhor fazer, escutou uma grande agitaçao subindo do terreo, e foi ate o corredor para se debruçar sobre o corrimao.

La embaixo ele viu a porta do escritorio do pai aberta e um grupo de cinco homens de pe do lado de fora, gargalhando e apertando-se as maos. O pai estava no meio deles e parecia muito importate no uniforme recem-passado. O cabelo escuro e espesso fora obviamente penteado com brilhantina havia pouco, e, enquanto os observava de cima, Taehyung se sentia ao mesmo tempo assustado e maravilhado com a presença do pai. Aos olhos, os outros homens nao pareciam tao bonitos quanto o pai. Nem os seus uniformes eram tao bem alinhados quanto o dele. Tampouco as vozes eram tao profundas, nem as botas tao reluzentes. Todos traziam os quepes sob o braço e pareciam disputar entre si a atençao do pai.  Taehyung so conseguiu entender algumas das frases da conversa conforme se aproximavam dele.

"...cometeu erros desde o momento em que pos os pes aqui. A coisa chegou ao ponto em que a furia nao teve escolha senao......" disse um deles. O pai ergueu uma mao no ar, o que imediata.mente fez co m que os outros se calassem. "Senhores" , ele disse e desta vez Taehyung pode compreender, pois jamais houvera um homem tao capaz de ser ouvido de um lado ao outro do comodo quanto o pai. "as suas sugestoes e o seu apoio sao muito bem-vindos. e o passado e o passado. aqui temos a oportunidade de um outro começo, mas esse começo fica para amanha. agora e melhor eu ajudar a minha familia a se instalar"

Os homens soltaram uma gargalhada e apertaram a mao do pai. Taehyung desceu lentamente as escadas e hesitou durante um instante a porta. e entao ele bateu cuidadosamente na porta, duas vezes bem fraco, e ao faze-lo ouviu a voz retumbante vinda  la de dentro "Entre". "Taehyung"  ele diz saindo de tras da mesa e comprimentando o garoto com um solido aperto de mao, pois o pai nao era de dar abraços. "ola papai" disse Taehyung em voz baixa, um pouco estupefato pelo esplendor do comodo. " Tae, eu estava indo la em cima para ve-lo dentro de mais alguns minutos, juro que estava", o pai disse. " vejo que voces chegaram bem,nao?".  "Sim, papai", disse Taehyung, " ajudou sua mae e sua irma a fechar a casa antiga?"  "sim, papai" disse Taehyung. "entao estou orgulhoso de voce" falou empolgado " sente-se,menino". Ele indicou uma ampla cadeira em frente a escrivaninha. Eles nao disseram nada uma aooutro por alguns instantes, ate que finalmente o pai quebrou o silencio. " e entao?" perguntou ele " o que acha?", " o que acho?" perguntou Taehyung " a respeito do que?", "a nossa nova casa, gosta dela?", "nao", disse Taehyung rapidamente,pois sempre tentava ser honesto e sabia que, se hesitasse mesmo que por um momento, nao teria mais coragem de dizer o que pensava. " acho que nos deveriamos voltar para casa", acrescentou destemido. O sorriso do pai diminuiu  um pouco. " bem, estamos em casa, Taehyung", disse por fim com uma voz gentil. "Haja-Vista e a nossa nova casa." "mas quando poderemos voltar a Berlim?", pergunta Taehyung, com o coraçao apertado apos a resposta do pai . "la e muita mais gostoso", "Ora, vamos" , disse o pai, nao querendo entrar naquele jogo. " deixa disso, esta bem?" pediu ele. " nossa casa nao e uma construçao, ou uma rua, ou uma cidade, ou coisa alguma tao artificial quanto os tijolos e argamassa.O lar e onde mora a familia de alguem, nao e mesmo?" "sim, mas..." " e a nossa familia esta aqui, Taehyung. em Haja-vista. Ergo este e o nosso lar." Taehyung nao entendeu o significado de "ERGO" , mas nao precisava entender, pois tinha uma resposta inteligente para o pai. " Mas o vovo e a vovo estao em Berlim", ele disse " e os dois fazem parte de nossa familia. Entao aqui nao pode ser nosso lar.". O pai ponderou sobre isso e acenou com a cabeca. esperou um longo tempo antes de responder. "E verdade, Taehyung, eles estao la. Mas voce, e eu, e a mamae e Gretel somos as pessoas mais importantes  da nossa familia, e e aqui que moramos agora.Em Haja-Vista. agora para de ficar emburrado por causa disso! ( pois Taehyung estava fazendo uma cara diliberadamente emburrada). voce nem mesmo deu uma chance a este lugar. e capaz de gostar daqui.", "eu nao gosto daqui", "Taehyung...", "Jimin, nao esta aqui, Jungkook nao esta aqui e nem o Namjoon, e as outras casas na redondezas  e nada de bancas de frutas, ninguem para ns empurrar em poste em poste nas noites de sabado",  " voce precisa entender que ja esta em casa, e assim sera por um futuro previsivel." Taehyung fechou os olhos por um instante. " Va para o seu quarto Taehyung " ele disse em uma voz tao baixa que o menino soube imediatamente que o pai estava falando serio agora, e entao se levantou, as lagrimas de frustacao se formando no seus olhos. ele caminhou em direcao da porta. mas antes de abri-la, voltou-se para o pai e fez uma ultima pergunta. "pai.." comecou ele. " Taehyung, eu nao vou..." comecou o pai irritado. " nao e isso" disse taehyung rapidamente." eu so quero fazer uma outra pergunta.". O pai suspirou, mas indicou que deveria faze-la , e entao seria o fim daquele assunto sem mais discussoes. " quem sao todas aquelas pessoas do lado de fora?", disse ele finalmente. o pai inclinou a cabeca um ouco confuso. "Sao soldados,Taehyung". "nao estou falando deles" Disse Taehyung, "Quero saber daquelas pessoas que eu vejo da minha janela. As que moram na cabana , la longe. Estao todas com as mesmas roupas", " Ah, aquelas.....bem na verdade elas nao sao pessoas, Taehyung". Taehyung franziu o cenho.  "Nao sao?" , perguntou ele, sem saber o que o pai queria dizer com aquilo.

"Bem, nao sao pessoas no sentido em que entendemos o termo", prossegiu o pai "Mas voce nao deve ser preocupar  com elas agora.Elas nao tem nada a ver com voce. Nao a nada em comum com voce e elas" "esta bem papai" disse bruno insatisfeito com a resposta. ele abriu a porta e o pai chamou de volta por um instante, levantando-se e erguendo a sombrancelha como o menino estiveesse se esquecendo de alguma coisa. Taehyung lembrou-se assim que o pai fez o sinal, e disse a frase e imitou com exatidao. Ele juntou os pes e ergueu o braco direito  no ar antes de bater um calcanhar no outro e dizer uma voz profunda e clara quanto possivel- tao parecida com o pai quanto ele conseguia fazer- a palvra que dizia  sempre que saia da presenca de um soldado. " Heil Hitler", disse o que Taehyung presumia ser outra forma de dizer "adeus".

 

 


Notas Finais


lembrando que a fanfic nao e uma adoracao ao nazismo nem nada do tipo apenas uma adaptacao do livro O menino de pijama listrado

a fic esta sem pontuacao pq estou usando um pc Esloveno mas espero que gostem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...