História O meu melhor amigo não! - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias MYTEEN, Produce 101, UNIQ, UP10TION, Victon, X1
Personagens Cho Seung Yeon, Cho Seungyoun, Han Seungwoo, Kim Wooseok, Kim Yohan, Lee Hangyul, Personagens Originais, Seungwoo, Wei, Wooshin, Yuvin
Tags Keumseong, Produce, Produce X 101, X-1, X101, Xone, X-one
Visualizações 190
Palavras 2.025
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá olá
Depois do último capítulo que flopou lindamente eu estou aqui novamente atualizando essa bela história.
Quem queria desenvolvimento do Eunsang tá aí ok
Até as notas finais beijos

Capítulo 18 - Eighteen


Eunsang P.O.V

Eu não estou com ciúme. Venho repetindo isso pra mim mesmo desde ontem a noite quando Hyeongjun chegou tarde em casa. De início eu fiquei preocupado, pensei que algo pudesse ter acontecido com ele e isso me deu um aperto forte no coração, mas depois de me explicar a história - muito mal contada, por sinal - o que me dominou foi uma sensação de raiva, não pelo Song mas por outro motivo que eu não sabia - ou fingia não saber - dizer o que era.

Junie disse que encontrou um garoto dócil na cafeteria e passou tanto tempo conversando com ele que se esqueceu do horário e teve de vir correndo pra casa. Em minha mente rodava o que teria de tão interessante nesse tal menino ao ponto de ditrai-lo por tanto tempo, foram cerca de 4 horas, o que eles teriam feito nesse período? Meu maxilar trinca só de pensar em meu amigo sorrindo ao lado de playboyzinho qualquer, cheio das segundas intenções que eu sei.

Amigo. Esse nomenclatura soa estranha pra mim agora, eu não tenho certeza do porquê mas sei que não é bom para a nossa "amizade". Eu sempre caí muito facilmente pelas pessoas, não é surpreendente pelo número de parceiros que já tive, as pessoas tem uma má impressão forte sobre mim, algo como usar as pessoas para prazer ou algo do tipo, eu tentei parar de pensar sobre isso faz bastante tempo mas estar ao lado de Hyeongjun fez tudo voltar a tona. Eu nunca usei ninguém, definitivamente nunca quis quebrar o coração das pessoas, apenas parece que eu não fui feito para namorar porque quando eu tento, rapidamente as coisas se tornam problemáticas ou cansativas para os dois, de alguma forma eu continuei fazendo isso por muito tempo, acreditei que não tívesse uma razão específica, talvez carência por atenção ou apenas evitar a solidão, mas não é isso que eu procurava nos meus pretendentes.

Desde os amantes de uma noite só até os meus mais longos relacionamentos o que eu enxerguei foi auto-estima. Alguém que me mantesse de pé mas principalmente que me conquistasse com elogios, parecia que sem atenção, sem alguém pra me dizer que eu era bonito ou atraente, nada fazia realmente sentido. Eu não sei quando ficou assim, a partir de qual momento eu comecei a sair de casa maquiado e com calças coladas ou se conseguiria viver sem esse hábito, mas o que eu com certeza percebi estando ao lado de Hyeongjun é que nunca, em ocasião nenhuma, ele vai de fato preencher essa lacuna de elogios.

Então por que eu estou me sentindo tão apegado a ele ao ponto de pensar tanto sobre isso?

Eu sei a resposta e quando ela soa em minha mente não posso evitar de sorrir mesmo estando emburrado. Ele me traz segurança, não de que eu sou lindo e glamuroso mas de que eu não preciso me esforçar tanto por isso. É muito difícil de explicar, ele me analisa tanto mas não diz uma só palavra, e mesmo assim meu coração acelera - sem motivo aparente, mas faz. Estando ao redor dele eu deixei pouco a pouco de pensar se eu estou bonito ou não, porque Hyeongjun nunca comentou meu corpo bonito ou meus fios bem penteados, mas sim minhas notas boas e minhas piadas engraçadas, eu amo estar ao seu lado e lentamente percebo que não quero mais o chamar de amigo.

Eu espero que você entenda o que eu quero dizer porque minhas bochechas estão coradas e não quero ter que explicar para Hyeongjun - que está sentado na cama ao lado - que estou com vergonha por reconhecer pra mim mesmo que estou apaixonado por ele.

Com suas pequenas mãos o Song desenha algo aleatório em uma folha de papel, apesar de obviamente não ser um trabalho ele parece bem focado nisso, franzi o cenho mas resolvi ignorar, é normal vindo de Hyeongjun mesmo que seja um rabisco insignificante. Á alguns minutos resolvi que ignoraria o menor para que ele percebesse que estou com ciúmes mas minha barriga roncando está pedindo por um lanche e foda-se, eu me importo demais com esse garotinho para deixa-lo com fome.

- Vou até o mercado, você quer algo? - Pergunto simples, pois sei que ele não vai responder muita coisa de qualquer forma.

- Um cupcake. - O Song responde, seu rosta toma um sorriso infantil, tão adorável que eu sinto vontade de socar.

- Você não acha que anda comendo muitos doces ultimamente? - Perguntei apesar de estar com um sorrisinho bobo.

- Está dizendo que eu estou gordinho? - Ele perguntou com um bico, analisando o próprio corpo. Soltei um riso.

- Não é isso Junie, você está ótimo. Só não é saudável comer tanto açúcar.

- Também não é saudável almoçar lámen instantêneo e você já fez isso muitas vezes. - Ele aponta, piscando seus grandes olhos.

- Isso não vem ao caso, ok? - Exclamei de volta, falsamente irritado. - Vou comprar esse seu cupcake então.

Levantei e peguei minha carteira, passando a mão nos cabelos agora negros. Caminhei meio sem vontade pelos corredores da escola, á essa hora apenas clubes e alguns sortudos que estudavam á tarde ocupavam as diversas salas de aula, muitos alunos tem trabalhos de meio período e passam a tarde toda fora, mas dos que são desocupados e ficam nos dormitórios maioria sai para se divertir ou apenas para não ficar nos quartos - que apesar de "aconchegantes" causam uma leve sensação de claustrofobia.

A sensação de caminhar pelo pátio vazio é estranha, na verdade fica tudo meio mórbido quando não tem ninguém por aqui, eu não gosto de solidão então imagino o quão triste deve ser ficar por aqui quando não se tem literalmente nada acontecendo ao seu redor. Felizmente - ou não - sempre tem muito acontecendo ao meu redor, muito mais do que eu pretendia e gostaria na verdade.

Acho que as pessoas ao meu redor sempre foram um pouco superficiais de fato, não é realmente um problema já que eu também não sou tão profundo, pensar demais sobre as coisas me traz um sentimento de melancolia, por isso eu prefiro fazer primeiro e depois pensar sobre - o que na verdade é uma péssima ideia, e eu aprendi isso com o tempo. A verdade é que quando você sai do fundamental, você não quer pensar sobre as coisas, você quer viver e experimentar tudo enquanto for jovem, pelo menos foi assim que eu vivi os últimos 3 anos até um garoto qualquer espalhar boatos sobre mim e de repente eu descobrir que cometi erros a vida toda.

Sim, isso ainda não parou de me afetar. Não Midam em sí, aquele garoto definitivamente morreu pra mim, o que ainda me magoa é como as coisas que eu "conquistei" desapareceram tão rápido quanto surgiram, e as únicas que sobraram foram as que eu menos prestei atenção. Sihoon foi meu amigo o fundamental todo mas infelizmente nos separamos no 2º grau, era tão simples me esquecer mas ele se lembra de mim, me manda mensagem e até me dá desconto na loja em que trabalha! Não faz sentido mas ao mesmo tempo faz, e eu nunca perceberia o quão ingrato eu sou se os meus "amigos" não tivéssem sumido e ele ficado.

Enquanto eu caminho pelas ruas desertas tudo vem em minha mente de uma vez: Quanto tempo eu gastei não pensando sobre as coisas? E por que eu só percebi que precisava pensar depois de perder coisas que lá no fundo eu nem mesmo tinha.

Isso é o que chamam de melancolia? Eu preciso correr dessa sensação, eu não fico melancólico, nunca fiquei e não pretendo ficar indo ao mercado - que é a situação mais aleatória do mundo pra isso estar acontecendo. Aperto o passo e entro na loja de conveniência mais próxima, sem me preocupar se é o mercado que eu pretendia ir ou não, tanto minha fome quando meu medo - de meus próprios sentimentos - me levaram a entrar rapidamente sem nem olhar pra trás.

Óbvio que por ser um lugar menor haveriam menos coisas para comprar e preços mais altos, mas não me importei tanto e apenas escolhi cuidadosamente o que levaria para Hyeongjun - já que por alí não tinha nem sinal de cupcakes - e fui direto para o caixa com uma expressão neutra.

- Boa tarde. - Disse a voz rouca do atendente, denunciando a quanto tempo ele não a usava.

O encarei e pausa, ESSE HOMEM É LINDO? RAPAZ, É ISSO MESMO QUE EU 'TÔ VENDO? Os cabelos castanhos arrumados em um topete, a pele perfeita, os olhos bem desenhados, os braços muito bem malhados e o pequeno sorriso simpático, faz muito tempo que eu não vejo alguém bonito assim perdido no meio do nada, e hoje por um pequeno incidente eu encontrei esse pitelzinho. Acho que é meu dia de sorte. Não preciso dizer que toda a sensação de melancolia e pressa passou em um instante certo? Enquanto ele colocava minhas compras em uma sacolinha plástica assumi minha expressão mais sedutora e esperei pacientemente que ele olhasse para mim.

- São 19,50.

PUTA QUE- menino se tu quer me aplicar um golpe pelo menos me come primeiro, assim não dá. Tentei não esboçar reação mas quando menos percebi já estava tossindo de nervosismo, eu definitivamente não esperava esse preço tão alto, eu comprei apenas alguns lanches então deveria sair no máximo uns 10, agora 20? Volta a fita, prefiro ficar melancólico e ir no mercado mesmo. Como não podia simplesmente voltar e fingir que nada aconteceu, estendi meu cartão de crédito na mão do atendente bonitão - que estava se segurando pra não rir da minha cara -, rezando para que meu pai tenha depositado minha pensão e eu não passe fome hoje.

Digitei a senha e esperei pacientemente meu futuro trágico:

- Saldo insuficiente, senhor. - O caixa disse com um sorriso quase debochado. - Pode pagar com dinheiro?

Eu posso pagar com o meu corpo, aceita esse tipo de pagamento gato?

Não? Tudo bem, ok, então eu vou ter que chorar e implorar de joelhos mesmo.

- Não, eu não tenho o suficiente pra pagar. - Falei envergonhado de minha própria situação, dentro de minha carteira tinham 15 pratas e apesar da vontade de rir ser grande, a de chorar 'tá quilômetros maior. - Mas eu posso ligar pro meu amigo e ele me traz o dinheiro.

- Quanto você tem? - Ele perguntou ignorando minha última fala.

- 15. - Disse confuso. - Por que?

- Não é uma grande diferença, eu te faço um desconto. - Deu de ombros. Pisquei confuso para o desconhecido.

- Por que você faria um desconto de quase 5 reais pra mim? - Perguntei confuso.

- Talvez por que você é um gato? - Arqueou uma das sobrancelhas, com um tom pesado de flerte. - Posso trocar o desconto pelo seu número se for mais um justo pra você.

Fiquei surpreso por um instante mas logo tomei um sorriso malicioso nos lábios, será que eu ganho na loteria dessa vez? Hyeongjun que me perdoe mas eu não posso desperdiçar uma chance dessas, estendi a mão em um sinal claro de "me passa algo pra eu anotar" e foi exatamente o que ele fez, me alcançando um bloco de notas jogado por alí. Caprichei na escrita - pro boy não me achar analfabeto - e logo acima do contato escrevi meu nome em uma letra que meus professores nunca chegaram a presenciar, entreguei o papel com um sorriso conquistador no rosto, HOJE TEM MEUS AMIGOS.

- Você parece bem novo. - Ele comentou ainda sorrindo.

- Vou fazer 18 mês que vem se é isso que te interessa.

- Oh certo. - Me analisou uma última vez, arqueando as sobrancelhas. - Volte sempre que quiser.

- Com certeza eu vou voltar. - Murmurei galanteador, me virei para ir embora mas lembrei de um importante detalhe. - Ah, qual é o seu nome?

- Lee Hangyul.

- Então foi um prazer, Lee Hangyul. - Me despedi, seguindo para a escola.


Notas Finais


Capítulo curto SIM!
Tenham em mente que não é pelo Eunsang estar apaixonado que ele não pode sentir atração e querer se relacionar com outras pessoas, ele não é o tipo de garoto que o Minhee é por exemplo, o Minie morreria antes de ter algo com outra pessoa enquanto gosta do Jungmo, mas como Eunsang tem esse espírito mais livre ele não vê problema já que os dois não tem de fato algo.
É isso tchau beijo amo vocês espero que não flope


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...