História O meu novo vizinho. - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber
Visualizações 109
Palavras 2.547
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Mistério, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura meus xuxus.

Capítulo 10 - O presente.


Justin Bieber on.


Acordei com a luz invadindo a janela do meu quarto, havia esquecido de fechar. Bufei com a boca e me levantei pra fechá-la. Assim que fechei, voltei para a cama na qual me sentei. Hoje eu iria em uma concessionária para comprar um carro novo, já que estou vendo que dessa cidade não saio tão cedo, o que era um saco.


Acabei lembrando do jantar de anteontem e neguei com a cabeça. Aquela Liz era uma biruta, mas quando chego perto dela meu corpo simplesmente não se controla, é como se fosse um imã. 


Levantei da cama e fui direto ao banheiro. Tentava de todas as formas não pensar nessa menina, mas estava sendo difícil, tenho que admitir.


Após acabar o banho, fui para meu armário pegar algo pra vestir. Peguei a primeira calça preta que vi e joguei na cama. Passei a mão por algumas camisas sociais, e escolhi uma branca. Adorava camisas sociais.


Felizmente fiquei pronto. Abri a porta e desci. Já sentia um cheiro bom da porra vindo da cozinha. 


- Deusa Samantha. – Elogiei, me sentando em uma banqueta da mesa americana. 


- Assim eu fico sem jeito. – Ela sorriu, se virando pra mim. 


- Qual sua especialidade de hoje? 


- Bolo de cenoura com cobertura de chocolate, tenho certeza que vai gostar.


Como era bom ter uma empregada gostosa e que cozinhava bem pra cacete. Acordar e já ter um belo café da manhã é bom demais. Nessas horas que eu sinto ainda mais vontade de continuar nesse rumo do tráfico! O dinheiro é tudo pra mim!


Liz Becker on.


- Eu sei, eu sei, eu vou estudar pra matemática. – Revirei os olhos, sem nenhuma paciência pra Ash e Rose que estavam enchendo meu saco logo pela manhã. 


- Liz Becker, nós prometemos que esse ano iríamos se dedicar. Você disse que iria começar a estudar e até agora nada. – Rose reclamou, se sentando na cadeira. 


- Faço das palavras de Rose as minhas. – Foi a vez da Ash.


- Já entendi caramba, eu vou estudar, prometo. Agora parem de tagarelar.


Me sentei no meu lugar, e Ash fez o mesmo. Seria a primeira aula do dia e eu não estava com nenhum ânimo pra isso, só queria a minha bela caminha.


- Bom dia alunos! Me perdoem pelo atraso. Abram na página 24. Hoje irei explicar um assunto novo. – O professor de história disse, colocando sua mochila em cima da mesa.


- Odeio humanas. – Rose bufou com a boca.


- E eu odeio exatas. 


- E eu odeio a porra toda. – Ash falou e caímos na risada. 


Justin Bieber on.


Dirigia em direção a concessionária que escolhi. Ainda não havia decidido o carro em que irei comprar, mas não quero um que chame muita atenção. Quanto menos atenção nessa cidade, melhor.


Assim que cheguei, estacionei em uma vaga livre. Saí do carro e entrei no local. Logo, vi que um cara vestido formalmente vinha em minha direção.


- Bom dia! Me chamo Drake Salvatore. Seja bem vindo a minha nova concessionária de Lake Worth. Em que posso te ajudar? 


- Bom dia. Me mostre alguns carros que não chamem tanta atenção mas que seja totalmente eficiente.


- É pra já! Venha comigo. 


Fiz o que ele pediu. Ele passou por alguns carros, até que parou na frente de um.


- Temos aqui o Honda Fit. Essa máquina é um monovolume compacto com perfil bem aerodinâmico, que possui capô curto, para-brisa longo e inclinado, bem como teto alto e grande área envidraçada. Como principal característica, a plataforma do modelo tem tanque central, posicionado sob os bancos dianteiras, além de oferecer estrutura bem leve e segura. Temos na cor branca, preto e laranja! 


- Interessante. Mostre-me mais. – Falei, alisando o queixo. 


[...]


O tal Drake já tinha me mostrado vários carros mas eu ainda não tinha decidido qual iria levar. Na verdade, queria mesmo uma Lamborghini, ou um desses carros mais cobiçados por todos. 


- Esse aqui é o mais novo Honda Civic. Ele vem basicamente com freio de estacionamento eletrônico, Auto Hold que mantém os freios acionados com o carro parado e engatado, e o modo Econ, que reduz os dispositivos em uso para economizar combustível.


Cruzei os braços, gostando do que Drake acabara de falar. 


Os bancos são confortáveis e possuem diversos ajustes, sendo revestidos em tecido ou couro, dependendo da versão. A porta do motorista tem botão para abertura do porta-malas. As entradas do carro também possuem forração em couro ou tecido.


- Interessante. – Falei, olhando para o carro. Eu gostei, ele é bonito, porém não é um carro que eu acho foda. Mas parecia ser muito eficiente.


- Ele tem 4,63 metros de comprimento, 1,80 metro de largura, 1,43 metro de altura e 2,70 metros de entre-eixos, entregando de 519 a 525 litros no porta-malas, bem como 56 litros no tanque. Resumindo, esse é um carro que eu realmente te recomendo. – Drake disse animado, cruzando os braços.


- Vai ser esse mesmo então. Quero já nas minhas mãos.


- Boa escolha Sr.Dustin. Qual irá ser a forma de pagamento?


- Débito. Agora adiante meu lado que já perdi tempo demais. – Falei, já ficando impaciente.


- Cla-claro. Irei resolver essa papelada agora, por favor me acompanhe.  


Acabei rindo baixo com a cara de espanto do Drake. Não devia ser comum alguém pagar no débito um carro de mais de 100 mil. 


Felizmente, já tinha acabado toda aquela burocracia. Estava prestes a inaugurar meu carro novo, até que escutei uma voz familiar me chamando. Me virei, vendo Rochelle, a tia da Liz.


- Dustin? Oh Deus, que sorte te encontrar aqui.


- O que quer? – Perguntei, sendo curto e grosso.


- Preciso da ajuda de alguém que entenda de carro, e achei você bem aqui! Vim comprar um carro pra Liz, vou dar de presente, mas não faço a mínima idéia de qual escolher.


- Só pedir pra um funcionário. Agora tchau. – Falei, abrindo a porta do meu carro.


- Não faça essa desfeita, eu só preciso de uma ajuda sua. 


- Eu nem gosto da Liz, por que você veio pedir logo pra mim?


- Porque você parece entender de carro muito bem, e está bem na minha frente. E que ótimo carro em. – Ela olhou para meu novo filho e eu revirei os olhos.  


- Você não cansa de ser chata não?


- Isso é um sim?


Fechei a porta, bufando com a boca. Ela não iria me deixar em paz mesmo.


- Vamos logo, antes que eu me arrependa.


[...]


Até que Rochelle não era tão chata. Acabei rindo várias vezes com as piadas dela, chegava a ser pior que eu. 


- Tenho certeza que Liz vai adorar esse carro. 


- Também né, quem escolheu fui eu, impossível ela não gostar. – Me gabei.


- Com essa faixa rosa enorme no carro também ajuda.


- Essa parte aí foi você, cheia de frescura. 


- Eu não, Liz que é. 


Ri, indo em direção ao meu carro.


- Valeu Dustin! – Ela disse, acenando pra mim.


- Suave! – Pisquei e entrei no carro. Nem sei por que perdi meu tempo fazendo isso.


Finalmente liguei o carro e saí da concessionária. Estava faminto, precisava comer alguma comida gostosa que a Sam faz.


Liz Becker on.

Finalmente o sinal tocou para irmos pra casa. Levantei da cadeira e peguei minha mochila. Ash e Rose fizeram a mesma coisa.


- Cacete, parece que hoje o tempo passou se arrastando. – Ash disse, andando na frente. 


- Pois é. – Eu e Rose falamos em coro.


Andávamos por aquele corredor gigante com vários alunos idiotas esbarrando na gente pra poder sair logo do colégio.


- Eu não vejo a hora desse inferno de colégio acabar. – Falei, irritada. 


- Nem me fale. Pelo menos na faculdade as pessoas são maduras. – Rose disse e eu assenti com a cabeça.


- Oh droga, já ia esquecendo o livro de história no armário, ele passou atividade pra amanhã. – Ash parou de andar, colocando a mão na testa. 


- Ah Ash, vai com a Liz que o Jhon já está me esperando lá fora.


- Tudo é Jhon agora. – Ash revirou os olhos com ciúmes.


- Também te amo, agora tchau. – Rose soltou um beijo e foi andando apressadamente pra fora do colégio.


- Sempre você com sua lerdeza né sua chata. – Bufei com a boca, andando na frente da Ash.


Assim que chegamos, Ash tirou a chave do armário da mochila. Escutei um barulho alto vindo do corredor que a gente veio, me fazendo olhar pra ele, mas não vi ninguém.


- Que porra foi essa? – Falei, ainda olhando pro corredor.


- Liz...


- Você não escutou Ash? – Ainda continuava olhando pra ver se via algo.


- Liz caramba, olha isso.


Me virei, abrindo a boca em um "O", chocada. 


- Que porra é essa? – Falei, incrédula. O armário da Ash estava cheio de papéis colados escrito: "Se prepare pra sua morte", "Quanto menos você esperar eu vou te pegar", "Sua vagabunda de merda", "A vingança começa agora".


- Meu Deus, só pode ter sido aquela garota. 


- QUE INFERNO, QUE ÓDIO. – Ash gritou, puxando todos aqueles papéis e rasgando.


- Calma Ashley, a gente vai dá um jeito nisso. – Disse, com a mão na testa, aflita.


- Jeito? Jeito é eu acabar com aquela vagabunda e as outras duas quem andam com ela. Bando de loucas.


- Acho melhor você falar com o Biller, isso já está ficando sério.


- Não quero meter Biller nisso, eu mesma vou resolver. 


Justin Bieber on.


- Cacete Sam, eu não vou deixar você ir embora nunca. – Disse, ao acabar de comer mais uma das gostosuras que Samantha fez. 


- Que bom que gostou. – Ela sorriu, com as mãos no balcão.


- Você caiu dos céus pra mim. – Ri e levantei da cadeira. Saí da cozinha e fui para o meu novo escritório. Quando entrei, me sentei na cadeira, que era muito confortável por sinal. Abri a gaveta e tirei um pacote de maconha que havia guardado ali dentro. Fazia tempo que eu não utilizava nenhuma droga.


Como isso era bom. Tragava a erva, relaxando meu corpo na cadeira. Foi ai que aquela biruta veio na minha cabeça novamente. Estava ficando viciado em seu corpo, o que ela tinha de chata, tinha de gostosa.


- Senhor Dustin? – Sam bateu na porta, me chamando. Graças a isso ela interrompeu meus pensamentos, e eu agradeci mentalmente.


- Pode entrar. – Ela abriu a porta, e eu continuei fumando.


- Isso é maconha? 


- Sim, por que? – Franzi o cenho.


- Ah, por nada... É, eu já adiantei as coisas aqui, será que posso sair mais cedo? Se não for nenhum incômodo claro.


- Pode, você já fez seu trabalho por hoje. Vá descansar.


- Obrigado! – Ela sorriu e saiu do escritório. 


Liz Becker on.


Estava preocupada com a Ash. Tinha ficado com ela no ponto até ela entrar no ônibus. Eu precisava falar com o Biller sobre isso, mas ela me implorou pra não envolver ele.


Assim que desci do ônibus, atravessei a pista. Notei um carro enorme em frente a casa do Dustin. Se esse carro for dele, ele deve ter uma boa grana. Passei direto até que finalmente entrei em casa.


- Meu bem! Até que fim chegou, fiquei preocupada. – Tia Rochelle disse, e eu estranhei. Ela não era de se importar com essas coisas.


- Eu fiquei esperando Ash entrar no ônibus, por isso demorei. – Falei, jogando minha mochila no sofá e me sentando.


- Hum, ao invés de ficar com um gatinho em. – Ela riu e eu acabei rindo também.


- Estou tão cansada. 


- Tenta abrir a garagem pra mim, eu tentei e não consegui. Parece que o cadeado está travado, sei lá. – Ela cruzou os braços.


- Ah tia, sério? – Falei, me espreguiçando.


- Vai logo Liz. – Ela jogou a chave pra mim e eu bufei com a boca.


- Chata. 


Abri a porta e fui em direção a garagem. Assim que cheguei em frente, me agachei pra pode abrir. Coloquei a chave dentro do cadeado, e sem nenhuma dificuldade eu abri. Tia Rochelle era uma lerda mesmo. Levantei o portão, e arregalei os olhos.


- NÃO ACREDITO.


- Ah, mas pode acreditar. – Rochelle disse, e eu pulei no colo dela. 


- VOCÊ É A MELHOR TIA DO MUNDO. 


Meus olhos encheram de lágrimas de felicidade. Ganhei um carro maravilhoso de tia Rochelle. Ele era vermelho, e lindo, muito lindo. 


- Sabia que iria gostar. 


- Ah caramba, você é foda. – Ri, já chorando. 


- Na verdade quem me ajudou foi o Dustin, seu vizinho! Ele estava na mesma concessionária que eu, e pedi a ajuda do mesmo. – Ela disse com um sorriso nos lábios.


- Dustin? Sério que ele te ajudou? – Não contive o sorriso. 


[...]


Ainda não acreditava que tinha ganhado um carro. Meus pais iriam pirar quando verem! Eu ainda não tinha carteira de motorista, mas tia Rochelle disse que isso não era problema. Além disso, não tinha dinheiro pra manter um carro, precisava arranjar um emprego. Rochelle tinha bastante dinheiro por conta do seu falecido marido, ele deixou toda sua herança pra ela. 


Aquilo que ela disse não saía da minha cabeça, não acreditei que Dustin tinha ajudado Rochelle... Eu pensava que ele me odiava, ou ele odeia e sei lá. 


Neguei com a cabeça, tentando afastar tais pensamentos. Peguei meu celular e liguei pra Rose. Ela demorou um pouco até que atendeu.


- Amiga, você não sabe da novidade. – Disse, empolgada.


- Oh Liz, depois eu te ligo, agora estou com o Jhon.


- E o quê que tem? Não vou demorar.


- Não amiga, agora não posso. Prometo ligar mais tarde, beijos.


Rose desligou a ligação, e eu fiquei puta. Agora estava realmente acreditando que ela estava nos trocando pelo Jhon.


Disquei pra Ash, e rapidamente ela atendeu.


- Você não sabe da maior.


- Conta tudo cachorra.


- Eu ganhei um carro da tia Rochelle, você tem noção disso? 


- Ah cacete, sério? Ele é bonito?


- Bonito? Ele é lindo demais. Estou até com medo de encostar nele e arranhar.


- Sua besta. – Ash gargalhou. – Já Prevejo a gente saindo pra as festinhas no carro.


- Agora só preciso aprender a dirigir. 


- Foda que você ainda tem 17 amiga.


- Ah, mas não vai demorar muito pra eu fazer 18, só falta alguns meses. E eu posso aprender com tia Rochelle e só dirigir por aqui mesmo.


- Ah amiga, fico feliz por você. Por nós na verdade, porque não vejo a hora de meter a mão nessa beleza.


- Nada disso, ele é meu filho agora, tenho que proteger ele de você e da Rose.


- Sua chata, não dou uma semana pra você arranhar esse carro.


- Ta repreendido. 


Justin Bieber on.


Peguei uma arma e subi para o quarto de hóspedes. Abri uma gaveta e coloquei dentro. Sempre gostava de ser prevenido, nunca sabia o que podia acontecer. 


Assim que ia sair do quarto, a ventania forte fez a janela abrir, fazendo um barulho alto. Fui até ela, e quando estava prestes a fechar, Liz me chamou atenção. Dava pra ver ela tirando a roupa da janela. Puta merda. Ela estava acabando de tirar a calça, e então partiu pra sua camisa. Aquela calcinha preta que não era fina como gosto, até que havia deixado ela sexy. Mordi os lábios, já sentindo meu amigo ficar excitado. Quando suas mãos lentamente tiraram a camisa, me arrepiei vendo seus peitos desnudos. Apertei meu pênis, tentando me controlar. Liz soltou seus cabelos e tirou a calcinha. Ela se agachou, me dando uma visão maravilhosa da sua bunda. Pegou a calça do chão e jogou na cama. Caralho, eu estava com a a caceta dura por conta daquela pirralha. Sem conseguir me controlar mais, comecei a bater uma pensando na Liz.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...