História O Meu Outro Eu - Capítulo 12


Escrita por: ~ e ~Aella

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Acção, Alfas, Alphas, Dominantes, Drama, Feiticeiros, Heterossexualidade, Lobisomens, Lobo, Lobos, Mundo Alternativo, Originais, Passivos, Revelaçoes, Romance, Vampiros, Violencia
Visualizações 120
Palavras 1.474
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa noite meus leitores preferidos! (Eu realmente tenho de vos arranjar um termo carinhoso para vos chamar, visto terem a maior paciência do mundo para ainda me aturarem)
É o seguinte, eu voltei com novo capítulo e espero que me perdoem, o mestrado leva muito de mim, felizmente né, mas eu acabo por não ter nenhum espaço para escrever.
Segundo, vocês deve ter notado que foi adicionada uma autora à história né? Pois bem, a situação é esta: como sabem plágio é crime, e tem havido muitos casos disso, infelizmente; como eu tenho muito respeito pelas autoras de quem eu leio as fics, e respeito pelos meus leitores, não quero dar má imagem de mim para vós, apesar de apenas me inspirar, relativamente à ideia de lobos em si e do seu conceito, além do seu mundo sobrenatural, que se encontra tudo original nas histórias de Aella, o conteúdo histórico e o rumo da história é da minha autoria; mas eu optei por ter Aella como autora também da história porque existem termos que são específicos dela e eu prefiro não correr riscos quando ao plágio por uso de conceitos.
Assim sendo, depois deste longo testamento espero que me recebam de novo com o mesmo entusiasmo que gostem deste novo capítulo!
Última coisa, leiam as notas finais, por favor, porque tem um assunto para falar convosco acerca de uma outra história minha.

Capítulo 12 - Capítulo XII


 

P.o.v Chloe

Estava escuro, e o local onde me encontrava era completamente vazio - ou pelo menos era essa a ideia que dava; a última vez que me tinha sentido desta forma foi quando desmaiei em casa do Alpha. Engraçado, foi a partir daí que eu comecei a abrir a minha mente às coisas novas e aos mistérios relacionados com a minha verdadeira natureza. Mas em troca de quê? De me obrigarem a subjugar a alguém, apenas porque, e de acordo com as suas palavras, eu era inferior?

Ainda me lembro dos seus olhos, eram como uma assombração; eram dele, mas, ao mesmo tempo, não era unicamente ele ali presente. Havia um mais alguém, e era esse desconhecido que me fez sentir o que eu senti: medo e receio pela minha vida.

Não consegui sentir a presença da minha loba, realmente ... Depois de tudo o que aconteceu eu devia odiá-la, mas apenas me odeio a mim, por ser como sou, por nunca conseguir ouvir o que ela me diz; e agora estou aqui, neste vazio escuro, a sentir a sua falta. Sinto uma enorme dor no peito, a dor de a perder para sempre. Estou sozinha, e longe da minha família, longe de tudo.

- Se algum dia fosses capaz de me perdoar ... - peço com toda a honestidade que tenho.

- Nunca fiquei chateada contigo, apenas magoada. A nossa ligação não permite que um sentimento tão maldoso como  ódio, ou o remorso, prevaleça entre nós. - Leo disse após um longo silêncio.

- Ajuda-me! - peço a chorar de alívio por conseguir senti-la de novo.

- No quê? Preciso que mo digas. Caso contrário, nunca o serei capaz de fazer. - ela exige.

- Eu não quero viver num mundo em que me sinta perdida, onde não me enquadro e onde corro o risco de me magoar. Não me quero afastar da minha família, preciso deles, e preciso muito de ti! Ensina-me tudo o que preciso de aprender, eu prometo que te ouvirei entes de tomar conclusões precipitadas, e que nunca, mas nunca te abandonarei como fiz.

- Obrigada Chloe! Eu amo-te humana chata! - ri com o comentário da minha loba; realmente ela faz-me bem, e pelos vistos eu fazia-o a ela também. - Mas agora o melhor é descansares; sofreste muito, e foi maioritariamente culpa tua, ainda estás em recuperação.

Após ouvir as suas palavras, sem questionar claro, tentei relaxar a minha mente e apenas pensar em coisas positivas, ao mesmo tempo que ia adormecendo.

P.o.v Sophia

Não sei ao certo o que aconteceu, mas quando dei conta, nem o meu pai, nem o Alpha, nem o seu filho estavam na sala comigo, com a minha mãe e Anna - a mulher do Alpha. As três tínhamos ficado em choque, principalmente eu e a minha mãe, não tínhamos a noção do verdadeiro estado de Chloe, e, principalmente eu, sinto-me horrível por não me ter esforçado mais para compreender a visão da minha irmã e tê-la apoiado, em vez de ignorar e achar que ela estaria melhor sozinha.

Anna tentava de todos os modos acalmar a minha mãe, mas parecia impossível, ela culpava-se dizendo que era uma má mãe e que nem merece as filhas que tem, realmente ela estava num estado mental muito frágil, não posso nem questionar a dor e preocupação que deve estar a sentir. Realmente, amor de mãe é coisa de outro mundo sem explicação possível.

Com uns bons minutos de consolo, Anna conseguiu levar a minha mãe para um quarto e adormecer a mesma, por um lado era bom manter a descrição, tanto que a festa continuava a decorrer, e Anna teria que explicar a ausência do anfitrião. Algo que não foi muito complicado visto que o mesmo já cá estava passado uma hora do sucedido.

- Amor! Voltas-te! Como está a situação? - perguntou Anna um bocado desesperada.

- Calma amor, a situação está estável, dentro dos possíveis. Chloe já teve toda a assistência médica possível e trataram bem dela, por ordem minha, ela gora precisa de recuperar, e por isso foi-lhe induzido um sono alongado, seria o melhor a se fazer. - explicou Evan, mas havia mais.

- Ainda bem! E Trevor? Onde é que ele está?

Após a pergunta de Anna para o meu Alpha, Evan olhou tenso para a mulher, e depois olhou de lado para mim - estranhei a titude, mas nada disse, apenas esperei uma resposta.

- Trevor decidiu ficar, penso que ele se sente, de certa forma, culpado pelo sucedido, e pretende ficar lá, com Nathan, até Chloe acordar e mostrar melhorias.

Anna pareceu surpreendida pela ação do filho, eu também ficaria assim, ele foi a razão de tudo, não acharia possível esse sentir esse tipo de sentimento; realmente é mesmo filho do pai que tem. Segura-mete será um ótimo Alpha, no futuro. Assim que dei conta senti os olhos de Evan sobre mim, e Anna, quase como a ler os pensamentos  do marido dirigiu-se a mim.

- Sophia, querida, importares-te de me deixar a sós por um bocado com o meu marido? Eu sei que não é a melhor altura, e que não te deves sentir muito confortável num ambiente destes, desconhecido para ti, mas acho que seria a oportunidade perfeita para conheceres os membros da tua (agora) alcateia; são pessoas simpáticas e sei que elas te vão acolher da melhor maneira possível. - disse finalizando esta última parte com um sorriso lindo.

Como não sou burra ao ponto de perceber que os dois queriam um tempo a sós, se lá deus para que né? Decidi acenar com o sorriso e dar costas, saindo do cómodo e percebendo no que me estava a meter. Realmente, era muita gente numa só casa, mas são parte de mim, por isso ao ver aquele aglomerado de gente, sem pensar duas vezes, desci as escadas rezando para não cair e para que alguém notasse a minha presença e decidisse ver quem eu era.

P.o.v Trevor

Após o meu pai voltar para casa, Nathan decidiu buscar algo para comer, apesar da situação ele ainda era lobo, e um lobo tem o seu apetite sempre em alta. Eu optei por ficar sentado ao lado da cama onde Chloe se encontrava neste momento, a dormir, por indução de sono. Os médicos acharam que seria a melhor opção para se ter uma recuperação rápida e sem riscos.

Toda esta situação me deixava desconfortável, o meu lobo tinha tomado a atitude impulsiva de vir para cá, nem o meu próprio pai entendeu, e ele manteve-se calado enquanto cá esteve, apenas falou para ordenar os melhores cuidados a Chloe. 

Ela estava quieta, a sua figura mudara muito desde a última vez que a vi, estava mais magra e mais frágil. Sentia até pena, apesar de ter sido causado pela nossa breve discussão. Sem dar conta vi uma pétala de uma flor pousar sobre a sua boca, inconscientemente levantei-me em sua direção para a retirar, mas quando levei a minha mão à sua boca a pétala voou do sítio, e eu, acidentalmente, acabei por tocar com os meus dedos nos seus lábios. Eram tão macios, sem dar conta acariciei o seu lábio inferior, percorrendo caminho com os dedos até à sua bochecha, e mantendo a mão lá.

Chloe moveu-se, muito rapidamente agarrando a minha mão e apertando-a contra si, como alguém abraça um peluche. Eu não me senti mal, foi uma sensação estranha, mas ao mesmo tempo boa e prazerosa, não como quando abraço Olivia, era algo diferente, mas eu sentia-me bem, e o meu lobo também, pelos vistos.

Ouço a porta do quarto de hospital abrir e ver Nathan para em frente olha para nós. Eu tentei tirar a minha mão de Chloe, mas essa rapariga parecia ter puxado forças até do inferno, pois ela prendeu-me com uma força que nem enxotando eu conseguiria desprender dela.

Nathan olhou para nós e sorriu, nada disse, mas deixou-me uma sandes na cadeira onde estava anteriormente sentado, e saiu do cómodo novamente. Toda a situação me deixou confuso, principalmente pelo cheiro horrível a hospital, quando cá estava nunca me sentia bem, porque este cheio invade as minhas narinas e eu não consigo sentir mais nada além disto.

Olhei de novo para Chloe, agora mais calma, mas ainda com a minha mão contra si, e decidi pegar na cadeira e chegá-la mais perto da cama para me poder sentar. Como não a quero acordar, é preferível deixar a mão no sítio, pode ser que a mesma se lembre de agarrar outra coisa durante o sono.

Sem dar conta acabei também por adormecer, acho que toda a emoção esgotou-me as energias do corpo. 

Realmente, algo se passava comigo, não sei ainda o que. 

O cheiro a baunilha surgiu outra vez no ar, mas adormeci antes de poder conseguir identificar o seu dono.


Notas Finais


Bem, espero que tenham gostado.
E mais uma vez, perdoem-me pelo tempo, não foi mesmo intenção.
Agora, assunto sério, eu tenho outra história que precisava de ajuda, ele é muito preciosa para mim, mas como não tenho leitores quase nenhuns, ou que pelo menos se mostrem ativos, eu não sei que rumo da história levar, e por isso ela tem estado parada.
Eu vou por aqui o link da mesma e agradecia que me dissessem o que acham do rume que ela está a levar, apesar de ainda ser pequena, e o que gostariam que acontecesse.
O mesmo peço para esta.
Beijinhos meus queridos, e obrigada por toda atenção e carinho!
Link da história
Os Desiguais: https://spiritfanfics.com/historia/os-desiguais-8423156


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...