História O mistério da garota da Capa Vermelha. - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Anjos da Noite (Underworld), Arrow, João e Maria: Caçadores de Bruxas
Personagens Amanda Waller, Ben, Donna Smoak, Felicity Smoak, Helena Bertinelli, João, John Diggle, Laurel Lance, Lucian, Malcolm Merlyn, Marcus Corvinus, Maria, Michael Corvin, Moira Queen, Oliver Queen (Arqueiro Verde), Personagens Originais, Quentin Lance, Raymond "Ray" Palmer (Átomo), Roy Harper (Arsenal), Sara Lance (Canário Branco), Selene, Slade Wilson, Thea Queen, Tommy Merlyn, Viktor, William Corvinus
Tags Bruxaria, Felicity, Horror, Magia, Olicity, Oliver, Reino, Suspense, Terror
Visualizações 67
Palavras 2.450
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá amores!

Back! 💖

Desculpem a demora,amore!Mas vida de quase faculdade não é fácil!
Desculpe! ❤🙏🙏

Vou deixar-los ler kk

GIF : Fefe e Thea!

Desculpem meus erros e boa leitura! 😍

Capítulo 22 - Cap 21- O lobo em pele de Cordeiro


Fanfic / Fanfiction O mistério da garota da Capa Vermelha. - Capítulo 22 - Cap 21- O lobo em pele de Cordeiro

"É preciso ser ovelha em pele de lobo para lidar com os lobos em pele de cordeiro..." 


Felicity Smoak: 

O corpo de Thea tremias,como jamais havias visto fazer.Teus cabelos perderam o brilho,tua pele a estar tão branca quanto a própria neve da estação anterior.


Terror.


Esse,eras gravado em teus olhos.Esferas,escuras,a fazer-me enchergar meu próprio túmulo.Sepultada no próprio inferno,como se,o diabo estivesses diante de si.

-Thea...-Corri até essa a manter teu corpo escorado ao meu.-Estás bem ?-Abanei-a,no intuito,que essa voltasses a si.


Mas como se algo a fizesses encarar mamãe,essa não voltou-se a mim.


Nem por um segundo sequer.


-Eu devo te-lá assustado.-Mamãe sorriu-a a estende-lá a mão.-Vosmêce és Thea,sim?


Mas minha cunhada,apenas,abriu-lhe a boca.Diversas,vezes.


Contudo som algum fora proferido por essa.


-Thea estás tudo bem?!-Oliver a passar por minha mãe,tomou-lhe as mãos trêmulas.-Diga alguma coisa,Thea!


O temor eras nítido em teu timbre.


-C-com licença.-A caçadora de modo ágil desvincilhou-se das mãos do irmão a correr escadas acima.

-Thea!-Gritei teu nome,assim como Oliver quando Roy fora atrás dessa.


Mas o que fora aquilo?


-Eu...-Fora contida pelos braços de meu caçador,quando,fiz a menção de subir escadas a cima.

-Deixe-a,conheço Thea suficientemente bem para saber,quando,essa não quer ser importunada.-Voltei-me a ele,a soltar um suspiro,pesado.

-Desculpem-me.-A voz de minha mãe se sobre pôs as nossas.-Não fora meu intuito faze-lá,sentir-se,assim.

-Estás tudo bem mãe.-Sorri a essa.-Não fora culpa sua,ela andas assim a um 

tempo já.


O que deixava-me deveras preocupada.


-Sim,Felicity tens razão.-Oliver tomou minha cintura a sorrir a mamãe.-Mas fora isso,és um prazer conhece-lá.


E assim selaram suas mãos.


O que deixou-me a irradiar,felicidade,por ter ambas pessoas das quais importo-me,tanto quanto,eu mesma a dar-se bem.


Mamãe havias vindo a fazer-nos unir,muito mais,do que já eram-os.

 

-O prazer és meu de conhecer o caçador que roubou o coração de minha caçula.-Uribruzei a esconder meu rosto ao peito do caçador.

-Mamãe!-Oliver riu de mim a beijar-me os cabelos loiros.

-O prazer és todo meu Senhora Smoak.-Esse indicou-a a mesa e eu sorri,realizada,ao ver a interação desses.


Mas mesmo estando diante ambos,meus pensamentos estavam em uma certa Ninfa.


Precisavas descobrir o que estavas a acontecer e tinhas de ser o quanto antes. 


A conversa de Oliver e mamãe fora,formidável,muito mais do que poderia ter imaginado e para meu agrado,mamãe parecias ter simpatizado  com esse.Discretamente,me voltei as escadas a deixa-los a vontade e subi.


Prescisavas falar com Thea e tinhas de ser agora.


Segui pelo corredor escuro,a passos,lentos não querias ter de assusta-lá por algum motivo,mais do que essa já havias assustado-se.


Parei a porta.


Suas vozes eram abafadas,quase,inaudiveis a minha pessoa.Entretanto,ainda poderias me antenar a esses.


Empurrei a porta,a observa-los,pela fresta dessa.  


-Ele não entenderás!-Thea exclamou,sentada a cama a escorar-se com os braços as pernas.-Serás que não entendes isso,Roy?

-Amor...-Roy levou,a sorrir,as mãos as suas pernas em um ato gentil.-Teu irmão entenderás.Thea...-Minha cunhada entrou em prantos,assim a escorar o rosto as mãos.-Amor,isso está a lhe fazer mal! 


Franzi o cenho,o que não poderias ser contado a Oliver? 


Esse sempre fora tão compassivo com essa. 


-És...-Assutei-me com o salto do qual a ninfa deu a levantar-se,Thea estavas realmente atordoada a caminhar de um lado a outro do aposento.-Deverás complicado para ele,Roy!-Tua voz elevou-se duas oitavas e o Laycan consentiu.-Vosmêce não entendes,ele...Ele não perdoaria-me se o fizesse.

-Thea...

-Iremos nos separar,tenho a certeza dessa.-Roy abraçou-a.-Por favor,vamos embora! 


O que?


Embora? 


Ela havias dito,a palavra,embora? 


Não! 


-Não!-Adentrei ao quarto apressada,não sabias ao certo o que estavas a acarretar,mas sejas o que fosse minha cunhada não poderias ir embora.


Ela eras minha,única,amiga! 


-D-desculpe-me.-Falei a esses,quando a caçadora franziu-me a testa.-Não querias interrompe-los,nas vosmêces não podem ir embora!-Minha voz,mudou-se,a amargura.

-A quanto tempo vosmêce estás a porta Felicity?-Um rosnado escapou de teus lábios.

-Thea...-Roy chamou-a como se adverticia

-Cala-te!-Um berro fora solto por essa.-A quanto tempo estás a porta Felicity?-E,novamente,essa voltou-se a mim.


Porque agir de forma tão selvagem a mim? 


-Tempo suficiente para ouvir tais coisas.-Essa encontrou teu olhar ao meu,nitidamente,enraivecida.-Thea...

-Que coisas?!-Roy segurou-a,quando,essa avançou-se para cima de mim.-Não sabes que és,deveras,deselegante ouvir a conversa dos demais?! 


O que estavas a acontecer com ela?! 


-Amor...pares! 

-Eu sei,sinto muito.-Encarei-a,não havias dado motivos para a caçadora agir de tal forma com a minha pessoa.-Mas,não prescisas atacar-me assim.Apenas,fiquei a preocupar-me com tua pessoa.

-Não precisa,sei cuidar-me sozinha!-Rebateu-me a um tom auto.


Segurei-me as lágrimas,enraivecida e magoada,também oras!Estavas,apenas,preocupada! 


-Thea pares já com isso!-Roy cachoalhou-a.-És Felicity!

O silêncio estalou-se ao nosso redor,apenas,o som dos pássaros podiam ser ouvidos pelos presentes,mas se lá fora as coisas estavam amenas.Aqui,já não podias dizer o mesmo.Apesar,da magoa pelo modo que essa havias tratado-me,sábias,que havias motivos para isso.Sejas esses,quais fossem.


Thea não eras assim.


Nunca fora.


-Vosmêce foste a primeira pessoa,após Laureal a acreditar em mim.-Tomei voz a cortar aquele silêncio,deverás,sufocante.-A confiar em mim,só pesso que agora esta mesma confiança sejas depositada em mim,novamente.



Essa pareceu-me ponderar.


-És nítido que tens algo de errado.-Prossegui.-Ninfas não podem mentir ou omitir,coisa alguma,se não tu perdes energia.-Dei um passo a frente.-Teu cabelo estás sem brilho,tua pele estás pálida,tua paciência esgotada e quando olho em teus olhos Thea...-Cheguei a frente dessa.-Vejo-me sepultada,no horror de teu olhar então não diga-me que não és nada porque eu sei que és!-Limpei-me o rosto,quando,ambas começamos a chorar.-Por favor,tu és minha única amiga.


Fora envolvida pelo teu abraço,esse,apertado do qual o retribui de bom grado.


Minha cunhada,finou-se,a chorar e o Laycan escorado à cama suspirou a desviar os olhos dos meus. 


-Desculpe-me,Licity!-Thea guinxou a estremesser em meus braços.-Eu...

-Não querias ter feito,tal qual,estás bem.-Acariciei suas costas,com o intuito de acalma-lá.-Acalme-se.-Pedi em um tom genuíno,gentil,para que essa comprendesse que não estavas revolta com essa.


O tempo correu,como o vento ao lado de fora.


Entretanto,não soltei-a a deixar derramar-se,entre,meus braços.Roy,havias,deixado o aposento a dar-nos espaço.

-Estás melhor?-Sorri,quando Thea afastou-se centímetros de minha pessoa.

-Hurum.-Thea fungou a limpar o rosto,com o dorso de sua mão,incrivelmente,pálida.


Inclinei-me,beijando-a,a testa.


Thea lembrava-mes Sara,apesar,de seres a caçula dentre minhas duas irmãs.Não contando com Dinah,ainda sim Sara eras a mais delicada e sonhadora,assim,como Thea.

-Perdoe-me eu...-Sorri,puxando-a,para a cama e nos jogando sobre essa.

-Estás tudo bem.-Olhei-a,a escorar a cabeça a mão.-Tu sabes que és como uma irmã para mim,não sabes?


Thea deitou-se como uma criança a pedir colo a sua mamãe.


-Eu sei.-E essa voltou a chorar,puxei-a para mim em um abraço confortante,beijando-lhe seus cabelos curtos.-Thea,tais segredos estão a sufoca-lá.-Teu choro intensificou-se.-A tirar-lhe a paz,a genuidade.Não deveríamos guardar coisas das quais,nos tiram a paz minha cunhada.

-Roy...-Com teu soluço essa não podes continuar.

-Ele fez algo a ti,hum?-Acaricei teus cabelos.-Algo ruim do qual está a assombra-lá?Por isso não quer contar a Oliver? 


Fora por dedução.


-Não.-Essa ergueu-se a sentar-se ao meu lado,assim encolhendo-se,como a mim.-Esse não fez-me nada não.

-Então,porque cogitas ir embora?-Franzi o cenho a pega-lá a mão.

-És...-Essa fitou nossas mãos,a parecer pensar.-Complicado.

-Por ser complicado,és que tem de ser compartilhado.-Acariciei tua mão e Thea escorou a cabeça ao meu ombro.-Estás grávida e tens medo do que Oliver podes vir a fazer?Garanto a ti que esse serás o tio mais...

-Não!-Essa interrompeu-me a gargalhar.-Não estou grávida,não és isso...-Pude vê-lá fitar as próprias unhas.-Não és isso...

-Então...-Endireitei-me,a ficar de frente para essa.-És algo comigo?-Ponderei,pois podia ser qualquer coisa.


Thea fitou-me,com a testa,levemente franzida.


-Se vosmêce tivesses...-Cautelosamente,essa tomou voz.-De escolher,dentre...-Peguei em tuas mãos,quando,a ninfa soltou um suspiro pesado.


Como se tivesses a carregar o peso do mundo as costas.


-Se Vosmêce estivesses sabendo de algo que,poderias,arruinar uma amor...-Thea parecidas divagar em memórias e eu fazias um,tremendo,esforço para compreende-lá.


Todavia,és difícil,pois quanto mais desato um nó outros dois aparecem diante de mim. 


-O que farias?-O choro voltou a assombra-lá.

-O que farias?-Supirei a pensar,certamente,fora a pergunta bem mais elaborada e deveras complicada da qual já haviam feito-me.-A coisas,das quais,nós todos devemos enfrentar a escolha entre o que és certo e o que és fácil.-Sorri.-Mas não entendo...De fato o que a assombra? 

-Não posso dizer-lhe,acredito,ques és algo...-Essa soltou-me uma risada seca,a fitar o teto acima de tua cabeça.-Do qual és fácil e do qual eu devas guardar para mim.

-Mas não está a lhe fazer bem.-Suspirei,a tentar afastar a tristeza por vê-lá assim.-Minha cunhada...

-Prefiro sofrer só,do que ver os demais a sofrerem.-Thea forçou-me um sorriso.-Estás tudo bem licity.-Abraçei-me a ela.-Estás tudo bem...-Afoguei seus cabelos curtos,ao senti-lá acariciar minhas costas.

-Sejas o que fores,se às alguém a assombra-lá.-Pudes senti-la estremesser.-Prometo a ti Thea.-Afastei-me dessa,apenas,para olha-lá.-Descobrirei e farei o que fores preciso para que isso pares de fazer-lhe mal.

-Tenho medo...

-Não terás mais,prometo!-Voltei a puxa-lá para meu abraço,apertado.-Amo-te Thea!-Dei-lhe,um beijo,casto aos ceblos curtos.

-Amo-te muito mais!-E essa riu.-E és porque te amo que irei fazer-lhe,isso!


Não tives reação,apenas,senti vir contra mim o travesseiro do qual elas possuias em mãos.


E tuas risadas,altas,a preencher o cômodo.


-O que...-Novamente essa deu-me com o travesseiro,a pular sobre a cama.-Sua,Vosmêce vais ver só!-Pegando outro,pulamos a cama a batermos uma na outra.Com deveras força,esse rasgou-se a fazeres flutuar pela nossa volta as plumas de ganso.


As risadas de Thea eram vitalícias a fundirem-se com as minhas. 


Oliver Queen: 

Quando a mulher encapuzada edentrou ao chalé,foras inevitável que não sentisse-me desconfortável,mas pós descobrir que essa eras mãe de minha noiva.


Quem sabes não fosse por essa? 


Contudo,Donna Smoak não parecias-me ser,totalmente,estranha.Havias,algo,nessa que eras-me familiar,mas o que? 

-Então,Sr.Queen?-Estendie uma xícara de café quente.-És o noivo de minha caçula? 

-Sim,sua filha faz-me feliz senhora.-Sorri,a levar a caneca aos lábios.-Assim como eu a ela,acredito.

-Achas,mesmo?-Um sorriso a canto fora aberto por essa,a envolver a xicara com ambas as mãos a fitar-me.


Teus olhos,intensos,como a terra mergir da superfície.


Castanhos. 


-Como?-Interroguei-a enrrugando-me a testa.-Não compreendi tua dúvida senhora.-Disse-a,realmente,não havias compreendido-a.

Donna deixou a xícara ao lado,como se encontra-se deverás entediada,a soltar um suspiro e recostasse a cadeira amaiderada.Essa,olhou-me nos olhos,como se quisse-me intimidar? Talvez,ela eras mãe,entedias sua preocupação.Afinal,Felicity eras sua caçula.


Assim como Thea a minha.


-Quero que saibas...-Pude vê-lá suspirar.-Que Felicity podes ser uma flor delicada,como uma rosa a perfurmar os mais floridos campos.-Conssenti.-Assim como,podes ser o espinho que o faz sangrar,com veneno de cobra a picar.-Franzi o cenho.-Estás disposto a enfrentar o monstro que às dentro dela Sr.Queen? 


Monstro? 


-Desculpe-me.-Soei alto.-Mas não vejo-a como um espinho,tão pouco,como um montro Senhora.-Juntei minhas mãos a olha-lá.-Felicity és uma bruxa,sim e...

-E tu um caçador.-Interrompeu-me essa.-Não achas que és preocupante,quando a minha menina estiver a dormir vosmêce fincar-lhe um punhal? Ou serias ao contrário? 

-O que...

-Podes ocorrer,não podes?-Essa não deixava-me dizer-lhe,absolutamente,nada.-Afinal,Felicity descontrola-se,diversas,das vezes.-Engoli em seco,mas intrigado.-Como o ataque a menina em meio a floresta,não? 

-Como sabes?-Isso significa-vas que essa obsvava-nos a um bom tempo.

-Eu sempre sei de tudo.-A mulher loira deu de ombros.-Tente compreender-me.-Inclinando-se,essa,pegou-me a mão.-Só estou a zelar pelo bem de minha menina e como meu futuro filho,vosmêce também. 


Desvincilhei-me,dessa.


-Entendo senhora,mas posso assegurar.-Sorri.-Que estás tudo sob controle. 


Essa,apenas,conssentiu.


-Então,fico feliz em saber dessa.-Donna sorriu-me erguendo a xícara.-Ao seu noivado.

-A Felicity!-Brindamos a selar uma união.


Sejas essa qual fosse.  


Tomei as escadas lentamente,Felicity não havias descido,tão pouco,havias vestígios de tua presença ou de minha irmã ao corredor.


Thea não estavas bem.


Empurrei a porta da qual dava para os aposentos de minha irmã e cunhado,com o intuito,de chama-los a descer.


Todavia,fora pego de surpresa,quando,os travesseiros vieram contra mim. 


-O que...-Defendie-me como pudes ou assim tentei,de ambas as mulheres as gargalhadas.Thea e Felicity davam pulos sobre a cama,a escorar-se uma a outra a rir de mim e eu,simplesmente,parei a olha-las.


Observa-las.


Com toda a,absoluta,certeza te-las eras uma das coisas que sempre iria dar-me o luxo de agradecer aos Deuses,a única coisa.Thea,parecias mais corada,além de encontrar-se ofegante tanto quanto minha noiva,teus cabelos voltaram a ter um brilho reluzente e em teus olhos,não vias mais um lápide a sepultar que as olhasses,mas sim uma vivência contagiante.


Minha caçula estavas bem,pelo menos por enquanto.


Felicity franziu-me o cenho,mesmo a ter um sorriso largo ao canto dos lábios rosados.Contudo,minha atenção,por agora,não estávas voltadas a essa e sim a mulher de cabelos curtos ao teu lado. 

-Estás tudo bem?-Indaguei-as,a franzir o cenho.

-Sim...-A dar de ombros e ainda rir,ambas olharam-se para após voltarem-se a mim.-Está!-A responder-me juntas.


Conssenti.


-Mas pelo visto...-Auxiliei Felicity a descer da cama.-Tua pessoa não estás.-Olhei-a,a dar uma risada seca,quando minha noiva envolveu-me.-O que acontecesse? 


Balancei a cabeça de forma leve a negar.


-Venhas cá.-Estendendo minha mão a minha irmã,essa pegou-a de bom grado e assim como licity a abracei.-Amo vosmêces.-Sibilei a beijar-lhes os cabelos,de cada uma.

-Nós também amamos vosmêce.-Felicity agarrou-se mais a mim,assim como Thea.Contudo,essa não disse-me nada,apenas,enterrou teu rosto ao meu peito e ali ficou.


Por um bom tempo. 


Felicity Smoak: 

Nossa noite seguiu solene,a conversas simples e gentis a mesa.Todavia,eras nítido o desconforto de minha cunhada a mamãe,assim como o silêncio,quase,recorrente de meu noivo.Helena não havias aparecido ao chalé,desde que minha mãe havias chego.


E uma sensação desconcertante,apossavasses,de mim.


-Então,como fora a conversa?-A lavar os pratos,voltei-me,a mulher de cabelos loiros.-Oliver és...-Exitei.-De seu agrado?

-Meu?-Mamãe riu a ajudar-me.-Ele tens de ser teu minha filha e não meu.

-Mãe...-Peguei-a ao pulso.-A senhora entendeu-me.-Sibilei de formas baixa.-Digo,somos bruxas e esses...

-Caçadores és eu sei.-Como temias,um fosnado escapou de teus lábios.


Suspirei de forma chateada,havias,temido isso.


-Esses são diferentes...-Apressei-me em dize-la.-Nenhum deles machucaria-me,tão pouco,a senhora.-Sorri,singela a essa.-Eu sei que tens medo,por mim e por todo o resto.-Não deixe-ia interromper-me.-Mas nos amamos.

-És amor?-Donna desviou teus olhos a dupla de irmãos deitados a sala.-Por parte dele? 

-Sim,és sim.-Sorri a olhar--los também.-És mãe.

-Então,tens minha bênção para esse casório.-Voltei-me a essa de forma ágil.

-Mesmo?!-Quase não pudes conter meu grito.

-Se tu o amas e ele te amas,por que não?-Abracei-a.

-Obrigada mamãe!-Apertei-a junto a mim,quando,essa fez-me o mesmo ato.-Amo-te! 

-Sabes que sempre farei o que fores preciso para tua felicidade,não sabes?-Conssenti abraçada a essa.-Para que sejas aquilo que és.

-O que queres dizer?-Não havias entendido a última frase.

-Um dia,entenderás.-Sorri,quando mamãe beijou-me a ponta do nariz e saiu a ir de encontro a sala. 


As coisas não poderiam estar mais solenes,para meu agrado.


A brisa fria tocava-mes os cabelos,a noite havias chego rápido de mais,sem um aviso prévio de que essas havias de vir.Contudo,não podias dar-me o luxo de reclamar,consequência de não ter dormido a noite anterior e sequer ao dia,sentia-me,verdsdeiramnete,cansada.

-Estás bem?-Sorri,ao sentir as mãos de Oliver aos meus ombros.

-Sim,apenas...-Voltei-me a esse.-Cansada e vosmêce como estás?


O caçador pareceu pensar.


-Bem.

-Não.-Sorri a beijar-lhe o rosto.-Não convenceu-me,digas o que perturba-o?

-Thea.-Sorri a sentir teus lábios aos meus,a puxar-me para si.-Ela...contou--lhe algo? 

-Não muita coisa.-Parei a pensar.-Mas,disse-me algo do qual preocupei-me.-Abracei-me a esse,ao sentir teu cheiro de floresta a mim.

-Como o que?

-"Se Vosmêce estivesses sabendo de algo que,poderias,arruinar uma amor...O que farias?"-Repeti o que essa havias dito-me.-Credito que às alguém a chantea-lá Oliver.-Soei amedrontada,pois realmente estavas.

-Porque achas isso?-Olhei-o.

-Porque quando disse tal coisa a ela,Thea extremesseu em meus braços.-Suspirei.-Precisamos de respostas,amor.

-Para as mais complexas perguntas.

-Mas por onde começar e porque dela não contar-nos?


Por onde começar? 


Por onde procurar? 


XxxxxxxxX 

 

-Porque estás a fazer isso?!-A ninfa berrou contra tua face,risonha,em meio a densa mata escura.

-Faz parte de um plano maior,menina.-Donna riu-se as demais bruxas,as suas costas,a acompanha-lá.

-Poderias eu agora mesmo enfiar-lhe a besta a testa!-Roy segurou-a,mesmo,que a rosnar para a dama Branca.-Mas...

-Por Felcitiy não o farás!-Dinah zombou-a a rir.-Tu irás destruí-los! 

-Enquanto que ficareis a rir,quando minha menina viés correr para meus braços.-Donna rosnou a ficar frente a frente a caçadora.-Tu serás a ruína deles. 

-Não!-Thea protestou a adentrar em prantos.-Não sereis NÃO! 

-Serás sim,serás!-Donna riu do tamanho desespero da caçadora.-E Felicity tomarás o lugar dela Por direito aos quatro reinos,enquanto,que eu gorvernarei por detrás dessa! 

-Não chegues perto dela!-Roy ergueu a voz a abraçar uma Thea aos prantos.-Tua pessoa não vencerás! 

-Não,és mesmo?-Donna balançou-lhe a capa.-Eu já venci! 


E fora jogado contra esses,o mais,tenebroso dos feitiços. 

















 

                                  

                

 

             



Notas Finais


Opa! 😎🙈

O que será que acontece agora?

Quais suas teorias,digam-me por favor! 👐😚😞

E essa conversa de Cunhada para cunhada ou de Ninfa para Bruxa?
O que acharam? 😱😱😨

Fico aos seus aguardos! 😚😍❤

Bjão! ❤❤😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...