História O Monstro de Paris - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathanaël, Nino, Nooroo, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Tags Alyno, Marichat
Visualizações 104
Palavras 2.308
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Hentai, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aqui está o especial! Espero q gostem e vou dizer q o Bixo vai pegar nos próximos caps e tb vamos ter uma revelação de amor! Não é genial?
Boa leitura.

Capítulo 24 - Futuro



            ~♡~ 



Alya andava apressadamente pelos corredores da Catedral. Ela estava atrasada para seu encontro com Nino. Namorar as escondidas não é fácil, ainda com o medo constante de ser pego.

Mas... Até que isso é legal. Dá um ar mais perigoso para o romance, lhe deixa louco por mais. E também os momentos juntos ficam mais quentes.

Momentos quentes... Alya tinha vários deles com Nino.

Ela andava com tanta rapidez que não via o que estava em sua frente. A morena esbarrou em alguém, antes de cair no chão. Essa pessoa segurou sua cintura com força e lhe fitou profundamente, Alya sentiu todos os pelos de seu corpo arrepiarem de medo. Era a pessoa mais indesejável que a morena já viu na vida.

Era Luka, e aquele maldito e fitava com fome. Ele parecia um cão samento que busca de um pedaço de carne. Isso não é bom.

Alya sabia da fama de Luka. Sabia que ele é um mulherengo e também abusador. Sim, ele abusa de algumas freiras, todos sabiam disso. Mas todos fingiam que não viam nada, afinal, o tio de Luka é muito rico e encobre as coisas ruins que ele faz.

O de cabelos negros fitou a pobre noviça de cima abaixo. Lambeu os lábios e os mordeu de leve, Alya tentava se soltar das garras dele. Mas não conseguia.

- Me solta! - Falou ela alto. Luka rir em deboche da situação da morena. Ela era bem bonita... Tinha seios grandes...

- Não querida. Eu que mando aqui, agora vamos para meu quarto. E quero que tire sua roupa e se deite na minha cama, e faça o favor de geme baixo - Explicou com uma voz grossa e assustadora. A morena estava desesperada, era injusto isso com qualquer pessoa! Esses homens... Acham que mulheres são brinquedos e servem para ser suas escravas! Isso é um cúmulo!

- Eu não vou a lugar nenhum! Seu crápula! - Gritou alto. Luka riu e desceu suas mãos até a coxa dela.

- Você não tem pra onde correr! Eu tenho muito dinheiro, ninguém vai saber de nada! Você vai ser minha! Já que sua amiga não quer fazer sexo comigo. - Alya começa a chorar, não tinha pra onde correr, Luka era mais forte... Triste e trágico destino, Luka é mesmo um inútil, um ser da pior espécie! Um porco! Merece a pior das punições!

- Solte ela agora! - Uma voz falou no fim do corredor. Era Nino, a morena fica aliviada e começa a chora de alegria.

Luka rosnou e fitou Nino. O mesmo estava com os punhos cerrados não acreditando na cena, maldito... Se ele encostar um dedo em Alya, ele iria ver as consequências...

Alya tinha que fingir que não tinha sentimentos por Nino. Se Luka desconfiase... As coisas iriam ficar piores, tanto para ela e para Nino.

- Nino vá embora! Não está vendo que estou ocupado! - Ordenou. Nino rosnou e se aproximou de Luka, ele tinha que contra-lar sua raiva... Ele não podia levantar suspeitas.

- Eu já disse Luka! Não vou deixar você abusar de mais nenhuma garota! Não mesmo! - Nino estava muito enfurecido, mas tentava não mostra muito.

- Escuta aqui, você não é nada. Quem manda aqui sou eu. Então, como eu disse, some da minha vista - Ditou Luka. Alya ainda lutava para sair, em seus olhos ela pedia ajuda para Nino. Eles não podiam mostra seu olhar apaixonado e também carinhoso. Luka não podia saber que eles eram um casal, não podiam saber disso.

As consequências seriam severas.

- Luka, solte a pobre noviça - Falou uma outra voz. Nino e Alya a fitam a pessoa, era um padre. E ele fitava Luka severamente, o mesmo solta Alya e encolhe os ombros.

- O que você faz aqui? - Gestiona o de cabelos azulados. O padre sorriu e fitou Nino e Alya, e depois cruzou os braços e voltou seu olhar para Luka.

- Eu voltei e eu tenho nome. Me chame de Fu, e Luka vai embora. Não abuse dessa pobre noviça que não tem culpa de sua crueldade! - Brigou o padre Fu. Luka solta um rosnado e saiu andando furioso.

Nino e Alya suspiram aliviadas. Seus olhares vão até o padre novo, mas, eles já viram ele uma vez.

Fu era um homem de origens chinesas e japonesas. Ele tinha cabelos brancos, olhos negros, era baixinho e também um pouco gordinho.

Padre Fu tinha indo para o interior da França fazer missionário e também missão. Tanto quanto Nino e também Alya se lembravam dele, já fazia um bom tempo que não vinha aqui.

- Padre Fu... O que devo a honra de sua visita? - Falou Nino puxando assunto. O padre de feições chinesas sorriu e se aproximou dos dois.

- Vim para ficar aqui. O Bispo me chamou, e vi a situação onde sua amiga se encontrava... Por favor minha filha, ande acompanhada! O mundo é muito cruel... - Disse o padre. O moreno suspirou e a ruiva sorriu sem graça. É chato você não ter o direito de sair do quarto, se você sair você é abusada. Legal né?

- Obrigada Fu... Mas já vamos indo... - Explicou Alya. Nino também já se prepara para sair, Fu observa a cena curioso.

Antes deles saírem andando, o padre resolver lhe fazer uma pergunta.

- Me desculpe ser intrometido. Mas pode ser coisa minha ou não... Vocês tem um caso? - Pergunta. Nino e Alya travam na hora, como assim? Ele suspeitava? Não... O que fazer?

Muitas perguntas e dúvidas rondavam suas cabeças. Mas no fundo... Eles sabiam que podiam confiar nele, que Fu era um amigo fiel.

Nino respira fundo tentando se acalmar.

- Você guadaria um segredo? - O padre riu e assentiu. Estendeu a mão, Nino e Alya se entre olharam. Fu começou a andar e juntos caminharam até o jardim dos fundos. Um local de pouco movimento e silencioso.

Enquanto o padre andava, o moreno e a ruiva estavam apreensivos. Afinal não sabiam o que iria lhe acontecer, o medo reinava junto com suas dúvidas. Como não havia ninguém, ele puseram a darem as mãos. Um simples gesto como esse, era capaz de leva-los a fogueira ou serem enterrados de cabeça para baixo ainda vivos.

O padre de feições chinesas parou de andar. Olhou para os lados e fitou o jovem casal, o moreno e a ruiva estavam nervosos. Mas se acalmaram com o sorriso do mais velho.

- Agora podem me falar? - Pergunta outra vez.

- Sim meu senhor... É que... - Começa Alya a falar, mas ela estava tão nervosa que as palavras não se formavam de sua boca. Nino aperta sua mão com força.

- Nos apaixonamos senhor. E não sabemos o que fazer - Explicou ele confiante. Isso assustou um pouco Alya. Ela ficou com medo do seu namorado ter sido direto demais. Mas no fundo ela sabia que era certo ser assim, é melhor para esclarecer essa situação.

O padre coçou o queixo e fitou os dois. Ele já viu esse tipo de situação, já viu até piores do que isso. Dois padres com um caso amoroso, duas freiras e também noviças que se amavam. Já lidou com casos como os dos dois em sua frente, ele não tinha preconceito com isso. Com o passar do tempo, ele aprendeu que privar a pessoa do amor não vai fazer com que ela sinta amor. Ele sabia que isso é errado, mas...

Não é bom, eles tinham uma missão para cumprir. Isso é contra as regras... Não é preciso se privar de amor para servir a Deus.

- Bem, se eu fosse vocês saía do convento e se mudava para outro local - Explicou o padre. Nino e Alya ouviam com atenção.

- Há uma vila chamada Miraculos. Lá, a maior parte dos "rejeitados" de Paris vão para lá. É uma cidade bonita, cheia de casas e de encanto. É bom ir para lá, não vão ser julgados como "sujos" - Assentiu o casal em sua frente. Eles ouviam tudo com calma, várias ideias surgiam em sua mente.

- Mas vocês precisam sair daqui. Isso é a parte mais complicada, primeiro que sair é Você - Aponta o dedo para Nino.

- Você vai falar com o Bispo e comigo. Vamos conversar e daí você inventa uma desculpa para sair, mas não fale de seu amor por Alya - Ditou o padre. Nino assente, mas olha preocupado para Alya. Se Luka já tentou algum com ele aqui, imagina com ele fora...

- Enquanto a Alya? O que vai acontecer com ela? Afinal, Luka pode tentar algum... - Disse ele. Padre Fu deixou uma risada escapar de seus lábios.

- Eu ficarei de olho em Alya. Onde eu for a mocinha também irá comigo. Assim que você sair, vamos dar um tempo. Enquanto Alya fica aqui, você arruma um casa para e também um trabalho. Isso não é genial? Você faz o que sempre sonhou e também vai viver com o amor de sua vida! - Nino sorriu. A oferta é muito tentadora... Eles dois viveriam felizes e sem a sociedade olhando tonto ou criticando sua felicidade.

Nino e Alya se entre olharam e sorriram felizes. É uma boa solução e também é bom para o futuro de ambos. O problema seria a demora para voltarem a ficarem juntos... Mas isso não conta. Vai dar tudo certo.

- Obrigada padre Fu. Muito obrigada! Você nos ajudou muito! - Agradece a de cabelos ruivos. A mesma andou até o padre e apertou sua mão fortemente, padre Fu solta uma risada e também aperta a sua mão.

- Não precisa disso minha filha. Minha missão é ajuda! Eu sei que vão ser muito felizes! - Explica o padre. Nino sorriu e também cumprimenta Fu com gentileza.

- Prometo que vou fazer de tudo para reconpensa-lo! Você me ajudou muito! - Falou com uma alegria enorme em si. Estava tão feliz que finalmente resolveu seu problema.

- Não precisa me recompensar. Só quero que sejam felizes e não cometem nenhum pecado - Explica. Abençoou os dois e sorriu mais uma vez, levantou as mãos para o alto e se retirou cantarolando.

Alya e Nino se fitam. Olham para as redondezas, não havia ninguém. Com rapidez o moreno pegou na mão de sua namorada e juntos correram até a parte mais isolada do murro.

Ali que seu esconderijo secreto, era ali que ambos se encontravam. Era seu lugar favorito.

Pularam o murro e se sentaram no mesmo, de baixo de um grande orvalho com grama alta ao seu redor. O lugar perfeito para namorarem, lá não vinha ninguém. A não ser animais selvagens ou alguma borboletas. Era bem bonito ali, só era perigoso no caso de animais selvagens. Mas, esse animais só matam para saciar sua fome, já os seres humanos matam muitas vezes por prazer.

Sentamos na grama alta Nino e Alya começaram a dose de beijos quentes. Os lábios se tocavam e as línguas se encontravam, os dedos ágeis passavam no corpo um do outro. Vários arrepios e borboletas surgiam em seu corpo, a vontade de ser uma do outro era enorme. Mas eles tinham que se contro-lar.

Depois de muitos beijos e carícias, eles se separaram. Alya se deitou no colo do moreno, e o mesmo começou a fazer cafuné em seus cabelos castanhos avermelhados. Ela sorriu, esse era o melhor dia de sua vida.

- Estou tão feliz Nino... Finalmente vamos ser felizes - Disse ela fitando o céu que agora estava mudando de cor. Nino sorriu também.

- É finalmente eu vou abrir um negócio... Já me imaginou sendo um carpinteiro? Ou vendedor de joias? Ou que tal jolereiro? As possibilidades são infinita! - Falou sonhado alto. Alya soltou uma risada e levantou seu olhar até seu namorado, sorriu ao vê-lo e trocaram um beijo.

- Nunca te imaginei como carpinteiro... Mas já me viu dona de loja? Tipo uma loja de doces ou uma loja de livros? Seria tão interessante - Falou ela revelando seus sonhos para Nino. Voltaram a fitar o céu e juntos planejaram o futuro novo para os dois. Um futuro onde pude-se ser felizes.

- Não sei se vai dar certo. Mas sei que serie feliz onde você estiver - O coração de Alya saiu pela boca, suas bochechas ficam vermelhas e ela sorriu.

- Eu te amo Nino - Falou em um sussurro. Sua voz estava calma e baixa, o olhar centrado no céu. O moreno sentiu seu bater com mais força e deixou um sorriso se apossar em seus lábios.

- Eu também te amo Alya - Respondeu a declaração da namorada. Os olhares voltam a se cruzar, e mais beijos e carícias são trocados.

De baixo de uma árvore, Alya e Nino trocavam beijos e carícias. Algumas declarações de amor escapavam de suas bocas junto com toques quentes. Eles estavam vivendo o seu amor secreto.

Que fique bem claro que amores secretos são mais bonitos e sólidos do que amores divulgados para todos. Esse amor é seu, e não de mais ninguém.

Seja feliz com esse amor. Assim como Alya e Nino, eles sempre vão ser felizes.

Mas um dia todo o melhor segredo é revelado... E o de Alya e Nino iria ser revelado da pior forma possível e eles precisaram de toda a ajuda possível. Isso será cruel... Muito cruel... Mas eles vão ter que passar por isso.

Mas por hora, eles vão viver seus momentos felizes e alegres.

Enquanto um moreno e uma ruiva se beijavam e se declaravam. Um loiro e uma azulada tinham que enfrentar uma revante que acontecia na cidade. Nessa revante, eles iriam se declarar.

 



" A vida é feita de momentos, uns são felizes e outros são tristes. Mas temos que tira proveito desses momentos e ficamos mais fortes."





Notas Finais


Até outro dia de sol


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...