História O mordomo de Miss Potter - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Harry Potter, Personagens Originais, Severo Snape, Tom Riddle Jr.
Tags Fem!harry, Female Harry Potter, Holly Potter, Muggle!au, Tom Riddle Protetor, Tomarry, Universo Alternativo
Visualizações 111
Palavras 1.542
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Literatura Feminina, Policial, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oláááá meus bolinhos lindos , tudo bom ? Espero que sim.

Aqui é mais uma repostagen,com algumas mudanças e tralálálá

Espero que gostem ( ꈍᴗꈍ)

Capítulo 1 - A culpa é sempre do mordomo


Londres ,1957 .

- Então vamos ver ...A senhorita estava com seu noivo no Jardim da casa e simplesmente ele bateu a cabeça na mesa, aparentemente desmaiado ? - perguntou Severo Snape , policial aposentado ( forçadamente) e detetive , para a jovem dama a sua frente.

Senhorita Holly Potter.

Filha única dos Potters , uma família podre de rica.

A família tinha sofrido um acidente de carro 6 meses antes , o casal faleceu, a filha se feriu gravemente , sendo condenada a uma cadeira de rodas .

Seria apenas mais uma história triste se não fosse o assasinato envolvido .

Draco Malfoy ,o também filho único dos Malfoy e noivo de Holly.

Assassinado com um tiro na cabeça há duas semanas.

- Sim - suspirou a menina , apertando as mãos no colo, o rosto bonito em preocupação e sofrimento.

Muito bonita , pensou o homem mais velho .

Pele branca e rosada , cabelos longos e negros, caprichosamente arrumados , olhos verdes que tinha em sua opinião, um brilho quase cristalino que nem os óculos grandes atrapalhava e roupas caras

Bonita como uma boneca , rica feito uma princesa e frágil feito um passarinho.

Um alvo perfeito

- Na hora fiquei tão desesperada quando vi aquele sangue todo que não pensei..- disse a jovem- Felizmente Tom estava perto e me ajudou .

- Tom ?

- É o meu mordomo- esclareceu Holly com um sorriso gentil- Meus tios maternos o enviaram para me ajudar com a cadeira de rodas.

- Entendi .- disse Snape anotando algo no bloquinho que trouxera.

Ele tinha visto o tal mordomo quando chegara, e imediatamente não gostou dele .

- Você e ele são muitos próximos ? - quando viu a menina corar, se corrigiu - Digo ,como amigos? .

- Oh sim , ele é como um irmão mais velho, além de saber fazer muitas coisas- disse com a voz amável, embora estranhamente cansada .

- Entendo.

Nisso , como um passe de mágica, Tom Riddle , o mencionado mordomo, adentrou ao recinto com um carrinho de chá .

- Madame Potter , está na hora do chá- anunciou com sua voz grossa de barítono .

- Obrigada Tom - disse a morena sorrindo .Ele retribuiu.

Havia um certo motivo de Snape não ir com a cara dele .

Riddle não parecia com um mordomo , extremamente bonito, trejeitos felinos e aristocráticos demais , em sua opinião .

Mas seus olhos , para quem fosse mais atento , denunciaria que o brilho deles ....

Eram medonhos .

- Senhorita - disse o ex policial, se levantando- Se importaria se eu fizesse ...umas perguntas a seu mordomo ?

A jovem o olhou surpresa, colocando delicadamente a mão no pescoço.

- É que faz parte do sistema, perguntar para todos os empregados .- explicou Snape.

- Oh- exclamou Holly, olhando para seu empregado- Se estiver bem para você...

Tom confirmou.

- Não se incomode madame , isso não me ofendeu - ele sorriu compreensivo.

A garota acenou.

- Conversem no escritório por favor - pediu Holly- Tom o levará para lá .

E com isso os dois homens se despediram da doce dama e se retiraram .

- Aceita uma bebida, senhor Snape ? - perguntou educadamente Tom , abrindo uma garrafa de uísque na adega do escritório.

- Sim ,sim - respondeu o homem mais velho pegando o copo de uísque oferecido e bebendo em um só gole - Enfim ,poderia me contar o que fazia no dia da morte?

- Estava cumprindo com meus afazeres - disse com a voz monótona o mordomo - Até que escutei o som de um tiro e o grito de madame .

O detetive anotou, mas o observava com uma carranca.

- Ela me disse que foi contratado pela tia materna.

- De fato .A senhora Dursley me enviou para cuidar da sobrinha .

- É bem bondoso da parte dela- disse Snape - Afinal ,ela e a falecida irmã não se falavam há mais de 10 anos .

- Não entendo o quê insinua, senhor- disse Riddle inexpressivo .Snape bufou.

-Entende sim, a relação entre irmãs era péssima, e como únicos parentes vivos, seria fácil se livrar da menina e ficar com a grana.

- Está insinuando que eu fui mandado para matar a madame? - questionou Tom , uma nota de indignação em sua voz .- Mas que tolice senhor.

- Talvez sim ,talvez não..todas as hipóteses não estão descartadas, além disso era óbvio..o alvo era Potter .

- Não se preocupe Snape- sussurrou Tom, sem aquela formalidade de antes , o surpreendendo - Eu vou garantir que Holly esteja bem .

Eles se encararam em um incômodo e desafiador silêncio por um tempo. Até que o detetive resolveu ir embora .

Já estava no meio da auto pista, quando sentiu algo estranho na garganta , ele tossiu algumas vezes, de repente a tosse foi ficando cada vez mais e mais insistente, a ponto dele encostar o carro e buscar por ar e se acalmar .

- Mas...que diabos ..? - questionou o homem tossindo cada vez mais , quando uma tosse particularmente forte o fez se curvar, um pequeno bilhete caiu de um dos bolsos do casaco velho.

Snape ao lê o conteúdo, empalideceu, seu rosto contraído em fúria.

" Bons policiais prestam atenção no que colocam em suas bebidas "

- Aquele DESGRAÇADO.....- gritou antes da escuridão mortal o sufocar.

-//-

- Obrigada Tom- disse Holly suspirando de forma sofrida .

Eles estavam no quarto da jovem , devido ao clima frio ,as cicatrizes das pernas eram dolorosas e Tom com delicadeza , passava um unguento em uma toalha morna .

-Disponha minha querida - sussurrou o mordomo ,lhe dando um olhar encorajador e carinhoso - Já já passará ...

Tom amaldiçoou aquele detetive , junto com os Malfoys mais velhos , que só sabiam atormentar sua patroazinha ,Por isso interrompeu a conversa ,Holly já estava sentindo as dores .

-Tom...-suspirou a menina se colocando em uma posição mais confortavél

-Diga...

- Você já foi entregar a carta para minha tia Petúnia

O homem fez um comica careta mal humorada , a fazendo rir.

- Não seja ranzinza , Estou preocupada com tia Petunia, faz um tempo que não responde minhas cartas. - disse a jovem .

- Talvez esteja viajando com a família .- respondeu o mordomo com secura .- Sinceramente madame ....não creio que eles mereçam sua atenção .

Holly suspirou

- Eu sei que eles são difíceis, mas foi muito gentil da parte deles cuidarem dos arranjos do funeral quando estava no hospital ...-ela apertou com força as mãos ,era um habito que ela tinha quando estava nervosa .- Tudo anda tão difícil..primeiro meus pais ..agora Draco .. Eu devo trazer muito azar mesmo.

Tom suprimiu um rosnado .

- Sinto muito pelo herdeiro Malfoy, mas a senhora ,muito diferente do que a Lady Malfoy disse ,não tem culpa de nada .

Isso fez a garota piscar algumas vezes , e dá um sorriso choroso.

- Oh Tom - disse Holly enxugando uma lágrima - Só você mesmo para escutar os lamentos de uma tola .

Ele sorriu se abaixando e beijando o topo da cabeça da menor.

- Eu escuto com prazer - e sorriu maroto - e também por causa do bônus de Natal .

- Seu interesseiro! - riu a menina dando um tapinha leve no braço dele.

- Vá dormir senhorita - disse guardando a carta no bolso e indo rumo à porta .-Me avise se a dor continuar .

- Sim senhor capitão - brincou Holly , antes de fechar seus olhos rumo ao mundo dos sonhos .

Tom Marvolo Riddle , um órfão pobre qualquer, que aos 18 anos foi para guerra , dos 20 aos 35 foi um assassino de aluguel, fiel a quem melhor lhe pagava.

Se sentiu em um romance policial quando foi contratado por Petunia Dursley , uma mulher esnobe e gananciosa para cuidar da sobrinha " aleijada " .

A verdade era que eles queriam que Tom lentamente matasse a jovem herdeira ,e manipula-lá para que passase toda a fortuna para os tios , a única família restante .

O problema é que os Dursleys nunca imaginariam que o homem se apaixonaria à primeira vista por ela .

Aquela inocência pura o enlouquecia profundamente.

Ele cuidava de tudo . Das visitas constantes dos médicos, das crises de dores lancinantes que as cicatrizes nas pernas causavam, Dos momentos de carência da menina, agindo como um irmão dando apoio .

Quando percebeu estava já em seu quarto , pequeno ,porém limpo e organizado .Ele jogou a carta na cama e foi até seu guarda roupa.

Onde de lá tirou, uma camisola rendada de aparência muito cara .

Uma camisola de Holly.

Os dedos longos passavam pelo tecido mole como água, e devagar ,aspirou o perfume igualmente caro que Holly usava e que estava impregnado na roupa .

Tom sabia que Holly nunca o veria como amante, Mas não permitiria que seu doce anjo fosse pego por homens sem escrúpulos. Como o moleque Malfoy .

Não foi difícil se livrar dele ,assim como aquele projetinho inconveniente de Detetive

Também não seria difícil com os próximos.

Ele olhou de relance para a carta na cama e sorriu perverso .Se levantando e tirando da gaveta do criado mudo , uma pistola e um par de luvas .

A senhora Dursley e sua família gananciosa teriam uma visita bem desagradável naquela noite


Notas Finais


Obrigada por lerem até aqui e até mais


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...