1. Spirit Fanfics >
  2. O namorado da minha irmã >
  3. Capitulo 33

História O namorado da minha irmã - Capítulo 33


Escrita por:


Notas do Autor


oi de novo kk
boa leitura💕~

Capítulo 33 - Capitulo 33


Capítulo 33.

Abri os olhos lentamente, tentando me acostumar com a luz lá de fora que entrava pela janela e iluminava o quarto inteiro. Suspirei, passando as mãos pela pele macia, apalpando a carne da cintura até a bunda inteira e franzindo o cenho. Abri mais os olhos e enxerguei a cabeleireira escura jogada sobre meu peito e o bico bonito formado em seus lábios enquanto me olhava com apenas um olho aberto. Passei a mão ali novamente, sentindo toda a pele desnuda de Jimin, apertando a mais um pouquinho.

E então, os flashbacks da noite passada e a madrugada inteira, rodaram como um filme em minha cabeça, me fazendo arregalar os olhos.

Puta que pariu…

eu transei... Com ele?

— Bom dia, vida… — A voz rouca me assustou e Jimin me encarou confuso. — O que foi, gatinho, uh? Não se sente bem? — Se espreguiçou ainda sobre meu corpo e se sentou sobre minha barriga, totalmente nu, passando a mão pelos cabelos e bocejando por alguns segundinhos.

Perfeito.

— Uh? — Me olhou, eu engoli em seco.

Não dá para acreditar que… eu realmente transei com ele.

Eu transei com ele

Não! Nós… fizemos…

Amor…

— AAAAAAAAHHHHHHHHHH! — Gritei o derrubando de cima de mim e me escondendo debaixo do cobertor.

O porque disso? Também não sei.

Surtado de mais…

— Auu! Aigoo! O que foi isso? — Perguntou em um grito e eu o espiei por uma brechinha o vendo acariciar a cabeça. — Jungoo-ah? O que foi? — Jimin se levantou e tentou me tirar lá de baixo mas eu me mantive forte segurando o cobertor.

Puta que pariu que vergonha…

QUE VERGONHA

sabe, eu sei que sexo é isso, algumas coisas são até que meio nojentas dentro do mesmo mas não…

EU NUNCA FIZ ISSO DESSA FORMAAAA

ele me lambeu… lá embaixo! e caralho, foi ÓTIMO mas eu tô com vergonha…

Bolsonaro me mate agor-

aaahhhhh

— Jungkookie… — E enquanto eu surtava em silêncio, jimin preocupado, arranhava o cobertor como um gatinho necessitado de atenção, para que eu saísse aqui de dentro. — Gatinho, o que foi? Você não gostou? Me diz… fala comigo benzinho… — O ouvi suspirar e eu mordi o lábio. — Ei… eu fiz algo que não gostou? Eu não fui bem eu… te machuquei? Me diz… eu quero saber neném…

iti iti iti iti

— Gatinho, abre pro ji ver seu rostinho vai, eu estou preocupado... — Arranhou o cobertor novamente de levinho. — Fala comigo! — Bufou frustrado.

— Uh… — Murmurei saindo debaixo do cobertor e o olhando com cautela vendo o biquinho bonito me encarando ajoelhado perto da cama todo peladinho.

Nenémzinho...

Nem parece que tava me fodendo com um cavalo ontem.

Enfim né...

— O que foi? O que houve meu amor? — Passou a mão por meus cabelos os pondo por detrás da minha orelha e eu engoli em seco.

— Hm… Ah nada, hyung eu só... Fiquei em choque e surtei, mas já passou, eu acho. — Coçei a nuca o olhando de relance

— Tem certeza? Você tá me olhando meio estranho… eu tô fedido? — Se cheirou e eu revirei os olhos. — Eu juro que tomei um banhozinho rápido depois e-

— Claro que não… você tá super cheirosinho — Apertei meus dedos, o vendo sorrir de lado, mas logo em seguida, me olhar preocupado.

— Então… eu… gozei muito rápido? — Sussurrou e eu neguei. — Se sim, olha... Você sabe que a minha situação era complicada e-

— Não, não... Não é isso hyung…

— Hm… Não fiz bem? — Franziu o cenho, mordendo o lábio.

— Não hyung! Não é nada disso, tá legal? Você foi ótimo, excelente, se não fosse não teria me feito gozar horrores cara! Mas é que... Na real, eu tô com vergonha… — O olhei de lado, fazendo bico enquanto ele me olhava tentando processar.

— Ah… — O vi morder os lábios e prender um sorriso gigantesco, fazendo suas bochechas corarem.

— Não ri! É sério... — Resmunguei bicudo o ouvindo rir baixinho.

— Vergonha? Meu amor… não precisa ter vergonha não, anjo.

— Não precisa porque não foi você que teve a bunda lambida todinha! Bem naquele lugarzinho lá! E os dedos... hm…

— E foi ruim? — Ergueu uma das sobrancelhas.

— Não… — Resmunguei.

— Então… por que reclamas, meu anjo???

— Não tô reclamando hyung, eu só tô... Com vergonha ora bolas!

— Minhas bolas!

— Vai ser fuder então cara! — Me escondi debaixo do cobertor novamente. — Eu vou dormir mais que é bem melhor para mim do que ficar olhando para essa cara de bunda sua.

— Deve ter ficado assim depois de tanto tempo mergulhada na SUA bunda.

— JIMIN! caralho vai se foder cara! VAI SE FODEEEERR! — O joguei um travesseiro o ouvindo rir.

— Me da pelo menos um beijinho meu amor. — Murmurou mexendo em meus cabelos que ficavam pelo lado de fora do cobertor.

— Tá... Mas só porque eu quero. — Fiz biquinho e ele encostou os lábios nos meus, me dando vários beijinhos enquanto acariciava meu queixo.

— Coisinha linda do ji! — Apertou minhas bochechas e eu o afastei com uma careta.

— Auuu! isso dói, seu cuzão.

— Cuzão é você! — Fui revidar, mas optei por ficar quieto, já que ele bem que tinha razão…

Depois de toda a nossa transa…

Eu era um cuzão e é bem nesse sentido aí mesmo…

— Toma no seu cu. — O dei língua.

— Jungoo-ah! — Me repreendeu. — Eu vou fazer o café, uh?

— Tá bom, vai logo que eu tô com fome seu merda. — Resmunguei o abraçando pelos ombros e dando beijinho em seu rosto e na boquinha inchada, roçando nossos narizes mais um pouquinho.

— Fome? O que quer para o café? Eu posso fazer tudinho para o meu menino lindo. — Acariciou meu rosto roçando o nariz ao meu novamente, com um sorriso

— Pode ser… torta? — Ele ergueu uma das sobrancelhas.

— Sim mas… vai demorar meu bem eu teria que ir até busan e-

— Ah, tudo bem então… pode ser qualquer coisa, hyung, eu estou mortinho de fome então... Capriche!

— Então… umas panquecas?

— Pode ser então. — Sorri. — Ah e coca cola!

— Não meu amor, refrigerante a essa hora?

— Mas eu gosto…

— Tá bom... Vai tomar banho que eu já volto pra te chamar, tá?

— Tá… — Me beijou novamente, boiolando comigo mais um pouco. Catou minha cueca do chão indo para o banheiro e vindo com uma outra cueca, piscando e mandando beijinho pra mim antes de sair, fiz o mesmo sorrindo.

Suspirei olhando para o lado, afim de achar o meu celular, no meio de toda aquela bagunça de cobertores e então, eu o avistei sobre o criado, me arrastando até lá para poder o pegar e ver que já passava das onze da manhã.

— Puta que pariu… Já tá na hora do almoço! HYUNGIEEEE! — Gritei e logo ouvi seus passos rápidos e a porta se abrindo

— Uh? O que foi meu bem?

— Você já viu que horas são? — O mostrei e ele arregalou os olhos.

— A gente dormiu tanto assim? Por Deus! Já tá na hora do almoço. — Passou a mão pelos cabelos. — A gente vai ter que almoçar fora, meu amor, não tem nada aqui que a gente possa comer de saudável a não ser ovos e o resto do jantar que sobrou de ontem… — Coçou a nuca meio sem jeito.

— Ah… tudo bem, a gente vai para a casa da vovó mesmo então, não tem problema, podemos almoçar lá.

— Mas assim... Sem avisar nem nada? — Ergueu uma das sobrancelhas

— É hyung, ela vai gostar… — Sorri.

— Tudo bem então, eu vou tomar banho, quer vir comigo? — Apontou para o banheiro e eu pensei e assenti o vendo passar a mão nos cabelos de um jeito super sexy.

— Uhum. — Mordi o lábio e ele sorriu de lado.

— Tudo bem então, só vou terminar de bater a massa da sua panqueca lá embaixo e já volto, tá?

— Tá bom. — E ele saiu novamente me deixando sozinho no quarto. Me espreguicei, bocejando e olhando mais algumas coisas no celular, até ter ele vibrando em minha mãos, anunciando uma chamada de vídeo de mamãe.

Puta que pariu.

Passei a mão pelos cabelos e mordi o lábio pensando se deveria atender ou não.

Se eu não atendo, é bem provável que ela venha atrás com a polícia o FBI e uns caralho a quarto então...

— Tá... — Deslizei o dedo atendendo a chamada e a vendo com seus óculos de grau quase engolindo o celular para tentar me ver.

— Jungkookie! Meu filho, eu tô te ligando desde cedo e você não me atende! Não tava dormindo até agora não né moleque? — Entreabri os lábios e olhei para o lado

— Então haha… — Coçei a nuca.

— Jeon! Você sabe que não pode dormir até tarde na casa dos outros meu filho! Pode dar uma má impressão seu cabeça dura! — Levantou a mão e bateu no ar e eu franzi o cenho.

— É que… eu fiquei até tarde acordado assistindo séries e você sabe…

— Hm… Sei, e onde está o jimin?

— Ah… lá embaixo, tá preparando o café pra mim… quero dizer, pra gente. — Olhei para baixo, tirando o cobertor de cima das minhas coxas e vendo as marcas de chupões já roxos por toda parte. — Puta merda… — Murmurei de olhos arregalados.

— Uh? O que disse? O que foi meu filho, por que está com esses olhões arregalados aí hein?

— Ah mãe n-nada não… — A vi espremer os olhos.

— JUNGKOOK O QUE É ISSO NO SEU PESCOÇO?! — Gritou me ensurdecendo e eu arregalei os olhos olhando para baixo vendo minha barriga e peito totalmente manchados de roxo junto a vergões bastante vermelhos. Tampei os lábios, me levantando rápido mas fui impedido ao cair no chão totalmente pelado, deixando que minha mãe visse a minha nudez. — JEON JEONGGUK POR QUE DIABOS VOCÊ TA PELADO E CHEIO DE CHUPÕES?! — Entreabri os lábios me levantando rápido, franzindo o cenho quando senti a dor aguda bem naquele lugarzinho junto a meu quadril e mais algumas partes do corpo.

Maldito seja jimin!

E aquela piroca enorme e… divina!

Fui indo até um espelho, tampando a câmera para que ela não me visse mais. — ME RESPONDEEEEEE — Arregalei os olhos ao ver as marcas roxas em meu pescoço por toda parte, além de marcas de mordidas e arranhões.

Puta que pariu jimin!

— TIRA A MÃO DA CÂMERA JEON EU TO FICANDO NERVOSA MEU FILH- — encerrei a chamada, respirando fundo mesmo sabendo das consequências disso e sai pela porta, caminhando meio torto, sentindo aquela dor forte por dentro do meu traseiro.

mamãe que me perdoe.

Puta que pariu, parece que eu levei uma surra de pau a noite inteira no bumbum! Mas espera… aconteceu realmente isso!

Merda…

O jimin por acaso é… doido????

O cara me pintou de roxo de cima abaixo e pelo que eu vi no espelho, ate no meu bumbum tem marcas de roxo, mordidas e arranhões, além de quase me deixar sem andar.

Como eu não senti nada disso na hora? Deve ter doído pra porra!

Desço a escada com uma certa dificuldade, apertando a minha bunda que dava algumas pontadas fortes me fazendo gemer sofrego e fazer careta, serrando os dentes

Vai jungkook… isso que dá ficar quicando em pau até de madrugada…

Sim, ATÉ DE MADRUGADA

ou vocês acham mesmo que eu iria me contentar só com um fodinha depois de todo o tempo que eu esperei? Haha…

Depois de ter apagado por um tempo logo depois de transar, eu cordei já querendo repetir de novo.

O que foi? Ainda estou em fase de crescimento e com os hormônios a flor da pele!

— Jimin! — Entrei na cozinha, pelado mesmo e o vi arrumando uma bandeja com meu café da manhã dentro, terminando de por uma linda rosa sobre um vasinho de flores e um bilhetinho colado no mesmo. O olhei com os lábios entreabertos

— Uh? Meu bem, não precisava descer, cadê a roupinha? — Segurou minha cintura com os braços, beijando meus lábios e passando as mãos por meu peitoral, balancei a cabeça e me concentrei em como eu iria socar o braço dele por ter me deixado todo marcado daquele jeito.

— Seu merda! Olha o que você fez comigo! — Apontei para meu corpo inteiro e ele me avaliou de cima a baixo, tampando os lábios e rindo. — Do que você tá rindo?!

— Uh, nada, por que está tão bravo? São só marcas meu amor... Isso sai com um tempo e até lá, você pode apreciar as marcas da nossa primeira noite de amor e lembrar o quão bom foi, uh? — ergueu uma das sobrancelhas, sorrindo de lado — Você também me deixou marcas, seu bobinho, olha só isso. — Se virou e eu vi os arranhões grandes e até que profundos em suas costas. Arregalei os olhos, indo até lá e tocando.

— Não tá doendo hyung? E-Eu fiz isso mesmo? Nossa… eu não- eu não queira te machucar! — Disse com um biquinho e ele revirou os olhos.

— Não machucou meu amor, para falar a verdade, eu adorei… foi tão excitante quando você se tremeu todinho e descontou todo o seu prazer em mim, me deixando essas marcas. — Sorriu e eu engoli em seco, corado.

— Mas deve ter doído...

— Não doeu, meu amor… Por que estava chateado com as marcas que o fiz? Você por acaso não… gostou? — Fez a típica carinha de cachorrinho sem dono e eu suspirei.

— Não hyung, eu… eu não sei direito é que, você tinha que ser mais discreto seu merda! Tem chupão pela minha bunda inteira e se brincar, até lá dentro tem! — Cruzei os braço, enrubecido e ele riu adoravelmente, passando a mão pelos meus cabelos bagunçados.

— Oh meu amor… me perdoe, sim? Eu sai do controle, me desculpa, tá bom? Desculpa o ji… — Tocou minha bochecha, me dando selinhos longos. — Mas era meio difícil me controlar com você resmungando manhoso naquele jeito no meu ouvido me pedindo para continuar e ir mais fundo. — Soltou um risinho e eu engoli em seco, desviando o olhar.

— Eu não fiz isso… — Resmunguei.

— Ah então você não se lembra? Poxa… — Ergueu as sobrancelhas, soltando um suspiro longo e desapontado, o olhei rapidamente, vendo seu semblante triste. — Você não se lembra de nada da nossa noite de amor… — Virou as costas para mim com um suspiro e eu revirei os olhos aumentando o bico em meus lábios.

— É claro que eu lembro, seu merda! — Resmunguei ainda sem olha-lo o vendo virar para mim.

— Uh, você lembra? Ah… — Sorriu doce novamente.

O jeito como o jimin me tratava, tão meigo e amoroso estava diferente… parece que depois de ontem, ele ficou mais… intenso? Eu não sei explicar direito…

Será que foi só o sexo ou…

Ah, deixa isso pra lá! O que eu quero agora é comer!

— Trás a bandeja para mim? É que eu tô todo dolorido… — Fiz biquinho e ele assentiu sem resita, passando a mão por minha bunda como um carinho..

— Onde está doendo meu amor? — Me ajudou a subir a escada e eu o olhei com cara de tédio, como se fosse óbvio.

— Eu não vou falar! — Fiz bico. — Você já sabe onde… — Fiz uma expressão de dor e me apoiei no corrimão de madeira, apertando meus quadris que doíam como o inferno.

Parece que um trator passou por cima do meu corpo umas trinta mil vezes seguidas, indo e voltando sem parar! Porque puta que pariu viu…

— Desculpa… não deveria ter pego assim tão pesado, era a sua primeira vez… deveria ter ido devagarinho… é gostoso também… — Passou a mão pelo meu braço e eu ergui a sobrancelha. — Esqueci que você é daqueles que se faz de durão mas que na verdade é sensível até demais… — Suspirou e eu continuei a o encarar, passando a língua pela bochecha. Me desvencilhiei do seu toque e subi as escadas sem a sua ajuda, tentando ao máximo não tremer de dor e nem fazer careta.

Eu sou sensível um caralho!!!

— Vai ficar aí babando pela minha bunda ou vai subir e trazer a minha comida? — Ergui as sobrancelhas, já no alto da escada e ele riu baixo depois de um tempo, me encarando como um bobão

— Eu não disse? Você se faz de durão… — Chegou mais perto e encostou o rosto ao meu. — Mas no fundo é sensível pra caralho. — E saiu na frente, adentrando o quarto e eu logo fui atrás, revirando os olhos e batendo os pés.

— Você é um saco cara. — Suspirei profundamente me olhando no espelho. — Eu tô parecendo a galinha pintadinha! — Gritei apontando para eu mesmo e ele gargalhou alto, deixando a bandeja sobre a cama então eu a peguei e me sentei despojadamente sobre o colchão, tomando um susto ao sentir a cama abaixar e cair para um lado, fazendo meu refrigerante derramar sobre o lençol. — Puta que pariu, o que foi isso?! — gritei olhando para jimin e ele olhou para o chão de olhos arregalados.

— Caralho jungkook, você quebrou a cama! — Apontou e eu olhei para baixo, vendo os dois pés da cama tortos.

— Não fui eu não… — Neguei. — Foi você e esse instrumento erótico me fudendo com aquele pique todo a noite, querido. — Ele se ajoelhou e tentou ajeitar.

— Sai de cima, meu bem. — Soltei um pulinho ficando de pé. — É, parece que quebrou mesmo, puta merda viu… — Me olhou

— O que você tá olhando, seu merda?!

— Você quebrou a cama.

— EU NÃO QUEBREEEIII aí que saco! A gente que quebrou, tá? JUNTOS, Dois cara com mais de cinquenta quilos encima de uma cama velha, fodendo a noite toda fazendo até mesmo o chão tremer, juntos, quebraram a cama, até porquê né, como é que você não quer que essa merda quebre? A coitadinha rangeu e balançou por umas sete horas seguidas! — Ele riu baixo negando.

— E agora?

— Agora vai ficar assim...

— E quando a gente vir para cá alguma dia de novo? Vamos dormir onde? — Ergueu uma das sobrancelhas e eu dei de ombros.

— Você que compre outra, meu amor. — Peguei meu pratinho de panquecas e comecei a comer enquanto ele ainda me olhava incrédulo.

— Jungkook eu não sou rico não tá?

— Mas você tem uma boa renda, querido. — Pisquei. — Apartamento bom, bonito e confortável, me mimar pra caralho e às vezes dá uma de rico então você pode muito bem comprar uma caminha nova né? Ou prefere transar no chão?

— Pra mim, transar no chão vai sair mais barato do que isso. — Ri baixo o chutando na bunda e ele se levantou. — aliás… a gente pode transar em pé também uh? Você na pontinha dos pés empinando a bunda pra mim enquanto eu meto em você. — Me virou de costas pra si e chocou nossos corpos com força. Eu sorri de lado, o olhando por cima do ombro

— Sei não, deitado eu já fico cansado imagina de pé.. — Me afastei o ouvindo suspirar.

— Por que fica cansado sendo que sou eu que faço todo trabalho? — O olhei incrédulo com as mãos na cintura já o vendo se encolher mais.

— Você um caralho! Eu gemo, rebolo, sento gostosinho por um tempãooo e é você que faz todo o trabalho jimin? As minhas pernas tremem, sabia? você já viu a grossura do seu pau? Se eu estou de pé agora é por um milagre e- caralho, eu vou tomar o meu banho antes que eu te dê uma voadora cara. — Andei torto até o banheiro o ouvindo rir. — E para de rir! Eu não te dei o direito, seu merda.

— Eu também quero tomar banho com você! — Veio por trás, beijando meu ombro.

— Não. — Pisquei com a língua entre os dentes, entrando para dentro do banheiro rapidamente e fechando a porta.

— Ora seu..!

— Continua pra você ver se eu não te dou um socão na bunda seu cretino! — Gritei dentro do banheiro e ele ficou quieto do outro lado da porta.

— Deixa eu entrar… — Ouvi resmungar. Ergui uma das sobrancelhas, sorrindo enquanto olhava para o espelho

— Não!

— Eu juro que fico quietinho poxa… — Revirei os olhos, indo até lá e abrindo a bendita porta.

— Se abrir a boca para dizer um piu, eu te chuto daqui com tanta força que você vai ter que andar igual como eu estou agora ou talvez até pior! — O vi passar um zíper imaginário em sua boca e piscar para mim.

— Você tá muito nervosinho hoje, acordou com o cu virado pra lua foi? — Semicerrei os olhos.

— Acordei sim, com ele cheio de- aish! Eu vou te bater jimin! — Gritei e ele riu.

— Vou ficar quietinho, uh? Agora é sério.

— Vem logo! — O puxei pra dentro do box o vendo tirar a cueca e por sobre a tampa do vaso sanitário e depois, tomamos um banho gostosinho e fizemos amor rapidinho, debaixo do chuveiro.

·

·

·

— Como é que eu vou tampar esse chupões agora? — O olhei na frente do grande espelho e ele deu de ombros, enquanto mexia em seu celular, sentado sobre a cama, vestindo apenas uma calça social. — Ela vai me encher de perguntas e vai arrancar a verdade de mim! aish.. — Passei a mão pelo rosto. — Jimin me ajuda! — E ele nem me olhou. — Olha aqui seu merda, eu estou falando com você! — Peguei o celular de suas mãos e ele me olhou assustado.

— O que? O que foi meu amor?

— O que foi que eu vou te… aish! Eu tô falando com você, para de me ignorar! — Fiz bico. — Você tava todo fofinho mais cedo e agora não tá nem olhando no meu rosto, enjoou de mim foi? — Cruzei os braços e o ouvi suspirar.

— Claro que não, meu amorzinho, senta aqui vem. — Bateu no próprio colo e eu passei a perna por cada lado de seus quadris, colocando os braços sobre seus ombros e então, senti o selar demorado de jimin sobre meus lábios. — Eu te amo, meu bem, desculpa, tá? Juro que foi sem querer…

— Não… — Deitei a cabeça em seu ombro e cheirei seu pescoço.

— O que foi, uh? O que queria saber? Eu só estava concentrado demais.

— O que tem de tão interessante nesse celular que te faz esquecer até de mim hein? — O olhei e o vi suspirar.

— Não te esqueci, meu anjo mas é que… hm… essa semana agora, eu vou viajar para poder encontrar um grande amigo meu e do yoon e significa que antes de ir, eu vou ter muito trabalho para poder adiantar então eu só estava tentando resolver com o yoon sobre isso… — Acariciou minhas costas, parando as mãos em minha cintura.

— Ah… e que dia dessa semana você vai? — O olhei atento.

— Vou na sexta e venho na segunda a tarde out na terça. — Entreabri os lábios ficando quieto por alguns segundos.

Ah não…

— V-Você tem certeza que vai ser nessa semana? não pode ser na outra não? — Ele negou.

— Já tá tudo combinado e eu já comprei as passagens meu amor, por que? Não quer que eu vá? Tem algo de importante essa semana para você? — Neguei mordendo o lábio.

— N-Não, não… eu só… hm, mas e o nosso final de semana? E-Eu não vou poder te ver… — Mordeu os lábios negando

— Mas eu juro que vou te ligar a todo momento, tá bom? — Passou os dedos por minha bochecha e eu assenti o abraçando forte

— Vou sentir saudadinha… — Ele riu.

— Calma, ainda falta muito anjo.

— Mesmo assim. — O beijei e ele me olhou com carinho e depois de mais alguns minutinhos boiolando com o mesmo e trocando beijinhos, ele disse:

— Vamos, a gente tem que se apressar! Já vai dar duas horas... — Olhou para o relógio de pulso caro e eu desci de seu colo.

— Mas e isso aqui? — Apontei para as marcas e o vi pensar.

— Deixa assim, sua vó nem vai notar. — Sorriu.

— Vou passar maquiagem!

— Vai tampar as minhas marquinhas? — Fez uma carinha fofa.

— Sim! — Sorri indo pegar minha linda e salvadora base.

Quê? Eu vim preparado…

— Seu chato…

— Então me larga! — Gritei e ele gargalhou batendo na minha bunda, sorri também o chutando de volta o vendo acariciar o traseiro e ir vestir uma camisa.

·

·

·

— Deixa eu dirigir. — Pedi calmo enquanto o vi por as coisas dentro do carro, me ignorou passando por mim e voltando para dentro da casa e quando saiu novamente, eu insisti mais um pouco. — Hyung, deixa eu dirigir. — Com um potinho de pudim de chocolate e uma colher, eu melava os lábios inteiros só para poder fazer mais manha. — Hyung, hyung, hyung, hyung, hyung, hyung, hyung, hyung, hyung, hyung, hyung, hyung, hyung, hyung, hyungiiieeee! — E então, ele me olhou, com uma das sobrancelhas erguidas me olhando sério.

— Não.

— Mas você disse ontem que sim! Você disse, você disse, você disse!

— Olha só para você, não sabe nem comer um pudim sem se melar todo, imagina dirigir um carro? Meu bebê tem que ir sentadinho ao meu lado! Além de que, você nem terminou de comer ainda. — Enchi a colher que usava ao máximo e enfiei na boca, fazendo o mesmo processo duas vezes e o mostrando o pote.

— Pronto! Acabei hyung! — Sorri vitorioso com as bochechas cheias e ele revirou os olhos.

— Jungkook não.

— Só um pouquinho vai… — Fiz biquinho. — Eu juro que não vou muito rápido nem nada ji… deixa vai. — Juntei as mãos e ele parou, me olhando enquanto pensava

— Tá, mas se acontecer alguma coisinha de nada com o meu carro, nem que seja um arranhãozinho, eu vou cortar as suas bolas! — Pegou nos meus filhinhos e apertou de leve soltando em seguida e eu os tampei com as mãos, enquanto fazia uma careta.

— Você é muito mal cara…

— Sou mesmo agora vai logo antes que eu mude de ideia. — Corri pra perto do carro e o abri rapidamente, pulando para o banco do motorista mas voltando até jimin.

— Cadê a chave? — Perguntei eufórico e ele a contragosto, retirou a chave que estava pendurava em sua calça, me dando com uma careta. — Yeah! Eu vou dirigir, eu vou dirigir! — Fui até lá novamente, ligando o carro. — Vamos logo! — Gritei abrindo e fechando a janela com o carro já ligado o vendo trancar a porta da casa e vir até o carro me olhando de lado e se sentando ao meu lado.

— Jungkook, jungkook… — O dei um beijinho.

— Você vai ver como eu sou um ótimo motorista! — Acelerei de uma vez e ele se segurou em meu braço com os olhos arregalados, fiz o mesmo.

— Não! Sai, sai! — Gritou e eu me mantive ali.

— Daqui eu não saio, daqui ninguém me tira! — Gritei de volta e ele tirou a chave do carro e eu o olhei incrédulo.

— Seu filho da put-

— Olha a boca mocinho! — Me repreendeu e eu o dei língua tentando pegar a chave.

— Se não me dar a gente vai ficar aqui o dia todinho e eu não estou nem aí. — Cruzei os braços o olhando com um sorriso debochado e assim ficamos por pelo menos cinco minutos, até ele ceder e me entregar a chave uma outra vez.

— É a sua última chance, se vacilar, já sabe. — Apontou o dedo na minha cara e eu o ameacei morder enquanto sorria sapeca.

— Aquilo foi só um deslize hyung! Agora vai! — Liguei o carro e sai devagar o olhando de ladinho. — Viu? Seu bobão. — O mostrei a língua e voltei a prestas atenção na estrada, achando engraçado o jeito que ele se segurava no banco de olhos fechados. — Põe o cinto, mozão. — Pedi passando uma das mãos por seu braço, o vendo me olhar cauteloso e colocar o cinto, enquanto eu fazia o mesmo. — Ah, você tem que fechar o portão. — Apontei com a cabeça e ele suspirou descendo do carro para poder fechar.

— Vamos logo. — Disse ao se sentar novamente e eu assenti acelerando e saindo dali.

— Vou sentir saudades, eu gostei daqui. — Disse baixo e calmo e ele assentiu.

— Nós podemos voltar outro dia.

— Aí a gente faz mais amor gostosinho a noite inteira. — Ele riu baixo, passando a mão pelo rosto. — Aliás, que boquete gostoso viu? Céus… eu acho que até vi Jesus. — Gargalhou encostando a testa em meu ombro. — Até quando você engasgava era gostoso, porra… molhou ele todinho, também né, com o pau que eu tenho, é possível não se engasgar.

— De tão pequeno que é né? Porque eu quase não conseguia ver. — O olhei feio

— Está com ciúmes! O meu pau é maior e bem mais grossão assim que o seu! — Mostrei com as mãos e ele gargalhou alto, jogando a cabeça para trás com uma das mãos tampando os lábios e a outra segurando a barriga.

— Amor você bebeu? Tá drogado? Doente? Com febre? — Perguntou ainda rindo e medindo a minha temperatura, revirei os olhos com um bico.

— Você não me respeita cara. — Resmunguei.

— Você também não me respeita, moleque, eu sou seu hyung, esqueceu? Mereço respeito.

— Pau no seu cu. — O olhei rapidamente, vendo sua caranca e então sorri com a língua entre os dentes.

— Pede desculpa. — Franzi o cenho.

— Quê?

— Pede desculpas se não eu te mordo! — Segurou um dos meus braços e eu gargalhei sentindo seus dedos logo em seguida me fazendo cócegas.

— Ji! O carro! — Gritei em meio as risadas e ele parou, abraçando minha cintura e mordendo meu pescoço devagar.

— Lindo. — Me beijou rapidamente e eu sorri.

— Você é muito bobo cara. — O empurrei pela testa, depois de beija-lo de novo o vendo sossegar no banco olhando para o celular. — Mozão eu tô com fome. — Resmunguei depois de um tempinho na estrada e ele me olhou.

— Mas você acabou de comer. — Me olhou incrédulo. — Você é um homem ou um aspirador de comido porque puta que pariu viu, haja comida. — Revirei os olhos, fazendo biquinho.

— Eu estou em fase de crescimento! — Semicerrou os olhos.

— Vai crescer mais para onde jungkook? — Ri baixo o empurrando de levinho.

— Bobão, mamãe diz que eu posso crescer até os vinte anos. — Pus a língua entre os dentes o olhando. — Você que me aguente até lá com seus 1,73. — Pisquei o ouvindo rir, o olhei de novo.

— Presta atenção na estrada. — Me repreendeu e eu o dei língua sorrindo.

·

·

·

No caminho para busan, jimin decidiu que seria melhor nós almoçarmos e algum restaurante e mesmo a contragosto, eu concordei, ele tinha razão sabe… não queria incomodar muito a minha avó.

Ela já está velhinha, tadinha… não aguenta nem mais me bater com a vassoura quando eu já chego a pedindo comida...

— Você vai comer tudo isso? — Sussurrou pra mim depois de eu ter terminado de fazer o meu pedido enquanto eu o olhava confirmando.

— Sim? algum problema? — Ergui uma das sobrancelhas e ele negou passando a mão pelos cabelos.

— Não, não. — Olhou para o lado conferindo algo na pequena bolsa que ele carregava para todo lugar e logo em seguida, pegando seu celular o olhando concentrado por alguns minutos, me deixando com cara de tacho ali, olhando para o nada.

Saco viu.

Saquei meu celular também e vi ter algumas mensagens de Taehyung então, cliquei na conversa para poder o responder.

gay❤️

|viadoooooo

|babado babado babado

|me respondeeeeee

|EU VOU EXPLODIR SE NÃO TE CONTAR LOGO OQ ACONTECEU

|o desgraçado tá dando, só pode

|jungkook

|jungkook

|jungkook

|jungkook

|tomara que o cu exploda tbm

|fodase

|te odeioooooo

|ódio

|tomara que seu cu doa bastante depois

|E EU NÃO VOU EMPRESTAR POMADA HEIN

|inferno

|eu vou falar pra sua mãe

oi gostosoiि०॰०ॢी✓✓

desculpa eu dormi✓✓

e foi a única coisa que eu disse, já esperando os xingamentos vindos do mesmo então, bloqueei o celular de uma vez, o sentindo vibrar sobre a mesa, ri baixo cobrindo os lábios e jimin me olhou desviando rápido para o celular

— O que foi? — Sorriu também.

— Taehyung surtando. — Apoiei minha bochecha sobre a palma da minha mão e ele sorriu deixando o celular sobre a mesa também.

— Aconteceu alguma coisa?

— Não, eu só não respondi ele direito, nada de mais, o tae é assim mesmo, surtado. — O vi se sentando mais endireitado e se remexer um pouco, como se estivsse incomodado. O olhei atento. — Ta bem, ji? — Ele assentiu, ajeitando sua camisa que estava por dentro da calça e olhando para o lado.

— Eu vou ao banheiro, tá? não demoro. — Assenti e o vi se levantar rapidamente sumindo para dentro do corredor onde ficava os banheiros, suspirei passando o dedo indicador sobre a minha taça vazia, olhando rápido para seu celular e vendo estar ligado em seu menu de conversas, engoli em seco esticando mais o pescoço para ver um pouco mais, mas me indireitei balançando a cabeça e voltando para o meu lugar.

— Para com isso, é o celular dele! Você confia nele, não tem nada aí. — Eu disse sozinho, sussurrando para mim mesmo e passando a mão pelos cabelos. — Mas só uma olhadinha… — Belisquei o dedão com o dente, balançando a perna em ansiedade e respirando fundo. — Não! É melhor não… — Olhei para cima. — Mas ele deixou eu ver ontem sem problema algum! Aish, quer saber, fodase. — Peguei o celular e encarei a tela inicia de contatos, vendo várias notificações, a maioria era sobre o estúdio, horários e essas coisas sobre o seu trabalho, sorri ao ver meu contato fixado como "gatinho💕" mas logo meu sorriso se desmanchou a ver o contato de mia ali, com uma mensagem entregue de jimin a três minutos atrás

"quando podemos nos encontrar?"

Engoli em seco, respirando fundo.

— Não deve ser nada de mais... Ele não faria isso comigo… — Olhei para o lado mordendo a boca e entrando na conversa, rolando o dedo e lendo o que eles haviam conversado a alguns dias atrás.

|jiminzinho :(

|pq não me responde mais?

|eu estou com tanta saudade neném :(

As mensagens eram visualizadas, mas ele não havia respondido nenhum. Suspirei, rolando o dedo um pouco para cima, vendo mais mensagem insistentes de mia.

|pq não podemos só conversar!

|eu sei que você ainda gosta de mim…

|pq está se fazendo de difícil assim?

|eu não fiz nada de errado…

|ou fiz? só me diz!

|não tínhamos um motivo para terminar!

|por favor, me responda…

|eu te amo tanto:(

Engulo em seco, passando a mão sobre a testa.

Não queria que ela se sentisse mal… ele poderia ter pelo menos respondido que não dá mais ou sei lá...

Olhei para o lado, conferindo se ele ainda não estava vindo então, continuei, voltado e lendo o que eles haviam conversado recentemente.

oi✓✓

nós precisamos conversar✓✓

A primeira mensagem a ser enviado foi por jimin, ainda ontem a noite, antes de termos ido para a cama.

|jimin?

|é vc mesmo? eu nem acredito!

|claro, nós vamos conversar!

|eu estou com tanta saudade de você…

|:(

...✓✓

certo, não confunda as coisas✓✓

eu só quero conversar✓✓

por favor, não tente nada…✓✓

eu já estou cansado disso✓✓

enfim✓✓

quando podemos nos encontrar?✓✓

Me assustei ao ouvir sua voz de longe, conversando animadamente com uma garota um pouco mais baixa que si.

Coloquei o celular rápido onde estava antes sentindo meu coração bater afobado, enquanto eu tentava fingir que nada havia acontecido.

Fiquei o encarando de longe até ele me notar e sorrir para mim, se despedindo da moça e voltando ao seu lugar.

— Quem era a garota? — Perguntei, apertando os dedos e ele sorriu.

— Uma amiga do colégio, nem acredito que eu a encontrei depois de tanto tempo. — Passa a mão nos cabelos suspirando.

— Muito tempo mesmo… décadas atrás até porque você não é nada novo. — Provoquei, tentando parecer normal, mas por dentro eu estava pegando fogo, tremendo levemente as mãos tentando me acalmar.

Por que ele não me disse nada que iria a encontrar?

Se ele confiasse tanto em mim, teria me dito assim que mandou a mensagem…

Não deve ser nada de mais, jungkook, não crie paranóias para depois estragar tudo. Por favor...

— Está tudo, amor? — Tocou meu braço, colocando a cadeira ao meu lado, segurando uma das minha mãos. — Você está tremendo, não se sente bem? — Engoli em seco, fechando os olhos e sorrindo em falso.

— Estou bem, não é nada de mais, acho que… só estou com muita fome e não aguento mais esperar com tanta demora! — Ele encarou todo o meu rosto, como se estivesse desconfiado, mas depois sorriu, acariciando minha coxa.

— Certo então... Oh! A comida já está vindo, uh? — Assenti vendo o garçom colocando tudo o que havíamos pedido encima da mesa e eu vi jimin arregalar os olhos e passar a mão nos cabelos as repousando em seu rosto logo em seguida.

— Eu não entendo como você pode comer tanto assim… — Pôs a mão no queixo, me observando. Revirei os olhos.

— Vá comer jimin. — Chutei sua perna, me sentindo envergonhado ao tê-lo me olhando por tanto tempo.

Ouvi seu riso

— Você é lindo até comendo, puta que pariu...

— E você é lindo até me comendo puta que pariu.— O imitei e ele riu, me dando um soquinho.

— Bobão...

— Gostosão. — Ele sorriu, tampando a boca com as bochechas vermelhas, fazendo meu coração saltitar alegre

Ele é tão lindo…

Sorriu mais quando eu soltei alguma piadinha idiota que só ele mesmo ria, me fazendo sentir meu coração quentinho.

Ah… ele me faz tão bem…

Espero que ele não me decepcione nunca, nunquinha mesmo

Eu o amo tanto…

·

·

Devorava a comida rapidamente, enquanto jimin nem havia tocado a sua ainda, olhando para os lados e pela grande vidraça do local, como se procurasse por alguém.

— Ji? Não vai comer? — Perguntei tocando sua perna por debaixo da mesa ele nem me olhou, pedindo que eu esperasse.

— Uh, eu só estou esperando uma pessoa, amor. Já, já eu como. — Franzi o cenho.

— Quem? Que pessoa? — Ele sorriu.

— O meu pai. — Deixei os hash's cairem sobre a tigeja de lamem, enquanto ele me olhava com um sorriso.

— O-O seu pai?

— Sim! Eu o chamei aqui para que vocês se conhecessem! Não é legal? Eu disse de você para ele. — Suas bochechas ganharam um leve rubor enquanto eu já começava a tremer das pernas, pronto para correr dali.

— Você o que?! Jimin! Caralho, por que você não me disse antes de virmos para cá? Eu teria me arrumado mais e não vindo como se fosse um marginal! — Apontou para minhas roupas e ele riu revirando os olhos.

— Não tem nada de errado com as suas roupas, seu bobo. E eu não disse antes porque sabia que você iria ficar nervoso já que para conversar como a minha mãe você já fez um auê doido, imagina com o meu pai. Você até fugiria com o meu carro.

— Otima ideia! Eu to caindo fora! — Quase gritei e ele me puxou para que eu me sentasse, olhando em volta enquanto as pessoas nos encaravam.

— Para com isso! Não é tão ruim, o meu pai é super legal, só um pouquinho bravo, mas legal. — Passei a mão no rosto.

— Eu já estou aqui tendo um ataque e você ainda me diz que ele é bravo? Jimin eu vou desmaiar.

— Jungoo-ah! — Riu baixo. — Calma amorzinho, eu estou aqui, uh? Ah! Veja só, ele chegou! — Vi jimin se levantar e ir ate lá enquanto eu não tinha forças nem para olhar para trás, já que estava me borrando nas calças só de ouvir a sua voz.

É mamãe… a cueca extra agora vai ser bem útil.

— Continua…


Notas Finais


e olha só quem vai conhecer o sogrão? KKKKKKK
foi isso! espero que tenham gostado :)
volto logo logo, prometo q não vou demorar tanto de novo jshwheh
entrem no meu grupinho flopado ae🤙💕
https://chat.whatsapp.com/E4tWWhHqqlx8mzrOsgfpbO

tenham uma boa noite e lavem bem as mãozinhas ein!
até a próxima<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...