História O Namorado Literário - Clace (katnic) - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Dominic Sherwood, Katherine McNamara, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Jocelyn Fairchild, Sebastian Verlac (Jonathan Christopher Morgenstern), Simon Lewis, Valentim Morgenstern
Tags Dominic Sherwood, Katherine Mcnamara, Katnic, Romance, Shadowhunters
Visualizações 62
Palavras 2.527
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


📖

Capítulo 23 - Momentos negros...


Clary

Você sabe aquele ponto em um romance onde a garota desnuda seu coração para o garoto, e ele diz a ela que a amava desde o primeiro momento em que pôs os olhos nela?
Não foi assim que minha história com Jace aconteceu.
Na verdade, minha história com Jace passou de uma história de amor épica para uma ficção de mulheres trágicas. Porque como você chamaria uma história de amor sem final feliz?

Patética pra caralho, é isso.
Há dois momentos negros na minha história com Jace Herondale. E se eu pensasse que o momento negro número um, quando ele me rejeitou fora do Walrus Saloon foi ruim, não é nada comparado ao momento negro número dois.
Faço uma anotação para nunca mais escrever outra cena de luta em um bar em qualquer livro.
Eu olho para o cursor piscando no meu manuscrito e meus dedos começam a digitar. Eu mexo-me desconfortavelmente na cadeira de praia na parte de trás do  pátio da casa de Izzy, apenas tentando encontrar um ponto ideal que ajudará as coisas a começarem a se encaixar no lugar.É inútil.
Eu tentei todos os lugares na casa de Lynsey para encontrar o minha 
inspiração de escrita novamente, e nada está fluindo. Nada. E o fato de eu poder ver o rosto idiota de Pedro no andar de cima, na janela do quarto em que uma vez eu tive a minha inspiração, me faz vibrar de raiva.

Acabei dando a casa a Pedro para que ele parasse de ameaçar uma ação legal contra Jace por socá-lo no nariz. Não foi difícil, porque Jace nunca teria socado Pedro se não fosse por mim. Mas agora eu passei as duas últimas semanas lutando para encontrar minha vibe enquanto moro com Izzy. Quanto a ser colega de quarto, ela é ótima. Mas ela não me inspira do jeito que Jace fazia. Nem mesmo perto.
Inferno, eu mesmo fui com Izzy para a cafeteria do hospital um dia para
tentar encontrar uma nova vibe. Quando isso não funcionou, eu tentei ir à padaria perto do escritório de Simon.

Nada funcionou.

Porque eu já encontrei o lugar em que eu vibrei.

Loja de Pneus.
Mas eu fechei essa porta. Jace não retornou nenhuma das minhas ligações ou mensagens, e isso é tudo.
Na minha opinião, eu estou tendo um momento Rita Hayworth. Ela foi uma deslumbrante e antiga atriz de Hollywood, que dizia que os homens iam para a cama com Gilda, o ícone bonito, e acordavam com a realidade, uma versão menos glamorosa do sonho.
Adele é Gilda. Clary Fray é a realidade.
Eu não fui corajosa o suficiente para descobrir se Jace aceitaria menos que Gilda, e agora eu arruinei minhas chances de saber com certeza.
Eu bato meu laptop fechado e solto um grunhido poderoso assim que Izzy e Simon chegam ao pátio dos fundos com bebidas na mão.

Simon sorri para mim enquanto me entrega uma margarita.

— Beba, isso vai ajudar.

Eu pego o copo da mão dele e vejo izzy caminhar até seu tiki bar para pousar um enorme jarro inteiro de margaritas.

Ela olha para mim animada e diz:

—Nós estamos tendo ideias!

— Planejando, — Simon corrige com uma piscadela e pega a cadeira de praia ao meu lado.
Izzy cai na outra, então agora eu estou entre meus amigos, com bebidas na mão, uma melhora muito grande para o meu estado há poucos minutos atrás.

— Vocês estão certos, — eu respondo e tomo um gole. — Talvez uma nova ideia de livro seja exatamente o que eu preciso para recuperar minha inspiração.
Algo sobre um piloto ou uma série que apresenta um time de futebol inglês, talvez!Vocês sabem que eu amo um sotaque britânico.

— Clary, — Simon me interrompe.

— Desculpe, — eu me encolho. — Seria futebol se eles fossem britânicos.

Ele revira os olhos.

— Nós não estamos planejando uma nova série de livros.Nós estamos planejando como você pode trazer Jace de volta.

Eu murcho instantaneamente e tomo um gole.

— É tarde demais, meus amigos. Jace deixou isso perfeitamente claro.

— Oh, pare, — Izzy repreende. — Ele estava perturbado. Os caras não gostam de ser ridicularizados, e você fez com que ele se sentisse um idiota. Ele vai superar isso.

— Ele não está retornando nenhuma das minhas ligações, — eu corrijo. — Já faz duas semanas.

— Isso é porque você ainda não fez o seu grande gesto, — ela diz, tirando os óculos de sol da cabeça e colocando-os sobre os olhos quando ela se recosta.

— Desculpe, o quê?

— Clary! — Izzy exclama, batendo na lateral da cadeira frustrada. Ela agita as mãos fazendo gestos enquanto continua: — Você escreve essa merda, agora você precisa vivê-la. Você precisa fazer um grande gesto que mostre ao seu herói que você se importa de uma forma profundamente pessoal, que deixa claro que,enquanto você sabe que você fodeu tudo regiamente, você ainda o conhece. Você o conhece e se preocupa com ele, e a grandeza desse gesto provará isso.

— Uau, isso foi longo, — eu gracejo e tomo outro gole.

— Ela está certa, Clary, — Simon diz abruptamente, e olho e vejo a seriedade em seus olhos. — Você sabe que ele se importa com você, então apenas conversar com ele não será o suficiente. Você tem que fazer algo importante.

Eu mordo um pedaço de gelo por um momento enquanto pondero isso.

— Em literaturas eróticas, os grandes gestos são normalmente como uma inversão de poder. Tipo, oh, tudo bem, vou deixar você colocar um plug anal com cauda de cavalo em mim só desta vez.

Izzy e Simon explodem em gargalhadas, e eu franzo a testa para eles,afirmando:

— Eu estou falando sério.

Eles reviram os olhos e Simon diz:

— Pense mais romanticamente e menos animal de fazenda.
Eu permaneço em silêncio por alguns minutos enquanto me pergunto tudo sobre Jace que eu amo. Então penso em tudo o que ele ama, e meus olhos brilham quando me lembro da noite em que compartilhamos a caminhonete do seu avô.

— Seu avô tem essa caminhonete velha que ele está morrendo de vontade de consertar. Mas ele está despejando todo o seu dinheiro em reformas da casa, então ele está se segurando nisso por enquanto. Ele disse que o carburador precisava ser substituído.

Os olhos de Simon iluminam com essa revelação.

— Você só acabou de economizar sete meses de aluguel.

— Você acha que isso é uma boa ideia? — Eu pergunto, mastigando minha unha nervosamente.

— Você pode simplesmente comprar um carburador para um
carro? Ele não teria que... eu não sei... consertá-lo ou algo assim?

— É para isso que existe o Google! — Izzy grita e estende a mão para pegar meu computador.

— Espere, isso vai ser brochante? — Eu digo, parando-a na metade da  pesquisa. — Se eu comprar alguma peça cara para a caminhonete do avô dele, ele vai ficar tipo: 'Foda-se vadia, eu pago do meu próprio jeito?'— Izzy e eu olhamos para Simon por uma resposta.

— Não se você der a ele nua. — Ele simplesmente encolhe os ombros.

Minha primeira reação foi rir, mas quando Simon não participa, faço uma careta.

— Espere, isso é sério?

Ele levanta as sobrancelhas e me fixa com um olhar.

— Eu sequer curto carros, mas se você vier para mim nua, com um carburador em sua mão, eu provavelmente estaria todo interessado nisso.

Eu olho para Izzy que também dá de ombros.

— Nós vamos descobrir essa parte mais tarde, — eu afirmo com uma risada.

— Vamos colocar a mão massa!

Jace

— Mano, qual diabos é o seu problema? — a voz de minha irmã, 
atravessa a linha telefônica, me acordando de um sono profundo.
Eu esfrego minhas mãos no meu rosto e verifico a hora no meu celular.

—Nossa, por que você está acordada? São 6:30 da manhã. Meu alarme nem disparou ainda.

— Eu pensei que você trabalhasse para ganhar a vida, — ela retruca.

— Eu não saio da minha casa até as 7:15. Eu tinha uns bons trinta minutos antes de ter que levantar.

Ela suspira pesadamente.

— Mamãe está preocupada com você.
Eu estico meus braços abertos, e tiro meus pés do lado da cama para ir ao banheiro.

— Por quê? — Eu pergunto, tirando minha boxer.

— Porque você não enviou um e-mail a ela em duas semanas. Você está fazendo xixi?

Não, — eu minto.

— Mentiroso.

— Eu não estou fazendo xixi. É apenas o riacho da minha casa. Correndo muito rápido e forte pela manhã.

— Você é nojento. Tenha a decência de silenciar a linha telefônica da próxima vez.

— Mas então você não seria capaz de me ouvir fazer xixi. — Um sorriso preguiçoso se espalha em meu rosto enquanto coloco o telefone no meu ombro para lavar minhas mãos.

— Qual é o problema da mamãe?

— Você foi de enviar e-mails para ela nas noites de domingo sem nunca falhar, para silencio absoluto para todos nós por duas semanas. Nós conversamos sobre isso, Jace. Um e-mail por semana significa que você evita os telefonemas de duas horas com ela, onde ela ameaça ficar com você por uma semana. Por que você está relaxando?
Eu respiro fundo e caminho pelo corredor até a minha cozinha. Minha 
cafeteira com temporizador terminou o preparo, e eu sirvo uma xícara.

— Eu estive ocupado.

— Besteira, — ela grita quando eu abro a porta da frente e saio para a varanda. O céu é uma mistura de nascer do sol azul e dourado, iluminando as copas das árvores na frente da minha casa.

— Eu não senti vontade de falar.

Ela geme alto.

— Não me diga que você voltou com Aline. Eu estou lhe
dizendo, Jace, nossa família não poderá mais aguentar isso. De qualquer maneira, eu pensei que ela estivesse casada e tivesse uma criança.

— Não é Aline, — eu digo, revirando os olhos e tomando um gole.

— É  aquela... garota escritora, — eu admito porque conheço minha irmã, e ela não vai desistir até eu confessar.

— Aquela que você me chamou do bar?
Eu limpo minha garganta e respondo com os dentes cerrados.

— Sim.

— Oh, cara! Eu não sabia que você estava vendo-a!

— Eu não estou… quero dizer, eu estava. Mas acabou agora.

— Por quê?

— Porque ela mentiu para mim sobre alguma coisa, e eu não estou trazendo briga como aquela de volta para a minha vida novamente. Eu estive lá, estou cheio disso.

O pequeno grunhido  do outro lado me surpreende.

— Não pense que toda garota que não é perfeita é como Aline, certo? Eu não conheço essa garota escritora, mas eu te conheço, e você parecia tão louco de felicidade naquela noite que você me ligou para falar sobre ela, Jace. Mais feliz do que eu te ouvi desde... sempre. Eu diria desde Aline, mas honestamente, você nunca ficou feliz com
aquela garota. Não houve um dia em sua vida. Eu sei que não conheço essa escritora, mas liguei para mamãe no dia seguinte para contar a ela sobre como você soava, porque era tão diferente como dia e noite. Nós estávamos empolgadas.

— Sério? — Eu digo, meu queixo caindo. Eu sabia que minha família tinha problemas com Aline, mas eles raramente diziam isso para mim. Eles sempre apoiaram cegamente as minhas decisões.

— Vocês nunca disseram nada.

— Jace, Aline foi má, e ela te fez infeliz. Você ficou mal humorado por anos por causa daquela garota. Deus, toda vez que vocês terminavam, todos rezávamos para que fosse a última vez.

— Por que você não disse algo para mim sobre isso? — Eu exclamo,envolvendo minha mão em torno do corrimão da minha varanda e apertando-a frustrado.

— Porque nós nunca sabíamos quando você poderia voltar com ela! E se admitíssemos como realmente nos sentíamos e você ficasse com ela, isso poderiaarruinar nosso relacionamento com você. Na verdade, nós usamos o vovô para lhe dizer que ela era uma puta enorme, porque nós sabíamos que você não podia odiá-lo.

— Oh meu Deus, — eu exclamo com um sacudir de cabeça.

— Vovô estáva nisso?

— Oh, sim, — ela responde com uma risadinha. — Lembro-me dele dizendo para a mãe uma vez... 'Se vocês são muito fracos para dizer a Jace  para largar aquela garota, então eu vou fazer isso.' Mamãe ficou super insultada, mas era o vovô... você conhece.

Eu rio alto com isso.

— Deus, eu posso imaginá-lo dizendo isso.

— É desnecessário dizer que eu estou feliz que seu silêncio não seja por causa  dela. Então, o que está acontecendo com a escritora? Qual é o nome dela mesmo?

Eu balanço minha cabeça e respondo,

— Clary. — Parece estranho dizer em voz alta quando ela tem sido Adele na minha cabeça por tanto tempo, mas honestamente, isso combina com ela muito melhor do que Adele.

— Sobre o que ela mentiu para você?

— Algumas coisas variadas, — eu respondo, realmente não querendo entrar nos detalhes, porque isso me faz sentir patético.

— Então o que aconteceu quando você descobriu?

Minhas sobrancelhas levantam.

— Eu dei um soco em um cara.

Encontro silêncio do outro lado.

— você está aí ainda? — eu pergunto.

— Desculpe, eu estava processando. Então você realmente deu um soco em um cara? 

— Sim. Eu não estou orgulhoso.

— Jesus, eu estou… impressionada. Papai sempre dizia que a única mulher que fazia você violento com outra pessoa era eu. Você é uma daquelas pessoas que‘late, mas não morde’. Seu latido é geralmente assustador o suficiente, porque você é basicamente um gigante. Então o fato de você ter dado um soco por uma garota
me faz pensar que você deve realmente se importar com ela.

Este é um conceito que venho ponderando nas últimas duas semanas.

— Eu acho que eu estava realmente começando, — eu admito. — Mas acabou agora. Ela mentiu, e eu não estou fazendo a besteira de Aline novamente.

— Há uma grande diferença aqui que acho que você não está considerando, Jace.

— Que seria?

— Aline fez você infeliz, e essa garota te faz feliz, verdadeiro ou falso?

Eu engulo um nó na garganta.

— Verdadeiro.

— Então você vai deixar uma noite ruim desacreditar vários momentos de felicidade?

— Eu não sei se é assim tão simples.

— É tão complicado quanto você faz ser, mano. Eu acho que você está exagerando porque você foi ferido. E isso é compreensível. Mas não jogue fora uma coisa boa por causa do seu passado. Já foi tirado o suficiente de você.

Eu corro a mão sobre a minha cabeça e suspiro pesadamente.

— Como vocênficou tão perspicaz?

— Eu fiquei sábia com o passar dos meus anos. — Ela ri e eu ouço um farfalhar no fundo. — Eu estou apenas começando a minha aula de kickboxing. Eu tenho que ir. Ligue-me depois que você deixar de ser idiota e fazer as pazes com essa garota!
Ela desliga sem outra palavra, e eu não posso deixar de sorrir. E parte do meu sorriso é porque, pela primeira vez em duas semanas, eu acho que talvez estivesse errado. Não sobre ficar chateado com Clary por mentir para mim sobre alguma coisa muito importante, mas sobre o fato de que eu nunca a deixei realmente explicar seu lado das coisas. Eu nunca briguei com ela. Eu a bloqueei quando eu escolhi encerrar
o drama em minha vida depois de ter sido tão gravemente ferido por Aline.

Mas o fato de eu nunca ter dado um soco em outro homem até aquela noite com Clary diz alguma coisa.

Diz que Clary  Fairchild é uma mulher pela qual vale a pena lutar.


Notas Finais


Adoro a amizade de Clary , Izzy e Simon 😍
Supor.fofo eles apoiando e tentando ajudar ela voltar pro Jace.
E vamos ver se o Jace dar mais uma chance pra Clary né 🤞


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...