História O novo Sherlock - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Chansoo, Instagram, Kaisoo, Texting
Visualizações 50
Palavras 2.564
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, LGBT, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Guess who's back in the house?

Eu sei que mandei uma nota apenas para pedidos de desculpa, mas eu realmente nunca vou me perdoar por ter abandonado vocês e eu tô muito triste comigo mesma :'(

Porém voltei, tão triste e iludida como nunca, trazendo um capítulo a little chocante, mas que eu espero que gostem <3

Levei dois dias pra fazer e deixar ele "perfeito" (ou pelo menos aceitável) para que vocês gostem :) ITI MALIA amo vocês

Capítulo 12 - Bom demais em dizer adeus


Baekhyun corria de um jeito tropeçado, esbarrando nas pessoas e atraindo olhares curiosos por ser um “estranho” no meio deles. A cada esbarrada que dava, algumas pétalas das flores acabavam caindo e fazendo um caminho desregulado e engraçado por onde ele corria, como se ele quisesse deixar sua marca por onde passava. No fundo de sua mente ele pensava que aquelas pétalas que caíam poderiam significar o caminho de um futuro sucesso que poderia ter.

E ele estava tão convicto que daria tudo certo, que finalmente poderia ter nos braços aquele a quem desejou por anos e anos tão perfeitamente escondido que deixava os atores e famosos no chinelo. Estava premeditado para dar tudo certo, Chanyeol se acertando com Kyungsoo, Jongin com seu plano de pedido de namoro, Chanyeol repetindo incansáveis vezes que precisava seguir em frente. E sabia que o melhor passo a frente que o Park poderia dar era estando consigo.

Em algum momento pensou ter visto Kyungsoo discutindo com Sehun no canto da cantina, mas passou rápido demais para tirar suas próprias conclusões sobre isso. Sabia onde Chanyeol estaria pois havia dado um jeito de convencê-lo a ir até ali depois que conversasse com o Do. Escorregava nas medidas que tentava acelerar o passo pois o piso começara a ficar liso quando as finas gotas de chuva deram seu Olá. E quando, finalmente, chegou atrás do bloco onde estudava – que era conhecido como “o motel” da faculdade – ajeitou os fios com uma esperança de que parecesse mais aceitável. Endireitou a postura carregando aquele buquê como se fosse algo que havia encontrado por aí enquanto estava vindo, conseguindo esconder perfeitamente o nervosismo que sentia.

- Então... Acredita que o morenão queria dar um buquê de flores pro cabeçudo careca? – Disse de forma despreocupada, sorrindo engraçado para o maior que estava encostado na parede com um olhar meio perdido para o céu. Chanyeol o olhou de relance, sorrindo de canto e suspirando logo depois. Naquele momento, Baek percebeu que alguma coisa estava errada, algo que poderia estragar tudo que pensava em fazer e dizer. – O que foi agora?

- Eu acho que... Deu tudo certo? – Baek tombou a cabeça para o lado, não entendendo patavinas daquele momento. Se havia dado tudo certo, por que ele parecia que havia perdido algo que gostava tanto? Era quase a mesma expressão que uma criança fazia quando procurava seu brinquedo favorito e não o encontrava. Ele estava perdido para sempre. – Kyung me perdoou, disse que se orgulha que eu esteja tentando seguir em frente.

- Então por que você tá assim, orelhudo? – Encostou-se ao lado de seu amigo, deixando o buquê pairar sobre suas mãos cansadas, já não tão esperançoso assim. Procurou o ponto em que Chanyeol observava o céu mas achou apenas poucas estrelas brilhando perdidas, uma em cada canto. Chegou a conclusão que ele não olhava para nenhuma delas, talvez estivesse olhando para si mesmo, dentro de sua própria alma.

Um suspiro longo e sofrido fora ouvido no silêncio que, de repente, se instalou no local. Diga logo ou eu vou morrer.

- Eu não sei. Eu me sinto... Vazio? – Ditou devagar, com medo do que Baekhyun pudesse pensar ao ouvir aquilo de si. Ele mesmo sabia que era uma traição com ele, por dizer aquilo mesmo tendo a companhia de Baek quase todos os dias, o incentivando e o deixando para cima quando queria chorar mais. – Jongin estava indo pedir ele em namoro, não é? Fico feliz que eles estejam tão bem assim.

Sofreu. Ah, como sofreu por ouvir aquilo. Era quase tão melancólico e lastimoso quanto se Chanyeol pegasse o buquê de suas mãos e o jogasse no chão, mesclando-o com a terra enlameada que começava a se formar naquele local. E talvez preferisse aquilo, que Chanyeol o quebrasse com gestos, e não com palavras. Palavras puras, inocentes, saídas do fundo de um coração desolado e descontente, quase tão igual ao seu.

Se virou com toda a preguiça e desinteresse que poderia demonstrar naquele momento para o Park, mas no fundo escondia um medo e insegurança que o fazia quebrar o coração. Esticou o pequeno e enfeitado buquê (mesmo que faltando algumas pétalas) até que Chanyeol o segurasse em suas mãos com um meio sorriso bobo no rosto. Ajeitou sua jaqueta e fechou o zíper, mexendo na chave de sua moto nos bolsos.

- Flores combinam com você.

Disse discretamente como se estivesse se declarando para ele. Flores combinavam com Chanyeol, mas Baek era um cacto, dos mais espinhentos e dolorosos.

- Eu realmente ia tentar isso mas acho que agora é inútil. Eu não sou o cara certo pra você. Eu te amo. – Falou baixo, mas no tom perfeito para que Park escutasse com clareza tudo o que o mais baixo falava. Baekhyun virou seu rosto e olhou uma última vez para as estrelas perdidas, se vendo no meio delas. – Me desculpe por ser covarde demais e egoísta demais. Eu... Acho melhor ir embora.

Se curvou em um gesto de despedida, segurando discretamente a mão do maior e apertando os dedos como se implorasse para que ele o segurasse de ir embora. Infelizmente, contos de fadas não existiam, e Baekhyun sabia muito bem disso. Ele não seria capaz de conquistar o príncipe encantado enquanto ele próprio era a madrasta do filme que manipulava a todos para suas vontades. Assim que soltou os dedos de Chanyeol, virou de costas e percebeu que ele não iria atrás de si, então apenas caminhou lentamente, como se caminhasse diretamente para o encontro de sua morte, até chegar em sua moto para ir embora.


. . .


- E POR QUE VOCÊ NÃO ME FALOU NADA, CARAMBA? EU PODERIA TER IMPEDIDO ISSO DE ACONTECER!

Perder a cabeça não era uma coisa tão difícil assim para Kyungsoo, visto que seu pavio era curto e conseguia se estressar com o pouco que tinha acontecido. Mas, por incrível que pudesse parecer, ele não gritava por ter perdido a cabeça, e sim por sentir um desespero tão grande dentro de si que não sabia mais o que e como fazer. Sehun, por outro lado, carregava um semblante calmo, assistindo o ataque de Kyungsoo com as mãos dentro dos bolsos da jaqueta. Ele estava decepcionado com o ocorrido, claro que estava, mas bem dentro de seu coração, no fundo, ele estava aliviado.

Os dois estavam no canto da cantina, quase na saída, escondidos atrás das portas e paredes para que ninguém os pudesse ver, mesmo que fosse quase inevitável. Era um ponto estratégico que Kyungsoo e Jongin haviam criado quando quisessem falar algo sozinhos.

- Porque eu não sabia que ele ia falar com você justo quando o Jongin também iria. O que eu posso fazer, Kyungsoo?

O mais baixo se virou, segurando nas mangas da própria camisa para manter a calma, respirando fundo e olhando nos olhos castanhos e riduculosamente frios de Sehun. Bateu as mãos nos ombros largos do outro, como se ajeitasse a camiseta que ele usava, e então tentou o intimidar com o olhar. – Vá ver se ele foi embora, eu vou procurar ele por aqui.

E assim começou uma outra jornada de perseguição por parte de Kyungsoo, mas agora para achar aquele a quem deveria desculpas – e o seu coração. Sehun fora pelo caminho que levava na saída e o Do seguiu até onde se localizava a biblioteca. As aulas já haviam voltado, o horário do intervalo terminara há pelo menos dez minutos atrás e, mesmo que naquela matéria precisasse de presença, não se importou em perambular pelos corredores. Perguntou para a bibliotecária, que o reconheceu no momento em que Kyungsoo disse “cara com um buquê” mas ela acabou não ajudando em nada por dizer que apenas havia o visto no início das aulas.

Perguntou até mesmo para pessoas aleatórias, que balançavam negativamente a cabeça e saiam rindo de si logo depois. Os passos, antes rápidos e preocupados, tornavam-se cansados na medida em que passava pelos cantos daquele campus, mas sem sequer uma única resposta. Olhou uma segunda vez no banheiro apenas para ter certeza, mas viu as cabines todas vazias, saindo desesperançoso dali mais uma vez.

Agora caminhava sem rumo, sem uma direção, apenas esperando que esbarrasse alguma hora em Jongin ou em alguém que sabia onde ele estava. Foi até o canto mais escuro da faculdade, tendo uma pequena chama de esperança que ele estivesse ali, mas tudo que achou fora um Chanyeol abalado com o mesmo buquê de flores na mão. Caminhou lento até ele, se sentando no chão ao seu lado e respirando fundo. Eles haviam voltado a se falar, pediram desculpas um ao outro, deveria ser normal voltar a ficarem assim, certo?

- Baekhyun se declarou pra mim.

- Jongin sumiu.

Disseram ao mesmo tempo, como se calculassem mentalmente quando deveriam fazer isso, se olhando e rindo por alguns segundos. Para Chanyeol, o fato de Jongin não lhe era tão importante assim, mas para Kyungsoo, saber aquilo era como uma bomba armada em suas mãos.

- O que? Quando?

- Agora mesmo. Achei que até esbarraria com ele vindo para cá.

O mais baixo não disse nada, até porque não tinha nada para falar, não conseguia expressar uma resposta boa o suficiente ou que fosse consolar o coração desamparado que tempos atrás ele mesmo havia quebrado. Sentiu o celular vibrar com uma mensagem, sentindo os batimentos falharem quando viu que era de Sehun. Felizmente, a mensagem dizia que Jongin estava bem, dormindo encolhido em sua cama com o rosto vermelho, mas que estava bem. Suspirou, sentindo um alívio percorrer seu corpo com aquela informação. Deveria ir embora, tinha que estar lá para quando Jongin acordasse, para conversarem sobre tudo.

Mas não queria ir, ele queria ficar ali, desabafando sua vida com Chanyeol e o escutando fazer o mesmo, discutir com ele sobre o que faria a partir de agora e como responderia a tal declaração de Baekhyun. Ele apenas queria ficar ali, ao lado de seu melhor amigo talvez até fazendo nada, apenas estando juntos. Um sentimento estrondoso de culpa preencheu sua mente e seu peito, se arrependendo de tudo que havia dito, tudo que havia feito, das maneiras como havia de direcionado para Chanyeol nos últimos meses. Eles não estariam tão mal quanto agora.

- Você quer que eu te leve lá? – Chanyeol disse baixinho, quase em um sussurro, o que assustou Kyungsoo que estava viajando em sua própria mente. O “hm?” confuso dele saíra de um jeito tão meigo e espontâneo que Chanyeol sorriu sentindo as batidas de seu coração acelerarem. Como ele queria o beijar naquele momento. – Vi que Sehun te mandou a mensagem mas você não se levantou. Se não quer ir sozinho, eu te levo.

- Não é isso, a república é aqui do lado. Eu sempre fui e voltei sozinho, não tem porque ter medo de ir agora, não é?

Os dois riram sem expressão, estavam desamparados demais e seus corações batiam tão desesperadamente rápidos que pareciam estar em sincronia. Quando sentiu as mãos de Chanyeol bagunçando seus fios curtos e ralos, Kyungsoo não deu a mínima para o que havia acontecido e nem o que estava acontecendo. Ele simplesmente explodiu, mas não de raiva, e sim explodiu suas palavras que estavam entaladas na garganta por muitas semanas.

- Você também sente medo? – Depois de muita relutância, Chanyeol olhou diretamente para o rosto de Kyungsoo, e, por todos os deuses, ele havia feito a pior coisa do mundo. Pois, no momento em que o olhou, viu nele, iluminado pela luz da lua fraca, a própria imagem de Helena. Mas ele sabia muito bem que era o Paris da história e também sabia o seu final trágico. – De que tudo que nós sentimos um dia volte...

Medo.

Kyungsoo sentia medo por pensar em voltar a gostar de Chanyeol.

E aquilo havia sido uma pancada e tanto para o Park, que sentiu como se Kyungsoo carregasse um machado e cortasse suas partes lentamente e dolorosamente. Fingiu um sorriso, não demonstrando seu descontentamento, levantando e batendo as mãos nas roupas como se as quisesse limpar. Estendeu a mão para Kyungsoo se levantar, e este o olhou bem no fundo de seus olhos, tentando saber sua resposta.

- Eu não sinto medo. Ter me apaixonado por você foi a melhor escolha que já fiz até hoje, mesmo que não tenha tido um resultado tão bom, então eu não tenho medo. - Curvou-se até segurar os dedos de Kyungsoo e então o puxar para cima, começando a caminhar lentamente na sua frente e parando ao perceber que ele não o seguia. – Vamos. Eu vou te levar até seu príncipe encantado.

Balançou a mão em um gesto que o chamava para ir com ele, sorrindo de orelha a orelha, mas um de seus sorrisos mais falsos, o que não conseguia esconder perfeitamente sua tristeza. Naquele momento, Kyungsoo não quis ter sido o melhor amigo de Chanyeol por anos pois assim ele não conseguiria saber sobre o quanto ele estava sofrendo apenas através de um sorriso. Engoliu em seco e começou a caminhar até ele, que esticou seu braço para que segurasse ali.

Os menos de cinco minutos que andaram foram em um completo silêncio, tão doloroso quanto se estivessem sozinhos. Os olhos vagos de Kyungsoo se atentaram no chão, nos buraquinhos existentes e nos diferentes estilos e formatos de calçadas. Assim ele não teria que olhar para Chanyeol e falar algo ou puxar algum assunto o qual sabia que não iriam continuar. E assim se foram até chegar na frente da república, mal iluminada e com um ar sombrio demais, mais do que o habitual.

Chanyeol parou de frente para Kyungsoo, o olhando fixamente no rosto e esperando que fizesse algo ou falasse, mas ele apenas balançava as mãos e continuava a olhar para o chão. Iria sair dali sem nem mesmo dizer tchau, mas as mãos pequenas puxaram sua blusa quando ele tentou se virar.

- Você vai falar com o Baekhyun? – Chanyeol quis gritar, sair correndo por achar que ele faria qualquer outra coisa, menos tocar no nome de Baekhyun, não naquele momento. Suspirou triste e balançou negativamente a cabeça, sabendo que ele conseguiria observar mesmo que estivesse olhando ainda para baixo. Kyungsoo levantou a cabeça e tentou sorrir, fechando os olhos para esconder as lágrimas que quase saíam de seus olhos. – Eu... Acho que vou entrar, ok?

Não respondeu, ao invés disso fez o que Kyungsoo não teve coragem de fazer, ou apenas não teve vontade. Segurava delicadamente o queixo do mais baixo, colocando sua outra mão em suas costas, o puxando para mais perto e sentindo aquilo que desejou por tanto tempo. E era realmente uma mistura de suco de maracujá com um pouco de hortelã, talvez a hortelã fosse de alguma bala ou até mesmo de um suco que poderia ter tomado, mas o gosto de maracujá sabia que não sairia nunca dos lábios de Kyungsoo. Era macio, muito mais macio que os lábios de Baekhyun, muito mais convidativo também, e ele não queria o soltar.

Mas uma gota de bom senso em sua mente o fez com que parasse e soltasse o corpo de Kyungsoo antes que acabassem intensificando, o que seria ainda pior. Respirou fundo, ainda rente ao rosto do outro, e deixou um beijo calmo na testa gelada, se virando, começando a caminhar pela noite escura até que sumisse da visão do mais baixo.


Notas Finais


Obs; se tiverem erros de português, eu peço perdão e prometo que irei revê-los para corrigir. Mas sempre tem um ou outro que foge dos meus olhos então peço PERDÃO

Obs 2; EU SEI QHE ESCREVI "DESEJOU" ERRADO 2 VEZES NAO PRECISA ME ESMURRAR TA

Olha, assim, talvez bem talvez mesmo eu esteja gostando dessa ideia de chansoo mas só talvez eu não sei porém ainda sou muito kaisoo também aí eu não sei mais.

Vou espera pra ver o que vocês falam ahsuahua e muito obrigada pelas mensagens de apoio, vocês são muito amor da minha vida mesmo AF <33333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...