1. Spirit Fanfics >
  2. O Ômega de Um Gângster - JiKook, NamJin e TaeGi (ABO) >
  3. 021. All the time -

História O Ômega de Um Gângster - JiKook, NamJin e TaeGi (ABO) - Capítulo 22


Escrita por: Alita_2080 e Ophelia_Blossom

Notas do Autor


🍒Pronto, gente, agora eu estou de boa. Enfim, muitas coisas iram acontecer daqui para frente e esse capítulo é também muito importante para a nova etapa da fanfic. Bom, espero que gostem 💜😆🌌🍭

📍 Música usada: All The Time — Jeremih.

Capítulo 22 - 021. All the time -


Fanfic / Fanfiction O Ômega de Um Gângster - JiKook, NamJin e TaeGi (ABO) - Capítulo 22 - 021. All the time -

O tempo todo.

☪️

Finalmente tinha chegado o grande dia; a formatura. A faculdade estava um loucura igualmente aos alunos e funcionários dela, e não estava diferente para JiMin, YoonGi e Jin que estavam ansiosos pois logo estariam formados e poderiam, finalmente, buscar por os trabalhos que lhe aguardavam - pois, além da formação que a universidade dava, também entregava um tipo de currículo sobre as habilidades, destaques e todas as informações do aluno para ter mais facilidade para encontrar um trabalho, uma residência ou estágio. Pela manhã, as rotinas seriam as mesmas até o meio-dia, para o acabamento das decorações e também para o organizamento de tudo e todos.

Com os ânimos a flor da pele, os amigos não tardaram em chegar na facul’ para fazerem e estudarem, mesmo que não fosse muita coisa a se fazer, queriam estar a par de todos os assuntos e desafios que enfrentariam nessa nova jornada de suas vidas de formandos. A formatura era, geralmente, organizadas pelos alunos junto com a direção da faculdade e alguns recursos da cidade, além da colação de grau que era nada menos que uma tradicional cerimônia acadêmica na qual o estudante concluinte do ensino superior recebe um diploma, certificando oficialmente suas competências em determinada faculdade do conhecimento, além da graduação, colam grau os concluintes de cursos de pós-graduação stricto sensu: mestrado e doutorado.

A festa também era também aonde os estudantes tinham um tempo para falar sobre tudo que viveu na faculdade onde estudou, tinha também uma festa de gala esta somente para os concluintes que aproveitavam muito bem das bebidas, petiscos e músicas que tocavam para aproveitar a curtição do local. Mas era só a noite que acontecia e, muitas vezes, se estendia pela madrugada como se não houvesse o amanhã, pelo dia tinham muitas coisas a serem feitas, as roupas eram becas de cor preto azulado com o capelo - chapéu -  e suas faixas com ruas respectivas cores de suas determinadas formações. Para a felicidade de muitos, o tempo parecia andar a favor deles, e logo o anoitecer chegou fazendo a ansiedade já existente piorar ainda mais, suavam frio pelas expectativas que criavam a cada minuto que passava.

Os estudantes também poderiam levar seus familiares para aquela cerimônia muito importante na vida deles, e claro que os Ômegas não excitaram em chamar seus noivos e suas famílias. O dia para eles tinha passado normalmente, mesmo NamJoon tendo pedido desculpas, Jin ainda tinha medo de que o mesmo fizesse algo sem pensar pois, obviamente, a sua colega Alfa estaria ali para se formar e com certeza iria falar consigo, temia a reação do platinado e de como a noite poderia acabar. Mas esqueceu isso quando batidas foram ouvidas no banheiro onde estava e logo se deu conta de que deveria estar ali por bastante tempo do que deveria, vestiu seu roupão e destrancou a porta vendo a cara de bunda de YoonGi.

Riu e apenas seguiu para dentro do seu quarto aonde JiMin já vestia sua beca com o maior cuidado já que o tecido era frágil e poderia rasgar com um simples movimento brusco, contudo, todos estavam felizes de qualquer forma, no final das contas. Vestiu uma calça de tecido fino branco, uma blusa de manga preta transparente deixando aparecer seu peitoral e, se levanta-se um pouco os braços poderia ver seus mamilos e cintura, além de separar um paletó da mesma cor que a calça e colocou a beca, arrumou seus cabelos roxos um pouco desbotados e posou o capelo ali, e sorriu para o espelho que tinha em seu quarto, a beca tinha uma faixa de pano verde e no chapéu também tinha um linha da mesma cor que sinalizava sua área era de saúde.

A cor verde representa os estudantes que iram se formar na área de saúde sendo eles na profissão de educação física, enfermagem, fisioterapia, odontologia, medicina, nutrição, medicina veterinária, entre outros; JiMin também usava já que também seria da saúde. A vermelha era ligava a paixão e energia, era utilizado nas formaturas é historicamente associado ao anel de pedra rubi que dava o dom da fala escrita e falada, tudo que os formandos direito, jornalismo, relações públicas, publicidade e propaganda precisavam no dia-a-dia. Lilás refere-se a pedra ametista que tem sua cor associada ao misticismo, a lilás/roxo é a cor utilizada nas roupas e nos capelos dos formandos nas áreas: ciências sociais, história, letras, pedagogia, recursos humanos e serviço social - podendo ser verde, por também se encaixar na saúde - , entre outros. 

safira é a presta preciosa representada pelo grupo dos formandos azuis. O azul transmite serenidade e harmonia, e acompanha todos os profissionais da administração, engenharia, econômica, arquitetura e urbanismo, artes - este sendo o grupo de YoonGi - e design gráfico, entre outros. A roupa de baixo do Park era uma calça preta colada, com uma blusa de manga também preta e transparente, mas nem tanto quando a do Kim, tinha um sapato social escuro e seus cabelos estão em um topete deixando sua testa e rosto bem marcado e destacado, YoonGi já saiu do banheiro vestido com uma calça jeans escuro com um blusa moletom camuflada, com coturnos pretos e uma bandana azul escuro deixando seus cabelos naturalmente brancos destacados e para cima.

– Todo bonito, hein?- Jin assobiou para o albino que revirou os olhos.

– Estou indo obrigado, por que se dependesse de mim, não iria!- Sentou na cama do mais velho ali e cruzou os braços com emburramento.

– Para ficar dormindo?- JiMin pegou o frasco de seu perfume e espirrou em si próprio, intensificando seu cheiro mas aquela leve lufada de ar com cheiro fez o Min ficar tonto e colocar a mão na cabeça. – Está tudo bem, hyung?- Perguntou preocupado se aproximando do outro Ômega que levantou a mão em um ”pare!” silencioso.

– Me senti tonto por causa dessa porra de perfume que você usou!- Reclamou fechando os olhos e respirando fundo tentando não ficar enjoado e vomitar ali mesmo.

– Tonto? Mas você nunca ficou assim por causa dele- SeokJin disse pegando o perfume e o cheirando para ver se não tinha nada de incomum. Entretanto, balançou a cabeça em negação. – Estranho...- Murmurou fazendo o cômodo ficar em completo silêncio. 

– Ei, já está quase na ho... Yoonnie!?- TaeHyung chegou abrindo a porta para chamá-lo mas sua atenção foi para o Ômega. – Está tudo bem? Se machucou? Se senti mal?- Perguntou desesperado vendo o pálido levantar o rosto e apoia-lo em seu ombro chegando perto de seu pescoço e fungando forte ali.

– Só me senti tonto- Confessou. – Seu cheirinho é tão bom, Alfa- Todo molinho encostou seu nariz pequeno na pele bronzeada do loiro  que se arrepiou pela fala fazendo Jin e JiMin se entre-olharem desconfiados.

– An... Precisamos ir, esta na hora- Avisou tentando não pensar em coisa inapropriadas para não ficar com uma ereção no meio de seus amigos e em uma hora totalmente estranha.

– É, vamos!- Jin puxou JiMin para fora do quarto e o encostou em si olhando para todos os lados. – Desde quando YoonGi é tão delicado assim?.

– Não faço a mínima idéia. Mas depois falamos com ele, TaeHyung está com ele agora e ainda tem a formatura- Começou a descer as escadas demonstrando que não precisava se preocupar e foi seguido por seu hyung.

– Ok- Suspirou.

– Finalmente desceram!- JaeBeom disse levantando um tapa na nuca pelo marido. 

– Onde está YoonGi?- HaJun perguntou olhando para algo atrás dos outros vendo que seu filho não estava ali.

– Aqui!- TaeHyung disse alto com o Ômega em seu colo. – Yoonnie se sentiu tonto- Terminou de descer as escadas vendo a Alfa aproximar de si para ver o menor que estava com o rosto enterrado no pescoço do loiro.

– Se estiver se sentindo mal, podemos ficar!- Falou preocupada colocando a palma de sua mão na testa do Min vendo se estava com febre.

– Não, eu estou bem...- Disse e desceu do colo do Kim segurando sua mão. Achava tão quente e aconchegante o toque. – E eu quero ir- Sorriu pequeno.

– Estamos em cima da hora- SoMi olhou para o relógio que tinha em seu pulso. – Não quero chegar atrasada, então vamos.

A cerimônia foi iniciada e como tinha começado, acabou rápido, deixando o local ao comandos alunos que não tardaram em aparecer com baldes de gelos com vodkas, uísques, soju e shots. Não tinha nenhum adulto ali - por assim dizer - e a nostalgia da adolescência rebelde bateu na porta de todos, bebiam até o talo, dançavam e cantavam, além de alguns estarem chorando pelo álcool estar passando por suas veias deixando sua mente nublada e confusa, e JiMin entrou nessa onda, bebendo até ficar com a visão turva e rir por qualquer coisa, Jin estava aos amassos com NamJoon em alguma sala da grande universidade, HoSeok acabou bebendo demais e sentou em uma cadeira olhando para o nada, quieto, coisa que sempre acontecia quando ficava bêbado.

– Sai, porra!- YoonGi disse quando subiu no palco aonde o DJ estava e o mesmo tendo impedi-lo de mexer em suas coisas, mas não adiantou de nada, já que o mesmo foi arrastado pelas pessoas inconsciente. – QUERO VER DEDO NO CU E GRITARIA!!!- Gritou no microfone quando colocou uma música animada e sensual ao mesmo tempo.

– Pão... O que é pão?...- HoSeok murmurou com sua cabeça apoiada no encosto da cadeira vendo o teto do salão com luzes neon de várias cores. – Pão é trigo!- Gargalhou. – Se tem começo, meio e fim, então significa que o começo tem começo, meio e fim. Então se eu fosse escrever um lema eu colocaria o começo do meio, o fim do fim e o meio do do começo... Mas o fim tem meio, e esse meio tem começo- Fechou os olhos. – Vontade de cagar...- Levantou e olhou ao redor. – Aonde está o banheiro?SERÁ QUE ESSE MUNDO EXISTE!!?? Será que eu existo?- Sussurou olhando para seu próprio corpo

JiMin estava em cima de uma mesa, em pé enquanto dançava olhando diretamente nos olhos de JungKook que também tinha bebido, mas não tanto para ficar desnorteado, seus olhos intensos e negros caminhavam no corpo e rosto do Ômega que rebolava nem ligando para algumas pessoas que lhe lançavam olhares maliciosos para si e falavam coisas com segundas, terceiras, quartas e quintas intenções envolvidas naquilo tudo. O olhar do Park parou na bancada que tinha ali com algumas bebidas alcoólicas e pegou uma garrafa de vodka pelo meio, a estendeu para uma garota que sorriu e segurou em bom grado, mas quase deixou-a cair quando o acastanhado tirou sua blusa mostrando para quem quisesse ver seu peitoral defino.

Pegou a garrafa novamente dando uma piscada para a garota que desmaiou no meio daqueles formandos desconhecidos que riam da cena. O Jeon observou como um predador o que o mais baixo fazia e cruzou os braços quando percebeu do que se tratava, JiMin se deitou na mesa e levantou o recipiente que segurava logo sendo pega por uma Beta que derramou o líquido quente e branco no umbigo do menor que gemeu pela mesma estar gelada, suspirou ainda quando a língua da tal Beta encostou em sua pele quente, a mesma começou a subir o músculo indo até o destino e começou a chupa-lo iniciando um body shot¹ que não durou muito já que um Alfa o emburrou de lá e tomou “seu”  posto, perdido nos olhos coloridos do Park que estava olhando para si com um sorrisinho cínico.

Diferentemente de antes, o ato do maior em passar sua língua por JiMin fez o mesmo arfar e tremer, era impressionante como JungKook poderia mexer tanto consigo - e vice-versa - era intenso e, ao mesmo tempo, delicado e suave, como uma pena. A embriaguez tomava cada vez mais sua mente enquanto se arrepiava pelo Jeon estar passando por sua derme quente, sentia-se entra em combustão como uma linha fina de gasolina enquanto a chama queimava-a rápido e sem qualquer chance de alguém pensar instantâneamente e apagá-la antes que tomasse uma proporção maior, mas no quesito deles, era um vulcão fervilhando ardentemente. O moreno raspou suas presas afiadas pela bochecha do Ômega tornando aquilo uma tortura, e não apenas um body shot como era lá atrás.

– Tudo isso por que alguém me tocou?- Provocou. O Lúpus soltou uma risada nasal pela ousadia do arroxeado.

– Você é meu- Seu timbre de soou baixo o suficiente para os batimentos cardíacos do Park acelerarem.

– Sabia que a lua pode ser feita de queijo?- HoSeok brotou no meio daquele amutuado de gente. – Ichala, eu adoro ouro!- Riu alto caindo para trás e fechando os olhos parecendo que dormiu ali.

– Acho melhor irmos!- Sai de cima de JiMin e o puxou para sair de cima da mesa.

– Por que?- Fez bico.

– Por que não quero você se despindo por ai- Respondeu pegando o Alfa Comum nos braços e empurrando as pessoas que ficaram triste pela “atração” está indo embora.

– V-você- Arrotou. – É um basculho...- Passou a mão pelo queixo de JungKook que ria do Jung bêbado.

– O que é basculho?.

– Não importa!- Fechou os olhos e dormia de vez, agora.

– Me larga, TaeHyung!- YoonGi gritava enquanto levava o albino no ombro que batia em suas costas com força.

– Iae, gente?- Disse como se não tivesse nada acontecendo.

– Cadê NamJoon e Jin?- JiMin perguntando encostando sua cabeça no braço do híbrido de lobo, com sono.

– A última vez que vi, eles estavam no banheiro quase se comendo- Jeon disse.

– Falando no diabo- YoonGi murmurou quando viu os dois citados com o Alfa com os cabelo bagunçados e sua roupa amassada e Jin com seus lábios inchados e pescoço com marcas vermelhas. – Cansam de se comer, não?!.

– Não enche!- NamJoon revirou os olhos. – Só estavamos no banheiro.

– Podemos ir-?- JungKook disse já saindo do local sem espera-los.

E todos seguiram para seus respectivos carros e guiando-se a suas casas, para uns a noite acabaria a partir que tomasse um banho e deitasse na cama, mas para outros a noite nem tinha. começado ainda. Foi isso que aconteceu com o platinado, nem esperaram a porta automática da garragem subterrânea se fechar para se atacarem como loucos, como se fosse a última vez que iriam fazer aquilo, as mãos percorrendo os corpos quentes pelo alcoolismo e a excitação, as bocas dançando agressivamente enquanto suas línguas tinham uma guerra para explorar as cavidades opostas com espaço e buscando ar que faltava em ambos.

NamJoon levantou a perna esquerda de Jin e se abaixou um pouco, dando impulso para o Ômega pular em seu colo e fazer suas mãos grande irem de encontro as coxas do outro e passar suas unhas ali, deixando marcas pela pele arrepiada e com pêlos quase invisíveis. Às cegas, NamJoon começou a andar em direção para dentro da casa, agradecendo ao universo pela porta do fundo está aberta e a adentrou, começando a subir pelas as escadas com cuidado e medo de cair e levar junto Jin em seu colo, mas logo passou quando chegou no segundo piso e abriu a porta com um chute forte - considerado até uma voadora - e jogou o corpo do menor ali, tirando sua camisa apressadamente, contudo foi parado pelas mãos de SeokJin.

– O que...?- Chiou ao que foi empurrado na cama e o Ômega levantou-se da cama indo até uma escrivaninha com papéis de trabalho e pegou a cadeira que usava, colocando-a na frente da cama.

– Senta na cadeira, NamJoon- Disse sério indo até o closet. O citado ficou confuso, mas obedeceu mesmo assim.

No closet do casal tinha um espaço reservado especialmente para os toys que estavam perfeita organização e enfileirados. Os olhos caramelizados do Kim caiu sobre eles, os observando e sorrindo quando os achou, pegando uma corda fina e um lubrificante sabor laranja, e os separou logo se arrumando para tal ação que iria fazer a partir do momento que saísse do local do onde estava; seria puros gritos e gemidos, tensão e tesão, sensual, consentual e sexual. Pegou uma blusa branca com listas em um azul bebê do Alfa, uma calcinha preta e um tipo de bota que era aberta atras, tirando sua roupa com rapidez, as jogou em qualquer lugar e pegou seus brinquedinhos eróticos e andando até o outro que ainda tentava entender o que estava prestes a acontecer.

Antes de questionar algo, seus pulsos foram amarrados fortemente por Seok com a corda, certificando-se que não saísse da cadeira por um tempo que ainda não foi informado, o lubrificante pequeno foi posto na escrivaninha e viu os movimentos do outro que ligava a TV colocando uma música que, mesmo não conhecendo o título, tinha um teor de quentura e exótico de longe e isso só se tornou mais concreto quando o arroxeado apertou o play, começando a tocar a música e o mesmo iniciar reboladas em seu quadril em uma dança que, automaticamente, hipnotizou NamJoon que não tirava sua atenção nas íris de Jin e tudo que envolvia a si.

Early in the morning's when I think about you

I hit you like what you sayin'

And the morning when I wanna fuck you

Yeah, I hit you like what you sayin'

I could fuck you all the time

I could fuck you all the time

M-O-E-T

That's what the fuck we be sippin'

That's what the fuck be drippin'

My Trap house still tippin'

Face time on the go

She gave me dome from the distance

She love to climb on top

As luzes brancas foram substituídas por vermelhas deixando o clima do quarto mais pornográfico do que antes, e sua ereção dura como pedra. Porra, como poderia deixá-lo daquele jeito sem fazer quase nada? A dança nem tinha começado e, quando começou, os instimulos aumentaram fazendo revirar os olhos pelo prazer que sentia só de vê-lo passando sua mão pela suas próprias coxas e dando um tapa forte ali fazendo a carne branca ficasse avermelhada como as paredes do cômodo onde estavam. Os braços do Ômega levantaram e se balançaram, virando-se dês costas e subindo a blusa que usava mostrando sua vestimenta íntima que resultou em um rosnado do maior que tentava de todas as formas se soltar das cornas que lhe prendiam e atacar o de cabelos roxos.

Jin andou como se estivesse desfilando e sentou no colo do outro dando fortes reboladas no pau ereto do Alfa que estava em um tipo de transe com aquele show de prazer que era apresentado a si. Não poder tocar do menor que agonizante pois sentia a lubrificação do mesmo molhar também sua calça que vestia - molhando a calcinha também, obviamente - e isso o excitava ao extremo, suas mãos formigavam e até doíam já que suas unhas forçavam contra a palma de sua mão e algumas perfuravam saindo um pouco de sangue dali. Suspirou quando sentiu algo gelado em seu pescoço e logo deduziu ser gelo que tinha no copo de água que sempre deixava por perto para o outro Kim não precisar levantar toda vez que senti-se sede,mas parece que sua boa ação foi contra a si no final das contas, e olha que nem estava reclamando.

But she love to walk off limping

Pimps up, hoes down

Legs up or toes down

Why she jock me, cause she knocked knee'd

And we got trees, so many go around

Gotta know I ate her

She so sweet now and later

I want that all the time, all the time

I know you all mine'

Early in the morning's when I think about you

I hit you like what you sayin'

In the morning when I wanna fuck you

Yeah, I hit you like what you sayin'

I could fuck you all the time

I could fuck you all the time

Sua camiseta foi tirada de si com dificuldade pois suas mãos estavam amarradas e até tiveram que ser tiradas por um tempo, sobretudo, não deu nenhum espaço de tempo para reagir de alguma forma, e o sorriso cafajeste de SeokJin aumentou mais ainda sobre sua frustração de não se soltar, o gelo foi novamente usado naquele momento, passando por seus “gominhos” de seu abdômen trincado, a frieza da água congelada quase não era sentida em seu corpo quente e o rastro aonde passava ficava, deixando tudo mais molhado por assim dizer. O gelo saiu da parte superior de seu corpo e foi posto entre seus dentes, deixando a maior parte do cubo gelado para fora e seus lábios doerem pelo frio, mas logo passou quando a boca do Ômega foi contra a sua com brutalidade, começando um beijo necessitado e desesperado, passando o gelo um para o outro além das línguas se tocando diversas vezes naquele período.

Pu-pu-pussy for breakfast, that's how I start my day

My dick is a pen, it's written all over her face

I put my tongue in her mouth, I make her pussy lips drool

She got that junk in the trunk, you know I like junk food

I tell her like this: life is good

Your pussy better, but I put on her magnum

I could go and melt her

And if it's sweeter, I'ma eat it 'til I get sugar diabetes

I'm her blood and she anemic we perfect!

Early in the morning's when I think about you

I hit you like what you sayin'

In the morning when I wanna fuck you

(Oh yeah I make her say)

O ósculo foi cessado pela maltida falta de ar e por que a apresentação ainda não tinha terminado, o maia baixo desceu das pernas de NamJoon e foi novamente no closet, pegando o pau - ou cano - do pole dance e trouxe para o quarto fazendo o outro Kim sorrir balançando a cabeça para o lado e para outro e começou a passar ao redor do mesmo atissando mais aquele Alfa louco pronto para comer seu menino de jeito, passou suas mãos por debaixo de sua blusa e fez uma expressão prazerosa logo a tirando e se arrepiando pelo ventinho gélido que aquele quarto tinha já que o ar era refrigerado não só naquele cômodo como na casa toda, sem exceção. A cueca do platinado e mais alto começou a ficar mais apertada que antes quando seu olhar pouso na intimidade do outro Kim; o nécta descendo pela parte interna das pernas e escorrendo até chegar em seus pés fofos e descansar no chão branco que já formava uma pequena poça de mel que o mais velho adoraria degustar até dizer chega.

Entretanto, infelizmente, não podia - não agora - , sua atenção foi rouba da seus pensamentos quando o outro passou sua bela bunda no cano e desceu devagar na promoção mútua [Capa] e também desceu sua mão pela buceta rosinha e bem cuidada de si mesmo, logo a levantando e colocando um de seus dedos encharcados na boca, chupando-os fazendo um barulho erótico e satisfatório para NamJoon que começou a bater seus braços fortes e com veias contra a madeira da cadeira onde estava, pronta para arrebenta-la por inteira antes de pegar sua presa que adorava pousar de dominador, quando na verdade adorava ser dominada e ver um pau grande e grosso enterrar-se em si com força e rápido, deixando os olhos lagrimejados e deixar lágrimas de prazer escapar de suas cílios mesmo que tentasse evita-las de sair tão facilmente e denunciar o quanto era sensível e submisso ao seu Alfa, seu noivo e seu dom.

Yeah, I hit you like what you sayin'

I could fuck you all the time

I could fuck you all the time

Damn, damn long momma you're sticky

Got a nigga out feeling Wicky

Every time you put it on me man ' trip

Every time we on it we eat fit, fit, fit

Don't let the time pick you

Wanna snap my finger

(Head shots)

Feeling real tipsy, getting real freaky

And it's getting real frisky

She melts it down, then she so calm

Up and down that wall, she go cold fuck me like you hate me, kiss me like you miss me

Anything I want to, it's what she always left me

Após isso, ficou de frente para o maior e abriu suas pernas, descendo novamente pelo pole sem qualquer vergonha na cara e pronto para o fight sendo ele de corpos a corpos, ou não. Pouco se importavam que iriam acordar os vizinhos, se seus gemidos  seriam altos ou eram dois ninfomaníacos desfarçados, só queriam saciar seus prazeres interiores um com o outro com o comprometimento de que apenas eles e somente eles poderiam dar tanta excitação um para os outros, e isso se confirma a cada noite de amor e gritos que passam, a cada jura permanente e quando seus lobos se interligam mesmo sem a marca. Andou até o mais alto e sentou de novo em seu colo, porém se inclinou sobre ele e passou seus dedos passou pelos músculos tensionadas do maior e foi até seus pulsos desatando o nó, antes mesmo da corna aqui no chão, seu corpo foi suspenso e jogado na cama bagunçada.

Logo de cara, NamJoon tirou sua calça ficando somente com sua cueca azul escuro  e começou a dar chupões pela parte exposta de seu corpo e a que estava mais chamando o Lúpus para abusa-la e provar de seu gosto doce, se encaixou entre as pernas do arroxeado e puxou sua calcinha preta a jogando para trás sem se importar com nada e se afundou ali começando um beijo grego gostoso, afim de querer levar o outro Kim nas alturas, pois para si o céu era o limite. Os clitóris macios e suculentos eram chupados e mordidos pelos dentes do outro, Jin tinha apertado seus dedos do pé e os lábios sangrando por morde-los e não chegar tão alto como normalmente fazia, a boca do Alfa era habilidosa e fazia um ótimo trabalho em si, rolava os olhos e apertava seus dedos ou nos cabelos platinados do mais velho ou nos lençóis cinza da cama.

Early in the morning's when I think about you

I hit you like what you sayin'

In the morning when I wanna fuck you

(Oh yeah I make her say)

Yeah, I hit you like what you sayin'

I could fuck you all the time

– I could fuck you all the time- Soletrou sem sair voz e gemeu alto. – Moonie!.

– Todo manhoso assim para mim, amor?- Perguntou passando sua língua sob seus lábios e lambendo mais do lubrificação doce e natural. – Todo meu e de mais ninguém- Começou a beijar os mamilos rosas do Ômega.

– Sim... SIM!!- Gritou.

Logo era outro dia, o sol esquentava as ruas e calçadas da capital que era movimentada por pessoas para lá e para cá, com pressa ou atrasados por algo e pelo calor, JiMin levantou da cama se espreguiçando e vendo que JungKook não estava na cama junto consigo, então - como havia combinado com seus amigos - foi em direção do banheiro tomando um banho rápido e vestindo uma calça jeans preta e uma blusa social branca junto com um coturno também preto deixando apresentável para distribuir seus currículos pelos hospitais que tinha nas redondezas. Pegou a pasta na qual tinha vários currículos seus e desceu as escadas vendo JungKook, YuJin e JungkSan na mesa comendo seu café da manhã enquanto conversavam sobre coisas aleatórias e nem percebendo sua presença na cozinha muito bem decorada.

– Bom dia!- Disse sorrindo abertamente deixando a mostra seu dente tortinho que o deixava mais fofo ainda.

– Bom dia, JiMinnie- A Beta saudou enquanto devolvia uma jarra de suco na geladeira.

– Esta animado, anjo?- Jeon perguntou vendo a áurea brilhante do Ômega que só faltava pular de animação.

– Sim, sim- Respondeu empolgado. – Espero que algum hospital me aceite.

– Claro que vão te aceitar- Beijou a testa do Park e o mesmo rez a mesma coisa consigo. – Tenho certeza que vai- Bebericou seu leite de banana, terminando o recipiente pequeno e fofo.

– Sannie?- Chamou o Alfinha que estava viajando em seus pensamentos olhando para o pão que estava em seu prato intocado.

– An?- Murmurou depois de balançar a cabeça e notar toda atenção para si.

– Está tudo bem? Não comeu nada, JungkSan-Ssi!- Cruzou os braços preocupado.

– Não estou com apetite algum- Suspirou quando as mãozinhas pequenas de seu hyung passaram carinhosamente em seus cabelos negros.

– Está com febre, bebê- Olhou preocupado para os outros demais. – Comeu algo que não te fez bem?- Se aproximou.

– Estou bem, hyungie- Forçou um sorriso mesmo que seu corpo doesse um pouco e a indisposição domina-se o mesmo sem qualquer forças para evita-los. – Vou para a aula- Avisou pegando sua mochila.

– Tem certeza que quer ir mesmo?- O Alfa mais velho disse olhando para o Alfinha que estava estranho e amarelo.

– Sim- Disse. – Tchau hyung, nonna!- Acenou saindo da casa e indo em direção ao carro onde estava o motorista que sempre o levava para a escola.

– Desde ontem ele está assim, indisposto e sem fome. Nem beber água está bebendo- YuJin falou pois ficou com o garotinho que não tinha vontade alguma de ir na formatura de JiMin e ficou o dia todo na cama, só sai para ir no banheiro sempre com fadiga.

– Ele está escondendo algo- JiMin olhou para a porta aonde o citado tinha saído.

– Qualquer coisa, ligo para a escola para saber mais- JO moreno comentou se levantando da cadeira que estava sentado. – Vou para a empresa, quer que eu te leve ao centro?- Sugeriu.

– Por favor- Pegou uma fatia de torrada com manteiga e uma maçã, colocando o primeiro em sua boca. – Jin e YoonGi combinados de nós encontrar lá- Disse embolado mandando um beijo no ar para YuJin que devolveu outro com um sorriso antes deles saírem da mansão.

– Oh, tudo Bem- Foi até o estacionamento pegando um porsche Macan branco e entrando no mesmo. – Alguns sócios da empresa são donos de vários hospitais em Seoul- Falou colocando o cinto e vendo o acastanhado fazer o mesmo.

– Quero arrumar um emprego por mérito meu, e não ser noivo de um CEO famoso- Disse fazendo JungKook sorrir. Certamente, JiMin merecia trabalhar em todos os hospitais do mundo e ser elogiado sempre já que sua honestidade poderia dar inveja a qualquer um que aproveitaria está oportunidade para ganhar dinheiro nas costas de outra pessoa.

– Ok- Sorriu dando partida no automóvel e saindo da carragem da casa trafegando pelas ruas alheias. – Já, já iremos nós casar- Riu.

– Pois é- Coçou a nuca. – Faz um tempo que estamos noivos e esse período fez a gente se conhecer ainda mais.

– Ou seja, está disposto a casar-se comigo?- Questionou divertido.

– Talvez...- Soltou no ar. – Ainda tem muito caminho pela frente- Olhou para o rosto do Alfa que lhe retribuiu por alguns segundos antes de voltar sua atenção de novo no trânsito estressante.

Alguns minutos depois, já estavam no centro da Cida e se dispediram, fazendo o Park procurar seus amigos naquele meio de tantas pessoas diversas. Demorou, mas finalmente conseguiu encontrá-los começando a busca pelo emprego, como a si e Kim exerciam a mesma profissão, sempre iam juntos para os mesmo hospitais por ali enquanto o albino entregava os papéis em empresas de arquitetura ou pintura, tendo a esperança de que poderia sim ter um emprego fixo quando os superiores avaliacem seu currículo impecável. Enquanto JiMin e Jin estavam na sala do diretor do Hospital Geral de Seoul decidindo seu destino - já que o mais novo queria a ala cardiológica e o outro pediátrico - , o Min caminhava or uma empresa de design a procura da sala do responsável por aquilo tudo, logo suspirou e sorriu ao encontrá-lo.

– Licença?- Pediu batendo na porta e a abrindo vendo uma mulher de idade média com óculos de fundo de garrafa lendo alguns papéis.

– Olá, o que deseja?- Deixou os papéis de lado e deu atenção ao Ômega ali presente.

– Vim entregar meu currículo- Foi até a mesa e fez uma reverência, estendendo um de seus mil currículos.

– Hum...- Pefou-o e analisou-o de perto sorrindo logo depois. – Está vago?.

– Sim, por que?.

– Sua entrevista de emprego começa agora- A Beta disse rapidamente vendo o pálido ficar estático mas logo sentando no estofado que tinha a sua frente. – Meu nome é Dong Ha e seja bem-vindo a DH Design Graphic. A dinâmica aqui é design para decoração, jogos, projetos de casas ou empresas e pintura- Disse. – Você aprendeu a desenhar quando ainda cursava a faculdade, certo?.

– Sim, sim- Sorriu. – Aprende muito mais coisas do que eu pensei, foi diferente mas me deu mais experiência- Admitiu orgulhoso de si mesmo – Oh, deixe-me apresentar, me chamo...

– Desculpe imterrompe-lo, mas sei que é você- Disse educadamente. – Senhor Min YoonGi... Ou devo dizer Kim Min YoonGi?.

– Ah...- Riu sem graça.

– Parabéns aí, Kim TaeHyung é tudo de bom!- Gargalhou alto arrancando um sorriso do outro, mas não pela sua fala e sim por apenas citar o nome do Alfa.

– Pois é. Mas não quero que leve isso em conta- Levantou as mãos. – Ele tem seu próprio trabalho e quero que isso não influencie no meu. Quero trabalhar por contar própria não pelo meu... Meu... Meu marido ser importante para a indústria coreana- Disse.

– Isso é bem honesto de sua parte!- Sorriu. Tinha gostado muito do Ômega de cabelos brancos como a neve e olhos de mar. – Então, que...- Foi interrompida por batidas na porta e um homem - Beta - aparecer entre a brecha. – Entre, Nie.

– Com licença- Pediu envergonhado deixando a mostra seu corpo inteiro e dois copos de café. – Trouxe seu café gelado- Colocou o mesmo na mesa sentindo a mão grande da Alfa em sua coxa

– YoonGi, esse é Dong Nyong, meu Beta- O outro Dong acenou para si, iria devolver se não se sentisse tonto e colocar suas duas mãos na cabeça.

– Ei, tudo bem?- Nyong perguntou.

– E-esse cheiro de café- O branquelo sentiu seu estômago revirar em desgosto e borbulhar por não ter comido nada pela manhã. – Acho que eu v-vou...- Antes mesmo de terminar a sua, a ânsia de vômito veio fazendo-o vomitar na mesa de sua futura - agora, possivelmente, ex - chefe e dando tempo apenas da maior tirar o café e currículo da mesa em rapidez. – M-me desculpa!- Exclamou alto e assustado. Fazia dias que estava se sentindo assim.

– Tudo bem, você não tem culpa- A Alfa diz. – Achou melhor ir ao médico- Alertou.

– Não!- Odiava hospitais. – Deve ser um mal-estar ou sei lá.

 Ou não- O Beta tirou um lenço de um pacote na outra mesa pequena que tinha no canto da sala. – Tome- Deu para limpar os cantos sujos de sua boca.

– Melhor ir para sua casa, Min- Disse.

– O-ok- Fungou se estranhando por estar tão sensível ultimamente e ainda pensar que não seria contratado. – Então, tchau!- Acenou.

– Lhe contarei pelo e-mail e conversaremos mais sobre o emprego- Viu um sorriso dançar nos lábios finos de YoonGi que saiu da sala feliz e enjoado.

Andou até a saída do prédio com uma mão na “boca” de seu estômago o sentindo fazer barulhos estranhos, logo quando viu aquela movimentação toda pela rua, se sentiu tonto e com uma cara de que comeu e não gostou em relação aos cheiros das pessoas, fumaça das empresas, comidas, perfumes, tudo que chegasse a sua narinas foi rejeitado imediatamente e logo o embolo foi-se no meio de sua garganta forcando-o a ir em uma lixeira presa a um poste e vomitar aquilo que nem mais tinha em seu estômago, além de água que mais parecia o próprio ácido que ficava no órgão de digestão. Jin procurando o amigo, avistou o mesmo e correu até lá segurando a mão pequena de JiMin que também estava preocupado com o corportamento do albino; tinha suas suspeitas, mas não iria relata-las pois conhecia muito bem como YoonGi era e como reagiria se ouvisse as palavras.

– Hyung, está tudo bem?- Perguntou se arrependendo ao ver o rosto vermelho pela força e uma cara debochada.

– Quase coloquei minhas tripas, rins, pulmões, tudo para você e você acha que estou bem?- Levantou a casa fechando os olhos para não ver o estrago que fez em cima daquele lixos descartáveis, olhando para o Park. – Pareço bem para você!?.

– Ok, YoonGi; Jin colocou a mão na frente do mesmo. – Está estressado, mas não desconte isso em JiMin. Ele não tem nada a ver com isso!.

– ... Desculpa- Respirou frustado passando a mão nervosamente nos cabelos. – Não estou me sentindo bem.

– Não precisa se desculpa, Yoonnie- Sorriu doce. – Por que não liga para Taehyung?- Sugeriu vendo o Rato concordar com a cabeça, discando o número do Alfa no celular que já estava em sua mão livre.

— YoonGi, aconteceu algo? Você nunca me liga.

— Taehy...- Era impressionante como o tom de voz do Min mudou completamente depois de ouvir o timbre rouco e baixo do outro. — Não estou me sentindo bem.

— Aonde está? Me mande o endereço e chegarei aí em dez minutos.

— Não está ocupado?.

— Você é mais importante do que tudo isso aqui na minha frente!- Dava para ouvir a movimentação no outro lado da linha. – Irei desligar, mande agora- O branquelo assendiu mesmo que o loiro não pudesse o ver, ainda.

A ligação foi encerrada e, até mandar o endereço e esperar os minutos, foi tudo feito do Jin já que YoonGi não conseguia parar de vomitar enquanto o Park fazia um carinho em suas costas para dar apoio e transmitir para o amigo de que não estava sozinho. Logo quando o Kim chegou na frente do prédio foi agarrado pelos braços do Ômega que se esfregava de todas as formas em seu corpo quente, tendo uma expressão confusa em seu rosto e só intensificando quando Jin balançou a cabeça e saiu junto a JiMin, alegando que ainda iriam em mais dois hospitais ainda de ir embora deixando o casal a “sós”. O albino deu trabalho para sair de seu colo e cokoca-lo no banco do passageiro, mas felizmente conseguiu e partiu para sua casa depressa por se distrair várias vezes pelos resmungos de desconforto do menor ao seu lado.

Aquilo estava muito estranho, sentia um cheiro diferente vindo do Ômega, e por ser um Alfa Lúpus conseguia diferenciar coisas que nenhuma outra pessoa poderia - a não ser que fosse da mesma linguagem Lúpus - e isso despertava sua desconfiança. YoonGi não esconderia nada de si, então se o mesmo não falou nada que confirmasse suas dúvidas, significava que nem o próprio sabia o que realmente era, certo? Aquilo passava por sua mente a cada quilômetro rodado na cidade até chegar em sua casa: tirar do carro, pegá-lo no colo, ter paciência para tirá-lo e ainda fazer o mesmo tomar alguns remédios para dor de cabeça e corpo, além de cogitar o levar ao médico pois poderia ser algo grave ou alguma doença séria que não conhecia.

Mas, não era algo grave, era algo bem bom de se receber daqueles que planejam ou sonham em ter. Porém, não seria tão fácil assim, e nem imaginavam que, a partir dali as coisas começariam a desandar e descer ladeira à baixo. Passaram-se horas, ambos decidiram cochilar um pouco enquanto no hospital de Seoul JiMin e JungKook andavam de um lado para outro preocupados afobados e a ponto de comer seus dedos - já que não tinha mais unhas para roe-las - pois, um hora antes do horário da saída da escola de JungkSan, o Jeon recebeu uma ligação do diretor falando que o Alfinha tinha passado mal e desmaiado, além de suar frio e fica febril repentinamente e sem qualquer explicação, fazendo o moreno ficar em alerta e não excitar em ligar para o Ômega que imediatamente foi até a escola para o encaminhar ao hospital mais próximo.

Agora estavam ali, no corredor vazio e branco, andando pelas paredes de ansiedade em saber sobre notícias do pequeno Jeon e o médico que o atendeu. 

– Responsáveis por Jeon JungkSan?- Uma enfermeira Alfa disse alto fazendo os dois levantarem rápidos.

– Somos nós!- Exclamaram. 

– Vocês são pais do senhor JungkSan?- Disse com profissionalismo e competência.

– Sim- JiMin disse. – Ele está bem? Podemos vê-lo?.

– Por favor, me acompanhe- Limitou-se a dizer o que não fosse necessário naquela hora e viu a confusão em seus olhares mas mesmo assim a seguiram excitantes pois passavam várias coisas em suas cabeças. Andaram até um sala escrito “Dr. Mike” em negrito e preto, a enfermeira bteu três vezes na porta ouvindo a permissão para entrar. – Podem entrar- Pediu gentil e foi obedecida.

– Doutor, o que estamos fazendo aqui?- Foi a primeira coisa que JungKook perguntou olhando para o homem jovem e Ômega - mesmo tendo um cheiro se sobrepondo do seu natural, sinalizando que ja era marcado - que os olhou apreensivo.

– Sente-se, pro favor- Pediu apontando com a mão.

– Estou muito bem em pé!.

– JiMin...

– Eu só quero saber o que está acontecendo com meu bebê!- Exlcmaou bravo olhando para o médico. – Fale logo!.

– Seu filho teve um mal súbito e acabou desmaiando, nada grave nesse quesito- O que era para conforta-los os deixou mais curiosos ainda.

– Nesse quesito? Como assim?- O Alda Lúpus deu um passo a frente olhando diretamente nos olhos do outro.

– Sinto em lhes informar mas, JungkSan tem um Linfoma de Hodgkin ou doença do Hodgkin.

– O-o que isso significa?- A voz facilante de JiMin mostrava a vontade que tinha de chorar mesmo sem saber a gravidade, porém sentindo-a.

– Estou querendo dizer que seu filho, senhor Jeon e senhor Park, tem um tipo de câncer raro.

☪️


Notas Finais


📍¹ = Body shot é beber shots - pequenas porções de qualquer bebida alcoólica - direto do corpo de alguém.

🍒Esse "SERÁ QUE O MUNDO EXISTE?" dedico a @Jeon_Jimin9795 que deu a idéia KKKK obrigada

🍒Espero que tenham gostado. Até 👋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...