História O outro Ackerman - Capítulo 29


Escrita por:

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Levi Ackerman "Rivaille", Mikasa Ackerman
Tags Attack On Titan, Levi, Levimika, Mikasa, Rivamika, Romance De Época, Shingeki No Kyojin
Visualizações 32
Palavras 2.943
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Ecchi, Hentai, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, meus leitores

Tudo bem com vocês? Espero que sim!

Mais uma que se aproxima do final!

Já começo pedindo desculpas pela demora, mas segue aí mais um capítulo atualizado com sucesso.

Espero que gostem, se divirtam e tenham uma boa experiência de leitura.

Capítulo 29 - De volta para casa


 

Mikasa acordou com os passarinhos cantando. Se levantou tropeçando indo em direção a janela.

- Mikasa? – Chamou Levi.

Ela olhou para ele sorrindo.

- Depois da tempestade de ontem, o sol decidiu nos agraciar com sua beleza. – Comentou sorrindo. 

Levi olhou rápido e  deixou  cair sobre o travesseiro. 

-Desde que esteja aqui, nada disso importa. – Resmungou. – Ele terá que competir com sua beleza. – Sorriu. 

Mikasa se deitou ao lado dele. Levi a abraçou colocando embaixo das cobertas. 

-Alteza. – Disse um servo. 

- Diga. – Disse Levi sonolento e a protegendo. 

- Comandante Erwin, generais e o Duque o aguardam para iniciar a reunião e os planos de retomada da corte.

Levi ia se levantar e Mikasa o deteve.

- Ainda não acabamos, Milorde. – Disse manhosa. 

Levi voltou a beijá-la e o servo os deixou sozinhos.

- Como eu pude não ver que você era tudo que me faltava? – Ela perguntou.

Levi a fitou. 

- Por que eu não comecei do jeito certo. – Explicou. 

Ela não resistiu e voltou a beija-lo.

- Duvido que saberia trilhar o caminho até o meu coração sem a minha ajuda. – Sorriu.

- Não foi tão difícil. Só precisava de tempo. – Sorriu. 

Ela riu. 

- Temos todo o tempo do mundo. 

Levi a abraçou e ficaram trocando carinhos. 

- Temos uma reunião. – Avisou Levi. – Quero a minha rainha ao meu lado. – Pediu beijando suas mãos. 

- Eu estarei lá. – Disse se levantando.

Levi a puxou de volta. 

- Você ainda é a minha prioridade. – Disse a beijando. 

Mikasa se aninhou sobre o peito dele e sorriu feliz. 

 

*

 

- Uma hora de atraso. – Reclamou a Duquesa. – Onde está o compromisso dessas crianças? 

Traute sorriu.

- Se podem dividir a cama, não são crianças. – Respondeu.

- Não temos certeza. – Disse a Duquesa revirando os olhos. – Eles ainda estão em fase de descoberta. 

- Deixe que a garota aqueça a cama do futuro Rei. Quanto mais rápido ela produzir um herdeiro, mais ele a amará.- Disse a Baronesa. 

A Duquesa se sentou ofendida. Mas antes que pudesse repreendê-la alguém anunciou.

- O Príncipe e Lady Mikasa. – Disse o guarda. 

Todos se posicionaram de pé diante da mesa.

-Milordes, Miladies. – Cumprimentou Levi.

Mikasa se sentou  ao seu lado com um sorriso. Traute e a Duquesa não deixaram de sorrir ao ver o carinho do casal.

- Então...- Iniciou Erwin. – Vamos ao plano de invasão da corte. 

Enquanto os generais falavam, Levi e Mikasa estavam interessados em trocar carícias com as mãos por baixo da mesa. O que não passou despercebido pelos demais. Falaram sobre as perdas, prisioneiros e o rastro de destruição. Ao fim da reunião  Levi disse olhando para o mapa e sobre ele algumas peças. 

- Vamos surpreende-lo. – Disse derrubando uma das peças que significavam o Bispo. – Partiremos em quinze dias. – Avisou deixando a sala. 

Todos deixaram a sala sem questionar. Mikasa trocou um rápido olhar com a mãe, mas não disseram nada. O clima entre elas ainda séria hostil por um longo tempo..

 

*

 

Enquanto o exército  se preparava para a retomada, Mikasa estava ao lado de todas as damas. Ela se aproximou de Levi. Ele não resistia a ela. Segurou sua cintura e trocaram um beijo apaixonado. 

- Dessa vez não cavalgará ao meu lado. – Disse Levi.

Ela sorriu e ele tocou seu rosto. 

- Fique onde eu possa vê-la. – Pediu e Mikasa assentiu  feliz e se ele afastou. 

Cavalgaram e ficaram alguns quilômetros de distância da corte. Enquanto os soldados esperavam para atacar, Levi, Duque de Kentsville e Erwin estavam diante de um grande mapa.

- Mensageiro! – Avisou um guarda. 

Os três se levantaram. Farlan abriu a carta e a entregou para Levi.

- O que diz aí? – Perguntou o Duque.

Levi olhou para os três com uma expressão preocupada. 

 

*

Sunflowers

 

O Bispo está no salão do trono pensativo. Alguns aliados o abandonaram após a derrota de Eldia em Dashiville. 

- Meu senhor. – Disse um servo. – A batalha em Dashiville foi vitoriosa. O príncipe Zeke voltou para Eldia. 

- Envie uma mensagem as crianças Ackerman. Diga-lhes que tenho Kenny, o Rei e a Princesa presos. Peça-o que abdique não haverá derreamento de sangue. 

O homem assentiu.

- Deveria deixar a corte. – um aliado aconselhou. – Os exércitos dos Ackerman’s já estão posicionados para ataque. 

- Envie a mensagem. Se não houver resposta até o fim do dia, deixarei o trono pacificamente. Voltarei mais forte com o exército de Eldia. 

O homem assentiu e deixou o salão. 

*

 

 Na prisão Kuchel cuida de Kenny e lamenta que esteja tão sozinha.

- O que nós fizemos para merecer tamanha traição? – Ela pergunta.

- Nada. – Ele respondeu. – Sermos Ackerman’s tem seu custo. 

Ela sorriu.

- O Bispo provavelmente já venceu a guerra em Dashiville. Provavelmente trará o restante da família e assumirá o nosso lugar diante do nosso povo. 

Kenny sorriu.

- Não tenha tanta certeza, irmã. Nossos herdeiros estão bem. – Disse fraco. – Levi  é inteligente o bastante. A garota é uma guerreira e seu pai um estrategista. A coroa só poderia estar nas mãos destes três.

- Onde está o Kenny que coprtava gargantas Quando nosso avô era o Rei.

- Está velho e fraco. Esperando a ascensão de seu sucessor. – Respondeu cansado. 

Ela se levantou e andou pela cela. 

- Levi...- Disse baixinho. 

Olhou para trás e seu irmão dormia.

- Kenny... não me deixe aqui sozinha... – Pediu. – Ainda temos muito para vivermos. – Falou emocionada. 

Ela percebeu que ele dormia tranquilamente. 

 

*

Campo de batalhas de Sunflowers

 

Erwin lia um papel. 

- O que diz aí? – Perguntou o Duque. 

- Ameaças dos mouros. – Respondeu. – Eles irão invadir Garden em um ano. – Avisou.

O Duque colocou a mão na cabeça.

- Mal saímos de uma guerra e precisamos nos preparar para outra. 

Levi  entrou e caminhou pela tenda. 

- Primeiro temos que reconquistar nossa casa. Depois, pensar nos inimigos externos. – Disse.  – O Bispo ordena que aceitemos sua religião. Não vou me curvar. 

Erwin olhou para o Príncipe. 

- Ele não tem chance. Teria que fazer um golpe de estado e mesmo assim está sem seu exército, aquele que foi dizimado em Dashiville. 

Traute entrou na tenda acompanhada da Duquesa e Mikasa.

- Provavelmente ele o fez. Mas não tem apoio suficiente. – A Baronesa disse. 

Levi a fitou. 

- O que sugere?

Mikasa olhou para o mapa.

- Uma invasão noturna sem o conhecimento dos nobres. – Sugeriu.

Todos olharam para Mikasa.

- Continue. – Levi pede. 

Ela olhou para todos surpresa. 

- Os súditos não terão conhecimento do que acontece. Talvez, possamos identificar assim os servos fiéis da coroa e priva-los de uma possível execução. 

Levi assentiu.

- Atacaremos a noite como sugere a futura Rainha. Vamos faze-lo com o menor derramamento de sangue possível. O foco  não são nobres. Sim, o Bispo e  seus aliados. – Olhou para todos. – Baronesa? 

Ela assentiu.

- Farei a lista de nobres que ousam trair Rei Kenny. – Ela avisou. 

- Tem uma hora. – O Príncipe disse. – Seja o mais ágil possível. 

Todos fizeram a reverência e ele deixou a tenda. Mikasa decidiu segui-lo enquanto os outros trocaram olhares silenciosos.

 

*

 

Levi estava pensativo observando o fim de tarde. 

- Alteza! – Disse um soldado lhe entregando uma carta.

Levi recebeu o papel e o homem se retirou.

- Não deveria andar por aí, sozinho. – Disse Mikasa.

Ele olhou para ela.

- Não estou sozinho. Estamos rodeados de guardas. Exércitos. – Se aproximou. – Meu amor por você, e o seu por mim me protegem.  

Ela sorriu e ficou de frente a ele.

- Inimigos também vestem as nossas cores. – Avisou. – O que diz aí?

Levi abriu o papel. Enquanto lia, sua expressão ia se tornando furiosa.

- O traidor tem a princesa e o rei como prisioneiros. Ele quer que me ajoelhe diante da sua religião. 

Mikasa suspirou. 

- Ele garantirá que saiam vivos se eu abdicar o meu direito e passar a coroa para si. – Opinou. – Porque não disse isso aos demais? 

- Vamos resgata-los. – Disse. – Eles tem que aceitar que podemos fazer isso juntos. 

Mikasa caminhou em volta dele.

- Homens como o Bispo não tem palavra. – Ela disse. – Assim como Zeke. São covardes. 

- Manteremos o ataque. – Disse Levi. – Talvez no futuro possamos conquistar Eldia também. 

Mikasa sorriu.

- Quero reconquistar a nossa casa ao seu lado. – Pediu finalizando a volta. – Quero fazer a conquista de Eldia uma questão pessoal. 

Levi fez uma reverencia e beijou sua mão.

- Tenho certeza que sim. Vamos nos preparar para a batalha de retomada de nossa casa. 

Ele começou a retornar para a tenda e Mikasa o seguiu. 

 

*

Erwin, Pixies, Eren, Connie, Jean, Duque  estavam a frente dos exércitos. Levi estava ao lado de Mikasa a frente do exército oriental. 

- Atacar! – Gritou Erwin. 

O exército derrubou os portões da cidade e a invadiu. Todos os soldados que estavam a serviço do Bispo foram aniquilados. Levi, Mikasa entraram dentro do castelo e foram atrás de todos os aliados do Bispo. Os soldados não tinham ordens para matar. Apenas prender traidores. 

- Matem! – Mikasa ordenou.

Todos olharam para ela. 

- Matem todos! – Ordenou. – Até mesmo o Bispo se encontrarem. – Ordenou. 

O exército oriental seguiu as ordens e começou a eliminar traidores. O Bispo havia saído disfarçado de camponês horas antes do ataque. Ao eliminar todos os traidores, Mikasa se juntou a Levi.

- Encontraram aquele traidor? – Perguntou.

- Não. – Ele respondeu desapontado. – Se tivéssemos você o teria matado como fez com os demais. 

Ela assentiu. 

-Com prazer. – Disse se afastando. 

- Encontraram o Rei e a princesa! – Avisou Pixies.

Levi deixou todos e foi ao encontro da mãe e do tio. Kuchel abraçou Levi. 

- Filho! – Disse emocionada. 

- Kenny?! – Perguntou.

- Ele só precisa de cuidados. – Disse olhando para o irmão. – A baronesa me deixou com alguns remédios para auxiliá-lo. 

Permaneceram abraçados, enquanto os servos cuidavam de Kenny.  Ficou durante todo o tempo acompanhando os cuidados com o tio que acordou algumas horas depois. 

- Parabéns. – Disse. – Trabalhou bem com a equipe. 

Levi assentiu.

- Quando será o casamento? 

- Após a coroação. – Disse Levi. – Mikasa sera coroada numa cerimônia menor como manda o protocolo real. 

-Suba ao trono com ela ao seu lado. Linda, popular, guerreira e amada. Não seria possível escolher uma rainha melhor. 

Levi sorriu.

- E se não tivéssemos nos apaixonado. Como seria?

Kenny sorriu.

- Eu a obrigaria a se casar com você mesmo contra a sua vontade. Criei aquela diversão para que pudesse conhecer um pouco mais sobre garotas e para acalmar os meus súditos. – Suspirou. – Queria dar um tempo para que se conhecessem. Sua mãe me pediu para não casa-lo com por conveniência e eu acatei seu pedido. Não haveria possibilidade de nenhuma delas subirem ao trono. Quando a filha da estrangeira nasceu, eu já sabia que para acalmar o coração do povo, eu precisava casa-la com meu sobrinho preferido ao trono. 

- Seus conselheiros não pensavam assim. – Levi suspirou. 

- A família ainda é minha. – Respondeu. – Decido o que é melhor para ela.

- Não fez o mesmo com seu principal conselheiro. – Disse. – Por mim ele passaria o resto da vida na prisão. Minha rainha executa traidores. Todos.

Kenny suspirou orgulhoso. 

- Ela pensa nos herdeiros. – Respondeu. – Ouça seus conselhos e atenda aos seus pedidos. Ela representa seu povo. 

Levi assentiu 

- Tudo isso poderia ter sido evitado. – Disse Levi suspirando. – Se tivesse executado esse traidor. Quando ele for encontrado não hesitarei em dar este presente a minha Rainha. 

- Golpe é coisa de inimigos. – Respondeu. – Não poderia mudar o protocolo. Mas você pode. Faça. Escolha um novo líder religioso e conquiste a confiança dos seus súditos. Produza um herdeiro. Mantenha a paz e seja feliz. 

Levi assentiu e deixou o quarto fazendo uma reverência. Kenny se ajeitou e ficou pensativo. 

 

*

O povo mal percebeu o que havia acontecido naqueles últimos dias. Enquanto Kenny se recuperava de sua doença recebendo cuidados da Baronesa, Levi trabalhava incansavelmente. Mikasa ainda não era rainha, suas atividades estavam voltadas para o preparativo de seu casamento com Levi. 

Levi manteve o conselho antigo, elegendo Armin como o principal conselheiro do Rei. Pixies se aposentou e deixou o conselho de guerra para Erwin. Para o desgosto de Mikasa, sua mãe assumiu uma posição como conselheira já que Kuchel detinha o título de Princesa e não poderia estar no conselho. Seu pai, assumirá o cargo do Bispo sendo um conselheiro das finanças. 

- O príncipe! – As portas se abriram e todos os súditos fizeram reverencia. 

Mikasa estava diante do trono com todos os nobres da corte. Levi entrou sozinho e se aproximou dela a pegando pela mão. 

- Milady. – Trocaram um sorriso e subiram ao trono e fizeram uma reverência diante do Rei. 

Levi olhou todos os súditos, ao lado de Mikasa.  Kenny retirou a espada. 

- A partir de hoje, Lady Mikasa Ackerman será a Duquesa de Roseville. 

Ela sorriu feliz com o presente. Kenny continua. 

- Pela graça que me foi concedida, eu o Rei Kenny abdico a minha posição ao Príncipe Levi Ackerman. 

Marlowe recebeu a coroa das mãos do Rei. 

- A partir de hoje, passa a assumir as funções como regente. – Avisou.

Kenny fez sinal para que se levantassem e ouviu as palmas dos nobres. 

 

*

 

Dias depois...

 

 Mikasa para diante da igreja e olha para o alto avistando a torre. Por um instante sorri e acena para o público feliz. 

- Rainha. – Disse para si e olha para frente. 

Vestida com um vestido azul escuro. Um buquê de flores de laranjeira  nas mãos, o público gritando seu nome. Ela os admira antes de acenar e seguir para seu casamento. Seu pai está ao seu lado, oferecendo o braço, suas melhores amigas, Hange, Ilse, Sasha, Isabel , Ymir, História e Petra acompanham lado a lado emocionada. Annie estava com o demais  nobres devido a sua gestação visível. 

Ela se aproximou do altar onde Levi a esperava. Os súditos em silêncio aguardavam sorridentes a união. Enquanto Marlowe, agora líder da igreja celebra o casamento real, Levi e Mikasa apenas sorriem um para o outro.

Desfilaram diante do povo que os recebeu carinhosamente. Ouviam felicitações, seus nomes e desejos de bom reinado. Os cidadãos foram convidados a fazer parte do banquete para a alegria deles. Sob os olhares dos súditos, os futuros reis  dançaram, ouviram estórias de suas conquistas e perdas.

Receberam felicitações e presentes de seus aliados, amigos e conselheiros do governo. 

Ao fim do banquete , Mikasa foi para seus aposentos. Enquanto suas damas a preparavam para sua primeira noite, Levi aguardava do lado de fora. Quando recebeu permissão para entrar, Mikasa estava com uma fina camisola branca, aguardando o amado. Juntos terminaram de despir peça por peça. Ambos  se beijaram ávidos e cheios de desejo um pelo outro. Era como se fosse a primeira vez que estavam juntos. Pareciam querer descobrir novamente como era estar nos braços um do outro. Sentir o cheiro. Calor. 

Levi beijava seu pescoço, ela se inclinava para trás, gemendo alto, segurando seus cabelos. Levi a deitou sobre a cama e continuou a percorrer seu corpo com os lábios até a sua intimidade. Mikasa exclamava ansiosa por ele. Olhando em seus  olhos ela o parou.

- O que foi? – Perguntou Levi beijando sua mão.

Ela sorriu.

- Minha vez. 

Hange e Annie lhe deram alguns conselhos para a noite de núpcias. Estava na hora de colocá-los em prática.  Trocou de posição com ele se sentando sobre seu corpo. Acariciando. Beijando. Tocando seu membro. O fazendo ir a loucura com seu toques. Pressentindo o ápice ele a parou e a trouxe para si para beijá-la. 

Novamente se preparou para estar em seu corpo. Quando a penetrou, começaram a se movimentar juntos. Ávidos pelo apice que gostariam de proporcionar um ao outro. Ao alcançarem ficaram deitados, cansados um ao lado do outro.

- Você me completa, outro Ackerman. – Ela sorri. – Como pude me negar a proporcionar amor, me entregar aos nossos sentimentos por tanto tempo?

Ele sorriu sonolento.

- Você me completa. É a minha alma gêmea. A outra metade de mim. – Respondeu. – Meu coração só tem espaço para você. Te amo incondicionalmente. – Ele a riu os olhos. – Obrigado por me deixar conquista-la. Foi a batalha mais gratificante que já lutei em toda a minha vida. 

Ela sorriu e acariciou seu peito. 

- Estou feliz. – Disse se aninhando nele. – Você é meu. Eu sou sua. Sempre. 

- Sempre. – Levi concordou antes de adormecer. 

Mikasa ficou observando o amado durante alguns minutos antes de adormecer. Eles se amavam, se completavam. Não importava a guerra ou o problema. Estavam juntos. 

 

 

 

*

Eldia

 

O Bispo estava de joelhos diante do Trono.

- Perderam para duas crianças? – Perguntou  a Rainha rindo. 

Zeke e o Bispo suspiraram.

- Não são crianças, majestade. São demônios. Com certeza ela vai gerar mais alguns em breve. – Disse  Zeke.

A rainha andou próximo ao trono. 

- Demorou Bispo. Demorou demais. Não conseguiu um casamento com Lorde Ackerman, nem com o Príncipe Levi ou com aquela pirralha estrangeira para Zeke. 

- Não pensei em um casamento para ela neste jogo..- Disse o Bispo sendo Interrompido. 

- Não é um jogador. – Disse Zeke. – Falhou em todas as propostas. 

- Vou invadir Sunflowers e pegar o que é meu novamente e executar os Ackerman’s todos de uma vez em praça pública.- Disse irritada. 

O Bispo sorriu.

- Zeke, prepare o exército. Assim que os planos de guerra estiverem prontos, invadiremos Garden. 

Ele assentiu. 

- Desde que eu não encontre Levi e Mikasa Ackerman novamente, estarei feliz em contribuir com meus conhecimentos. 

Ela sorriu.

- Não seja fraco..- Disse. – E você, Bispo estará no front juntamente com Zeke e eu. 

Os dois trocaram olhares surpresos. 


Notas Finais


Muito obrigada e até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...