História O outro lado da balança. - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Aiacos de Garuda, Albafica de Peixes, Asmita de Virgem, Aspros de Gêmeos, Atena (Sasha), Defteros de Gêmeos, Dégel de Aquário, Dohko de Libra, El Cid de Capricórnio, Hades, Hakurei de Altar, Hypnos, Kardia de Escorpião, Manigold de Câncer, Minos de Grifon, Pandora, Personagens Originais, Radamanthys de Wyvern, Regulus de Leão, Sage de Câncer, Shion de Áries, Sísifos de Sagitário, Tenma de Pégaso, Thanatos
Tags Cdz, Lost Canvas
Visualizações 24
Palavras 1.302
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Magia, Saga, Sobrenatural
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá,
primeiramente bem vinda Aries Love!!
Segue mais um capítulo.
Obrigada Imperatriz Persefone, seu comentário é que acabou me dando a ideia para este capítulo.
Boa leitura!!

Capítulo 32 - Laços de Gêmeos.


Uma grande parte dos cavaleiros se dirigiu à casa de Câncer, Aila porém decidiu subir e ir ver Mestre Hakurey. Caminhou pelas casas zodiacais até chegar ao templo de Athena. Entrou vendo o mais velho observando o grande penhasco na lateral do templo.

– Amazona já ouviu falar sobre a ligação que existe entre irmãos gêmeos? – O mais velho a indagou.

– Não, mas eu sempre sei quando algo errado acontece com o Dohko. – A mais nova respondeu.

– Eu vi através dos olhos de Sage a sua morte. – O canceriano contou.

– O senhor não precisa... – A amazona tentou dizer, todavia foi interrompida.

– Eu preciso falar. – Ele pediu e Aila assentiu.

Flashback on

Manigold trava uma terrível luta contra Thanatos, já que Hypnos tinha saído e deixou os dois a sós. Sage chegou, saindo de dentro da dimensão divina e a fechando, começando ai o épico combate que transpassou os tempos. A luta estava bem equilibrada e enquanto acontecia, meu irmão se lembrava do nosso passado de quão impotente fomos em impedir que o deus matasse nossos companheiros e fica ainda mais decidido a derrotar Thanatos.

– Quem é você? – O deus da morte perguntou.

– Sou Sage mestre do Santuário e na ultima Guerra Santa fui o cavaleiro de Câncer. – O tibetano disse. – Mas isso não deve interessar a um deus. Você está bem Manigold?

– Nada que um pouco de cuidado não resolva. – O canceriano mais novo respondeu. – Se não fosse pela barreira eu o teria derrotado.

– Está enganado. – O mais velho respondeu. – Nós estamos acima da barreira no castelo dos deuses gêmeos. Mas não fique aborrecido outro não teria conseguido. Agora deixe comigo.

O deus atacava usando sua técnica provinda do Tártaro, que não afeta Sage, e que é rebatido por Manigold. Com seu novo golpe, o canceriano consegue queimar a o dedo indicador da mão do deus e o deixa irritado.

– Como ousam cavaleiros de Athena atacar um deus? – Thanatos disse.

– O golpe que ensinei a ele faz com que os espíritos queimem como pólvora, ou seja quanto mais espíritos utilizar maior será o golpe de Manigold. – Sage explicou.

– Até onde planejou as coisas? – Mani indagou. – É um mestre tão precavido que dá até medo. Acho que temos um cheque mate meu caro Thanatos.

– Pagarão caro por sua insolência. – O deus dos mortos disse

– Então teremos a honra de sermos mortos como vermes por um deus? – O canceriano mais novo perguntou.

– Não seja presunçoso. – Thanatos provocou. – Para mim vocês são mesnos do que vermes.

 O mesmo os atacou com a sua técnica suprema ao qual atingiria ambos os Cavaleiros, todavia Manigold imprudentemente se joga a frente de Sage para protegê-lo, o que por sua vez destrói quase toda a Armadura de Câncer e o deixa a beira da morte.

– Não deveria ter feito isso. – Sage o repreendeu. – Vejo que você não mudou nada.

– É o que parece. – Mani concordou. – Ai que droga, eu não tenho moral para rir daquele moleque do Tenma. Mas eu sinto que posso acreditar naquilo que você me disse. Mesmo que um deus me ache mais insignificante que um verme eu quero brilhar ao máximo ao menos uma vez. Grande coisa ser um deus, não subestime tanto os humanos. Eu ainda não morri.

Tomando então a frente da batalha, Sage usa seus talismãs para barrar com esforço o avanço da massa de energia invocada por Thanatos. Ao ver em seguida seu discípulo ser quase morto após ter seus pontos vitais expostos pelo deus da morte, Sage usa seus talismãs para impedi-lo de morrer e barrar de uma vez a massa de energia de Thanatos, lembrando-se que assim como Manigold, tinha também um passado cruel. Todavia, o deus da morte rapidamente sobrepuja o poder dos talismãs com uma liberação cósmica, destruindo quase todo o castelo e obliterando Sage no processo.

– O efeito desses talismãs só iria durar duzentos anos, além disso deve ter gasto todos eles na batalha contra o imperador. – O deus dos mortos comentou. – Quantos talismãs ainda possue?

Temendo que não poderia resistir muito tempo para concluir seu plano devido a eminente segunda investida mortal do deus contra eles, quando Sage ia invocar seu trunfo, ele se surpreende ao ver Manigold acertar um soco certeiro no rosto de Thanatos.

– Eu não vou deixar que você acabe com o meu mestre. – O canceriano gritou. – Ei mestre, consegui dar um soco nele.

– Manigold. – O Grande Mestre falou.

– Maldito. –Thanatos enfureceu-se. – Transformarei vocês dois em pó.

– Escuta mestre quantos talismãs ainda lhe restam? – O azulado perguntou.

– Nenhum. – O mais velho contou.

– Então estamos fritos. – O mais novo concluiu.

– Não fale de forma tão leviana. – Sage o reprendeu. – Ainda temos uma chance.

– Tem razão meu mestre. – O mais jovem concordou.

 Furioso pela afronta, o mesmo aumenta violentamente seu cosmo e reabre a Hiperdimensão, levando Sage a perceber o quão encurralados estavam dado que não possuía mais talismãs para se protegerem dos efeitos do lugar. Após Manigold tombar por ter sua perna decepada por uma das rajadas cósmicas de Thanatos, Sage remove temporariamente a alma do deus do corpo de seu hospedeiro, entretanto, ele regressa rapidamente. Só que após o muviano e seu discípulo unirem seus poderes, ambos conseguem extrair totalmente a alma de Thanatos.

– Soube que seu verdadeiro corpo fica nos Elisios. – O grande mestre disse. – Sendo assim este é apenas um corpo temporário.

– Que coisa impressionante! – Mani comentou. – Quando eu era moleque admirava a mote, mas meu ódio por ela era maior que a minha admiração. É maravilhoso pensar que eu posso acabar com ela. Ainda bem que eu lhe segui, não é mestre.

– Ondas do inferno. – Os dois cancerianos gritam juntos.

– Que presunção! – Thanatos comentou. – Eu sempre voltarei para este corpo. Dois moribundos não são páreo.

Logo em seguida para seu horror, Sage observou impotente quando Manigold inesperadamente agarra o corpo hospedeiro do deus e o destrói junto a si ao entrarem na Hiperdimensão.

– Manigold! – Sage gritou.

– Parece que aquele lixo finalmente se foi. – O espírito do deus da morte disse. – Aquele corpo provisório não é nada para mim. Ele morreu a toa.

– Ele não morreu em vão. – O canceriano afirma. – Sua alma aqui prova isso.

Sage então fica imensamente emocionado com o sacrifício de seu discípulo e quando Thanatos tenta possuir o seu corpo a fim de ter fácil acesso ao Santuário e poder decapitar Atena, sabendo que o deus tentaria aquele intento, Sage mostra a armadura de Altar, contando em seguida seu real plano para capturar o deus, que enfurecido por ser enganado começa a ferir internamente o muviano.

– Meu irmão e eu depositamos todo a nossa energia na armadura. – O canceriano contou.

– Acha que dois velhos podem contra um deus? – Thanatos riu.

– Não é apenas a nossa energia, mas também a dessa geração. – Sage disse. – E é por eles que eu me sacrifico.

 Vendo que não poderia sobreviver, Sage utiliza sua vida como via além do cosmo concentrado na armadura parar selar Thanatos na Caixa de Atena, onde como sua última ação, a transporta para perto de Sasha e Hakurei.

Flashback off.

Aila não soube dizer quando as lágrimas começaram a cair, muito menos quando foi que abraçou o mais velho. Os dois haviam se sacrificado para dar uma chance à ele na guerra.

– Mestre. – Shiom disse adentrando a sala.

– Shiom olho para você aqui nesta sala e vejo o Grande Mestre dá próxima geração. – Hakurei comentou.

– Vou deixa-los conversar. – A libriana falou.

Caminhou até Peixes e pegou algumas flores que começaram a nascer no jardim. Depositou uma no altar daquele templo e desceu. Deixou algumas em Virgem e parou em Câncer diante da armadura.

– Com quem eu vou implicar agora, idiota? – A chinesa perguntou.

– Pensei que isso era só comigo. – El Cid comentou adentrando o salão.

– Não se valorize tanto Capricórnio. – Ela respondeu e o viu seguir em frente. – O sacrifício de vocês não será em vão.


Notas Finais


Obrigada por lerem e até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...