História O Outro Lado Do Espelho - Capítulo 43


Escrita por: e Koobayashi-san

Postado
Categorias Danielle Campbell, Nick Bateman, Phoebe Tonkin, Vampire Knight, Vampire Knight Guilty
Personagens Akatsuki Kain, Danielle Campbell, Hanabusa Aidou, Haruka Kuran, Ichiru Kiryuu, Kaname Kuran, Maria Kurenai, Nick Bateman, Personagens Originais, Phoebe Tonkin, Rima Toya, Ruka (Luca) Souen, Sayori Wakaba, Senri Shiki, Shizuka Hiou, Takuma Ichijou, Yagari Touga, Yuuki Kurosu, Zero Kiryuu
Tags Kuran Kaname, My Little Princess, Submissão
Visualizações 22
Palavras 2.423
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Harem, Hentai, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 43 - Momentos Divertidos E... Ardentes


Fanfic / Fanfiction O Outro Lado Do Espelho - Capítulo 43 - Momentos Divertidos E... Ardentes

Kaname estava surpreso, não conseguia esboçar uma reação imediata perante aquela enorme surpresa. Ana poderia ter esperando mais duas semanas para descobrir o sexo, mas ela tinha decidido fazer um feitiço -que ele não sabia qual- cujo descobriu mais rápido. Mas algo que ele não poderia negar, era que estava feliz, muito feliz. Mesmo que, todo dia ouvisse o coração do bebê batendo no ventre dela, a ficha tinha acabado de cair. Ele realmente seria o pai de uma -provável- menina.

Aproveitando que estava perto de Ana -que pacientemente esperava para ver o que ele falaria-, o mesmo levou as suas duas mãos para o rostinho sensível e delicado dela, vendo as bochechas um pouco cheias coragem com apenas aquele toque, lhe dando um ar mais dócil do que já carregava. Beijou a testa dela enquanto murmurava o quanto tinha gostado da notícia e que, nem com todas as palavras, era possível descrever o modo que ele se sentia. A fazendo gargalhar e lamber os próprios lábios.

Apenas com aquela atitude dela, Ana não conseguia mais compreender nada, ele não a olhava mais nos olhos, apenas para os seus pequenos lábios rosados entreabertos, com apenas aquela atitude. Dentro de si, o sangue puro, não conseguia controlar os seus pensamentos, queria beija-la novamente, provar aqueles lábios macios e doces que apenas aquela garotinha possuía. Coisinhas tão simples que ela fazia, já era capaz de despertar os pensamentos e a criatividade que o Kuran tinha. E, apenas beija-la, seria o suficiente... Por enquanto.

Ana já estava sentindo o seu coraçãozinho a bater aceleradamente, um pouco de vergonha e timidez tinha a tomado. Tanto que, fechou os olhos para não ver quando o sangue puro se aproximava cada vez mais dela. A mesma não compreendia o que ele faria, apenas ficou quietinha, de olhinhos fechados e esperando para ver o que aconteceria, ou se aconteceria.

Kaname finalmente tinha juntado os seus lábios com os dela, Ana ficou surpresa, queria negar, claro que queria. Em seu coração, sabia que ele não gostava dela da mesma maneira que ela, queria poder nega-lo... Mas... Ela queria aquilo, poderia se arrepender depois, mas agora, a garotinha sabia que queria beija-lo. Permitiu que o mesmo intensificasse os selinhos calmos aos poucos, ambos abrindo um pouco a boca e aproximando as línguas até que as mesmas começassem a se enrolar lentamente, sensualmente ao ponto de fazer a garotinha se arrepiar completamente.

Provavelmente por causa de seus hormônios a flor da pele ela tinha ficado mais sensível do que já era. E ele, por algum motivo, sempre a achava adorável. Nem sequer perceberam que p beijo, antes lento, aos poucos, começava a se tornar mais erótico. O mesmo a encostou no espelho, a presando contra o mesmo. Ana amolecia com os toques dele e os lábios do mesmo junto aos dela. Por fim, ofegantes se separaram lentamente, mas antes de se separarem mais, Ana decidiu ousar um pouco mais, mordiscou o lábio inferior do vampiro, depois abrindo os seus olhinhos inocentes brilhantes e meio escurecidos, queria mais que apenas aquilo...

“Vou morder os meus lábios mais vezes se for para acontecer isso sempre”

Ela tinha pensado, ainda ofegante. Os dois juntos, naquele quarto, com os corpos juntos... Certamente não prestaria. E de fato era verdade, num momento ela apenas olhava naqueles olhos cor vinho que aos poucos, já estava tomando um tom de vermelho, no outro, ele já tinha a beijando novamente, a prensando mais forte contra o espelho, levando as mãos até a cintura dela e brincando com o vestido rosado, ameaçando a levantar aos poucos...

Mas o telefone começou a tocar.

Ana não deu muita importância, não queria que aquilo acabasse, mas ele tinha a separado. Então novamente abriu os seus olhinhos e sorriu, sapeca:

— Pelo visto gostou mesmo da notícia que, bem provavelmente, estamos a espera de uma garotinha. – aproveitando que ele estava curvado para tentar ficar do mesmo tamanho dela, Ana roçou ambos narizes suavemente, dando um selinho no sangue puro e o soltando, indo rapidamente a atender o seu celular sem nem ver quem era.

— Ana, você já está chegando? A sessão de fotos vai começar daqui a pouco, hoje, vamos apenas tirar uma foto sua – era a voz de Yukine, o seu fotógrafo que descobriu que ela estava grávida.

— Apenas uma? – perguntou confusa — E... Sim, daqui a pouco estou chegando... Aconteceu umas coisas... Mas logo, logo estarei aí.

— Sim, apenas uma. De acordo com o senhor Nakamura, você mal chegou e já está fazendo sucesso.

— Como assim? Por favor... Seja mais claro, Yukine – ela pediu com a voz calma, se sentando na cama pois sentia um pouco de cansaço nas pernas.

— É que é difícil ter um americano ou americana que fala japonês, ou que aceite participar das revistas de moda japonesas. E o seu corpo, sem querer ofender, é completamente diferente da de um japonês, sabe? Tem coisas que as mulheres japonesas não tem. – ele riu malicioso, mas a respeitando, não queria que a sua amiga se sentisse assediada — E aquela foto de teste que foi publicada, você foi a, provável escolhida de duas revistas. A Summer e a Sexytime – explicou pacientemente.

— Mas, “provável escolhida”?

— Sim, por isso, hoje eles vão estar aqui para te ver enquanto fotografamos você. Se gostarem, certamente vão querer fazer um contrato com a nossa agência. Claro que a Stefanya e a outra modelo escolhida, a Mizore, foram praticamente escolhidas também pela Sexytime.

— Entendo... Que tipo de foto eu vou ter que fazer?

— É numa banheira com pétalas de rosa, tem que ser algo bem sexy do jeito que eles querem. Mas, como você ainda não assinou com eles, a suas fotos vão ser de maiô.

— E se eu quiser assinar?

— Se eles gostarem daquela foto como gostaram da do reflexo do espelho, provavelmente vão te ligar e pedir uma reunião ou algo assim. Minha linda, você sabe que essa não é a minha área.

Ana riu — Tudo bem, mas hoje, eu estou me sentindo um pouco cansada, posso apenas fazer as fotos e ir embora depois?

— Claro! Falando nisso... – fez um pequeno suspense — Você já está melhor sobre ser uma futura mamãe? E o pai gostosão, gostou da ideia?

A garotinha revirou os olhos — Sim, ele gostou da ideia e sim eu me acostumei. Podemos marcar um dia para sairmos qualquer coisa e falarmos sobre isso. Mas hoje não vai dar, quero apenas dormir o dia e a noite inteira.

Dessa vez, do outro lado da linha, o fotógrafo riu: — Claro que podemos marcar, agora eu já vou. Não demore muito!

Ela fez um “não” com a cabeça enquanto sorria. Desligou o telefone e pegou a sua bolsinha cor nude, colocando a alça sobre o ombro e, por fim, colocando o celular lá dentro. Olhando para o sangue puro e sorrindo por fim, embora quisesse, não tocaria no assunto do beijo.

— Estamos atrasados... Podemos ir? – ele concordou com a cabeça, não parecia tão arrependido pelo o que acabara de fazer. Ana queria colocar tudo em ordem sobre o que eles tinham, mas provavelmente, não era a melhor ideia, já sabia a resposta que ele tanto dizia.

“Eu amo a Yuuki”

Doía ouvir isso. Era um dos motivos para ela ficar quieta, não se arrependeu como pensava que iria acontecer. Ela estava até bastante feliz por aquilo ter acontecido. Normalmente não seria assim, ela já estaria chorando e chorando, pedindo para ele não fazer isso pois ela gostava dele..

Quando entraram no carro, os dois começaram a conversar normalmente, Ana explicou para ele sobre as revista e que estava preocupada quando a barriga começasse a crescer, que não iria demorar muito, quando ela estivesse com umas 12 ou 16 semanas, já iria começar a crescer, mas mesmo assim, ele a desejou boa sorte e deu os parabéns, realmente ela era talentosa e estava conseguindo trabalhar e atrair já empresas de revistas para ela trabalhar.





*Lado: Aidou Hanabusa; Nobre*

Depois de acordar novamente, decidiu que era a hora de começar a preparar a brincadeira que tinha planejado. Era perfeita a ideia, principalmente pois estáva calor, bastante calor. Junto de Ichijou, Akatsuki e Dylan, começaram a arrumar a sala, sabia que faria uma bagunça enorme no fim. Afastaram os sofás, tiraram o tapete felpudo e, com a ajuda de uma bomba de ar, começaram a encher uma piscina infantil, mesmo que fossem vampiros, fortes e velozes, estava demorando para ficar pronto.

Quando encheram a piscina azul infantil. Pegaram sabão e um saco com bolinhas vermelhas e azuis. Começaram a separar em pequenos baldes. Depois as jogando na piscina infantil que era do tamanho médio, as bagunçou lá dentro, tinha no total 12 bolinhas azuis e 12 vermelhas. Depois jogaram o sabão, para então, aos poucos trazerem água para encher a piscina.

Aidou já estava pensando que o líder do dormitório iria decapita-lo vivo apenas por estar fazendo aquela bagunça toda sem permissão e sem nem ter perguntado se podia.

Mas queria fazer Ana se divertir.





*Lado: Ana Reymond; Bruxa*

Quando chegaram na agência, a mesma foi rapidamente cumprimentando a todos, mesmo que fosse tímida, só tinha pessoas que ela já conhecia lá, tirando uma mulher ruiva de olhos azulados, mas ao perceber que a garotinha era tímida, a mesma foi lá e a cumprimentou, sendo mais educada que a loira, Stefanya que já tinha passado reto, piscando para Kaname e indo colocar a sua roupa. As duas aproveitaram para fazer o mesmo.

Ana apenas tinha que colocar um maiô um pouco decotado preto colado, era um pouco desconfortável por causa do corpo dela estar sensível, mas não reclamou muito, fizeram uma maquiagem leve e, mais uma vez com o batom vermelho. A foto dela, realmente era estar numa banheira com a água avermelhada e pétalas vermelhas de rosas.

Kaname não gostou muito de ver algumas pessoas daquele lugar comendo a garotinha com os olhos, mas apenas ficou quieto enquanto a via entrar na banheira e começar a fazer as poses. Tocava música, deixando o lugar mais descontraído e até divertido.

Não demorou muito para que acabasse que a garotinha pudesse sair da banheira, ela ficou próxima de Yukine, que a mostrava algumas fotos, vendo que no final, três delas tinham sido escolhidas.

— Viu como eu sou trabalhadora? Ao invés de uma foto, fiz três – ela brincou com o fotógrafo que começou a rir. E então ela se esticou um pouco, sentindo um certo desconforto em seu corpo.

— Muito trabalhadora! Estou orgulhoso com o meu bom gosto! – também brincou.

Depois de se divertirem um pouco, Ana foi até o sangue puro, o chamando para dentro da salinha dela.

— Me ajuda a tirar? Eu não sabia que agora maiôs tinham zíper... E está um pouco apertado – ela pediu enquanto colocava os seus cabelos nos ombros. Novamente revelando o belo pescoço dela, onde o sangue puro, tocou com dois de seus dedos, deslizando-os suavemente pelo pescoço da garotinha — Kaname... – o chamou, logo depois, o mesmo abaixou, colocando uma mão na cintura dela e a outra no zíper do maiô, que parecia realmente estar apertado e travado, sem muita dificuldade o abaixou, revelando as costas dela até o início das nádegas. Novamente os dedos dele deslizaram por ali, a fazendo arrepiar — Temos que voltar... – murmurou ela timidamente.

— Tem razão... – ele suspirou e abaixou um pouco o maiô dela, a provocando e a deixando mais vermelha ao ponto de colocar os braços sobre os seios, com receio que os mostrasse por estarem inchados. Ele sorriu e então se virou, saindo e fechando a porta da salinha.

...

No caminho de volta, Kaname tinha comprado um sorvete de limão para que a garotinha não passasse tanto tempo de estômago vazio. Uma coisa que ele tinha percebido, era que, a coisa mais difícil dela enjoar ou passar mal, tinha a ver com o limão. Quando terminou, já tinham chegado na Night Class, o sangue puro estacionou, depois os dois foram e entraram no dormitório. Novamente Ana sentindo o leve desconforto nas costas.

Quando chegaram na sala...

Os dois arregalaram os olhos ao ver uma mini piscina com água e espuma, junto de muitos vampiros e vampiras de robe, incluindo um certo loiro que colocava música, os animando ainda mais. Mas pararam de festejar quando viram Kaname, sentiam um leve receio dele ficar bravo.

— Kaname-sama... Sinto muito por não ter avisado! Mas eu fiz isso por uma boa causa... – Aidou tentou justificar.

— Qual? – perguntou friamente.

— É que a Ana-chan anda ficando muito triste ultimamente... Queria que ela se divertisse um pouco, esses outros estão aqui é de intrometidos. Eu apenas convidei o Dylan, o Ichijou, a Roselie, a Rima, o Shiki, o Akatsuki e mais ninguém!

— Que? Você fez isso para mim? – Ana colocou as suas pequenas mãos na boca, sentindo as suas lágrimas virem, mas não de tristeza e sim de emoção.

— Claro! Gostamos muito de você! – ele sorriu — Vamos brincar? Eu tô colocando as músicas, a primeira a ir é você! – Ana olhou para Kaname, como se pedisse permissão e ele concordou, a mesma foi rapidamente para o quarto, sem se importar muito com o cansaço em suas pernas.

Quando voltou, estava com um robe roxo. A música já tocava e todos pareciam bem ansiosos para começarem a brincadeira.

Ela ficou perto da piscina, junto de Dylan, sorriam um para o outro. Os dois quem começariam.

— Eu vou ganhar dela – Dylan brincou.

— Nos seus sonhos – ela retrucou enquanto Aidou ficava no meio deles.

— Seguinte, tem 12 bolinhas vermelhas e 12 azuis. A Ana só pode pegar as vermelhas dentro da piscina e o Dylan apenas as azuis, caso ela ou ele pegue da outra cor, não vai marcas ponto para ninguém. Vocês vão ter, 30 segundos para pegarem o máximo de bolinhas possíveis. Entenderam? – Aidou perguntou após explicar. Colocou em outra música com o controle, Dylan tirou o robe masculino, revelando um corpo atlético que não dava para ver sob as roupas do uniforme, apenas de sunga. Isso fez algumas vampiras gritarem. Depois, foi a vez de Ana tirar o robe, Aidou segurou o dela. A mesma revelou o seu corpo com um biquíni esverdeado e a pele branquinha sem marcas, atiçando os vampiros ali presentes. Os dois estraram lentamente na banheira, pois a água estava fria — Vai, vocês tem trinta segundos!

E então, começaram o jogo. Os dois não estavam afim de perder.



























Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...