1. Spirit Fanfics >
  2. The past is not that bad >
  3. O que somos agora?

História The past is not that bad - Capítulo 17


Escrita por:


Notas do Autor


Me apeguei mesmo a ideia de memes na capa!! Como vocês estão morehs? Vocês gostam de pudim de chocolate?

Capítulo 17 - O que somos agora?


Fanfic / Fanfiction The past is not that bad - Capítulo 17 - O que somos agora?

(Alaska narrando)

Se passaram uma semana do acidente que tive e essa semana foi bem entediante. Enquanto o Bláz estava no colégio eu ficava sozinha e a minha única diversão era quando ele chegava e assim passávamos o resto do dia conversando um com o outro, eu acabei por dormir mais vezes com ele e o sentimento foi o mesmo da primeira vez. "Eu me sinto segura ao lado dele." e agora estamos aqui em uma segunda-feira de manhã discutindo aonde vamos passar a semana. E é claro que eu ganhei a discussão, iremos passar uma semana na casa dele e uma semana na minha. Saímos para o colégio e estava tudo bem até o comentário da cenoura fêmea! "É impressão minha ou esse sapo é igualzinho à Alaska?! Ambos são estranhos." quando eu ouvir isso eu me irritei e disse que não me importava com a opinião dela e sair o mais rápido possível daquela sala e é claro, que o Bláz veio atrás. Ele me disse coisas tão boas que naquele momento eu só queria ficar com ele, abraçada com ele e sentindo o cheiro do seu perfume, porém o Alexy estragou tudo. Voltamos para a minha casa e eu estava morrendo de saudades da minha cama! Bláz acabou dizendo que ele não recebeu abraços e quando eu fui abraçar ele algo aconteceu e eu não esperava por isso, ele me beijou, o Bláz me beijou! Era o nosso primeiro beijo, quando ele me beijou eu me lembrei de uma mensagem trocada que tivemos.

(flashback on)

vidaa 💜

Bláz: Sabe as vezes eu odeio toda essa nossa distância. As vezes tem momentos que eu apenas quero te abraçar e dizer que tudo vai ficar bem ou te beijar. 

Alaska: Eu entendo! É realmente difícil Bláz, mas se a gente continuar lutando pelo o que queremos daqui um tempo podemos estar juntos e vamos fazer isso. Resta paciência amor.

Bláz: Vida, eu vou lutar por nós dois, vou lutar para tê-la ao meu lado e quando isso acontecer eu não te solto mais! Eu te amo.

(flashback off)

Estávamos realmente realizando o que a gente disse, mas não como namorados e sim como amigos. Eu não sei, mas quando encerramos o beijo o Bláz pediu desculpas e eu apenas sair de casa e fui para a praia. Eu precisava daquele tempo sozinha! Eu amei o beijo e já estava esperando por isso, mas a pergunta é: O que seríamos agora? 

Eu e ele crescermos, mudamos, temos opiniões novas e se for se basear no passado as nossas relações não foram boas e sempre terminavamos e eu perdia uma parte dele e ele perdia uma parte minha. Poderíamos ser namorados?! Poderíamos, mas não sei se é isso que ele quer, poderíamos ter uma amizade colorida?! Poderíamos, mas eu não sei se é isso que ele quer. E claro, isso mudaria a gente, mudaria tantas coisas e deixaria ambos confusos. Eu só queria que aquela confusão dentro da minha cabeça acabasse. Uma parte dizia para mim se entregar, para mim não se basear no passado e a outra dizia que eu poderia me magoar e magoar ele como fiz todas as outras vezes. Fiquei um bom tempo na praia e o meu celular tocou depois de quatro horas e era ele, era o Bláz e eu sabia que ele já estava preocupado. Ele sempre foi assim, dava um tempo para a pessoa pensar e depois ligava ou mandava mensagem perguntando se agora poderíamos resolver as coisas.

(chamada de Chernogayzinho) 

Bláz: Oi! Alaska, aonde você está? Estou preocupado. Olha, me desculpa ok? Eu não volto mais a te beijar desculpa mesmo!

Alaska: Bláz, se acalma! Está tudo bem. Eu só precisava pensar. Sobre o beijo... Está tudo bem. Eu tenho que admitir que gostei, porém estou confusa.

Bláz: Gostou?! Espera, você gostou?! Podemos conversar? Vem para casa, por favor, vamos resolver isso. 

Alaska: Tudo bem. Eu estou na praia. Já estou indo. Tchau!

(chamada de Chernogayzinho encerrada)

(Bláz narrando)

Depois que ela saiu, eu me sentei ao sofá e veio inúmeras lembranças de nós dois dizendo que sim, o beijo algum dia aconteceria e eu amei, amei sentir o beijo dela e aquilo foi ótimo. Porém eu não sabia como estava a Alaska nisso tudo, eu sabia que ela precisava pensar, precisava saber o que estava sentindo e então, a deixei, mas se passou quatro horas e nada dela. Resolvi ligar e ela disse que estava na praia e que tinha gostado no beijo. Quando eu ouvir isso eu me sentir como se tivesse dez anos novamente e estava feliz por receber o meu vídeo game, mas aquela sensação era melhor! Fiquei esperando ela voltar para a casa e quando eu ouvir o barulho da porta se abrindo sair correndo para a sala e a olhei.

- A-Alaska! É, está tudo bem?

- Sim. Bláz, vamos conversar! Eu estou confusa.

- Uhum! 

A gente se sentou no sofá e ela começou a falar:

- Se conhecemos à dois anos. Temos uma conexão grande, temos muita coisa em comum e isso ninguém pode negar. Eu me apaixonei por você, amei você e te odiei em um certo momento! Quando estávamos naquilo namora ou não namora eu me magoei, magoei você e em todas as vezes em que voltávamos eu sentia que eu estava te amando menos e em todas essas vezes eu só queria confirmar o que eu estava sentindo. Até que eu parei e vi que isso estava sendo infantil e assim paramos de nos falar... Liza contava sobre você, porém eu fingia não ligar, o Guile falava o quanto sentia a sua falta e aquilo por dentro me deixava com raiva e tristeza. Eu sentir a sua falta, sentir falta das suas implicâncias com as minhas músicas, eu sentir falta de você. E agora estamos aqui sendo "amigos" e nem sabemos o que está havendo. Gostei do beijo, mas a pergunta é: O que somos agora?

- Lis, eu me apaixonei por você também! Você foi a minha insegurança, meu medo e ao mesmo tempo minha felicidade.  Você estava lá, estava lá quando eu me cortava, estava lá quando a minha mãe estava doente,... Você esteve lá! Eu também errei, errei em te dizer que estava apaixonado pela a Helena e depois que você foi embora definitivamente sabia que aquilo foi o principal motivo para que a gente terminasse, errei quando deixei você insegura, errei quando eu preferir meus amigos do que está com você, errei em tudo. Mas agora mudamos e sabemos disso, sabemos que agora temos a capacidade e a maturidade que não tínhamos antes. "O que somos agora?" eu não sei o que somos agora, mas sei que se você estiver com vontade de deixar as coisas irem acontecendo naturalmente para ver aonde chegamos eu estou disposto. Alaska, eu tive a certeza do que sinto por você semana passada e eu pensei muito sobre isso, falei com o Alexy e até com a Liza sobre isso e eu notei que se a gente continuar lutando por isso podemos sim dar certo entende? 

- Entendo. Vamos deixar acontecer naturalmente! Como diz a música. - ela deu uma risada com isso e voltou a falar. - o que sente por mim?

- Descubra o que você sente por mim e você saberá.

Eu sinto apenas amor.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...