História O pesadelo é real - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Terror Psicológico
Visualizações 8
Palavras 1.989
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Que Deus me perdoe por ter esse tipo de imaginação

Capítulo 5 - Prazer


Olhando em volta pude notar várias lojas vazias, com os pisos sujos metais enferrujados e coisas quebradas, não sei que tinha havido ali, mas pareciam ter sido saqueadas, tudo estava escuro e vazio, parecia que tudo aqui estava fechado a bastante tempo. Caminhando mais um pouco eu vi um letreiro do shopping da cidade, eu só tinha vindo aqui uma vez por isso não pude notar de imediato. Entrei em várias lojas, todas vazias ou com coisas quebradas e roupas rasgadas e manchadas, as portas não abriam, todas elas pareciam estar com a trança quebrada, o chafariz que havia no centro do shopping não funcionava, as escadas rolantes faltavam degraus restando somente vãos entre eles o que as tornavam impossíveis de subir ou descer, só restava um vento sussurrante. Explorando um pouco mais, consegui encontrar uma loja que estava com a porta dos fundos aberta. No fundo da loja só havia uma escada que dava no primeiro andar, então eu decidi subir a escada já aguardando que haveria alguma coisa horrenda e aterrorizante no final da escada. Ao chegar ao primeiro andar, encontrei mais lojas vazias, porém consegui escutar uma voz feminina que gritava por ajuda.

Voz feminina: -EI! TEM ALGUEM AI? POR FAVOR, ALGUÉM ME AJUDA, EU NÃO SEI QUE LUGAR É ESSE! Por favor...

Mesmo desconfiado do que poderia ser, eu respondi ao pedido de ajuda.

Dante: -AQUI! ONDE VOCÊ ESTÁ?

Como tudo estava escuro e eu não consegui enxergar muito bem, usei a lanterna para ver quem era. Assim que respondi, uma mulher saiu de dentro de uma das lojas, ela parecia estar apavorada, mas não estava ferida e parecia não ser nenhuma ameaça, então decidir ir em direção a ela.

Mulher: -Graças a Deus, alguém para me ajudar.

Dante: -Você está bem?

Mulher: -Sim. Me chamo Karen.

Karen: -Onde estamos,que lugar e esse?

Dante: -Ao que parece e o shopping da cidade.

Karen: -Você está de brincadeira, não e? Isso é só um pesadelo e Jajá eu vou acordar em minha cama. Olha se você me ajudar a sair daqui, me procure para eu te pagar o favor.

Dante: -O problema e que todas as portas parecem estar com as tranças quebradas. Não faço ideia de como vamos sair daqui.

Karen: -Veja, parece que uma das lojas está com as luzes acesas, vamos lá ver o que está havendo.

Dante: -Certo, vamos lá, mas fique junto de mim.

Caminhando em direção a loja, vimos uma outra pessoa entrando antes, mas a lanterna começou a falhar e não conseguimos ver quem era. Nos aproximamos mais do local e entramos na loja. Ela estava repleta de manequins manchados de batom roupas rasgadas, só que estavam em posições estranhas, eles estavam em posições eróticas, como se estivesse esperando pelo parceiro. Vimos a pessoa entrando pela porta que estava a nossa esquerda, ela entrou tão rápido que não tivemos tempo de ver detalhes, decidimos segui-la atraves dessa porta. Entramos pela porta e nos deparamos com um cenário realmente vergonhoso. Nos fundos da loja funcionava uma sex shop, ela estava repleta de objetos sexuais, mas não eram objetos normais, eles mais pareciam com objetos de tortura, mais até que sado masorquismo. Os pênis de plástico tinham farpas, os chicotes estavam amarrados com arame farpado e ganchos, as algemas tinham lâminas. Ficamos realmente espantados quando percebemos, o silêncio tomou conta e não conseguimos esboçar reação nenhuma, até Karen proferir algumas palavras.

Karen: -Ja usei de tudo, mas isso já e demais...

Eu olhei para ela me perguntando que tipo de pessoa era ela, mas não falei nada sobre isso. A pessoa que estávamos seguindo estava num canto, ela parecia estar gemendo mas num tom muito baixo, nos aproximamos da pessoa e perguntei se ela estava bem.

Dante: -EI, você está bem? E perigoso ficar correndo por aqui sozinho.

Estranho: *gemidos e grunhidos*

Dante: -EI, você está me ouvindo?

Chegando mais perto, a figura misteriosa foi tomando porporcoes femininas, com traços sensuais. Me aproximei o suficiente para poder toca-la, quando o fiz, ela imediatamente seu um grito, não de medo, mas como se tivesse tendo um orgasmo; ela começou a apaupar seu próprio corpo, e a gemer cada vez mais alto, então ela subitamente virou a cabeça o contrário, nesse momento percebi que não era uma pessoa, e sim um dos manequins que estavam na fachada da loja, e então ele se desmontou e caiu no chão. Naquele momento havia mais três manequins que começaram a vir em nossa direção, dois vieram atras de mim e um foi atrás da Karen. Eles não andavam normalmente, elas faziam gestos obscenos nas regiões onde seriam os seios e a vagina, sempre gemendo. Quando se aproximaram de mim elas começaram a falar algumas coisas como se fossem garotas de programa e tentavam tirar a minha roupa de qualquer maneira, faziam o mesmo com a Karen, só que falavam como se a conhecesse, enquanto tentavam agarra-la segurando os seus seios e levando a outra mão na parte de sua vagina. Quanto mais olhavamos para as manequins, mais elas tomavam traços cada vez mais femininos e sensuais e trevidas, crescendo os seios, os lábios apareciam e depois ficaram como se tivesse passado batom e por fim, até uma vagina apareceu. As manequins estavam realmente querendo que eu tivesse relações com ela. Enquanto eu tentava escapar das máquinas, Karen foi pega e estava sendo levada para uma outra porta que havia no local, enquanto Karen gritava desesperada, eu tento salva-la, mas já era tarde, a porta já havia se fechado, então resolvi correr pera fora da loja. Fugindo das manequins eu consegui chegar até o térreo, corri até ficar encurralado no chafariz, que misteriosamente estava ligado e funcionado perfeitamente. Eu parei e olhei para a porta da loja, mas estranhamente elas estavam paradas, até que começaram a se mover novamente. Elas se atiraram do primeiro para o térreo sem exitação alguma e correram em minha direção. Elas conseguiram me agarrar, então eu tropecei em meus próprios pés e cai dentro do chafariz, eu comecei a me afogar enquanto as manequins estavam agarrada a mim, e por um breve momento antes de desmaiar, eu vi a água ficando avermelhada com sangue mas, mas esse sangue não era meu, então tudo escureceu e eu desmaiei. Acordei no mesmo chafariz, só que agora estava vazio sujo e desligado novamente. Consegui me levantar, apesar da forte dor de cabeça e dores pelo corpo (parecia que eu tinha caído de algum lugar), quando me dei conta, o shopping estava cheio de manequins, liguei a lanterna para confirmar e meus olhos estavam certos. Com medo, tratei de pegar uma barra de ferro que estava do meu lado e então eu sai de dentro do chafariz e caminhei entre os manequins esperando por algum ataque surpresa, porém eles não se moviam. Foi então que um deles pulou em minha direção e eu o acertei com um golpe certeiro no local onde seria a cabeça. Ainda abalado, as luzes ligaram e a rádio interna começou a tocar uma daquelas músicas de elevador. Fiquei espantado com isso, achei que nada estivesse funcionando, porém, fiquei muito mais espantado quando eu vi a quantidade de manequins que estavam a minha volta, não só manequins femininos mas também masculinos, só que tinha um detalhe a mais, todos eles tinham genitais, alguns em poses obscenas, outros pareciam com pessoas que estavam caminhando normalmente pelo shopping. Voltei a caminhar entre os manequins, quando eu avistei vários deles caminhando em minha direção, então pensei em fugir mais uma vez, desesperado por não saber o que fazer, mas ao tentar correr, escorreguei no piso e cai de bruços, foi aí que eu percebi que os manequins tinham parado de se movimentar. Raciocínio um pouco e cheguei a conclusão de queles só se moviam quando eu estava olhando diretamente para eles, então eu decidi testar e comprovei que realmente era isso, logo em seguida escutei um grito na mesma loja que eu já havia entrado, então decidi ir em direção a ele novamente, só que ao subir pela escada que eu já havia subido, eu já não estava no mesmo shopping, novamente eu estava numa versão mais macabra dele, assim como havia acontecido anteriormente. O chao não era mais coberto por pisos, nele só havia grades que me permitiam ver o térreo, as paredes não estavam mais simples te sujas, agora escorria sangue delas, mas o mais aterrorizante foi eu ter olhado o que estava havendo no térreo, foi realmente macabro, vários manequins já com todos os traços humanos fazendo uma orgia gigantesca, eles estavam tão amontoados uns nos outros que não conseguiam se mover por conta própria, eles se moviam juntos, agarrados uns nos outros, os gritos de orgasmo não cessavam, então eu parei de prestar atenção a tais coisas e fui em direção ao grito. Entrando na loja, mais outra cena realmente assustadora, várias manequins imóveis em posições sexuais acorrentadas as paredes, o clima nesse lugar era bem mais pesado que os anteriores. Olhando em volta eu consegui ver a Karen, ela estava sem roupas com uma mordaça erótica e presa a um aparato realmente engenhoso cheio de engrenagens, eu não sei exatamente o que ele fazia, então tratei de tentar retirar ela daquela coisa, porém todas as minhas tentativas não valeram de nada. Esse apartamento tinha um objeto em formato cilíndrico, muito similar ao um pênis e estava apontado para a vagina de Karen, pronto para ser introduzido, foi então que misteriosamente o aparato começou a a funcionar, e logo em seguida a criatura sombria também apareceu. Eu já estava muito irritado com as suas aparições, ele sempre aparecia e nunca fazia nada, então eu comecei a gritar.

Dante: -POR QUE ESTÁ FAZENDO ISSO COM A GENTE? O QUE NOS FIZEMOS DE ERRADO.

Criatura sombria: -...

Dante: -JA ESTOU DE SACO CHEIO COM VOCÊ, SE VOCÊ NÃO VAI FAZER A MAQUINA PARAR, EU VOU TER QUE TE OBRIGAR!

Então eu tentei desferir um golpe contra a criatura, porém isso foi o efetivo, o golpe o atravessou como se ele fosse feito de sobras. Enquanto descutia com a criatura, o objeto já havia penetrado Karen, ela tentava gritar, porém a mordaça a impedia. Depois de alguns segundo vi que havia sangue... Já era tarde demais, o objeto já havia atravessado seu útero e já estava em seu estomago, não demoraria muito para sair pela sua boca. Enquanto eu assistia a cena comecei a chorar e a gritar cada vez mais alto com a criatura

Dante: -QUEM E VOCÊ? POR QUE ESTA FAZENDO ISSO?

Criatura sombria: -...

Dante: -TUDO ISSO É CULPA SUA!

Então a coisa olhou para mim fixamente sorriu e finalmente proferiu algo, parecia que ela falava com várias vozes ao mesmo tempo.

Criatura sombria: -Você tem toda razão.

Em seguida ele me agarrou pelo pescoço, olho mais de perto, bem no fundo dos meus olhos, e sem que eu soubesse o que estava havendo, eu atravesse a barra de ferro que estava segurando contra meu próprio peito.

Após tudo isso vai no chão, vi a criatura acenando para mim enquanto minha visão ia escurecendo. Mais uma vez acordei em meu apartamento, estava dormindo sentado, a tv estava ligada transmitindo o jornal local.

Âncora do jornal: -E agora um caso inusitado: uma jovem morre após ter relações sexuais com seu parceiro, médicos afirmam que ela teve uma parada cardíaca enquanto mantinha a relação...

Nesse momento eu escutei uma comoção vindo da entrada do prédio, uma ambulância estava levando mais outro corpo, muito similar ao de Karen. Nesse momento eu entendi que não só eu mas todo o prédio estava sendo afetado ela maldição da maldita flauta de osso humano. Derrepente a tv saiu do ar e sobrou somente estática, algo parecia se formar na estática, rapidamente tomou a forma de mais uma das cartas de tarô, quando me aproximei da tv para poder observar melhor, ela desligou sozinha e a carta caiu no chão. Era a carta que representava a luxúria, mas a figura estava retratando Karen com vários homens ao seus pés. Então mais uma vez fiquei me perguntando para que serviam essas cartas...


Notas Finais


TÁ NA HORA DO DUELO!!!! YU-GI-OH!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...