1. Spirit Fanfics >
  2. O Playboy rodou >
  3. Amar é soltar e voltar

História O Playboy rodou - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Hoje o capítulo foi bem curto mas garanto que o próximo será maior, palavra de escoteira 💗

Capítulo 14 - Amar é soltar e voltar


Fanfic / Fanfiction O Playboy rodou - Capítulo 14 - Amar é soltar e voltar

Façamos da interrupção um caminho novo.

Da queda um passo de dança,

do medo uma escada,

do sonho uma ponte, da procura um encontro!

 

 

Sakura estava muito feliz, não ligava para tudo que aconteceu no passado em relação ao Sasuke, queria apenas aproveitar a sensação boa que estava sentindo, toda essa alegria que percorria o seu corpo a deixando eletrizada. Ino não estava feliz mas deu seu apoio, e a rosada apreciou a ação da Yamanaka, tudo estava dando certo em sua vida, aquele momento que nada podia dar errado e que apenas a felicidade existe, era isso que estava sentindo e pedia aos céus para que durasse bastante tempo, a relação entre ela e Sasuke melhorou — e muito — agora conversam bem mais e ele se abre mais sobre seus sentimentos, Sasuke realmente estava tentando ser alguém melhor e isso me deixa feliz.

 

— Você está muito linda, como sempre — Sasuke me abraça por trás, logo um sorriso aparece em meus lábios.

 

— Você também está um gato, como foi a aula? 

 

— Irritante. Professor Kakashi tava com um mau humor do cão — Sasuke um pouco amargo.

 

— Kakashi de mau humor? O mundo vai acabar — começo a rir e Sasuke para se vingar me aperta.

 

— Lembre-se hoje você tem palestra com sua madrinha. Tsunade nunca está de bom humor — Ele diz em deboche.

 

— Vai ser uma tortura, ela sempre pega no meu pé nessas palestras me fazendo as perguntas mais complicadas — falo sôfrega.

 

— Tsunade tem muito orgulho de você, e eu também.

 

Sakura se vira para Sasuke sorrindo, as palavras dele mexeu com seu coração. Ele estava ficando cada vez mais fofo, principalmente quando estavam sozinhos, esses momentos a falavam, ele é o caro certo — por fim, eu o beijo. Sasuke segura em minha cintura e diferente do que eu esperava ele inicia um beijo calmo, lento, no fim ele me olhando com um sorriso de canto.

 

— Vamos procurar o pessoal, está quase dando o horário da próxima aula — Ele sorri e estende mão, seguro e saímos andando de mãos dadas.

 

Fico olhando a faculdade enquanto caminhamos, tudo que eu estava vivendo parecia um clichê dos filmes Netflix ou uma fanfic romântica, não importa o que parecesse queria que continuasse assim, tudo perfeito e sem nenhum problema para estragar a sintonia perfeita que todos estavam. Quando chegamos aonde nossos amigos estavam estranho nem Ino, e nem Gaara estarem lá, por um momento cogito a idéia deles estarem juntos fazendo alguma coisa mas logo a descarto, A Yamanaka não gostava tanto do Sabaku para conversar com ele, pelo menos era o que aparentava, porém será…

 

 

.

 

 

 

 

.

 

 

 

 

.

 

Ino estava olhando seu celular, não estava tão afim de conversar com ninguém hoje, queria apenas sorvete e filmes, e sua cama, não queria ir para a faculdade porém sabia que não podia ficar faltando ainda mais no dia que teria uma palestra muito importante de uma médica renomada, Tsunade Senju. O verdadeiro motivo de eu não querer ir era para evitar Sai, ele ficava a todo tempo me rodando e esperando uma brecha para falar comigo coisa que eu não queria, e ainda tinha os bilhetes que ele fica mandando, sempre escrito o quanto estou bonita ou sobre a saudade que ele sente de nós dois, quero muito mandar ele ir para lugares onde o sol não bate, no entanto não sei se consigo, não tenho uma grande força para lidar com Sai, a decepção que passei com ele tenha me feito ficar assim em relação a ele, sei que não sinto nada, talvez desprezo e mágoa, nunca consegui o perdoar.

 

Encosto a cabeça na parede e respiro fundo. Por mais que eu não quisesse falar com ele eu precisava dar um basta nesses bilhetes, não posso deixar ficar acontecendo isso só me dará mais dor de cabeça no futuro, quero aproveitar a felicidade dos meus amigos no entanto deixando as coisas do jeito que estão simplesmente não consigo.

 

— Sabia que também sentia saudade — ele tenta me abraça, porém logo me afasto.

 

— Saudades? Só pode ser palhaçada — Ino ri irritada — Quero apenas que você me deixe em paz e pare de mandar aqueles bilhetinhos.

 

— Vamos Ino, nós dois sabemos que temos que ficar juntos, estou te mandando os bilhetes para você saber que eu me importo.

 

Não é isso que as garotas gostam? Ele completa mentalmente.

 

— Se importa? Pare com seu teatrinho Sai, está ficando feio, você me traiu, isso para mim não tem perdão — Ino estava fazendo um esforço para não chorar, esse assunto ainda mexia um pouco com ela, Hidan ajudou ela a superar um pouco mas uma vez traída a confiança se abala.

 

— Para de drama, você também não é nenhuma santa, mal terminamos e você estava com o Uchiha, o Hidan, como uma verdadeira vadia — Ele estava ficando irritado, passa a mão pelo cabelo e segura o braço da Yamanaka.

 

— Vadia? — Ino se solta do aperto e dá uma tapa no rosto dele — Você não aprende a lição mesmo, nem com todo a surra que você tomou aprendeu a ser homem.

 

Os dois ficam se encarando com raiva, o clima estava totalmente pesado entre os dois. Ino estava esperando apenas mais uma frase de Sai para dar outro tapa nele, ele não tinha o direito de falar nada daquilo, eu nunca o traí e sempre fui extremamente fiel a nós dois e em brinde levei um par de chifres, então de todas pessoas que conheço ele é a última pessoa que pode me chamar de vadia. De repente sinto uma mão tocando meu ombro e quando olho é Gaara.

 

— Está tudo bem Ino? — Gaara pergunta um pouco sério.

 

— Sabaku? Não está vendo que estamos conversando, pode ir andando — Sai fala irritado.

 

— E não está vendo que eu tô falando com ela? Fica quieto.

 

— Estou bem, eu precisava apenas pedir para ele parar de mandar aqueles bilhetes, afinal não iremos voltar — Ino fala olhando para Sai.

 

— Então podemos ir? Tem uma torta de morango muito boa que queria que você provasse — O ruivo pergunta sorrindo.

 

— Podemos sim. Acho que você já entendeu tudo, não é mesmo Sai?

 

— Isso prova que realmente você não passa de uma puta, sua lista está bem longa não é, Itachi, Hidan, e agora você pegou os restos da Sakura, achei que se desse valor, quanto é que você paga a hora Gaara? — Sai pergunta com deboche.

 

O Sabaku sem muita paciência avança para cima de Sai, mas se controla, não podia bater nele dentro da facul isso poderia gerar muitos problemas tanto para ele quanto para Ino, então Gaara respirou fundo e jogou Sai no chão.

 

— Primeiro, não volte a se dirigir a ela, não perceber que você não passa de um covarde? É tão homem xingando e ofendendo ela, assim como foi tão idiota para trair, muleque mimado, o que foi? Por que ainda não levantou? Tá com medo de mim?

 

— Não tenho medo de ninguém.

 

— Deveria ter muito medo, porque diferente dos amigos dela eu não parto para a violência, gastaria muito sujar minhas mãos com alguém como você. Não pense que sou bonzinho, se mexer com ela é mexer com a família Sabaku, e meu filho, você não quer isso — Gaara fala sério, ele estava muito amedrontador, estava não imponente que nem parecia o Gaara que todos conhecem.

 

Sai de levanta bem rápido e fica olhando Gaara com ódio — E o que vai fazer se eu não fizer o que você manda? Vai mandar me bater?

 

— Bater? Já não disse que não parto para violência, é simples, posso apenas te denunciar por perseguição, e tenho certeza que Ino te denunciaria, invasão a propriedade, roubo, acha mesmo que não sei seus podres? Está avisado.

 

Gaara deu um sorriso gentil para Ino e segurou sua mão, os dois saíram juntos deixando o Sai com ódio para trás, a Yamanaka estava bem mais calma em saber que não teria mais com o que preocupar.

 

— Obrigada Gaara, você assustou ele — Ino começa a rir — Por um momento até eu acreditei em tudo.

 

— Como assim? — O ruivo pergunta confuso.

 

— As ameaças, pareciam até de verdade.

 

— Foram de verdade Ino, você é minha amiga agora então também vou te proteger, então por favor se ele voltar até incomodar fale comigo, acho melhor eu do que a Temari, aquela ali consegue ser bem mais vingativa que eu — Foi a vez de Gaara rir.

 

— Muito obrigada mesmo, você é realmente um grande amigo — os dois ficam calados por um tempo, então logo Ino puxa um assunto — Vai mesmo para a mesa, não se sente incomodado com Sakura e Sasuke juntos?

 

— Fala como se eu nunca tivesse visto os dois juntos, Ino, quero que entende, não fiquei machucado deles terem entrado em um relacionamento sério, nunca tive nada com a Sakura além da amizade e eu gostar dela não significa que é obrigação dela ficar comigo, não é assim que as coisas funcionam, então apenas observarei ela sendo feliz, e isso me fará seguir em frente sabendo que a pessoa que eu sempre gostei está bem.

 

— Ainda teve a coragem de falar que bonzinho, a sua forma de lidar com o amor é bem diferente e confusa, acho que eu ficaria muito mal por semanas se a pessoa que eu goste ficasse com outra — Ino fala sorrindo.

 

— É por que você ver apenas uma parte da moeda, ou eu sou louco mesmo, sempre acreditei que quando amamos algo temos que deixar essa coisa livre para brilhar sozinha, voltando ou não para você, sempre fará parte daquela coisa, ou daquela pessoa — Gaara fala sorrindo, como se estivesse em uma grande nostalgia.

 

— Uau, que poético, certeza que está no século certo?

 

— Não sei, talvez eu seja uma reencarnação em busca da minha amada para vivermos um amor que ultrapasse as barreiras do tempo.

 

— Sua amada será alguém de uma muita sorte.

 

 

.

 

 

 

 

.

 

 

 

 

.

 

 

Jiraiya on

 

Depois de uma longa viagem estava na hora de voltar para Konoha, eu tinha que vê-la novamente a mulher que eu sempre amei. Sakura vive para rir de mim sobre amor não correspondido, mas para mim é romântico ou burrice eu amar uma mulher que vive me desprezando, mesmo assim eu não consigo não amá-la mesmo que seja de longe, também estou em um caso de polícia bem importante onde vou trabalhar diretamente com Obito Uchiha, ele será meu aprendiz nesse caso de tráfico de pessoas, uma das maiores investigações da minha carreira e também a que pode tirar minha vida, e exatamente por isso que preciso ficar ainda mais perto de Tsunade, porque se eu for morrer quero admirar ela, sua beleza e inteligência, uma das mais incríveis mulheres que conheci em toda a minha vida — diga se de passagem, foram muitas.

 

Eu nem lembro se teve um dia que eu não a amei, acho que tudo começou desde meus oito anos, a conheci no colégio ela era muito estressado porém um pouco mais gentil, com o passar dos anos meu sentimento por ela foi crescendo ainda mais, viramos amigos, éramos um bom trio, Tsunade, Orochimaru e eu. Mesmo assim ela nunca me amou, virou uma mulher um pouco amargurada e viciada em apostas com os anos, esse foi o período que mais estive com ela, para ajudá-la a não gastar tudo com jogos, a se manter sã, a verdade era que ela estava em uma enorme depressão, se sentia muito sozinha, mas logo com a chegada da família dela tudo voltou a ser como antes, ela fez um tratamento e voltou a ser a rabugenta Tsunade e ver como ela enfrentou toda aquela situação me fez admirar ainda mais ela, no entanto depois disso eu tentei me aproximar mais, chegar até o fundo do coração dela para dar todo meu amor, falhei de novo todavia eu nunca desisti e acho que só desistiria no momento da minha morte, ou talvez eu morresse pensando no sorriso dela, não sei. Agora que estou de volta só queria vê-la e fazer piadinhas, mas infelizmente terei que me fazer de indiferente e fingir que a esqueci, pois se eu morrer nesse caso não quero que por nenhum motivo ela sofra ou se culpe, adoraria na verdade que ela, e Orochimaru bebessem em cima do meu túmulo, seria o engraçado.

 

Nesse momento quero apenas abraçar minha afilhada e ver como ela está, e depois olhar Tsunade de longe como costumava fazer no passado, sei que uma hora teremos que conversar porém dela não consigo esconder nada e isso seria prejudicial a minha investigação porque a vontade que eu tenho simplesmente chegar nela a pedir em casamento é grande mas também sei que ela não me ama e que não sou seu destino, não custa tentar foi o que sempre repeti para mim mesmo para tentar e tentar, ainda não cansei de lutar por essa mulher apenas tenho que dar um tempo, ou talvez infelizmente morrer sem um beijo, de qualquer forma, eu iria feliz sabendo que ela está feliz.

 


Notas Finais


Então o que acharam? Um capítulo um pouco pesado mas tenho que encerar esse ciclo Saino, espero que tenham gostado 💗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...