1. Spirit Fanfics >
  2. O poder >
  3. Cunhada irritante

História O poder - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Boa tarde!
Atualizando o capítulo.
Boa leitura 😘

Capítulo 8 - Cunhada irritante


 Cunhada irritante.

Desde o início, o casamento para Kagome era para ter sua liberdade em poder ser a mulher que sempre foi, molecona e brincalhona, mas tudo até agora se tornou uma bola de neve.

Quando ouviu de seu irmão que se casaria, não fez questão por pensar ser um pretendente feio e velho, nunca tinha visto, mas a desfeita lhe feita no dia do seu noivado fez sentir irrada por esse homem.

Homem que tem uma postura invejável, altivo e poderoso não somente por sua conta bancária, também em encarar os orbes dourados, seu corpo foi tomado por uma descarga elétrica.

Esse era o medo que atormentava Kagome, a paixão, se apaixonar por InuYasha Taisho, mas há sempre algo que acontece em sua pouca estadia na casa do magnata, desde o início tinha concluindo que o mesmo tinha caso extra conjugal com a empregada Kikio.

Ela jamais brigaria com Kikio, em sua mente, a intrusa era ela, não a empregada.

Depois daquele beijo desesperado de ambos na noite que encarou para o homem, e logo depois de sentir o gosto da paixão por milésimo de segundo, Kagome acabou constatando que InuYasha nunca gostaria dela.

Jamais permitiria ficar com alguém por pena, e foi o olhar de desespero de InuYasha que a fez subir escada acima para o quarto não encontrando o mesmo ali, acabou sentando na cama e deixando seu rosto banhar-se por lágrimas.

Kagome não podia acreditar, que após ficar alguns dias longe de InuYasha, e o seu retorno fizesse seu coração em pedaços, pedaços de decepção dela mesma por enfim saber que está apaixonada por ele, só assim explicaria toda sua quietude, so assim explicaria seu desespero para vê-lo.

Agora o medo lhe atingiu em cheio, sabia que não seria correspondida, sabia que ele jamais lhe amaria, não aguentaria olhar para a face de InuYasha todos os dias sabendo que essa palavras nunca sairia de sua boca.

Desesperada, ligou para seu irmão, mentiu dizendo querer visitar e pedindo para ficar uns dias com ele.

Sabia que Souta jamais negaria, aceitou de coração, tão logo Kagome desceu com uma pequena mala, fez de tudo para não dar muita explicação de sua ida, aproveitou quando Kikio saiu com Miuga, suspirou saindo pelo portão ciente que não pisaria mais os pés ali.

InuYasha vivia o mesmo drama de Kagome, em sua cabeça tentava manter afastado dela para não sucumbir o desejo e voltar a machuca-la, não lembrava o que de fato aconteceu, mas seu ego de macho implacável foi ferido justamente por aquela que jurou ser fiel.

A mulher que era pura deixou uma imensa dor em sua primeira vez. Desde aí, InuYasha não bebia mais, fazia questão de está sombrio, angustiado com seus demônios interiores, ele se mantia firme, sabia que era os pedaços por tê-la machucado.

InuYasha sentia horrível, sua cabeça não paravam, a imagem de encarar para o rosto de Kagome e ouvir-lo sendo comparado pior que um animal.

Todos os dias se amaldiçoava por ter feito aquilo, como pedia a Deus uma chance para voltar e ter consertado. Era sabido que não amava, mais não aceitaria que agredisse uma mulher, o pior, ele fez.

Enfurnado em seu escritório, o mesmo só ficava martelando essa idéia, sua mente quase explodiria quando lembrou o dia que chegou em casa e viu Kagome, ela está ali, parecia que lhe aguardava, seu coração acelerou, sentiu feliz, por um segundo, esqueceu do espisódio núpcias e tomou-lhe nos braços com fervor.

Não adiantou, a maldita consciência fez questão de lhe avisar o quanto grosseiro ele foi, com um pouco de dignidade, afastou-se pedindo desculpas.

Depois daí, fazia de tudo para não voltar para casa, dormia no próprio escritório, ninguém sabia, mas um dia qualquer, a encherida de sua cunhada fez questão de lhe visitar com a desculpas de convidar Kagome para sair com ela.

Não importou com olhos avaliativos de Rin e ao mesmo tempo surpresa por seu estado.

- InuYasha! Você brigou com Kagome?

Os maxilares trincaram, podia justamente ela não ter feito essa pergunta, mas Deus, como essa mulher é pior.

InuYasha ficou encarando a pequena figura sentar em sua frente despreocupada e tirar o telefone da imensa bolsa, não entendia o motivo de mulher carregar tantas coisas em uma bolsa.

Ainda estático, ouviu a irritante discar o número e enfim, sair o que a dias não queria, era contar seu carma a seu irmão ou a cunhada.

O que lhe restou foi os imensos olhos castanhos lhe fitar, como mandasse sentar, InuYasha conhecia muito bem Rin, sabia que ela tinha o poder de persuasão, somente com o olhar, foi assim que ele aceitou se casar com Kagome.

A irritante de sua cunhada lhe conhece, ele involuntária sentou na sua poltrona dando-se por vencido, preferia contar a ela do que a Sesshoumaru.

Tinha certeza que um sapato doía menos do que um soco nos olhos.

Mas InuYasha descobririam tarde demais a verdade, quando contou a Rin que tinha machucado Kagome na noite núpcias e por causa disso a mesma o odeia.

- Não consigo compreender como fizeste isso, InuYasha! Sempre te admirei por seu caráter, mas ser escroto na primeira vez de uma mulher é muito traumática.

InuYasha encarou Rin que já estava de pé andando em círculos com rosto vermelho de raiva.

Engoliu a seco quando os imensos olhos castanhos lhe fitaram, ali parecia uma sabatina, ele já sabia, culpado, culpado, você é culpado.

- Dê o divórcio a ela!

InuYasha encolheu mais na poltrona, o olhar de Rin era minuciosamente calculado e frio, vasculhava até a alma.

Para piorar o mesmo está ciente de suas faculdades mentais que a ama, está perdidamente apaixonado pela mulher a qual desprezou no dia do noivado.

- Não posso! Tentou responder se encolhendo mais ainda.

Rin travou os passos, ficou fitando por um interminável segundos que para InuYasha foi anos, até se assustar com a própria conclusão de sua cunhada irritante.

- Você não pode! Você está fugindo dela, por que não vá lá e pede perdão! Está claro como dois mais dois são quatro, que está apaixonado por ela, não perceber-se.

- Você jamais se importou com alguém, você jamais se arriscou para salvar alguém, certo que teve a Kikio que até jurei que você cassassem com ela, mas enfim, o que estamos aqui é focado em você.

InuYasha encarou Rin com olhar assombroso, tinha certeza que Sesshoumaru escolheu ela por que no fundo, Rin e Sesshoumaru são iguaizinhos.

- Agora trate de sair desse monte de papéis e seja corajoso, confesse a Kagome o que sente e peça perdão, um casamento tem seus altos e baixos, alegre-se, tenho certeza que Kagome será uma boa esposa para você, só cabe ouvi-la.

InuYasha encarou novamente para Rin, sorriu mínimo, pela primeira vez invejou o irmão por ter uma mulher tão adimirável e compreensível, mas logo seu pensamento foi tomado por um imenso palavrão quando sentiu seu pé ser pisado.

- Aí! Berrou.

- Essa é para você largar de ser idiota. Responde Rin ao mesmo tempo que pega sua enorme bolsa e sair do escritório de InuYasha triunfante.



Notas Finais


Agradeço muito a Todos pelo carinho 😘.
Até o próximo 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...