1. Spirit Fanfics >
  2. O Poder Dos Seus Olhos >
  3. Sexo e Rihanna

História O Poder Dos Seus Olhos - Capítulo 18


Escrita por:


Capítulo 18 - Sexo e Rihanna


Demi Pov



 Sobrevoamos Nova Iorque naquele helicóptero chique por alguns minutos memoráveis. Alex tinha me proporcionado algo que nunca tive com meus ex namorados. Nem mesmo o meu quase noivo. Em todos meus anos de vida, nunca achei que seria tão surpreendida. E eu tava animada para saber do resto. Quando disse aquelas coisas para ela no terraço da empresa chique do pai rico dela, mesmo que pelo vinho, não estava mentindo. Tinha feito todo o processo de quando você espera que o encontro dê coisas boas. Comprei uma lingerie sexy e feito depilação, até mesmo das pernas. Estaria mentindo se dissesse que não havia criado expectativa pois havia criado e muito. Finalmente eu iria sentar no pênis de uma garota de 18 anos. 

 Acabei deixando escapar um sorriso ao pensar nisso. Realmente meu orgulho quase que me afogou, talvez se estivesse completamente sóbria eu iria ficar furiosa. Eu, Demetria, havia me rendido ao sorriso perfeito e os olhos azuis. Ah! Malditos olhos azuis tão profundos ou tão brilhantes. 

 — Está rindo do quê, Kitty? — Alex berrou em meio a todo aquele barulho das hélices do helicóptero. 

 Apenas neguei com a cabeça e continuei a admirar a vista. Eu estava acostumada com toda essa vida de ostentação e riquezas, mas ainda me admirava como um heliporto cabia em locais onde não eram possíveis caber. Assim eu e Alex nos despedimos do piloto descendo em uma propriedade dos Manson's.

 Era uma casa gigantesca, rústica e muito chique. Havia muitas janelas, que iam do teto ao chão e sua iluminação era quente, me fazendo lembrar dos chalés que já havia visitado. 

 — Espero que essa casa seja sua, não sei qual seu conceito de um bom encontro, mas o meu com certeza não está incluso invasão de domicílio. 

 — Calma, Kitty, se estiver aberta não é invasão, certo?! — Ela sorriu de lado daquele jeito Alex Manson e eu praguejei por ser tão bonita. — Venha comigo, tenho surpresas pra você. Digo, minis surpresas. 

 — E eu achando que você que ia se dar bem por ter uma buceta a sua disposição. — Soltei o comentário em tom baixo esperando que ela não ouvisse, mas ouviu e ainda deu um risinho safado. Ah se ela risse assim no meu pescoço.

 Assim que nos aproximamos da entrada senti um frio na minha espinha. Era de longe um virgem descobrindo a perversão sexual, mas estava nervosa. Estava muito nervosa. 

 Entramos na pequena mansão e demos de cara com o hall de entrada, com velas apagadas fazendo um caminho até a sala de estar. Essa que possuía um tapete aparentemente muito confortável e sofás mais ainda. 

 — Se acomode, vou ligar as velas e colocar alguma música. — Alex disse e saiu em direção ao hall de entrada. 

 Eu estava vivendo meu filme de comédia romântica de Nova Iorque. Tirei meus saltos e me sentei no sofá e pude comprovar o quão confortável era ele. Busquei meu celular que estava no silencioso e vi que havia dezenas de mensagens no grupo dos meus amigos. Muitas mensagens sem sentido para mim que havia ficado fora do assunto, mas as últimas eram direcionadas a minha pessoa. Nick mandando fotos e questionando se eu já tinha transado com Alex. Ignorei sua pergunta e só respondi que estava bem bloqueando o aparelho assim que a iluminação ficou mais branda. Uma música começou a soar, mas mal pude prestar atenção já que Alex entrou no cômodo novamente, agora os botões da camisa abertos em uma mão taças e na outra um champanhe. 

 — O que vamos comemorar?

 — Você pode decidir. Te dou a escolha. — Próxima de mim, graças a iluminação baixa, ela parecia uma deusa grega. Seus músculos da barriga salientes, quais nunca me importei, mas naquele momento me deixava com vontade de lamber e morder a noite toda. Maldito vinho. 

 — Você pode transar com qualquer uma, por que eu? — Perguntei me pondo de pé em sua frente, agora sem os saltos meus olhos estavam na altura do seu nariz afilado. 

 — Não vamos estragar a noite. Te respondo assim que o sol nascer. — Sua responda saindo pela tangente me trouxe uma promessa nas entrelinhas. Passaríamos a noite em claro. 

 Me entregou a taça de champanhe e deu um gole generoso da sua taça. Eu apenas molhei os lábios, não queria beber, queria sentir Alex. Pus a taça na mesa lateral ao sofá onde estava a garrafa e quando me virei pra Alex, essa já tinha se livrado da sua taça. Seus olhos vidrados nos meus, e a respiração calma. Desesperada por contato empurrei seu corpo para que sentasse no sofá e então sentei em seu colo. Puxei seu rosto contra o meu e beijei aquela boca desenhada pelo deus da perfeição. Suas mãos agarraram minha cintura tão forte que eu não teria para onde fugir, se eu desejasse. Mas a única coisa que eu desejava era foder com Alex Manson. 

 Nosso beijo desesperado e gostoso me fazia molhar a calcinha. Aquelas mãos fortes me apertando contra seu corpo, o desespero de me puxar cada vez mais para perto, tudo isso me fazia arfar desejando mais. Suas mãos desceram para minha bunda dando um forte aperto e subiu pela minha coluna até chegar na minha nuca onde acariciou para logo puxar meu cabelo quebrando nosso beijo. Agora com sua boca distante da minha, dei espaço para que seus beijos chegassem ao meu pescoço completamente exposto. Alex deixou um beijo lento e carinhoso em meu pescoço, para logo deslizar sua língua por toda extensão do meu pescoço até minha orelha. 

 — Vou te fazer minha, Demi. A noite toda. — Sua voz saiu arrastada e rouca. Estava tão fora de mim que concordei com um aceno de cabeça. 

 Sua boca gostosa voltou ao meu pescoço, dessa vez beijando, mordendo, lambendo. Eu já rebolava involuntariamente em seu colo, buscando por mais contato com seu pênis. Não ficamos nesses amassos por muito tempo, já que ela se levantou sem esforço algum e caminhou até as escadas. Voltamos a nos beijar, com vontade e desejo. Senti minhas costas colidir com a parede e acabei por deixar um gemido sair da minha boca. Acreditava que ia deixar escapar vários outros. 

 — Você vai me deixar louca, mulher! 

 Voltamos a nos beijar enquanto ela andava até um quarto. Assim que ela abriu a porta caminhou até a cama me jogando na mesma. Foi até a porta e fechou. Nesse meio tempo me pus de pé arrancando o vestido que usava. Alex tentou tirar sua camisa, mas eu impedi. Empurrei ela contra o colchão onde se ajeitou ficando melhor acomodada. 

 — Eu deixo você pelada, garota. Mas eu, você apenas pode olhar. — Pisquei um dos olhos e me coloquei em sua frente.  

 — Já que vai dar um show, precisa de música. — Ela sorriu e digitou alguma coisa no celular, logo Love On The Brain da Rihanna soou pelo quarto. 

 — Gostou da minha lingerie? — Pergunte enquanto dava uma voltinha para que ela visse por completo. Era um conjunto de renda na cor vinho. Clássico, mas sexy.

 — Por que não pergunta pra ele? — Ela colocou a mão sobre seu pênis que fazia um grande volume na calça linho preta. Sorri em resposta e alcancei o fecho do sutiã me livrando deles. 

 Com meus peitos a mostra, vi Alex morder o lábio e fazer pressão em seu pênis ainda sob a calça. Joguei o sutiã no chão e logo foi a minha calcinha completamente encharcada. Alex tentou abrir o cinto, mas eu impedi novamente. 

 — Eu faço! 

 Empurrei seu tronco contra o colchão e agora tinha ela deitada e com muito tesão. Tirei sua camisa e seu sutiã, deixando seus peitos a mostra. Era lindos, mas aquela barriga merecia atenção. Desci minhas mãos pelo seu tanquinho e logo o arranhei. Inclinei meu corpo para poder chupar aqueles gominhos. E Deus! Como eram duros. Só não mais duro que seu pau naquele momento. 

 — Caralho Demi! — Alex se arrepiou por completo assim que chupei sua barriga. Voltei a morder sua barriga e lamber enquanto desci uma mão para sua calça que já tinha o cinto aberto. 

 Tirei sua calça e quando fiz o mesmo com a cueca branca, seu pau ficou em completa evidência. As veias eram grossas e sua circunferência também, o tamanho era um pouco maior que a média que já tinha visto. A glande era rosada e eu nem pensei quando percebi já tinha ela na boca. Alex gemeu quando encostei os lábios na glande do seu pênis, sua mão automaticamente veio para meu cabelo puxando com força. 

 — Me chupa gostoso, sua vadia! — Eu gostava de sexo sujo, forte e selvagem. Não via problema algum com xingamentos, pelo contrário, eu adorava. 

 Eu chupava a cabeça do seu pau com vontade, engolia ele por completo e voltava novamente para cabeça. Minha língua circulava sua glande molhada pela minha saliva e eu só ouvia os gemidos dela. Continuei por um tempo no sexo oral, e teria dado o orgasmo para ela, mas ela me impediu, inverteu a posição me deixando em baixo. Sua boca sugava meu mamilo, enquanto sua mão apertava meu peito. E quem gemia dessa vez era eu. Sua boca alternava, chupando meus peitos, chupando meu pescoço. Após explorar meus peitos, sua boca trilhou um caminho até minha vagina. Ela beijou a parte interna da minha coxa, um beijo molhado. Se ajeitou no meio das minhas pernas e me olhou com aquela cara de safada.  

 — Me chupa gostoso. — Repeti o seu pedido e ela assim como eu, realizou.  

 Sua língua aveludada percorria por toda minha buceta molhando ela ainda mais. Os movimentos eram deliciosos, me causando tantas sensações que eu só sabia gemer. Com certeza ela sabia onde estava o clitóris, e não era de menos. Agarrei os lençóis com minhas mãos assim que senti seus lábios sugarem meu clitóris e logo os movimentos circulares voltarem. Eu já conseguia sentir meu orgasmo chegando, sua língua cada vez mais precisa, rápida e gostosa fazia meu corpo começar a tremer. Sentia aquela sensação gostosa se aproximar, minhas pernas começaram a tremer e foi quando ela chupou novamente meu clitóris arqueei as costas gozando na sua boca. 

 Ela chupou todo o líquido que havia lá e escalou meu corpo. Meu peito subia e descia rápido e meu coração completamente acelerado. 

 — Você tem um gosto maravilhoso, Kitty. — Sorri ainda extasiada pelo orgasmo recente incapaz de conseguir dizer alguma coisa. 

 Alex olhou pro seu pênis e começou a se masturbar com uma de suas mãos enquanto levava a outra pro meio das minhas pernas. Seus dedos deslizaram pela minha buceta tamanha minha excitação, os movimentos circulares começaram lentos enquanto sua mão em seu pau subia e descia rapidamente. 

 — Tá gostando? — Sua pergunta saiu entrecortada pois sua respiração estava ofegante como a minha. 

 — Prefiro seu pau entrando dentro de mim. — Respondi mordendo os lábios assim que seus movimentos começaram a ir mais rápidos. 

 — Então gosta de um sexo sujo? 

 — Você não imagina. — Puxei seu rosto pra beijar e senti ela se acomodar entre minhas pernas. Agora a cabeça do seu pau que acariciava meu clitóris. — A camisinha, Alex. 

 Ela pegou uma no bolso da sua calça, colocou e voltou pro meio das minhas pernas. Novamente nos beijamos enquanto ela lubrificava seu pênis com meu lubrificante natural. 

 — Você quer que eu te foda? — Ela perguntou com sua voz rouca. 

 — A noite toda. — Respondi descendo minhas unhas por suas costas. 

 Ela então levou seu pau até minha entrada e eu senti Alex finalmente entrar em mim. Seu pau era grosso e eu não pude deixar de gemer em satisfação com aquela sensação. De início suas estocadas eram lentas, me causando um misto de prazer e agonia. Ela sabia e fazia de propósito. 

 — Com força, Alex! — Pedi puxando seu corpo pra mais perto do meu. 

 — Fica de quatro, que eu te como com força. — Seu pedido não me fez pensar duas vezes, eu adorava fazer sexo dessa forma e com ela então, adoraria muito mais. 

 Me pus de quatro, empinando minha bunda encostando toda meu tórax no colchão. Alex entrou novamente em mim, dessa vez com mais força, suas mãos agarraram minha cintura com firmeza e novamente voltou a me foder, agora com mais força. Seu pau ia fundo saindo quase que por completo. 

 — Assim que você queria, vadia? — Alex perguntou aumentando ainda mais a velocidade da penetração. 

 — Você consegue mais… — Antes de terminar, Alex desceu a mão na minha bunda num tapa forte. Involuntariamente empurrei minha bunda contra ela gemendo alto. 

 Sua mão agarrou meus cabelos puxando para trás enquanto me fodia cada vez mais forte. Mas sua atenção logo se voltou para minha bunda, onde bateu mais algumas vezes. Alex parecia nas nuvens, sua respiração era ofegante e seus gemidos eram quase em sintonia com os meus. Não demorou muito para uma de suas mãos começarem a me masturbar e eu senti de novo aquele orgasmo se aproximar. Ela ia de encontro ao meu corpo e seu corpo suado fazia barulho pelo quarto todo. Não consegui me conter, agarrei os lençóis e joguei minha bunda pra trás, assim gozei pela segunda vez naquela noite. Alex ainda metia freneticamente apertando minha bunda. Pouco tempo depois, ela gozou demoradamente se jogando ao meu lado.

 Respiravamos ofegantes, os corpos suados e trêmulos. Alex sorriu pra mim me puxando pra um beijo rápido, me aninhei em seu peito enquanto me recuperava do sexo muito satisfatório. 

 — É o que dizem: sexo e Rihanna, baby. — Ri de seu comentário deitando novamente em seu peito. 

— É o que dizem. 

 




Notas Finais


Provavelmente tem muitooos erros de digitação porque escrevi na madrugada e o sono não tava ajudando, mas vocês entendem não é mesmo?
Uma pesquisa de satisfação rápida, gostam desse estilo de hot ou mais rápido e menos detalhado, ou mais detalhado ainda?
Boa quarentena, galera


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...