História O Poder e a Dor - Capítulo 34


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Denki Kaminari, Eijirou Kirishima, Enji Todoroki (Endeavor), Fumikage Tokoyami, Fuyumi Todoroki, Hanta Sero, Hizashi Yamada (Present Mic), Izuku Midoriya (Deku), Katsuki Bakugou, Mei Hatsume, Mina Ashido, Minoru Mineta, Momo Yaoyorozu, Neito Monoma, Ochako Uraraka (Uravity), Personagens Originais, Shouta Aizawa (Eraserhead), Shouto Todoroki, Tenya Iida, Toru Hagakure, Toshinori Yagi (All Might), Tsuyu Asui, Yuga Aoyama
Tags Amor, Boku No Hero, Depressão, Hentai
Visualizações 46
Palavras 1.727
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishounen, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shounen, Violência
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eai gente! Eu tava surtando por não saber o que escrever, ai fui ler uma fic TodoBaku que eu amo, que foi atualizada agora pouco e fiquei muito inspirada. Não é a toa que estou postando às 3h da manhã, né?

Eu precisava de um cap fofinho desses, credooo.

Enfim, boa leitura <3

Capítulo 34 - Eu também amo você


Fanfic / Fanfiction O Poder e a Dor - Capítulo 34 - Eu também amo você

Narrado por Bakugou Katsuki

Saio da mansão a passos longos depois de xingar Endeavor, não tanto como gostaria. Sinto meus braços ardendo um pouco pela quantidade de explosões que tentei usar contra o mesmo, tenho algumas leves queimaduras pelo fogo, mas a dor não me incomoda. Olho para Shouto que vai até o meio fio e senta-se no mesmo colocando a cabeça entre as mãos, fico possesso e tenho vontade de explodir tudo ao meu redor, mas procuro raciocinar um pouco, a fim de não arrumar mais problemas do que podemos lidar. Konan sai em seguida e vejo sua expressão perdida por alguns momentos, a garota fecha os olhos apertando-os com as mãos e percebo que há algo de errado, mas o choro alto de Todoroki me chama mais atenção. A voz da garota ecoa em minha mente enquanto caminho até o rapaz e sua fala rápida de que precisa se afastar não me da tempo sequer de dizer alguma coisa.

Vejo Hatsune levantar voo de forma desesperada e fico preocupado, apesar de saber que Shouto no momento precisa ainda mais de ajuda. Minha raiva ferve como nunca, sinto um ódio muito grande que procuro manter sob controle para focar no que é mais importante no momento. Agacho perto de Todoroki e sinto meu peito se apertar com suas lágrimas e seu rosto contorcido em agonia. Maldito Endeavor, não acredito que um dia admirei aquele desgraçado.

- Você não... não é um marginal. Meu pai... Ele... Me desculpa... Bakugou... Me... – sua fala é entrecortada pelos soluços desesperados que saem de sua garganta. Respiro fundo para reunir a maior quantidade de calma e paciência que considero ser possível para mim em um momento como este e sento-me ao seu lado.

- Não se preocupe, eu sei que sou um filho da puta e não me importo de ser reconhecido dessa forma – declaro com a voz amena tentando apaziguar a situação, porém o olhar machucado de Todoroki encontra o meu, deixando-me ainda mais aflito com sua agonia.

- Não diga isso, caralho, Katsuki! – sua voz é irritada e firme por breves momentos e o suspiro trêmulo que sucede sua explosão faz com que sua expressão chorosa retorne rapidamente. Fico perdido por vê-lo tão mal, ele sempre fora aquele que não demonstra quase nada de emoções e sentimentos, por mais aberto que ele tenha sido ultimamente para mim e Konan, seu descontrole total à minha frente é algo novo e só faz meu ódio pelo herói de fogo triplicar. Sorrio por notar o palavrão pouco usado pelo bicolor destacar-se em sua fala. Realmente eu tenho sido uma péssima influência para Shouto, mas Hatsune não fica para trás nessa parte também.

- Vamos voltar para casa, eu não quero ver você chorando por aquele babaca – digo me aproximando e segurando seu rosto em minhas mãos com o máximo de delicadeza que consigo, sua pele tornou-se ainda mais macia por seu pranto e seus olhos bicolores me hipnotizam estando ainda mais brilhantes que o normal. Seco suas lágrimas com os polegares e vejo seu rosto tomar uma coloração avermelhada como metade de seus cabelos.

 Levanto-me estendendo a mão para que ele e acompanhe e logo começamos a caminhar em um silêncio confortável. Coloco as mãos no bolso de repente sentindo um grande desconforto, por mais que eu goste dele, ainda estou me acostumando com a ideia de ser gay, okay, tudo bem, ser bissexual. Mas nunca me passou pela cabeça que um dia eu estaria nessa situação, ainda mais com Todoroki.

- Eu não acho que você seja um... filho da puta, Bakugou – sua voz é baixa, mas ainda pude escuta-lo mesmo assim, aceno positivamente com a cabeça tentando formular algo para dizer, porém antes que eu tivesse a chance de dar uma resposta, o bicolor desata a falar praticamente sem respirar – Minha mãe vai gostar de você, sabe, só a opinião dela importa pra mim. Eu falei sobre você para ela um dia, ela não se importou com o fato de que eu gostasse de um homem, ela só disse que gostaria que eu fosse feliz. Eu fiquei motivado a me aproximar de você desde então, isso antes mesmo de Hatsune chegar ao colégio. Eu já costumava te observar, mesmo que seu jeito explosivo seja um pouco bruto, sempre senti que você escondia um coração bondoso dentro de si. Eu tinha medo, você me odiava, eu sabia que seria praticamente impossível que nossa aproximação acontecesse sem você tentar explodir minha cara. Quando Konan apareceu, eu me interessei por ela e não me importei nenhum pouco por você fazer o mesmo, eu sabia antes mesmo de você que ela te atraia da mesma forma que a mim. Não me importo sobre o que as pessoas vão pensar, as únicas duas que importam, estão ao meu lado agora.

Fico atordoado e paro de andar no meio da calçada, estamos perto da casa de Hatsune e a rua não se encontra muito cheia por ser em sua maioria residencial. Aperto os punhos dentro do bolso sentindo minhas mãos suando muito, a ponto de me deixar preocupado em explodir algo sem querer. Limpo o suor na calça e olho para cima tentando buscar palavras que exponham para o bicolor o que meu coração acelerado quer dizer. Droga, foda-se se eu sou gay ou meio gay, eu não consigo deixar de gostar desse cara, seu rosto meigo me deixa fascinado, com exceção de seu olhar cabisbaixo e triste que me impede de ver perfeitamente suas irises bicolores me encarando, mesmo que com indiferença. Posiciono meus dedos em seu queixo e ergo seu rosto para que seu olhar encontre o meu, passo o polegar por seu maxilar admirando cada contorno do seu rosto delicado e elegante ao mesmo tempo, mesmo que eu saiba o quão pervertido ele pode ser, a inocência que seus olhos remetem para mim agora me fazem ter vontade de soca-lo dentro de um potinho para que eu o proteja do mundo.

- Shouto, eu também gosto de você... – digo fechando os olhos e sentindo sua mão direita sobre a minha, transmitindo uma sensação gelada que me deixa arrepiado de uma forma boa. Respiro fundo antes de deixar que as palavras saiam de minha boca, antes que meu orgulho faça com que eu volte atrás – Eu ainda estou me acostumando com esse relacionamento doido que temos, mas não me arrependo nenhum pouco de investir nisso.  Sempre te vi como um rival, mas agora... Isso me parece um completo absurdo.  Porra, eu quero muito esquartejar seu pai, não suporto ver você chorar, me sinto vulnerável quando algo atinge você ou Konan, de certa forma, isso me deixa... aflito? Foda-se! Eu já disse para Hatsune que eu a amo, mas preciso deixar claro que eu também amo você.

 Abro os olhos observando o rosto corado de Todoroki, ele me encara com a boca aberta em choque e desvio o olhar tirando minha mão de seu rosto. Mas que porra, agora eu me sinto um viado de verdade.

- Por favor, diga mais uma vez... – o bicolor sussurra colocando ambas as mãos em minhas bochechas, proporcionando aquele misto de sensações, um lado quente e o outro frio, daquele jeito peculiar que me deixa totalmente desarmado.

- Porra, eu não lembro nem metade do que eu falei, metadinha – digo inflando as bochechas de forma automática, sentindo-me constrangido em continuar olhando-o depois de toda essa melação que eu expus.

- Eu só preciso da última parte – ele se aproxima do meu corpo e levo minhas mãos à sua cintura automaticamente, puxando-o colado em mim. Nosso contato visual é intenso e não consigo refrear o desejo que desponta em mim, analiso sua face tão perto e sinto sua respiração misturando-se com a minha que se tornou um pouco mais rápida pela proximidade.

- Eu amo você – sussurro sem deixar de olha-lo e seu rosto se ilumina no mesmo instante, um sorriso largo e muito raro desponta deixando suas bochechas ainda mais fofas e não impeço o meu próprio sorriso ao admira-lo. Esfrego meu nariz no seu, mesmo que isso seja muita viadagem, sentindo um calor intenso em meu peito. Abraço seu corpo com força, enterrando minha face em seu pescoço e inspirando profundamente seu cheiro viciante.

- Você me ama... me ama mesmo, Katsuki? – sua voz por mais que seja vibrante, contém um tom de insegurança que me deixa furioso. Puxo seu cabelo na nuca e colo nossos lábios, iniciando um beijo apaixonado e frenético ao mesmo tempo, suas mãos apertam meu rosto enquanto sua língua luta com a minha dentro de nossas bocas, até que nosso ar se torna escasso em meio ao meu desespero em demonstrar o máximo do meu sentimento de forma carnal, para que se torne mais palpável.

- Caralho, Shouto, eu te dei meu cu, quer prova de amor maior que essa? – digo irado e o bicolor começa a gargalhar com minha fala, balanço a cabeça cruzando os braços enquanto o rapaz se afasta inclinando-se e apoiando as mãos no joelho, chorando de rir. Bufo frustrado por ter falado isso no calor do momento, sinto minha face extremamente quente e uma pontada entre as pernas ao lembrar-me do que fui capaz de fazer, agora que toquei no assunto. Olho para Todoroki se acalmando do ataque de risos aos poucos e não deixo de sorrir minimamente, é bom que ao menos ele não esteja mais tão abalado, por essa merda vale a pena passar essa vergonha toda.

- Me desculpe, Katsuki – ele diz depois de erguer a postura limpando algumas lágrimas que se acumularam em seus olhos, agora pelo riso e não por motivos ruins – Eu também te amo, apesar de não ter dado meu cu.

- Ainda – falo erguendo uma sobrancelha e o bicolor retorna meu olhar sem dizer mais nada, como se apenas consentisse com minhas palavras. Estendo minha mão e o mesmo me olha confuso – Vamos logo, porra, a Konan já deve estar nos esperando.

 Ele arregala os olhos surpreso, mas não hesita em entrelaçar seus dedos aos meus, levo sua mão ao rosto e deixo um beijo sobre o dorso, começando a caminhar logo em seguida. Não levo meu olhar a ele, mas pelo canto do olho, posso ver seu rosto avermelhado e um pequeno sorriso em seus lábios. Sim, Todoroki Shouto, eu não sei como isso aconteceu, mas eu te amo. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado! Creio que já posso dizer que estamos chegando ao fim? Pois é gente, temos algumas coisas para rolar, mas acho que essa fic cumpriu o seu propósito! Estou deduzindo que pode chegar a uns 40 capítulos ao menos, mas prometo que haverá um epílogo super fofo deles com filhinhos e tudo mais!

Obrigada por ainda estarem acompanhando! vocês são demais!!!!!!!!!!!!!!!

Até breve <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...