História O poderoso império sayajin - Capítulo 39


Escrita por:

Postado
Categorias Dragon Ball
Personagens Bardock, Bra, Bulma, Chichi, Cooler, Fasha (Seripa), Freeza, Gine, Gohan, Goten, Grande Patriarca (Saichourou), Kuririn, Mestre Kame, Raditz, Rei Cold, Shenlong, Tights Brief, Trunks, Turles, Vegeta, Yamcha
Tags Bardock, Gine, Imperio Sayajin, Kakarotto, Rei Vegeta, Turles
Visualizações 79
Palavras 2.059
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Ficção, Hentai, Luta, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


boa leitura a todos

Capítulo 39 - Sua mãe sabe mais


Fanfic / Fanfiction O poderoso império sayajin - Capítulo 39 - Sua mãe sabe mais

Gine chega a casa de raditz sendo recebida pelo escravo.

-Onde está o raditz?  - Gine pergunta após cumprimentar o escravo

-Ele está na sala de treino – fala o escravo

-Pode avisar que estou aqui por favor? – Gine fala gentilmente

O escravo a acompanha ate a sala e sobe para a sala de treino avisando. Pouco tempo depois raditz desce. Usando somente o traje de baixo.

-Olá mãe, a que devo a honra – raditz brinca

-Vim ver meu filhote, do contrário ele não nos faz uma visita não é mesmo? – Gine sorri

- Você sabe que não sou culpado. Tive uma grande jornada de invasões, agora que estou a aproveitar um descanso

-e faz isso lutando mais um pouco?- Gine rir-se

-qual melhor forma de relaxar? – raditz zomba

Então Gine dá um abraço no filho que afaga gentilmente seus cabelos.

-estava pensando em ir amanhã na arena vê as lutas e competir talvez – Gine fala se sentando no sofá junto a raditz

-Parece uma boa. Vai competir no circuito geral?

-Não. Só sayajin mesmo. seria injusto para os alienígenas – Gine fala

- e o velhote o que acha disso?

-ainda não falei nada, mas não acho que ele vai discordar. Ele é o que mais insiste para eu fazer algo diferente

-ele ainda não desistiu de te tirar da central de distribuição de alimentos?

-Por incrível que pareça não. Pelo menos uma vez por mês ele chega com uma nova possibilidade para mim, é irritante – Gine rir-se – mas você vai ter uma companheira você vai ver como as vezes a convivência a dois é difícil.

-Pois é né?... -Raditz fala

- e quando você vai arranjar uma companheira? Ainda espero ver os filhotes correndo – Gine fala com um sorriso

-eu não sei bem se vou me vincular a uma sayajin...-raditz começa

-Como assim filhote? Uma hora você vai encontrar uma femea que te atraia e vai se vincular é inevitável.

Nesse momento tights entra com as mãos cheias de frutos.

-olha, tens uma terráquea também?- Gine fala a olhando- interessante essa raça, as femeas são bem exóticas, vi algumas no mercado de escravos outro dia. Acabei por comprar uma, era tão jovenzinha não podia permitir vê-la nas mãos de um sayajin. Qual seu nome filhote?

Tights que estava parada a olhando até então responde

-Tights

Ela havia visto aquela sayajins de relance em flashes sabia que tinha algo relacionado a raditz e os olhos dela eram gentis diferente dos demais sayajins que ela cruzou até aquele momento.

-Tights...bonito nome. É guerreira tambem?

-na verdade eu não luto. Eu gosto de ler e escrever na verdade. Minha família é de uma longa linhagem de cientistas então acho que sou a ovelha negra – tights fala rindo

Então raditz pede licença a mãe para tomar um banho e se trocar

- você poderia pedir a raditz permissão para aprender a linguagem sayajin para usufruir do espaço de livros da central de Bejita. Diga-me tights o que você escreve?

-Ficção cientifica...romances

-Interessante, engraçado você escrever de romances. Aqui esses livros não fazem muito sucesso se é que me intende. Eu gosto muito, mas os sayajins são muito interessados apenas em batalhas e lutas

- Eu pude perceber pelo raditz mesmo. ele sempre estar a treinar. Muitas vezes só o vejo a noite antes de dormirmos – tights fala de forma inocente.

-Vocês têm passado muito tempo juntos?

-não tanto, ele acaba trabalhando e treinando muito então acabou ficando pouco tempo com ele de dia, restando apenas as noites

- hmmm, e vocês tem divido muito a cama? - Gine pergunta curiosa

Tights cora, não era acostumada a conversas tão intimas de forma tão aberta. Ainda não havia se acostumado a falta de pudor dos sayajins.

Gine percebe o desconforto da garota terráquea.

-Me desculpe, não quis que te constranger – Gine fala

-Não tudo bem. Sim dividimos a cama todos os dias – tights responde ainda um pouco constrangida

Gine estranha esse fato. se o filho de fato estava dividindo a cama todas as noites, ele não estava se relacionando com nenhuma femea sayajin o que era de certo modo preocupante, principalmente depois de kakarotto.

-Por um acaso raditz fez alguma marca em você? Gine pergunta ansiosa

-na verdade ele fez sim, essa aqui – e tights mostra a Gine e marca do vinculo no pescoço.- ele me falou que é um tipo de vinculo nos costumes de vocês.

-Sim isso mesmo -Gine responde contida, mas por dentro querendo matar o seu filhote

Definitivamente a vinda dos humanos para Bejita não foi a coisa mais sensata, pensou Gine naquele momento. Até que ponto as raças compartilhavam de tal atração. Isso era perigoso. E o pior era que só restaria Turles para continuar com a linhagem deles o que de fato irritaria muito bardock. Gine não visitava Turles desde da briga deles na casa dela. mas algo a estava incomodando

Raditz então volta a sala

-Almoça conosco? – pergunta com um sorriso de lado

-claro filhote, mas antes me responda uma coisa, tem visto o Turles?

-na verdade tenho sim

- e como ele está? Ainda está com aquela femea? Eu soube que ele estava com kakarotto na invasão a terra não foi -Gine pergunta displicente

-tá bem mãe. Acho que sim. não falamos muito sobre isso, da ultima vez eles tinham brigado por algum motivo, ela até estava na medical machine – raditz fala pensativo – bom mas foi isso mesmo, ele esteve na terra sim... porque dá pergunta

Gine já apreensiva

-Nada, só preocupação mesmo.

-eu vou levar pra cozinha, e já volto – tights anuncia apontando para os frutos

Assim que ela saiu Gine tirou o sorriso do rosto

-Como pode se vincular com uma humana e ainda não em falar nada moleque? – Gine esbraveja baixo olhando com olhos de fúria a raditz

-como você soube

-Porque ela me mostrou a marca, o que você achou que ia ficar assim pra sempre? O que você vai fazer agora? -Gine continua zangada

-Eu não sei ta bom. O que quer que eu diga ou faça. Você sabe como tirar o vínculo? Ótimo me mostra que faço com prazer, mas do contrario você melhor do que ninguém sabe o que acontece. Eu não vou fazer igual ao meu pai e você lutando contra algo que não se pode vencer. Não estamos falando de um adversário físico mãe, estamos falando de um adversário emocional e não há nada que se pode fazer.

-Ah raditz. O que vou falar para o seu pai agora? Filhote não me entenda mal. Não quero que lute, agora já não há mais o que fazer, mas isso vai trazer consequências para nossa geração. Você não vai poder ter cria, nem você nem kakarotto

-Como assim kakarotto? -Raditz estranha

-seu irmão também se vinculou a uma terráquea – Gine fala com as mãos no rosto

Raditz fica embasbacado com a revelação da mãe

-como assim se vinculou?

-assim que nem você, que nem eu e seu pai... simples assim – Gine fala andando de um lado a outro

-realmente isso é um problema – raditz fala agora com a cauda agitando-se

-voltei – anuncia tights com um sorriso

Os dois sayajins param e olham pra ela

-Vamos almoçar? – tights pergunta animada.

Então eles vão juntos a mesa. O assunto é trocado.

 

No castelo vegeta tenta focar-se em sua rotina diária tentando a todo custo não pensar em Bulma.  Mas estava começando a ficar ansioso e cheio de desejos por vê-la.

Era final de expediente no laboratório real e os pais de Bulma se retiram para seus quartos. Eles estavam tristes por terem que ficar separados. O que deixava Bulma chateada pois seus pais eram casados a tantos anos e agora tinham até isso tirado deles.

Bulma resolve ficar um pouco mais no laboratório com Ichy para aperfeiçoarem o projeto que estavam trabalhando juntos. Depois de algumas horas Bulma estava com sono

-queria tanto um café bem forte – Bulma fala

-o que é café? – Ichy pergunta

-esqueci que vocês não tem essas coisas aqui. – Bulma ri então explica o que era o fruto de grão vermelho que virava pó, falou das propriedades da cafeína

-bom, não temos café, mas temos uma bebida que tem um efeito parecido ao que me disse, você quer um pouco? -Ichy oferece

-eu adoraria se não for incomodo é claro – Bulma fala se espreguiçando

-Pra você? Não incomodo algum – Ichy fala com um sorriso

Ele já estava ficando acostumado ao jeito da terráquea  e estava ficando a cada dia que se passa mais fascinado por ela a ponto de pensar nela quando não estava no laboratório . Bulma realmente era uma incógnita fascinante, era inteligente, atraente mesmo não sendo uma sayajin, mas tinha o temperamento forte e era mandona o que fazia os dois se estranharem por vezes, fazendo sempre o sayajin ceder aos caprichos dela. mas por alguma razão ele gostava disso.

Ichy sai por alguns instantes voltando com dois copos de algo que lembrava um chá para Bulma. Ela então prova e acha o gosto um pouco forte, mas bom. Então põe-se a tomar o liquido âmbar. Não demora muito e o efeito já surge e era bem mais forte que a cafeína. Logo voltam a trabalhar. Já era bem tarde quando Ichy fala com Bulma

-tenho que ir, você precisa dormir é muito frágil o sistema imunológico de vocês humanos. – Zomba Ichy

-quem você esta chamando de fraca mocinho? – bulha fala confrontando-o com um sorriso debochado

-Vai me dizer que é forte? Não consegue nem erguer um quadro sozinha – zomba Ichy

-vou te mostrar que consigo – Bulma se sente desafiada

Então se aproxima de um dos quadros de apoio e  tenta o levantar do chão fazendo uma enorme força, Ichy se acabava de rir da humana

-para Ichy, não tia de mim – Bulma choraminga tentando fazer força

-desiste Bulma, aceite que é frágil – Ichy fala

-nunca – Bulma agora zangada.

Então Ichy se aproxima dela pra tentar tira-la de perto do quadro quando Bulma se desequilibra derrubando-se em cima de Ichy caindo sobre o corpo do sayajin. Os dois ficam rindo até que se encaram profundamente, ambos os corações começam a bater mais acelerado e as respirações ficam mais pesada. Nenhuma palavra era dita apenas os olhos se encaravam as mãos de Ichy estavam sobre as costa de Bulma, então ela movida por um impulso maior pois sua mão sobre o rosto do sayajin que sentiu a maciez do toque da mão delicada da humana sentindo um arrepio correr por todo seu corpo. Então ele aproxima seus lábios dos de Bulma que se deixa tocar pelos dele. Uma descarga elétrica percorre o corpo de ambos então só lábios começam a se movimentar lentamente até se tornarem um beijo mais profundo abrindo espaço para as línguas se encontrarem o beijo começa a se tornar intenso. Então eles se separam sem ar se olhando. Ichy se senta mantendo Bulma sobre seu colo ele agora segura o rosto de bulma que sente a forte mão do sayajin sobre sua face e fecha os olhos sentindo as sensações do toque. Ichy mais uma vez toca os lábios de Bulma. Os beijos recomeçam de uma forma mais urgente e desejosa. Depois de um tempo se separam.

Eles se levantam. Ichy estava se contendo o máximo que conseguia. A vontade que tinha era de tomar Bulma ali mesmo no chão do laboratório, mas sabia o quanto os humanos eram sentimentais. Então segurou seu ímpeto. Não queria assusta-la. Ficou desejoso após provar os sabor dos lábios da humana de cabelos azuis, sabia que precisaria de mais daquilo. Nunca desejou tanto uma femea quanto desejou ela naquele instante. Munido de todas as suas forças ele deu um beijo na testa de Bulma

-eu vou te deixar dormir agora, nos vemos amanha ok? -Ichy falou com um sorriso de lado.

Bulma ainda estava se recuperando da descarga de sentimentos que acabou de viver ela apenas consente com a cabeça. E Ichy vai embora e ela vai para o seu quarto

 

Na cama após acasalarem Gine estava deitada sobre o peito de bardock, ambas as caudas enroladas uma na outra.

-eu fui ver os meninos hoje, estava com saudade deles

-que bom. Alguma novidade?

-bom kakarotto vai por a humana na arena sem estar pronta, e raditz se vinculou com outra humana – Gine fala calma

Bardock segura a respiração por alguns segundos e olha para gine.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...