1. Spirit Fanfics >
  2. O poderoso Jauregui - Camren G!p >
  3. Capitulo 16 - HERDEIRO

História O poderoso Jauregui - Camren G!p - Capítulo 16


Escrita por:


Capítulo 16 - Capitulo 16 - HERDEIRO


Fanfic / Fanfiction O poderoso Jauregui - Camren G!p - Capítulo 16 - Capitulo 16 - HERDEIRO

Camila POV

Algumas coisas mudaram desde que Allysson veio morar conosco há quatro dias. A primeira delas, obviamente é que eu não ficava mais tanto tempo sozinha. Outra coisa que mudou e muito foram as minhas saídas de casa.

Saímos todos os dias logo depois do café da manhã e voltávamos sempre no final da tarde: Allysson, clara e eu. Corríamos com os preparativos do meu casamento. Uma parte bem grande de mim explodia em felicidade pelo fato de Lorenzo querer que esse casamento acontecesse o mais rápido possível. 

Era bom sair com as duas. Além de serem divertidas eram eficientes. Meu vestido foi comprado, o Buffet contratado, convites prontos.

Eu nem sei por que ainda me impressionava. Sempre que íamos a alguma loja ou outro lugar qualquer e Clara dizia que era para o casamento de Lorenzo Jauregui as coisas rapidamente se ajeitavam.

Apesar de ser um contraventor, Lorenzo era respeitado. Ou então temido, o que era mais provável. 

Uma coisa que me surpreendeu mais do que tudo foi o comunicado do enlace pela imprensa. Eu imaginei que talvez lorenzo não quisesse esse tipo de exposição.

Ele sempre agia ao contrário do que eu esperava. Tanto que não se importou quando allysson levou um fotógrafo para que tirasse foto de nós dois juntos. Devo admitir que combinávamos perfeitamente. 

Entretanto quando saiu a nota no jornal, nossa foto estampada na primeira página eu tive medo da sua reação. Creio que foi mais pelos dizeres: 

“O Todo Poderoso lorenzo Jauregui finalmente preso nas garras do amor.” 

Ele ia bufar e fazer aquela cara perigosa que eu muitas vezes temia. E obviamente mandaria recolher os jornais. Pronto. Mais uma vez caí do cavalo. Estávamos na sala, allysson e eu, quando ele chegou já afrouxando o nó da gravata. 

- O que as duas andaram aprontando que estão com essa cara? 

- Boa tarde pra você também, Lorenzo.

Era incrível como Allysson era topetuda feito ele mesmo. Pareciam realmente irmãos. O engraçado era que Lorenzo havia me dito que allysson ficava sempre trancada no quarto, mal conversava.

E agora até ele mesmo brincava dizendo que Allysson queria falar tudo o que nunca falou em apenas um dia. Era visível o quanto ele gostava dela. Mais uma das facetas do Poderoso que eu ia pouco a pouco descobrindo. 

-Boa tarde, ally. Boa tarde, Camila. Melhor assim?

- Bem melhor. Venha ver o jornal. Já saiu a notícia do casamento. 

Estendeu o jornal para ele enquanto eu subitamente parava de respirar. Ele olhou durante alguns segundos e estendeu o jornal de volta a ally, mas com o olhar fixo no meu. 

-Estava linda na foto. Aliás, é linda sempre. 

Eu ofeguei, mas não consegui dizer nada. Quer merda. Apenas a voz dele tinha o poder de me deixar mole. 

- Faça o que tem vontade, camila. Eu já estou de saída. 

Allysson saiu da sala e lorenzo veio se aproximando. Logo estava à minha frente, estendendo a mão para mim. Fui puxada do sofá assim que nossas mãos se tocaram. Meu corpo grudou-se ao dele e como sempre.

De forma quase automática, eu enlacei seu pescoço. Sua boca desceu ávida sobre a minha, a língua já devastando a minha boca. Eu gemi e apertei meus dedos em seus cabelos, meu corpo inteiro se acendendo berrando por mais.

Desceu beijos pelo meu pescoço e colo antes de pegar minha mão e me olhar profundamente. 

-Eu sinto uma puta falta de você quando estou longe. 

Apertei meus braços em volta dele com toda força que consegui. 

- Eu também. 

- Vou para o quarto. Preciso de um banho. Você e allysson estão precisando de alguma coisa? 

-Eu pelo menos, não. 

- Se precisar... 

Ele ia se afastando quando eu o chamei. 

- Lorenzo? 

- Sim? 

- O que vai fazer a respeito do James? 

Ele voltou novamente para o meu lado. Fechei meus olhos e quase me encolhi esperando pelo “Não é da sua conta”. 

- Por enquanto nada. Talvez eu dê corda para ele se enforcar. Mas por enquanto ficarei como se não soubesse de nada. No momento nosso casamento é o que importa. Quero que tudo seja perfeito pra você. 

Esse homem ainda ia me matar algum dia. Matar-me de tesão, de paixão. Ele baixou minha crista sem que eu ao menos percebesse. 

Mas também, ele era apaixonante demais. Mesmo sendo um bruto, um cavalo, às vezes. Acho que isso tudo era parte do charme dele. 

Sem vergonha alguma eu admito que amo isso. 

- Obrigada, Lorenzo. 

- Disponha. 

Ele beijou meus cabelos e depois subiu. Não fui atrás dele embora meu corpo quisesse ardentemente isso. Mas me contive. Precisava ser menos... "despudorada". 

Pouco depois Allysson voltou só sorrisos. 

- O que foi? 

- Você doma Lorenzo direitinho. 

- Deixa de ser boba, ally. Ele sim me domou sem que eu percebesse. 

- Ambos, então. Lorenzo pelo pouco que conheço dele nunca foi dado a esse tipo de carinho. 

Em parte ela tinha razão. Mas aquele lado bruto dele não dava descanso. Era parte dele e tínhamos que conviver com isso.

E nem adiantava tentar me enganar. Na maioria das vezes esses coices dele me deixavam abismada, mas eu vergonhosamente gostava disso. 

Chelseaa já tinha saído da nossa casa. Ela tanto insistira que lorenzo acabara cedendo. Ela voltaria para Don Matteo, mas não agora. Lorenzo acomodou-a em um de seus apartamentos. Lá ela ficaria até que passasse nosso casamento.

Só então ela iria até Don Matteo se dizendo arrependida. O plano exato deles eu nem fazia idéia. Eu percebia claramente o ódio e repulsa de Chelsea por Don Matteo e não tirava sua razão. Entretanto isso poderia ser perigoso, principalmente pra ela. Tomara que dê tudo certo. 

Aloy folgadamente deitou no sofá, a cabeça em meu colo. Fiz um cafuné em seus cabelos. 

- Como você e charlie estão? 

- Ficou maluca? 

- Deixa de ser boba, ally. Pensa que não percebo a troca de olhares entre vocês? 

Ela suspirou antes de responder. 

- Eu gosto dele. Desde quando Lorenzo me levou para a casa dos pais dele. Mas, Lorenzo jamais irá permitir. Charlie tem medo, eu não. Lorenzo não é tão carrasco quanto tenta aparentar. 

- Realmente. Pelo menos em relação a você. 

- A você também, Camila. Não se engane. Lorenzo, de forma bem sutil, sempre faz suas vontades.

Talvez eu fosse mesmo uma retardada e não percebesse isso. Ou então ele era o rei da sutileza. Ou as duas coisas. 

Pouco depois ele desceu novamente, os cabelos ainda molhados, vestido num outro terno. Era impressionante como ele ficava ainda mais gostoso vestido assim.

Aliás, acho que é gostoso de qualquer jeito. Transbordava sensualidade, gostosura e sexo. Vontade de avançar nele e apertá-lo inteiro. 

- Cuidado com a baba no meu cabelo. 

Allysson falou baixinho. 

- Tenho que sair novamente. Não esperem por mim. Volto tarde. 

- Quão tarde? 

- Muito tarde, Camila. 

Percebendo minha insatisfação ele veio até mim e inclinando seu corpo, segurou-me pela nuca beijando-me de forma rápida e intensa. 

- Eu compenso depois. 

Estremeci e allysson riu. 

- Comportem-se 

Ele disse já saindo pela porta. 

- Você estremece com simples palavras, camila. 

- Se você soubesse o que essas simples palavras significam ally. 

- Vocês são uma bomba prestes a explodir, isso sim. 

Mas a partir daí eu fiquei chata. Nem eu estava me suportando. Tudo por causa da ausência de Lorenzo. 

- Ai credo, camila. Vá se deitar. Está muito chata. 

E pra ser sincera eu estava realmente com sono. Muito sono. Queria minha cama, de preferência com lorenzo junto, mas não sendo possível, ia sozinha mesmo. Dei um beijo em Allysson. 

- Se precisar de alguma coisa, Ally... 

- Se precisar não vou te chamar. Está muito cansada ultimamente, Camila. Desse jeito vai apagar no altar no dia do casamento. 

- Idiota. 

Fui para o quarto e apenas tirei minhas roupas, deitando-me nua. Queria pensar um pouco em meu futuro marido, mas o sono me abraçou quase que instantaneamente. 

E isso foi péssimo. Dormi tanto que quando percebi que Lorenzo dormia ao meu lado já eram seis da manhã. Que merda. Eu sempre acordava, mesmo quando Lorenzo chegava com o dia raiando.

Tive vontade de acordá-lo, mas ele dormia tão profundamente que desisti. Tomei um banho e desci. Allysson já estava acordada e separava os convites de casamento. 

- Bom dia, Ally. 

- Bom dia. Nem vou perguntar se dormiu bem. Nem viu Lorenzo chegar.

- Como sabe que não vi? 

- Ele chegou há meia hora. Eu já estava acordada e ele voltou para me perguntar se você tomou algo para dormir. Estava desmaiada. 

- Não sei o que está acontecendo. Estou com...  

Não consegui segurar um bocejo e ally riu.

- Tanto sono esses dias. 

- Estou vendo. 

Fui até a cozinha e peguei um copo de suco pra mim e allysson.

- Obrigada. 

- Já vai entregar os convites? 

- Claro. São só cinco dias até o casamento, Camila. É deselegante entregar convites em cima da hora. 

- Quer ajuda? 

- Já estou terminando. Mas quando terminar a gente bem que poderia nadar um pouco. O dia amanheceu quente. 

- Sabe que nunca usei aquela piscina? 

- Desperdício. 

- Ah. sei lá. Os rapazes estão sempre por aqui, fico... 

- Fica com medo do Lorenzo, que eu sei. Porque tímida você não é. 

-Mas acho que com você ele não se importa. 

- Claro que não. E além do mais é bom pegar um bronzeado antes do casamento, vai ficar linda. 

- Iremos agora? 

- Só estou terminando aqui. É melhor irmos mais cedo. Nossa pele é muito clara para o sol das dez horas. 

- Vou subir e pegar meu biquíni. 

Corri até o quarto, entrando vagarosamente. Lorenzo ainda dormia o corpo completamente aberto na cama, um dos braços sobre os olhos.

Estava apenas com a boxer preta. A imagem da perfeição masculina. Ainda não conseguia acreditar que ele era meu. Que ele queria a mim. 

Balancei minha cabeça e fui procurar meu biquíni. Era melhor me trocar mesmo, já que minha calcinha já estava encharcada só em olhar para o corpo de Lorenzo.

Peguei um roupão e o protetor solar e desci. Allysson já me esperava, vestida num biquíni roxo. 

- Vamos aproveitar que esse horário o sol ainda está fraquinho. 

Realmente Allysson estava certa. Era um desperdício uma piscina daquela e não desfrutar. Retirei o roupão e allysson sorriu em aprovação ao olhar para o minúsculo biquíni que eu usava. 

- Muito bem. Vai ficar uma marca bem pequena. É mais sexy. 

Revirei os olhos. Allysson estava aos poucos mostrando suas garrinhas, além da língua ferina. 

Mergulhei na piscina, deliciando-me ao perceber a água ligeiramente aquecida. Meu Deus... por que Lorenzo não usava isso? Era muito bom. 

- Que água deliciosa. Ah Camila, só você mesmo. Se fosse eu passaria meu dia aqui, já que Lorenzo quase nunca está mesmo. 

-Acho que vou passar a fazer isso, ally. Ainda mais agora que tenho você aqui. 

Encostamos à borda da piscina, apoiando nosso queixo nas mãos. 

- Aliás, nem te agradeci por ter vindo. É muito bom ter sua companhia. 

-Sabe. Lorenzo sempre me chamou, mas eu nunca quis. Não ia muito com a cara das ex mulheres dele. Eram todas muito artificiais para o meu gosto. Acho que Keana era a menos pior. 

- Menos pior? Nossa, simpática você. 

-Estou falando a verdade. Algumas se achavam e me olhavam com certo desprezo, já que eu não era da família. 

- Mas elas também não eram. 

- Mas eram burras o suficiente para achar que lorenzo se casaria com elas 

- Entendo. 

-Engraçado, eu sempre pensei que lorenzo se casaria um dia. Mas não com uma pessoa tão jovem quanto você. Muito menos com toda essa pompa que ele faz questão. E o melhor de tudo, completamente apaixonado. 

-Bom dia, senhoritas. 

Levamos um susto. Estávamos tão distraídas que não ouvimos a chegada dos rapazes: Norman, Charlie, Krystian e James. 

-Ah, bom dia. Não vimos vocês. 

- Estavam distraídas. 

- Iremos atrapalhar? Sabe, costumamos ficar por aqui. 

Eu, como a dona da casa, respondi.

-De jeito nenhum. Podem ficar à vontade. 

Eles se afastaram um pouco, mas sempre por perto. Allysson não tirava os olhos do charlie e ele também a encarava. Iria conversar com lorenzo a respeito disso. Ele não poderia ser contra. 

Eu e allysson saímos um pouco da piscina e estendemos nossos corpos na espreguiçadeira. 

-Está me dando um sono... 

- Ah não, Camila. Pelo amor de Deus. Está dormindo demais. Deveria procurar um médico. Vai ver está com anemia. 

Não falei nada, afinal ally parecia ter um pouco de razão. Levantei-me e espreguicei meu corpo. Melhor mergulhar novamente. Mas percebi, constrangida, os olhares dos rapazes em meu corpo. Jesus, se o Lorenzo visse isso estaríamos todos mortos.

Como se eu pressentisse o pior ergui minha cabeça e olhei para a varanda do nosso quarto que dava visão inteira da piscina.

Meu coração perdeu uma batida. Lá estava ele, vestindo apenas uma bermuda, o tórax masculino brilhando pela luz do sol. Engoli em seco. 

- Ixi... acho que ouviremos um belo sermão. 

- Me ajuda ally. Pelo amor de Deus. 

Lorenzo girou e desapareceu de vista. Talvez tivesse ido tomar um banho. Ou quem sabe juntar-se a nós? Sentei-me novamente na espreguiçadeira, roendo minhas unhas. 

Entretanto todas essas expectativas foram frustradas ao vê-lo aparecer caminhando furiosamente até nós. Parou em frente a mim, seu maxilar trincado. 

- Sai daí... agora. 

Falou entre dentes. 

- Lorenzo, estamos tomando um pouco de sol. 

Ele nem se dignou a olhar para allysson. Puxou meu braço com violência, levantando-me e colocando o roupão sobre meu corpo. Seu olhar perfurou os rapazes. 

- E vocês sumam daqui. 

Ninguém ousou desobedecer, é claro 

- Pare Lorenzo. Está me machucando. 

- E posso machucar muito mais, você não faz idéia. 

- Lorenzo, pare com isso. 

- Cala a boca você também. Bem que está merecendo umas palmadas. 

Lorenzo caminhou um pouco falando sobre os ombros. 

- Anda Camila. 

Não sei o que me deu. Talvez o medo tivesse me paralisado no lugar. Minhas pernas tremiam. Já vi Lorenzo furioso várias vezes, mas o brilho que via em seus olhos agora me apavorou, realmente.

Como não saí do lugar ele voltou e me pegou pela cintura, jogando-me sobre o ombro numa facilidade impressionante. 

Parecia um homem das cavernas. 

- Lorenzo, me solte seu ordinário. 

- Vou soltar... lá no nosso quarto. E depois vai se arrepender de ter me pedido para soltá-la. 

- Ally, me ajuda. 

Allysson veio para o nosso lado, mas com apenas uma mão Lorenzo parou-a empurrando-a, mas sem colocar força. 

- Fique fora disso, Allysson.

Inutilmente eu dava socos em suas costas. Ele era forte, provavelmente nem sentia nada. Entrou comigo dentro de casa e ao chegarmos ao quarto jogou meu corpo de qualquer maneira sobre a cama. Voltou e trancou a porta. 

-Seu... seu bruto insensível. 

- Sua idiota inconsequente. O que você pretende, hein? Ser agarrada por aquele bando de homens? 

- Que absurdo Lorenzo. Eles respeitam você. 

Seus olhos fecharam-se em fenda e em dois segundos ele me segurava pelos cabelos. 

- Mas não respeitam mulheres que se exibem feito você. 

Com uma raiva que assustou até a mim, eu mordi seu braço e Lorenzo me soltou. Corri até a porta, mas obviamente ele me alcançou. Arrancou meu roupão e olhou meu corpo. 

- Você gosta de provocar. Eu devia dar umas palmadas em você. 

- Pra que tem essa piscina se não posso usar? 

- Pode usar, longe dos rapazes de roupa decente. 

- Roupa decente? Isso é um biquíni, Lorenzo. 

Ele puxou a calcinha do biquíni com força. Doeu mas ao mesmo tempo foi tão... gostoso.

- Olha... olha o tamanho disso. 

Empurrou meu corpo, minhas costas batendo contra a parede. 

- Por que não colocou a porra de um maiô? 

- Porque é grande. 

- Viu como eu disse que é exibida? Gosta de provocar? 

Ele segurou a base do nariz entre os dedos. 

- Camila... Camila... não faça isso. Não me faça perder a paciência. A troco de que fez isso, hein? 

- Eu só... 

O aperto dele em meus braços começava a machucar. Ia ficar roxo com certeza. 

- Só queria me bronzear um pouco. 

- Pra que, merda? 

- Pra ficar bonita e gostosa pra você. 

Bingo. Sua respiração acelerou e senti seu membro latejar de encontro a mim. Levantei uma das pernas, roçando em seu corpo, já transbordando desejo e luxúria. 

- Você já é tudo isso, idiota. 

Sua voz soou mais calma, mais rouca, mais fodidamente sexy. Peguei sua mão, apertando-a. Assim que afrouxou o aperto em meu braço fiz com que subisse a mão e envolvesse meu seio. 

Eu gemi, fechando os olhos. 

- Senti tanto sua falta ontem, do seu cheiro...do seu corpo. 

Ele gemeu e se afastou um pouco. Arregalei meus olhos ao ser penetrada com força, sem qualquer aviso. 

- Sentiu falta disso, não é? 

Ele falava enquanto empurrava seu membro com força, com violência para dentro de mim. Suas investidas eram tão vigorosas que meu corpo quicava sobre seu pau, fazendo-o grunhir, apertando minha cintura, tirando-me o fôlego. 

- Isso prova o quanto é gostosa? 

- Sim... 

Eu não gemia, eu choramingava de prazer e principalmente, por sentir seu amor travestido de ciúme. 

- Prova que você é minha. Só minha. 

Quando falou isso, Lorenzo estocou com tanta força que trinquei meus dentes, segurando-me para não berrar de prazer. Meu corpo se convulsionava, minhas pernas pareciam gelatinas.

E lorenzo continuava estocando violentamente, atacando meus seios com sua boca voraz. 

- Eu te quero... assim... sempre, lorenzo. 

Fui engolfada pelo orgasmo intenso, cravando minhas unhas em suas costas. Lorenz gritou, jogando sua cabeça para trás e liberando jatos do seu sêmen dentro de mim. 

Depois colocou a cabeça em meus seios, enquanto nossa respiração voltava ao normal. 

- Não faça mais isso ou não sei do que serei capaz. 

- Mas, Lorenzo. 

-PARE DE RETRUCAR, PORRA. VOCÊ É MINHA. MARMANJO NENHUM VAI FICAR BABANDO EM VOCÊ. 

Passei a mão em seu rosto e ele me encarou, ainda furioso. 

- E se for com você? Com seu corpo forte ao meu lado, me protegendo? Assim pode? 

Ele estreitou os olhos, assimilando imediatamente a minha tática; que incrivelmente funcionou. 

- Assim pode. 

Eu ri e apertei meus lábios contra os dele. 

- É por isso que eu te amo. 

Lorenzo me abraçou com força. 

- Você já sabe a minha resposta. 

Soltou meu corpo rapidamente e se afastou. Uma vertigem forte me nocauteou. Levei as mãos à cabeça, tentando me segurar, inspirando profundamente. 

- Ah Deus... 

Lorenzo virou-se instantaneamente e me viu literalmente escorregar pela parede. Creio que não atingi o chão. Seus braços fortes me ampararam antes de tudo virar escuridão. 

 

 

 

Acordei um tempo depois. Não sei precisar quanto tempo. Encontrei o olhar aflito de Lorenzo com allysson ao seu lado. 

- Ah camila, graças a Deus. Perdoe-me. 

- Não... 

Falei com dificuldade. 

- Foi só... uma queda de pressão. Não foi sua culpa. 

Fiz menção de me levantar, mas Lorenzo me impediu. 

- Fique quietinha. A médica já está vindo. 

-Médica? 

Allysson interrompeu. 

- É Camila, ele se recusou a deixar que um homem examinasse você. Chamei a médica que a Clara costumava me levar. Espero que não se importe. 

- Mas não é prec... 

- Shh... você reclama demais, Camila.

Lorenzo segurava minha mão e seu olhar era tão preocupado que senti remorso da raiva que senti dele antes, mordendo sua mão. 

- Bom dia? Com licença? 

Olhei para a porta e uma loira alta e deslumbrante entrava. 

- Oi allysson, como vai? 

- Tudo bem, Dinah? Poderia dar uma olhada na Camila?

- Como vai? 

Ela cumprimentou Lorenzo com um aperto de mão. Que idéia era essa de Allysson? Trazer uma mulher dessa para minha casa? Perto do meu Lorenzo?

- Tudo bem, Camila?

-Sim. Foi só uma queda de pressão. Meu noivo é exagerado. 

Ele não se manifestou. Seu olhar era angustiado.

- Senhor Jauregui, pode nos dar licença? 

- Por quê? 

- Para que eu possa examiná-la. 

- Não arredo pé daqui. 

-Deixa. 

Falei para a tal Dinah que começou as perguntas de sempre. Eu respondia de forma mecânica. Queria Lorenzo aqui novamente. Estava mais parecendo uma criança birrenta. Entretanto

Dinah me fez uma pergunta que me fez franzir o cenho. 

- Como andam suas regras? 

Quanto tempo fazia que menstruei pela última vez? Não me lembro.

Lorenzo e eu transávamos todos os dias, não teve um só dia que precisamos ficar sem fazer por causa disso. 

Comecei a tremer. 

- Está se prevenindo, Camila? Creio que mantém relações com seu noivo. 

- Não e sim. 

- Não está se prevenindo e mantém relações? 

-Sim. 

- Pode me acompanhar até o banheiro? 

- Pra quê? 

Lorenzo se adiantou. Dinah por sua vez olhou para ele com altivez. 

- Está me atrapalhando. Permita que eu examine sua noiva, por favor. 

Ele se afastou a contragosto. 

Segui com Dinah até o banheiro. Retirou uma embalagem de dentro de sua maleta. 

- Esse é o mais moderno teste para detecção de gravidez que temos. Consegue precisar com apenas uma semana de atraso menstrual. 

- Gra... gravidez? 

- É o que me parece. 

- Mas... 

- Faça o teste, por favor. 

Segui as instruções de Dinah e fiz o tal teste. Meu coração batia descompassado ao esperar o resultado. 

- Vamos voltar para o quarto? 

- E o resultado? 

- Vamos? É bom que seu noivo esteja presente. 

Não precisava dizer mais nada. Eu estava grávida. Meu coração pulsava violentamente. Não sei se estava alegre ou triste. Lorenzo andava cheio de não me toques. E se ele quisesse o bebê apenas depois de um tempo de casados? 

- O que ela tem? 

- Nada grave demais que precise se preocupar. A não ser que considere a gravidez algo grave. 

Lorenzo puxou o ar com força, seus olhos se arregalando e cravando-se nos meus. Seu peito subia e descia pela respiração ofegante. 

- Iremos fazer exames mais específicos. Vou marcar um horário para você em meu consultório. Mas já irei antecipar algumas vitaminas e vacinas que precisará tomar. 

- Mas, como pode ter certeza? 

- Fiz o teste com ela, Allysson. 

Dinah mostrou o teste a Allysson e ela passou a Lorenzo. Ele continuava mudo, parecia em choque. 

- Pode levá-la ao meu consultório no final da tarde, senhor Jauregui? 

- Ele pode. 

Allysson respondeu por ele, já que ele continuava me encarando, totalmente congelado. 

- Ótimo. Espero vocês às dezessete horas. E parabéns aos dois. 

- Obrigada, Dinah. 

Ela sorriu e parou à frente de Lorenzo.

- Pode comemorar, senhor Jauregui. 

Allysson se retirou com Dinah, deixando-nos a sós. Eu começava a ficar inquieta. Não sabia o que Lorenzo estaria pensando. Por que ele não falava nada? Que merda. 

- Lorenzo? Pelo amor de Deus, diga alguma coisa. 

Ele pareceu sair do transe. Andou até a cama e sentou-se em frente a mim. Permaneceu me olhando. 

Sem entender como, eu estava nos braços dele. Lorenzo me abraçava forte, o rosto enterrado em meus cabelos. Depois beijou meus cabelos, meus olhos, minha boca. E quando eu encarei seus olhos, fiquei sobressaltada. Não pude acreditar no que via. 

- Está feliz? 

- Camila... eu... obrigado. 

Mordi meus lábios, inutilmente tentando segurar meu choro. 

Sua mão posou sobre meu ventre. 

- Nosso bebê... meu herdeiro. 

- E se... e se for uma menina? 

Ele balançou a cabeça. 

- Quem se importa? É nosso bebê. Meu e da mulher que... da minha mulher. 

Abraçou-me novamente a boca colada em meu rosto. 

- Eu te amo, lorenzo. 

Pela primeira vez na minha vida, talvez a última, eu vi meu Todo Poderoso chorar. Essa imagem jamais sairia da minha mente. A imagem de um deus aos prantos.

 


Notas Finais


Caraca, neném por aí 😮👏
Bom dia! 🙆
Qualquer erro me avisem, ok?!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...