1. Spirit Fanfics >
  2. O preço da perfeição. >
  3. Parte I: Conhecer. Capítulo III- Belas Mentiras.

História O preço da perfeição. - Capítulo 3


Escrita por: LittleSavage

Notas do Autor


Boa Leitura 💜

Capítulo 3 - Parte I: Conhecer. Capítulo III- Belas Mentiras.


O PREÇO DA PERFEIÇÃO.

Parte I: Conhecer.

Capítulo III— Belas Mentiras.

03:48.

Acordo depois de alguns minutos de um péssimo sono, dormir cerca de 30 minutos ou menos. Levanto e, vou para o banheiro. Após fazer minha higiene matinal, ponho um topper preto, calça do exército preta e coturno. Vejo Yuta acordar, assim como os outros.

04:00.

Saímos para a área de fora da casa, Ten inicia o alongamento. Escuto Jhonny e Yuta a iniciar uma fofoca, nego rindo. Terminamos o alongamento e fomos correr.

05:00.

Jennie Kim.

Acordo com as meninas conversando, o trio está na janela vendo algo. Me levanto, as três não percebem, me aproximo. Vejo, então a visão da entrada do paraíso. S/N está suada vestida apenas com um topper e calça com a estampa do exército preta. Eles riem de algo, enquanto um dos garotos reclama de alguma coisa. Percebo que todos entram enquanto a garota para mexendo no celular. Fiquei tanto tempo admirando a vista que nem percebi as meninas saindo de perto. Vejo S/N olhar para cima e sorri enquanto acena.

Saio da janela e vou me arrumar. Entro no closet que interliga meu quarto com o das minhas irmãs. Jisoo está se maquiando, Lisa mexe no celular e Rosé procura o sapato que vai usar hoje.

— Bom dia, meninas. — falo enquanto eu pego uma bolsa. — Algo com o nosso nome?

— Bom dia. Os fãs querem que a gente se vista igual, como antes. — Lisa responde.

— Quando eles irão entender que nos não somos mais crianças?!— Jisoo revira os olhos.

— Logo, logo o papai chega com as nossas roupas. — Rosé dá de ombros indo pro banheiro.

06:00

Término de secar meu cabelo, o ajeito do jeito que eu quero. Nosso pai passa pela a porta com vários cabides de roupa em mãos. Como Rosé disse, o papai faz de tudo pelos os fãs. Ele entrega a roupa de cada uma e no final nós diz um bom dia.

— Ah, e não se esqueçam que vocês vão ter uma entrevista hoje e, em seguida, sessão de fotos para a Vougue em Daegu. — ele nos lembra. — Vocês não terão muito para o café da manhã, então se apressem para terminar a entrevista e comer algo.

— Sim, papai. — falamos em uníssono.

Ele sai do closet ao atender o celular. Eu e as meninas começamos a nós vestir. Minha roupa é: um sutiã de brilhantes, blazer preto, saia preta justa, cinto preto da Louis Vuitton, a bolsa preta da LV, e sandálias de salto alto. Eu me olho no espelho vendo que a roupa ficou um pouco desconfortável para uma entrevista mas tudo bem, eu só tenho que agradar aos fãs.

Lalisa está vestida com um short preto estilo social, crooped preto, blazer preto, salto alto preto e uma bolsa de mão preta. Jisoo é a mais formal, é um vestido longo de manga cumprida, estilo blazer, botas pretas que vão até os joelhos, e bolsa de mão. Rosé está um pouco parecida com Jisoo, o seu vestido é de seda e curto, sandálias de salto alto e bolsa de mão da Channel.

Depois de prontas, saímos do quarto, e indo direto para o carro.

O preço da perfeição.

S/N Nakamoto.

Aguardo as meninas enquanto fumo um cigarro encostada no carro. Elas passam pela porta ainda de cabeça baixa conversando. Ao me ver Roseanne corre na minha direção,jogo o cigarro no chão, assopro a fumaça e afasto do carro para conseguir pegá-la.Em segundos eu circundo meus braços na sua cintura, e tiro do chão seu corpo com seu impulso ao pular pra me abraçar.

— Bom dia, S/N. — ela sorri quando eu a ponho no chão. — Você dormiu bem?

— Bom dia, senhorita Chaeyoung. Posso dizer que sim? Dormir mais do que o normal. — sorri-o ao mentir descaradamente, ela sorri. — E a senhorita? Dormiu bem?

— Sim, eu dormi.

— Bom dia, S/N. — Jisoo diz ao ficar em uma proximidade suficiente para que eu ouça. — Hoje será como ontem? 

— Bom dia, Senhorita Jisoo. Não, não há como, então vamos todos juntos. — escuto o barulho de carro e me viro na direção. — Hoje, vocês tem visita? — indago.

— Não. — elas respondem em uníssono.

— Bem, então alguém tem. — falo ao ver o carro esportivo.

— O quê ele está fazendo aqui?— ouço a mais nova, Lalisa, perguntar. Vejo que foi uma pergunta feita a Jennie.

— Eu não sei, já terminamos tem dois, a três meses. — Jennie anda na direção, mas eu a seguro pelo braço. 

— Ele está bêbado. — falo. — Não tem o senso de direção. — a puxo para trás. — Deixa que eu falo.

— S/N....

Ele para o carro há poucos centímetros das minhas pernas. Jennie segura em minha blusa com força. Ele desce do carro, e encara a todas, e depois desvia o olhar para mim.

— Eu estou procurando por Jennie. — o bafo de whisky me faz o encarar.

— Ela está te escutando. — falo ainda o encarando.

— Eu quero ver aquela vadia aqui. — eu ergo minha sobrancelha. — AGO—

Antes que eu reaja, o patriarca abre com força a porta de entrada. Eu o encaro, mas há apenas uma carranca em seu rosto.

— Deixa eles se resolverem sozinhos. — o ouço me dizer. 

— Não, eu não quero. Eu não tenho mais nada para resolver com ele. — Jennie diz alto atrás de mim.

— Papai! — Lalisa o chama. — Ela disse que não t- 

— Calada, Lalisa. — a garota abaixa bem a cabeça acatando a ordem. — Deixa que os dois se resolvam.

— Entrem no carro. — falo para elas que assentem e fazem o que eu peço.

— Você não manda nelas. — o patriarca da família fala enquanto desce o conjunto do degraus ao ver as garotas me ouvindo.

— JENNIE!— o rapaz grita indo atrás da mesma.

Em um ato rápido ponho minha pistola na cabeça do rapaz, enquanto seguro o pulso do velhote que ia puxar os fios de Jennie. 

— Eu não preciso pensar para atirar, ou quebrar seu pulso. — falo. — Melhor deixar, eu fazer o meu serviço. — eles assentem. 

Fecho a porta da Land Rover Discovery ao ver que as elas estão no carro.

 Entro no lugar do passageiro, enquanto Yuta dirige até o local da entrevista.

O preço da perfeição.

Todo o caminho, escutei Jennie chorar e as meninas tentando acalmar a mesma. Rosé foi a próxima a chorar. Yuta apenas me olha a cada momento que pode em busca de reação negativa. Depois da entrevista, levei todas pra comer e relaxar um pouco, antes de pegar um jatinho que estava a nossa espera.

Rosé e Jennie parecem se esquecer do mundo enquanto comem. Lalisa parece bem abatida com tudo que ocorreu e Jisoo cuida e protege todas.

— Senhoritas, temos que ir. — aviso e as vejo assentir.

Jatinho.

Confiro os cinto de segurança de cada a mais nova da mais velha. Me sento ao lado de Yuta que continua me olhando.

— Yuta, posso te perguntar algo?— ouço Lalisa, mas continuo quieta, vejo Yuta deixar. — Porquê não interferiu?

— S/N sabe o quê faz, Lalisa. Confio na  irmã que eu tenho. Como eu suponho que ele, o Marechal, já tenha dito:Não há ninguém que poderá tocá-las para machucar. — Yuta sorri. — E você?

Ela tira o cinto vindo na minha direção e segurando um tablet.

— Por favor. — ela ergue o tablet e, eu o seguro. — Nós salve dessas belas mentiras. E eu te dou minha palavra que confiarei em ti. — me levanto depois de tirar o cinto.

— Apenas descanse um pouco, Lalisa. — a levo até sua poltrona. 

Volto para meu lugar e olho para Yuta.

— Estou com você. — ele me diz.
















Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...