História O Príncipe Dragneel - Capítulo 50


Escrita por:

Postado
Categorias Fairy Tail
Tags Gale, Gruvia, Jerza, Nalu
Visualizações 148
Palavras 1.054
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ecchi, Fantasia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpem a demora para postar é que eu tive um problema com o a luz, o gerador explodiu, mas aqui está mais um capitulo novinho para vocês.
Espero que gostem.
Boa leitura.

Capítulo 50 - Memórias Amargas.


Fanfic / Fanfiction O Príncipe Dragneel - Capítulo 50 - Memórias Amargas.

Olhando nos olhos de Jude, Natsu tomou coragem e disse:

_Nós estávamos juntos quando tudo aconteceu, mas quando as pessoas começaram a serem alvejadas elas se desesperaram e começaram a correr. Eu a segurei firme, mas a multidão era mais forte e a separou de mim a levando junto. Depois que o tumulto cessou um pouco eu tentei acha-la, porém foi impossível. E-eu sinto muito, eu devia te-lá segurado mais firme...

Jude estava desnorteado, sua cabeça parecia girar. Ele então olhou Igneel procurando ajuda e entendendo a situação ele disse:

_Nós vamos acha-la meu amigo, eu lhe prometo. Nada irá acontecer a Lucy.

Ele apenas assentiu, porém uma pessoa ao canto do salão lhe chamou a atenção. Ela revirava os olhos completamente descrentes e mais uma vez naquele dia suas emoções tomaram conta de seu corpo.

_A culpa disto é sua! Sua desgraçada, minha esposa nunca deveria ter te ajudado!

Eileen apenas o observava, já que não havia como ele alcança-la já que estava sendo segurado pelo rei e pelo príncipe. Porém, aquele bastardo tinha que abrir a maldita boca e perguntar:

_Por que o senhor a odeia tanto? Senhor Heartfilia, não é culpa da senhora Belserion, ela...

_Cale-se garoto! A culpa é dela sim! Quando Layla a acolheu dentro de casa, essa víbora conspirou contra nossa família! As escondidas ela fez um acordo com a organização e ofereceu nossa família no lugar da dela!

Natsu estava estupefato, aquela mulher tinha posto a cabeça dos Heartfilia a venda e agora transitava pelo palácio como se nada tivesse acontecido. O rosado não pode deixar de sentir ódio, ódio daquela mulher e o pior de tudo ódio de seu pai.

_Guardas! – Igneel gritava pelo auxílio dos guardas – Levem à senhora Belserion para o quarto e certifiquem-se de que ela não ira fugir.

Assim que chegam para leva-la a mesma se desespera e começa a gritar:

_Vocês não entendem?! Eu tinha que salvar a minha filha! Soltem-me seus trogloditas!

Eles a levam quase que arrastada, por fim sobraram apenas Natsu, Igneel e Jude no enorme salão.

_Jude, por que você nunca me contou isso?

_Por que eu achei que ela fosse fracassar na missão dela! Eu esperava com todas as minhas forças que ela morre-se!

Natsu não sabia mais o que pensar, sua cabeça estava a mil e a única coisa que ele conseguia se focar agora era: Onde estaria Lucy.

 

Beco.

Lucy olhava o homem completamente paralisada, afinal ele nunca saiu de seus pensamentos e agora ali com ele tudo voltava a sua mente, com uma intensidade horrenda. Ele se aproximava cada vez mais dela, mas por conta do pânico ela não se movia.

_Eu esperei tanto tempo para te rever. Você não faz ideia de como foi difícil me controlar para não pega-lá logo, mas graças a Eileen eu consegui manter o controle. Agora, seja uma boa garota e morra logo de uma vez.

Dessa vez ele quebrou de vez a distancia que havia entre eles e puxando Lucy pelo braço ele a trouxe para perto de seu corpo. A mesma não oferecia resistência alguma, era quase patético, mas ela não lutava por sua vida.

     _Lucy!

Com um sobressalto a garota despertou de seu subconsciente. Alguém a chamava e a voz da pessoa era tão familiar para ela que a mesma não pode deixar de lacrimejar. Enquanto Zeref há jogava desajeitadamente no chão e se preparava para mata-la ali era sussurrou:

_Mãe...

     _Lucy, por favor, não desista! Eu sei que está com medo meu amor, mas não se entregue sem lutar! Há pessoas que te amam esperando você voltar sã e salva, então não desista meu amor!

Lucy ainda estava em choque e aproveitando-se disto Zeref tentou apunhalara, mas foi em vão. Tomada de uma força irracional, Lucy se virou rapidamente e assim derrubou o moreno, que estava montado em cima de seu corpo, no chão.

Ela então se levantou, mas antes que pudesse correr ele a segurou pelo braço novamente. A mesma o golpeou na barriga e em uma tentativa falha ele desferiu uma facada que passou rente ao rosto de Lucy, causando um corte em sua bochecha direita.

Virando-se para Zeref a loira desferi um soco no rosto do mesmo e em seguida uma joelhada na barrida do mesmo, fazendo com que ele se ajoelhe. Sem dar tempo para que o mesmo se recupera-se, Lucy golpeia a cabeça do moreno o derrubando no chão.

Como a pancada não havia sido muito forte, por conta do pesado vestido que a impediu de usar toda sua força, ela não tinha muito tempo para fugir. Então, mais do que rapidamente, ela se apressou em sair dali.

Zeref por outro lado ajoelhou e ficou observando a mesma a partir. Ele tinha que admitir que estava surpreendido, mas a surpresa não era tanta por ela saber lutar e sim por conta da lembrança que ela despertou nele.

 

Centro da cidade.

Mirajane corria a todo vapor para o palácio, pois ela só ficaria em paz quando constata-se que sua família estava bem. Porém, assim que adentrou o grande salão do castelo o que ela viu a deixou completamente perturbada.

Seu irmão gravemente ferido estirado no chão sendo tratado por uma enfermeira e ao seu lado dois corpos sem vida, seu pai e sua mãe, em estado de choque a albina caiu de joelhos no chão e rastejando ela chegou até os corpos.

Chorando incessantemente ela os tomou em seus braços e pediu perdão por não os ter protegido, em seguida ela se dirigiu ate seu irmão, Elfman, e mais uma vez pediu perdão e jurou que iria vinga-los.

No instante seguinte ela limpou suas lagrimas e sua feição mudou completamente. Ela então se encaminhou até seu quarto, adentrando o local ela tratou de despir-se e por sua roupa de combate, que nada mais era que um vestido mais leve e mais curto com o peitoral e braços protegidos por couro e aço, em seguida calçou suas botas de montaria.

Dirigindo-se então para a sala de treinamento ela pegou uma pesada espada de aço negro e um chicote com pontas de metal, por fim ela foi até o estábulo e encilhou um cavalo, e logo em seguida montou-o e dirigiu-se o mais rápido possível para o centro da batalha. Naquele dia eles iriam conhecer o outro lado de Mirajane Strauss.


Notas Finais


Espero que tenham gostado meus amores ><
Nos vemos em breve.
Beijinhos de luz.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...