História O PRÍNCIPE e a PLEBEIA - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Camponês, Plebéia, Principe, Rei, Romance
Visualizações 8
Palavras 639
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Fluffy, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Depois de um mês eu voltei!
Espero que gostem desse capítulo <3

Capítulo 6 - Ligar as famílias


Os pais de Afonso apenas saíram dali e foram para o quarto, sem dizer nenhuma outra mais palavra.

— Vou te levar para o seu aposento minha querida. — Afonso disse passando o braço em meu ombro.

E enquanto estávamos indo até o quarto, eu ouvi falas não muito agradáveis do quarto dos pais dele e parei para ouvir. Essa foi minha pior decisão.

— Que loucura! Afonso trazendo essa moça para nosso castelo. Deve ser essa fase maluca antes de tornar-se príncipe, até com você foi assim...

— Mas eu não levei uma plebeia para o castelo.

— Vamos amor, não preciso escutar mais nada... — Respondi um pouco chateada e dei alguns passos a frente, mas Afonso logo ficou do meu lado.

Ele abriu a porta do meu aposento e eu percebi que aquilo não era pra mim; esse quarto, os empregados... E até mesmo Afonso.

— Logo vão chamar-nos para o almoço e depois iremos passear pela aldeia, apesar de estarmos em confronto com o reino de Artena, um dia ou outro de passeio não é de arriscar a vida.

— Claro... — Dito isso, ele me deu um beijo no rosto e saiu dali.

Então quando ‘minha’ criada veio chamar-me, eu parei de admirar cada centímetro daquele quarto. Realmente muito lindo, e a cama mais ainda.

Quando me sentei à mesa, a mãe de Afonso virou o rosto para o rei e sussurrou algo.

— Pode ir, Brumella. — A mãe de Afonso disse, pelo visto essa é a principal cozinheira do castelo.

— Então... Você irá ao Norte de Montemour para averiguar a situação das bases inimigas?

— Vou, tenho que ir. — Afonso respondeu o pai. — Queria muito que Amália fosse comigo.

— Amália não poderá ir, ela é uma mulher e...

—... mulher não pode combater. Eu sei, eu sei...

Já era fim de tarde e faltavam apenas algumas horas pro sol se pôr. Eu tinha passado a tarde toda com Afonso.

— Não poderei ir contigo... — Falei, chateada. Afonso me envolveu em seus braços.

— Eu voltarei, minha querida. — Estávamos sentados à beira do lago que ficava perto da floresta, apenas descansando depois de um longo dia.

— Deve ser muito bonito lá. — Eu disse.

— Você nunca foi ao norte de Montemour? — Ele parecia incrédulo. — Bom, é muito bonito mesmo. Vamos? — Chamou-me.

Atravessamos as árvores que cercavam o lago e fomos até o cavalo que usamos para chegar, que nos esperava não muito longe dali. Mais uma vez sentei gentilmente nas costas do animal. Afonso se juntou a mim, sentindo nossos corpos entrando em contato mais uma vez, uma brisa soprou e estremeci, o que fez Afonso passar seus braços a minha volta, pegando as rédeas e fazendo o animal andar.

Ele não falou mais nada e um silêncio estranho se instalou sobre nós. Saber que isso se tornaria por horas, dias ou até mesmo meses, já que ele ia averiguar algumas coisas, me fazia desejá-lo mais e tê-lo para mim.  O caminho do lago até o castelo demorou para passar, mas finalmente chegamos lá e Afonso pulou de cima do cavalo, segurando minha cintura e me ajudando a descer. O sol já havia sumido e a noite costumava ser fria demais, tornando nossa situação um pouco desconfortável.

— Tem algo de errado? — Perguntei.

— Não eu só estou um pouco cansado, foi um logo dia. — Afonso carregava o animal até o estábulo, então acompanhei-o lentamente.

— Claro, eu entendo meu amor. Bom, mas hoje a noite você irá dormir no meu quarto e... — Fui interrompida logo depois dele amarrar o animal ali.

— Meu amor, me perdoe... Eu não queria mas acontece que... Que minha mãe quer que eu conheça a princesa de Artena, filha do rei Augusto.

— Co-conhecer para que?

— Você sabe, para ligar as famílias... Ela quer que eu me case com a princesa. — Suspirei, revirando os olhos. Não creio que isso está acontecendo, isso que da namorar o príncipe...


Notas Finais


Nos vemos nos comentários!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...