História O príncipe e o Lobo - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Kim Namjoon (RM), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Personagens Originais
Tags Jungkook, Namgi, Namjoon, Namjoon!top, Reinos, Suga, Sugamon, Taehyung, Taekook, Vkook, Yoongi!bottom, Yoonjoon
Visualizações 58
Palavras 4.579
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meus amores, tudo bom? Espero que sim. Eu to muito nervosa, esse é o primeiro capítulo do príncipe e o lobo, e eu realmente não sei se vocês vão gostar ou não.

Desde já quero agradecer a todos que lerem e caso tenha algum errinho de português, me desculpem que eu ainda sou nova nisso.

Obrigado a @SnowOrtiz que betou o capítulo e desde então vem me ajudando muitooo em todos meus projetos, muito obrigado mesmo.

@Ggvk eu espero que você goste!

Capítulo 2 - A caçada


Majestade, vosso pai lhe chama na sala de reunião imediatamente — Informou o criado ao adentrar a biblioteca e encontrar Yoongi devorando mais um dos milhares de livros de história que tinha ali. 

O loiro era um amante da literatura, preferia passar horas trancado dentro de uma biblioteca do que ter que se submeter aos treinos com espada no pátio do castelo. Seu comportamento anti-social desagradava seu pai imensamente. O rei vivia dizendo que agindo daquela forma, Yoongi jamais conseguiria se tornar um rei, afinal, mesmo que o menor tivesse nascido ali, ainda existiam súditos que o conheciam apenas por pinturas. Suas saídas ao ar livre eram raras, dificilmente o mais novo deixava os muros do castelo e quando o fazia, tinha sempre um propósito maior por trás daquilo. 

Yoongi poderia ser o desgosto da família real, mas dentro de sua cabeça tudo fazia sentido. 

Ele não queria ser rei. Não suportava a idéia de ter nascido com um destino pré-escrito; de ter que colocar o bem dos outros acima do seu. Poderia parecer egoísmo, mas era assim que o garoto pensava, ele não havia pedido por aquilo, não podia ter uma vida normal, simplesmente porque nasceu destinado a governar um reino inteiro. Durante sua infância, o loiro cresceu escutando não. “Você não pode fazer isso”, “não pode agir assim“. Não, não e não. 

Tudo aquilo era um saco. Porque não poderia ser como nos livros? 

— Majestade? — Insistiu o criado ao perceber que o loiro se encontrava perdido em seus próprios pensamentos. Só então Yoongi suspirou, deixando o livro de lado e levantou-se, caminhando a passos lentos e preguiçosos até a porta de saída. 

— Ele disse porque precisava da minha presença? — Perguntou Yoongi, curioso para saber o porque daquele pedido inusitado, afinal, seu pai parecia ter desistido de si há muito tempo. 

— Não, senhor. — Respondeu o criado, negando com a cabeça após ouvir a pergunta do Herdeiro. 

Um mal pressentimento percorreu o corpo do loiro fazendo seus pêlos se eriçarem e por um momento, Yoongi considerou a idéia de dar meia volta e se esconder nas masmorras até seu pai desistir de conversar consigo. Entretanto, antes que o menor pudesse decidir se faria ou não aquilo, Taehyung e JungKook, os guardas reais, apareceram por suas costas e levaram seu plano por água abaixo. 

— Pensando em fugir, alteza? — Questionou Taehyung com um sorrisinho, deveras divertido, nos lábios. 

Quando pequenos, ele e Yoongi eram melhores amigos, sua mãe trabalhava na cozinha do castelo e seu pai era capitão do exército do reino. Todos os dias, Taehyung os acompanhava para o trabalho e como ele era uma das poucas crianças que tinham por ali, fazer amizade com o herdeiro não foi algo tão difícil. Os garotos eram inseparáveis. Corriam pelo castelo, brincavam no jardim, faziam tudo juntos. Por muitas vezes, Taehyung chegou a dormir com Yoongi, apesar de ser de uma família de classe média, o rei e a rainha aprovavam a amizade de ambos, portanto, ver os dois garotos juntos era algo normal para todos. Isso, até Yoongi começar a ter que se preocupar com outras coisas. Seus momentos de lazer foram diminuindo e consequentemente ele deixou de ter tempo para seu melhor amigo. Com a chegada de Jungkook, os dois se afastaram ainda mais, até chegar um momento em que ambos aceitaram que não dava para prosseguir daquela forma. Afinal, Yoongi era um príncipe e Taehyung um guarda. 

Aquele era um dos motivos que fazia Yoongi odiar tanto a idéia de se tornar um rei. A coroa levou para longe dele tudo o que ele considerava importante em sua vida.

— Se você e JungKook continuarem a acasalar pelos cantos do jeito que estão fazendo, daqui alguns dias, serão vocês que precisarão fugir, caro amigo. Afinal, dois homens dividindo a cama é algo nojento. Aposto que vocês usam o fato de serem membros ativos do exército como uma desculpa para oque fazem. — Rebateu Yoongi, fazendo Taehyung o fuzilar com os olhos. Por alguns minutos, o garoto quase esqueceu que Yoongi seria o futuro rei de Berwick. E se não fosse o braço de JungKook o segurando pela cintura, ele provavelmente teria avançado em direção ao loiro esnobe que os encarava com um ar presunçoso. 

— Se controle, Taehyung. — Pediu Jungkook, lançando um olhar reprovador ao "amigo". O moreno, melhor do que ninguém, entendia o lado de Yoongi. Isso porque, há uns quatro anos atrás, ele também se encontrava na mesma situação que o loiro.

Jungkook era o príncipe herdeiro de Montreal, um reino rico e próspero. Como sucessor de seu pai, o mais velho, desde criança, foi treinado e ensinado a se portar como um rei, dominante e líder. Aos 16 anos, ele já era amado e adorado por todos, o orgulho da casa dos Jung. Contudo, existia algo que queimava no íntimo do moreno, algo que só ele sabia e que ocasionalmente poderia mudar tudo. 

Jungkook não queria ser rei.

O Sangue real corria em suas veias, isso era inevitável. Entretanto, dentro daquele peito batia o coração de um guerreiro e o maior sonho de Jeon era se tornar um cavalheiro. Jungkook sabia que aquilo seria impossível enquanto ele estivesse na linha de sucessão real e foi exatamente por isso que o moreno de olhos negros abandonou a coroa e sua família. Tal decisão lhe trouxe consequências e junto delas Jungkook foi exilado do seu reino. Seu pai era um homem antiquado e encarou aquela decisão como uma traição à coroa. Jungkook estava fadado a nunca mais pisar naquele lugar novamente e ao contrário do que as pessoas pensavam, ele não se deu por vencido, muito pelo contrário, aquele foi apenas o pontapé inicial para sua jornada. 

Após viajar por muitos lugares, o ex-príncipe encontrou abrigo em Berwick e por sua força de vontade e habilidade em batalhas, ele foi aceito no exército do reino. O rei Min Hoon ao contrário de seu pai, tinha uma mente aberta e não se importou com o fato de Jungkook ter sido expulso do próprio reino. Ali, ele seria tratado como qualquer outro soldado e para preservar sua privacidade, Min Hoon concordou em manter seu segredo fechado a sete chaves. 

Obviamente que não foi bem assim, pois além de Jungkook e do rei, Yoongi também sabia de sua história e secretamente sonhava em um dia ter a força e coragem que o moreno teve. 

— Perdão, alteza. Lhe garanto que isso não voltará a acontecer. — Prometeu JungKook, se curvando diante do menor e com a mão livre puxou Taehyung, o obrigando a repetir seu gesto. Com muito esforço, o moreno se deu por vencido. Yoongi abriu um sorrisinho vitorioso antes de lhe dar as costas e marchar com firmeza até o escritório de seu pai. 

O frio na barriga voltou a ser uma sensação presente e quando o menor foi autorizado a entrar no gabinete, respirou fundo e fechou os olhos por breves segundos, antes de dar um passo à frente e adentrar o cômodo de mármore. Jungkook e Taehyung entraram logo em seguida e após se curvarem diante das figuras ali presente, se postaram como duas estátuas atrás de Yoongi. 

— Então, porque me chamou aqui? — Questionou Yoongi, fixando os olhos em seu pai para tentar espantar o nervosismo que o assolava por dentro. 

Aquele pequeno espaço quadrado abrigava os três homens mais importantes do reino: o rei, o conselheiro e o inquisidor. Isso queria dizer que o assunto a se tratar era muito sério e Yoongi odiava assuntos sérios. 

— Sente-se, por favor. — Pediu Min Hoon, apontando para a única poltrona vazia a sua frente e mesmo a contragosto, Yoongi o obedeceu. 

A lareira estava ligada e junto às tochas presas na parede de concreto aqueciam o cômodo, deixando o ambiente deveras agradável. Todos pareciam estar a vontade, menos Yoongi, é claro. O frio em sua barriga era constante e a cada segundo que se passava, e o inquisidor continuava a olhá-lo como se ele fosse uma aberração, o garoto tinha cada vez mais vontade de se levantar e correr para bem longe dali. 

— O inquisidor veio nos trazer uma notícia essa manhã. E depois de pensar muito eu tomei uma decisão... — Começou o rei, encarando o filho profundamente. — Desde que o inverno se iniciou, a população ao redor do castelo mal sai de casa. Primeiro porque o frio é congelante e segundo porque alguns boatos andaram se espalhando pelo vilarejo, causando medo e insegurança no povoado.

— Que boatos? — Se pronunciou Yoongi pela primeira vez. Por não se integrar muito às pessoas, ele sempre era o último a saber das coisas e depois de deixar bem claro que não tinha interesse nenhum em governar Berwick, seu pai e sua mãe preferiam não o atormentar com assuntos do reino. 

— Há algumas semanas atrás, um jovem se perdeu na floresta sombria, o exército real foi acionado e junto de alguns moradores, formamos grupos de busca e fomos a procura do garoto. — Taehyung e Jungkook tremeram em seus lugares e Min Hoon continuou seu relato diante da atenção absoluta do filho. — Depois de dois dias e duas noites, nós finalmente o encontramos. Ele estava assustado, ensanguentado e repetia a todo momento que havia visto e sido perseguido pelo chupa-cabra, para ser mais preciso, um lobisomem. Naquele momento, ninguém acreditou em si, achamos que era apenas um trauma e que logo, logo ele iria superar. Mas não foi isso que aconteceu, alguns caçadores que acreditaram na história saíram em busca da fera e dias depois voltaram no mesmo estado que o garoto. Eles falavam a mesma coisa e os boatos sobre o tal bicho se espalhou por todo o reino. A população está com medo, apavorada. Ninguém mais quer sair de casa e como maioria, eles querem que tomemos uma atitude. Em vista disso, eu formei um esquadrão com os melhores soldados que temos e juntos sairemos em uma caçada à besta. Se ela realmente existir, o objetivo é achar e aniquilar. E você... vem com a gente. — Ditou o rei com um ar sério e para o espanto de todos, Yoongi caiu na gargalhada. Ele não apenas riu como bateu os pés no chão enquanto suas mãos pousadas na barriga mostravam sua real situação. Aquilo era como a melhor peça de comédia que ele já havia presenciado. 

— Chupa-cabra? Lobisomem? — Yoongi riu de novo. 

O inquisidor e todos os outros presentes no cômodo o encaravam com espanto, mas tal reação já era esperada por Min Hoon, que apesar de estar sendo feito de chacota, manteve a expressão impassível por todo momento. 

— Não estou perguntando se você acredita nessas lendas, Yoongi, estou dizendo que você participará da caçada, quer acredite ou não. — Sentenciou o rei e então, o sorriso do herdeiro morreu. 

— Pai... 

— Chega Yoongi! Está na hora de você ver como funciona a vida real, quem sabe assim, passe a dar valor às coisas que tem! Agora vá arrumar suas coisas, partimos ainda essa noite. — Vociferou o rei, firme. Ninguém naquele cômodo ousava dizer uma só palavra. Ninguém além de Yoongi. 

— Claro! É sempre assim, não é? Desde que eu nasci e me entendo por gente, sei que só a sua palavra importa! Todos devem obedecer e fazer tudo o que o grande rei Min Hoon manda. No fundo você só se importa com o poder e consigo mesmo. — Esbravejou Yoongi, levantando-se da poltrona de cabeça baixa. Ele falava sem pensar, mesmo sabendo que depois poderia se arrepender de suas palavras. 

— Eu faço isso pelo bem do povo. 

— Pelo bem do povo... — Repetiu Yoongi, rindo debochado. Quando direcionou o olhar ao pai, deixou as lágrimas grossas caírem por sua bochecha e com uma dor explícita indagou: — E quando você vai fazer algo por mim, pai? 

A resposta não veio de imediato e antes mesmo que o rei pudesse tomar alguma atitude, Yoongi correu para fora do escritório, deixando a todos sozinhos.

À passos apressados, o menor se direcionou até seu quarto, ignorando todos que via pelo caminho. O palácio estava sempre cheio, a cada corredor tinha no mínimo dez soldados e uma dezena de criados. Às vezes, parecia impossível ter privacidade ali. 

Yoongi só parou quando se chocou contra alguém e esse alguém fez o menor se acalmar e abaixar a guarda no mesmo instante. 

— Mãe... — Chamou o menor com lábios trêmulos e olhos marejados. A mulher de cabelos loiros nada disse, apenas abraçou o mais novo carinhosamente e o guiou até seu quarto, onde os dois poderiam conversar com calma. 

Ao entrar no cômodo, Lizandra pediu para a criada sair e se sentou na cama, enquanto Yoongi se deitava e colocava a cabeça em seu colo, assim como ele fazia quando era apenas uma criança aventureira. 

— Quero que saiba que já falei com seu pai sobre isso. Fiz ele prometer que seria a última tentativa e se depois disso, você disser que não quer ser rei, respeitaremos sua decisão. — Murmurou a mulher gentilmente, acariciando os cabelos do filho. Lizandra era uma boa mãe, carinhosa e atenciosa. Não existia pessoa que a odiasse. Ela era muito mais do que apenas a rainha e numa época onde as mulheres eram tratadas apenas como objetos, todos a respeitavam. 

— E-está falando sério? — Questionou Yoongi com um tom duvidoso, mesmo sabendo que a mulher ao seu lado jamais mentiria para si. 

— Sim, querido, estou. — Confirmou com um aceno de cabeça. — Mas quero que me prometa uma coisa. 

— Pode pedir. 

— Assim como seu pai tentará pela última vez, eu quero que você me prometa que vai dar uma chance e pensará sobre o assunto seriamente. — Pediu a mulher, olhando o menor profundamente, se ele mentisse ela iria saber. 

Yoongi pensou na proposta da mãe em silêncio, se perdeu em seus próprios pensamentos por longos minutos e só então concordou com a cabeça. Se seu pai estava disposto àquilo, ele também faria a sua parte. 

— Eu prometo. 

Lizandra sorriu aliviada. 



Dessa forma, o acordo entre pai e filho foi selado e quando o sol se pôs no horizonte, Yoongi se encontrou com os demais cavalheiros no pátio do castelo. Taehyung e Jungkook comandavam a linha de frente, afinal, eles eram os melhores soldados do reino e consequentemente estavam presentes em todas as missões. Min Hoon ficava logo atrás dos garotos e em cada lado do rei tinha dois brutamontes, prontos para exterminarem qualquer pessoa ou animal que se aproximasse sem aviso. E por último e não menos importante seguia Yoongi. Como era a primeira vez que ele participaria de uma das caçadas, o cuidado consigo era dobrado e talvez fosse por isso que ao seu redor se postavam meia dúzia de soldados, cada um com uma função específica, fazendo o menor se sentir uma criança patética. 

A notícia da caçada logo se espalhou pelo reino inteiro e os moradores de cada vilarejo receberam a informação da melhor forma possível. O objetivo da missão era capturar e exterminar a fera antes da lua cheia, que aconteceria daqui a três dias. Todos estavam cientes e convictos da seriedade que a missão exigia, menos Yoongi, é claro. 

O loiro achava aquilo uma tremenda palhaçada. 

Yoongi passou a vida inteira ouvindo histórias de bruxas, lobisomens e vampiros, mas em sua cabecinha aquilo só existia em livros, eram tudo lendas. 

Grande engano seu. 


Por volta das seis da tarde, a patrulha real se direcionou para as colinas solitárias que ficavam a três horas dali. O local era conhecido por seus caminhos íngremes, que levavam os viajantes aos outros reinos por seus penhascos vacilantes. 

Em metade do caminho, Yoongi achou que seria fácil, mas após eles adentrarem a floresta sombria, a visibilidade foi ficando escassa e a cela do seu cavalo começou a machucá-lo entre as pernas. O menor não costumava cavalgar muito, na verdade, ele mal saía do castelo e agora passaria quatro dias viajando, era compreensível suas dores. Entretanto, Yoongi não revelou a ninguém o que sentia. 

Em certo ponto da floresta, todos os membros da patrulha tiveram que descer dos cavalos, inclusive, o rei. Um lago gelado estava no caminho e para passar por ele todos os presentes teriam que caminhar por cima das pedras enquanto puxavam seus cavalos. JungKook ainda ofereceu ajuda a Yoongi, porém, o loiro era tão cabeça dura que negou seu pedido imediatamente. 

Esse foi o primeiro erro de Yoongi naquele dia. 

Yoongi tinhas as pernas curtinhas e as pedras mantinham uma distância considerável uma da outra, o que requeria habilidade para passar por ali e isso era tudo o que ele não tinha. 

De um por um, todos os guardas passaram pelo lago. O primeiro foi Taehyung e a partir do exemplo dele, todos imitaram seus passos. O rei seguiu logo atrás e Yoongi foi se escondendo e passando a vez por puro medo. Além de não saber nadar, ele tinha plena consciência que não possuía coordenação motora o suficiente para andar sobre as pedras e ainda puxar seu cavalo, fora que sua intimidade estava dolorida e sua virilha levemente assada. 

Aquilo era doloroso.

— Majestade, só falta você. — Informou Jeon após todos os guardas completarem o percurso, que juntos ao rei, esperavam do outro lado do lago. 

— Vá primeiro, eu irei logo atrás de você. — Respondeu Yoongi, tentando não deixar transparecer o quanto aquilo estava o assustando. 

Ele não queria passar vergonha na frente de seu pai. 

Apesar de se mostrar sempre indiferente, no fundo, Yoongi se importava com a opinião de Min Hoon e não queria que os guardas o vissem como um fracasso. 

— Só posso concluir o percurso depois que todos estiverem do outro lado, majestade, ordens do seu pai. — Concluiu JungKook com um semblante compreensivo. — Se quiser, posso ajudá-lo a atravessar o lago, sei que vossa alteza não tem muita ex...

— Não precisa! — Vociferou Yoongi, seco. Sabia que Jungkook só estava fazendo seu trabalho, entretanto, odiava se sentir rebaixado. Se todos conseguiram, ele também iria conseguir. 

Pensando dessa forma, o garoto deu o primeiro passo em direção ao lago, este que estava bem afastado do local, se aproximou com rapidez, mantendo uma postura elegante para mostrar que não estava com medo. Obviamente, aquilo pareceu não funcionar pois, no exato momento em que ele pulou na primeira pedra, puxando seu cavalo pelas rédeas, todos os presentes se levantaram para olhá-lo, esperando que algo desse errado, inclusive Min Hoon. 

E eles estavam certos. 

Yoongi não calculou seus passos, pulava rápido de uma pedra para a outra a fim de acabar logo com aquilo e mesmo com JungKook gritando para ele ir mais devagar, o menor simplesmente não o ouvia. Foi então que algo aconteceu. 

Um rosnado feroz ressoou por toda floresta pegando todos de surpresa, inclusive Yoongi, que ao se assustar com o som selvagem, se desequilibrou e caiu na água gelada, dolorosamente ardente. 

Os cavalos relincharam assustados com o uivo assustador e devido a bagunça instalada de repente, todos esqueceram-se que Yoongi estava sobre as pedras. 

O lago não tinha correnteza, graças àquilo, o menor não seria arrastado pela maresia, porém, o desespero que o consumia fazia seu corpo pequeno afundar cada vez mais rápido e enquanto se debatia na água feito um gatinho desesperado, Yoongi se xingava por ter aceitado a idéia maluca do seu pai de vim naquela caçada. Se não fosse aquilo, o loirinho provavelmente não teria um fim tão patético. 

Somente quando os cavalos se acalmaram e o alvoroço passou, foi que os guardas perceberam o primeiro sinal de que algo estava errado. O cavalo de Yoongi fugia pela costa do lago e o garoto havia sumido. 

Min Hoon e Taehyung foram os primeiros a pularem na água, ambos tinham conhecimento de que Yoongi não sabia nadar e a partir do momento que sentiram sua falta, logo concluíram o óbvio. 

Os demais guardas pularam no lago logo atrás do rei e JungKook abandonou seu cavalo sem pensar duas vezes e seguiu o exemplo. 

Desesperados, eles iniciaram uma busca incansável atrás de Yoongi, que naquele momento, se encontrava no fundo do lago. Devido a pouca visibilidade, eles podiam contar apenas com o tato e mesmo sem saber se aquilo seria o suficiente ou não, continuavam procurando. 

Taehyung foi o primeiro a tocar o corpo de Yoongi e logo em seguida Min Hoon chegou até eles, bastou um braço do rei para segurar o menor e o levar para cima, o Kim teria ajudado, mas devido ao instinto protetor do homem, preferiu não intervir em suas ações. 

Ao chegar a beira do lago, Min Hoon iniciou uma sessão de massagem cardíaca no peito do filho e a cada pausa Taehyung fazia respiração boca a boca no mais novo. 

A pele do menor estava mais pálida que o normal e seus lábios e bochechas atingiam uma cor roxa assustadora. 

— Vamos filho, acordar, por favor. — Pedia o rei angustiado, ele tentava se manter calmo mas após alguns minutos sem resposta, ou sinal de vida da parte de Yoongi, seu desespero passou a ser evidente e as lágrimas banharam seu rosto sem permissão. 

As tentativas de tentar reanimar o menor já não eram tão eficientes e ao perceber que o filho não iria acordar, Min Hoon socou seu peito violentamente, enquanto um grito de dor escapava de seus lábios. 

O desespero dominou cada poro de seu corpo, viajou por suas veias e o sufocou por dentro, era seu filho, seu único filho. 

Todos estavam perplexos demais com a situação. Taehyung e JungKook se mantinham petrificados, encarando o corpo pálido e gelado que jazia sem vida. 

Pelo menos, era aquilo que eles pensavam. 

Movido pela dor de um pai, o segundo uivo ressoou na floresta, dessa vez mais intenso, mais alto e mais sombrio. Algo no ambiente parecia ter mudado e tomado por uma descarga elétrica, Yoongi acordou. 

Desesperado, o garoto se virou para o lado e começou a tossir, jogando para fora toda a água que ele havia engolido. Taehyung e JungKook se apressaram em ajudá-lo e Min Hoon parecia surpreso demais para compreender o "milagre" que estava acontecendo ali na sua frente. 

— E-eu... nunca mais... — Tosse — Q-quero ir... para uma caçada. — Balbuciou Yoongi fazendo todos respirarem aliviados, ele ficaria bem.

— Meu filho... — Murmurou Min Hoon, deixando-se cair em lágrimas enquanto tomava Yoongi nos braços, usando mais força do que o necessário. 

O menor não sabia o que fazer, estava confuso com a ação de seu pai mas mesmo assim retribuiu o abraço, porque ele também havia sentido medo. 

— Me desculpa... Pai. — Pediu o pequeno, sem saber realmente porque ele pedia desculpas. Talvez, por tudo. Desde pequeno, ele só dava desgosto a sua família e depois de passar por aquela experiência quase-morte, sentia que devia mudar suas atitudes. A vida era preciosa demais para não ser aproveitada. 

Yoongi agora compreendia isso. 

Depois do susto, toda a patrulha seguiu caminho. Precisavam chegar a campina antes do anoitecer e devido aos imprevistos tiveram que apressar os passos. 

Min Hoon queria ter mandado o filho de volta junto de três cavalheiros. Contudo, o menor negou aquela decisão com todas as forças. Yoongi não iria embora sem antes capturar o bicho que rosnou daquele jeito, afinal, se não fosse por aquilo, ele não tinha caído na água. 


era noite quando o grupo de homens chegou á campina. O frio maltratava seus corpos dos pés a cabeça e Yoongi rangia os dentes enquanto observava JungKook acender uma enorme fogueira. Todos estavam ocupados, fosse checando os cavalos ou montando acampamento, somente. Yoongi estava sentado, pois mesmo que o rei tivesse concordado em manter ele na missão, fez o filho prometer que só voltaria a se esforçar quando estivesse inteiramente curado. 

Após levantarem a primeira tenda, Yoongi dirigiu-se até o local e com cuidado trocou de roupa. Era vergonhoso ter que admitir, mas o garoto de pele pálida tinha um grande problema entre as pernas. A pele alva estava machucada, doía e ardia como uma queimadura e Yoongi sabia que andar de cavalo naquelas condições seria um assassinato a sua futura linhagem. Talvez seu pai estivesse certo, era melhor ele voltar e se recuperar no castelo, onde tinha pessoas capacitadas para cuidar de si. 

O menor estava desanimado. Permaneceu na tenda por muito tempo e quando decidiu falar com seu pai para concordar em voltar ao castelo pela manhã, ouviu-se um grito, seguido de um rugido feroz que logo se findou. 

Os problemas ainda não tinham acabado. 

Com pressa, Yoongi se dirigiu para fora da tenda e ao redor da fogueira se juntou aos guardas que olhavam fascinados para o urso caído no chão, uma espada estava cravada em seu coração e o sangue escorria pela grama. 

— O que você fez seu verme? — Gritou Taehyung, pegando o assassino do urso pelo colarinho com uma raiva latente, ninguém estava entendendo seu comportamento. 

— Eu não fiz nada, cara, a fogueira atraiu o bicho e ele avançou. — Justificou o garoto amedrontado sem entender porque Taehyung estava tão irritado. No reino eles viviam de caça, então porque ele estava agindo daquela forma? 

A pergunta foi respondida assim que Min Hoon se aproximou dos soldados e fitou o urso. 

— Esse urso é um filhote... — Foi o que o rei disse e então todos os presentes ligaram os fatos. 

A mãe do filhote logo, logo estaria ali. 

— Precisamos sair daqui. — Concluiu JungKook, ciente dos fatos. Porém, um rugido ensurdecedor atingiu seus ouvidos e na escuridão da mata os homens viram quando outro urso começou a se aproximar. 

Parecia o fim. 

— CORRAM!!! 

Foi o grito de comando que fez todos dispersarem da campina, adentrando a floresta, sem nunca olhar para trás. Agora era cada um por si. 

Yoongi tentou seguir na mesma direção que seu pai, contudo, com a falta de claridade e por estar machucado, ele não conseguiu acompanhar os outros. Mal conseguia correr sem sentir as lágrimas molharem sua bochecha. A fricção que suas coxas faziam uma na outra deixava sua pele queimando e aos poucos o menor foi perdendo a força. Seus passos diminuíram e o silêncio tenebroso ao seu redor foi o consumindo. 

Aquele era um péssimo lugar para morrer. 

Foi o que o pequeno pensou quando tropeçou numa raiz de cipó e acabou beijando o chão. Yoongi estava cansado, não sabia se o animal estava atrás de si, mas sabia que se não morresse pelas patas dele, morreria de frio. 

Ao certo, o garoto não se lembrava quanto tempo passou jogado ali. A noite silenciou seus sentidos o impedindo de discernir corretamente o que acontecia ao seu redor. Yoongi sentia frio, fome e dor. Num último suspiro, o garoto escutou quando algo começou a aproximar-se de si, só poderia ser o urso, ele havia o achado. 

O que sua mãe sentiria ao descobrir que ele foi devorado por um animal na caçada? Será que ela ficaria bem? Sofreria muito? Muitas perguntas passavam pela cabeça do menor e todas elas foram apagadas de sua mente quando o animal chegou até ele, Yoongi sentia sua presença ali e se perguntava porque ele estava demorando tanto para estraçalhar seu corpo. Será que ele não era digno nem daquilo? 

O menor não queria ficar acordado para descobrir. E foi exatamente por isso, que ele se deixou dominar pela inconsciência. 


Notas Finais


Obrigado a todos que leram, eu estou tão ansiosa para saber oque acharam.

Como forma de agradecimento vou deixar aqui embaixo o link de uma fanfic vhope da @SnowOrtiz, se alguém gosta desse shippe é só da uma passadinha lá.

https://www.spiritfanfiction.com/historia/troublemaker-13529057


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...