1. Spirit Fanfics >
  2. O que a alergia uniu, eu não separo. >
  3. Capítulo - único.

História O que a alergia uniu, eu não separo. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oii gente,Tudo bem com vocês?
Hoje, uma pessoa muito especial completa ano, feliz Aniversário @Blakelizzie !^-^

A capa foi feita por "Summerdesign" do Twitter.


Obs: Alergia é uma coisa muito séria, que pode levar a morte de uma pessoa, não tô querendo mostrar nessa fic que ela é legal,porque não tem como ser.

pode ocorrer possivelmente de ligar pessoas, como na fic.

Obs2: o nome da fic é esse pq foi um dos únicos q veio a mente [ o outro que veio já era de outra fic...]

Espero que gostem^^
BOA LEITURA!

Capítulo 1 - Capítulo - único.


Dia 20 de março de 2020.


Sexta-feira às 12 horas PM.



Tenten.


A morena encarou satisfeita para o espelho, especificamente para o reflexo de sua melhor amiga Ino,  que agora estava com seus longos cabelos loiros com pontas em tom azul mais escuro que seus olhos. 

Orgulhosa de seu trabalho, fez mais uma cliente sorrir sinceramente! Amava isso, e o sorriso da loira era bem mais especial para si, todos já sabiam disso, ambas tinha uma conexão forte como se fossem irmãs. 

Tirou suas luvas, a Sabaku já havia saído da cadeira giratória, estava se despedindo dela, afinal Ino ainda daria um "oi" para seu marido, e claro que não seria apenas um "oi". A Mitsashi aproveitou o vazio salão,  para fechar o estabelecimento já que os funcionários e clientes já tinham saído.


Quebra de tempo.


Dia 20 de março 2020


Sexta-feira às 1:20 horas PM.


De sobremesa, pedirá um açaí, com canudos óbvio, bananas, amendoim,  pouca coisa por mais que abusasse vez ou outra, pedindo tudo que tinha direito.


Esperava sentada, com seus cotovelos apoiados na mesa de plástico bastante comum. Reparou nas pessoas,  assim como no local. 


Ao seu lado um cara lhe chamará atenção, olhos exóticos, pele branca como um fantasma,  mas ao contrário do fantasma Tenten não o queria longe de si, e hm, ele tinha um longo cabelo.


Parecia que ele sentiu que estava sendo observado, visto que encarou na direção da morena, que não sabia: se fingia estar apenas em devaneio qualquer ou se desviava o olhar. Mas não fez nenhum dos dois.


Os olhos lhe prenderam em uma armadilha, que acertou em cheio seu coração,  visto que sentia um batimento acelerado não comum. Não conseguia parar de encarar as orbes dele, caralho ele era muito lindo, e isso era pouco.


Dessa vez ela conseguiu desviar, quando o pedido dele chegará, logo a garçonete veio até si, entregando o seu açaí, pegou em seguida o copo, mas cadê seus canudos que havia pedido?


Neji.


Ser professor da pior matéria era um desafio e tanto para qualquer pessoa, menos para Neji, um gênio prodígio que conseguia enfiar física na cabeça dos alunos com uma facilidade impressionante.


Sorriu de lado ao ver mais um trabalho com a nota máxima,  e não, não era da melhor aluna muito pelo contrário, era da Konan, conhecida como delinquente. 


Saiu da escola com a pasta em mãos levaria para corrigir os restantes no almoço. Se despediu de alguns alunos, com rigidez, um professor conhecido como gelo, era horrível sua reputação? Ele gostava disso, o que era estranho.


Quebra de tempo.

20 de março 2020 

Sexta às 1: 20 horas PM.


Depois de mais uns minutos a garçonete foi até ele, que fez seu pedido, seus olhos percorreram algumas mesas da esquerda mas se sentiu observado pelo outro lado.


Ele virou se calmamente como quem não quer nada e viu, olhos castanhos um pouco puxados, o rosto meio largo possuía sardas que ele conseguia enxergar de longe, os cabelos presos em dois coques.


Voltando para o olhar, ficando tão entregue quanto ela, o mundo havia parado para ele, até ser desperto quando a garçonete lhe trouxera seu açaí, quebrando o contato visual.


Estranhou, ele não pediu canudos, mas talvez quem fez, deve ter se atrapalhado e colocado os canudos, tudo bem, ele só era alérgico a amendoim,  não a canudos.


Começou pelos canudos, depois deu uma colherada no fruto, sentindo o sabor que tanto almejava, pegou a caneta, e passou a corrigir o Trabalho de Sakura, voltando a dar colheradas no açaí. 


Ele sentiu uma coceira nos lábios, entrou em alerta,  sabia o porque isso acontecia, estava tendo uma reação alérgica,  sua respiração ficou falha, começou a tossir, a garçonete apareceu rapidamente para ajudá-lo mas ela estava entrando em desespero.


Sua pele ganhou uma coloração mais pálida, o rosto ficou vermelho, sentiu vontade de vomitar, seu estômago revirava, e pensou na sua morte.  O abdômen começou a doer, sua visão estava embaçada, escutou uma voz desconhecida:


ー Consegue dizer onde está o remédio anti-histamínicos. ー


ー No bolso direito da mochila. ー foi tudo que conseguiu dizer, a voz rouca. 


Sua reação alérgica estava piorando e já pensava que não iria conseguir sair dessa, sempre foi pessimista. Sentiu gotas, alguém estava dando remédio a ele, provavelmente a dona da voz, que não era a garçonete.


Ficou melhor mas ainda respirava ofegante, conseguiu abrir as pálpebras que não soube quando havia fechado, encarando o ser a sua frente, os olhos castanhos…


Sentiu ser levantado por ela, sua visão estava melhor, era ela mesmo, a mulher com quem trocou um demorado olhar antes do seu pedido chegar.


Quebra de tempo.


Dia 20 de março 2020.


Sexta às 4: horas PM.


Ainda estava deitado na cama hospitalar, ia ficar uma noite de observação, os médicos queriam garantir que ele não tivesse outra reação alérgica. 


Ela estava lá com ele, Neji não fazia nem idéia do nome dela, mas no meio de umas 10 pessoas que estavam naquele local, ela lhe ajudou, se preocupou quase como se fosse… alguém com quem deveria se preocupar, mas Neji sequer conhecia.


Não ficou claro nos olhos castanhos, mas agora ele sabia que ela tinha algo específico: bondade.  Que mais outro motivo alguém ia lhe ajudar sem sequer conhecê-lo? Tem que ser uma pessoa bastante gentil e com muita confiança, sim confiança (...)


(...)Imagine que alguém estar passando mal, mas se você não confia em si e nos seus conhecimentos não ia conseguir impor-se na situação para tentar ajudar quem quer que seja,  ia pensar melhor esperar os médicos, mas nem sempre temos o tempo do mundo para esperar-los.


Encarou o teto, depois seus olhos se fixaram nela, que estava dormindo ali, ela deve estar cansada, precisava agradecer-lá mas não ia conseguir acordá-la agora. Ela parecia tão tranquila dormindo, como se sonhasse com nuvens e um belo pôr do sol.


Sorriu de lado ao ver um outro sorriso, ela estava sorrindo boba com algum sonho, era engraçado mas ele se segurava para não ri e acabar acordando-a.


Hum, ela estava tão linda, o rosto relaxado,  o sorriso sereno, respirava tão leve, a franja estava cobrindo um pouco seus olhos, uma sombra clara marrom permanecia nas pálpebras, que antes ele não havia notado.


Ela soltou um bocejo tirando ele do transe que estava. Abriu os olhos castanhos devagar, e bocejou de novo, prestou atenção onde estava, e encarou ele.


ー Eu dormir muito? ー escutou a risada do cabeludo. 


ー Acho que 2 horas. ー  ele respondeu por fim, e encarou ela, como se quisesse enxergar no fundo dos olhos castanhos.


ー Está me deixando sem graça. ー ela disse virando o olhar em outra direção.


ー Ah desculpe! ー ele se desculpou, e lembrou de algo. ー Eu não estava te deixando sem graça antes? ー


ー Ahm? ー ela murmurou confusa com a pergunta dele.


ー Digo, quando nos encaramos antes dos pedidos chegarem, passamos o que? Trinta minutos se encarando? ー  se ele queria ver ela corada, conseguiu.


Tenten não sabia onde enfiava a cara,mas queria enfiar a mão na dele. Ele nem sabe o nome dela e estava fazendo ela ficar com vergonha, e pernas bambas! Isso não é justo caramba. Ela queria mudar de assunto mas como?


ー Qual seu nome? ー ela perguntou encarando o teto fingindo desinteresse. Mas o moreno era bom em ler as pessoas.


ー Pode me chamar de amor. ー respondeu e viu o olhar castanho fixar nele. Riu internamente, ela ficava tão engraçada e fofa corada.


ー O meu é Tenten. ー A morena disse tentando quebrar a brincadeira que estava deixando seu coração ritmado em um ritmo não comum. 


ー Posso te chamar de amor também? Ou um apelido diferente? ー  Neji comentou vendo ela irritada. 


ー Vai te lascar. ー como uma ousadia não muito adulta, mandou também o dedo do meio. 


O Hyuuga estava rindo muito, mas parou não podia abusar, ele não conhecia ela,  logo não tinha direito de irritá-la, ainda não. Encarou novamente os olhos castanhos.


ー Posso te fazer um elogio? ー ele perguntou realmente querendo elogiar-lá. Era difícil isso nele. Viu ela assentir positivo com a cabeça e antes corrigir:


ー Contanto que não seja muito ousado. ー disse uma condição. 


ー Hum, seus olhos são muitos bonitos, e impactantes. ーele queria ver ela desmaiar?!  seu pensamento tentava acalmar o nervosismo "calma Tenten, foi só um elogio nada demais."


ー  E por que queria me elogiar mesmo, hein? ー ele encarou magoado, Tenten percebeu sentindo um leve arrependimento.


Ela gostou do elogio dele, mas mexeu demais… ele mexe demais… ela só viu ele hoje como que...


ー Não gostou? Deveria se sentir privilegiada eu não elogio qualquer um, muito pelo contrário, raramente eu elogio até pessoas da minha família. ー


ー Uhum. Okay então, eu fico imensamente grata pelo elogio. ー ela sorriu e falou fingindo emoção. 


ー Falsa. ー acusou rindo, estava se divertindo em uma cama hospitalar… o que estava acontecendo com o Hyuuga?


ー Você é muito lindo sorrindo. ー Tenten disse sem pensar e se repreendeu-se mentalmente.


Neji sentiu as pernas trêmulas, e um arrepio por todo corpo, soprou um ar quente, e observou os olhos castanhos estarem curiosos.


ー Está bem? Quer que eu chame o médico? ー o Hyuuga apenas balançou a cabeça negativamente.


ー Muito obrigado, por tudo. Como realmente posso lhe agradecer? ー perguntou por fim. 


ー Não precisa. ー ela respondeu sorrindo, caramba claro que precisa.


ー Você salvou a minha vida. ー Neji disse pausadamente, e continuou a falar normal. ー te devo uma, vamos, como posso te agradecer? ー


ー Eu não sei… ー ela respondeu olhando para o chão, pensativa.


Uma idéia surgiu, Neji pode sentir uma lâmpada amarela inclinada do lado esquerdo da sua cabeça,  dentro de um balãozinho. 


ー Já sei! E se eu te agradecesse com um almoço?sobremesa? ー perguntou o perolado.


ー Topo! ー sorriu, compromisso com comida não se dispensa.


ー Perfeito, domingo pode ser? ー


ー É que domingo fica fechado a maioria dos lugares aqui… ー


ー Pode ser na minha casa. ー ela lhe encarou como se sacasse algo.


A frase ecoou na sua cabeça como sempre fazia "estava bom demais para ser verdade." Alguém lhe elogiando sem ser sobre cabelos, sem ser seus amigos, um homem Bonito que se sabe pouco sobre… se sentiu idiota.


ー Você quer me levar para cama? ー a voz esbanjou desprezo diante a fala.


Não que seria horrível ir para cama com um cara como Neji, mas estava cansada disso. Queria intimamente um relacionamento sério, como seus amigos tinham, algo que ela havia negado a infância e adolescência toda, para ficar adulta e passar a desejar viver assim.


ー Não, não… Se você quisesse, eu não iria recusar, mas a intenção foi te agradecer e conhecer melhor. Não  havia pensado nessa hipótese antes. ー


ー Hum. ー Tenten murmurou ainda achando estranho. Ele suspirou.  ー E sua alta?o médico já disse…? ー perguntou.


ー Ah sim, vou ficar essa noite aqui em observação. Aliás,  como sabia que eu estava tendo uma reação alérgica? ー


ー Eu já li essas situações em livros. Meu primeiro livro, o cara morreu de alergia a amendoim. ー ela comentou.


ー Caralho. ー


Ambos riram.


ー E também… ー ela se aproxima pegando na mão dele. ー Isso aqui. ー aponta para o pulso do mesmo e ele encarou a fita vermelha. Alérgico a amendoim. 


ー Verdade, mas não tinha amendoim no meu pedido. ー Neji se viu confuso.


ー No meu tinha, assim como canudos. Ela trocou nossos pedidos. ー A Mitsashi explicou a situação. 


ー Agora eu tenho que ir. ー  ela comentou meio abalada, nem parecia estar em um hospital que é o pior lugar para si, a presença dele era… não sabia definir.


ー Se vemos no domingo? ー Tenten sorriu para ele, afirmando positivamente. ー Meu número está escrito no papel na sua bolsa. ー ele abriu a boca para falar algo mas ela simplesmente saiu.


ー Acho que você já pretendia um jantar comigo. ー falou sorrindo de lado, mais para si mesmo.


Quebra de tempo


Dia 22 de março.

Domingo às 1:00.



Tenten se atrasou uma hora, um cúmulo para si, o Hyuuga abriu a porta e deu espaço para ela adentrar.


ー Achei que não vinha. ー comentou o Hyuuga encarando a Mitsashi. Ela estava linda.


ー Quando vi que estava muito atrasada pensei em não vir… ー disse olhando o piso.


ー Ainda bem que ficou só no pensamento, e que você veio. ー sorriu de lado e caminhou até ela.


ー Mas acho que a comida esfriou. ー disse indo para a cozinha ia esquentar a comida.


ー Desculpe… ー pediu seguindo ele parando na sala, observando o cômodo.  ー Sua irmã? ー disse olhando uma foto na estante, um casal, uma mulher que parecia muito com o Neji, o tom dos olhos exóticos. 


ー Prima, Hinata, e esse do lado é o namorado abestado dela.ー viu Tenten rir.


ー Abestado? ー perguntou com interesse olhando para mais fotos na estante marrom.


ー É, Naruto. ー confidenciou o nome do loiro. 


ー uhum, e Como você está se sentindo? ー perguntou a fim de saber o estado do mesmo, se já havia se recuperado bem, depois da noite de observação. 


ー Bem, e  você como está se sentindo? não me parece muito à vontade ー o moreno disse encarando os olhos castanhos.


ー… Estou me sentindo uma intrusa. ーconfessou, desviando o olhar.


Neji pegou sua mão, sentindo um choque estranho, levando ela para o sofá, detalhe: sem perceber que ainda segurava a mão dela.


ー Com o que trabalha? Sou professor de física. ー tentou puxar assunto.


ー Sou cabeleireira. ー respondeu e viu ele sorrir , ficou confusa.


ー Que bom que me entende. ー ela ficou mais confusa ainda. ー Então sabe, meus cabelos não estão em condições tão boas, mas todo mundo diz que é drama meu. ー ela estava rindo muito, tirando toda a tesão que sentiu ao ir a esse encontro.


ー É drama seu. ー comentou com umas lágrimas nos olhos. ー Mas… ー riu e continuou ー Dar para melhorar. ー


ー Eu não sabia que podia fazer alguém rir assim. ー ele disse surpreso, baixo mas ela escutou.


Tenten colocou uma de suas mãos no cabelo dele, alisando, colocando uma mecha atrás da orelha. Encarou os olhos perolados.


ー No fundo você é engraçado. ー foi tudo que disse antes de sorrir largamente.


E talvez ela pudesse ouvir que não foi só seu coração que disparou rapidamente.



O que a alergia uniu eu não separo.


Fim.




Notas Finais


Gentee, eu não abadonei "Help!meu professor" e desculpa mesmo pela demora. De início, eu quero acabar a fic toda para ir postando TwT mas se der vou postar logo o próximo cap.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...