História O Que Ela Esconde? - Capítulo 28


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Armin, Castiel, Debrah, Iris, Kentin, Lysandre, Personagens Originais, Rosalya
Tags Ação, Alexy, Amor, Amor Doce, Armin, Castiel, Colegial, Drama, Jogo, Lysandre, Mistério, Nathaniel, Paixão, Revelaçoes, Rosalya, Suspense
Visualizações 229
Palavras 4.577
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Terá muitos palavrãos do Castiel e um pouco da Mei. As mensagens (que logo entenderão) são do ano passado, então vocês podem achar confuso, mas tudo será explicado. Então não precisem se preocupar.
Se tiver algum erro, logo ajeitarei, pois alguns passam despercebidos por ter saído grande o texto. Boa leitura.

Capítulo 28 - Concerns, Dirt, Discoveries, Jealousy, Secrets and Father?


Fanfic / Fanfiction O Que Ela Esconde? - Capítulo 28 - Concerns, Dirt, Discoveries, Jealousy, Secrets and Father?

 

 

— Nossa! — Exclamou alguém, ao ver eu e Mei em uma certa posição. — Eita! Tá quente ai... — Afirmou com um tom malicioso na voz, e pela maneira de falar, deve ser o Alexy. Eu levantei rosto para ver se era ele mesmo, e era. — Des... me desculpa. To saindo. Bye, bye. Aproveitem. — Falou com um sorriso malicioso e saiu, com a expressão de chocado na cara.

 

 Após a Alexy sair, Mei imediatamente saiu de cima de mim, sentando-se ao meu lado, constrangida. Ela passou a mão na cabeça, parecendo estar com milhares de pensamentos na mesma. Será que ela arrependeu-se do que acabamos de fazer? Ela não parece contente.

 Me ergui, ficando sentado ao lado dela. Antes de pergunta-la o que está havendo, passei os dedos nos lábios, lembrando do beijo de agora a pouco. Mordi os lábios, pensando no beijo e na forma que ela me beijava. Ela era exigente. Ela queria muito, isso ela não pode negar. Merda... ela beija tão bem, e eu estou com desejo de mais. Muito mais que isso... mas preciso manter o controle.

Eu ainda não acredito que nos beijamos.

 

— Er... parece ter algum problema... — Comento. 

 

 Mei olha para mim.

 

— Eu só não estou me sentindo bem, só isso...

 

 Sem rodeios, vou direto ao assunto.

 

— Foi o beijo, não é? — Pergunto.

 

— Não, eu literalmente não estou me sentindo bem. — Ela ri, mas parece estar sendo sincera, sua cara não está muito boa.

 

— O que está sentindo? — Pergunto preocupado. Ela está pálida. — Quer que eu te levo nos hospital, algo assim?

 

— Não. — Nega. — Deve ter sido a bebida que bebi com Bryan, mas acho melhor eu ir para casa. Vou ir chamar Matheo.

 

 Ela vai levantando-se, mas a puxo pelo braço, fazendo-a sentar novamente.

 

— Espere. — Peço. — Vocês vão embora de quê? — Indago.

 

— De moto. — Responde. — Matheo tem uma moto. — Já não estou tão feliz. Não gosto nada da ideia dela na moto com ele. 

 

 Mei nota que não estou feliz, afinal, eu não sou bom em disfarçar quando estou incomodado, mesmo sabendo que eles são apenas melhores amigos. 

 Ela levanta umas das sobrancelhas com um sorrisinho nos lábios, parecendo gostar da situação que se passa.

 

— O que foi? Esta com ciúmes? — Pergunta ela, com tom irônico na voz e com aquele sorriso provocador. Parece até que estou falando com outra pessoa.

 

 Me pergunto se foi o efeito da bebida, ela me beijar, mas ela bebeu somente um copo. Só se Mei for bem fraca para bebida... e é isto que está revelando por te passado mal... mas ela parece nitidamente consciente.

 

— Ciúmes? Não, nada haver... — Nego, mas eu estou de fato incomodado. Ela dá um sorriso com a expressão de “sei...” e eu ignoro isso completamente. Tiro o celular dela do meu bolso, entregando-a. — Isso é seu. Rosa pediu para eu dizer que ela não desbloqueou e olhou nada.

 

 Ela levantou as sobrancelhas, surpresa.

 

— Pode ficar, a senha é: 280848. 

 

— Quê!? Está doida!? — Me espanto, o que ela está dizendo? Só pode ser efeito da bebida. — Você está bêbada?

 

— Não estou não, eu só quero que descubra mais sobre mim. — Ela dizia seria. Ela coça a cabeça. — Afinal, são coisas que eu não iria conseguir dizer logo para você.

 

— Por que para mim? E quem é que dá um celular para alguém?

 

— Eu. — Ri nervosa. — Você teria uma reação não muito agradável. E eu não gosto muito de falar sobre isso... foi uma fase que eu não gostei muito de  ter feito... — Afirma, e continua. — As minhas redes sociais estão abertas, então não se preocupe. Eu vou ir falar com Matheo para ir me levar para casa...

 

— Não, não acho bom você ir de moto com ele, você pode ter um desmaio ou algo assim. — Acautelo. — Espere aqui, eu vou chamar o Alexy e o amigo dele. Ele estão de carro, é melhor para você. — Ela assenti. — Só vigie meu violão aí. — Ela consenti mais uma vez.

 

 Eu me levanto, colocando o celular dela no bolso. Atravesso a rua e entro no pub, notando um alvoroço. Era Matheo e Bryan — esse idiota tinha que está no meio — discutindo no centro do pub.

 

— Não importa se você não vai deixar eu falar com ela. Eu à conseguirei de qualquer jeito! — Declarou Bryan, com certeza ele está falando da Mei.

 

— Ah é!? — Matheo debocha. — Tenho certeza que aquele cara conseguirá ela primeiro que você. — Ele bota o dedo indicador no peito dele, dizendo com um sorriso. — E você não, sabe por quê? Porque você é apenas um babaca, Bryan.

 

 Bryan parte para cima de Matheo, mas pessoas intervém no meio. 

 Vejo Alexy e o amigo dele assistindo a cena dos dois.

Caminho até eles.

 

— Preciso que me leve agora. — Falei para o amigo do Alexy. — A Mei não está muito bem.

 

— Ah, claro. — Respondeu ele.

 

— É melhor irmos mesmo. — Disse Alexy. — Isso já está ficando ridículo.

 

 Fomos caminhando para fora do pub, Matheo acabou saindo juntos com nós três. Ele parou na porta, me chamando. Eu virei de frente para ele, perguntando: O que foi?

 

— Cadê Mei? — Ele perguntou.

 

 Na hora que eu ia responde-lo, a Mei surgiu de trás de mim com meu violão em sua mão, dizendo:

 

— Estou aqui.

 

 Ela caminhou até nós e Matheo perguntou:

 

— Vamos embora, agora?

 

— Não, eu...

 

 A interrompi.

 

— Eu acho melhor ela ir no carro comigo, Matheo. Já que Mei não está se sentindo muito bem.

 

 Matheo virou para Mei.

 

— Foi a bebida, não é?

 

— Sim...

 

— Eu te avisei para não beber, francamente, Mei. — Ele deu um suspiro, passando a mão na cabeça e virou-se para mim. — Tudo bem, acho melhor ela ir com você. 

 

 Eu assenti, e fui atravessar a rua para ir entrar no carro, porém Matheo me chamou enquanto subia em sua moto. Mei atravessou a rua com Alexy e o amigo dele, conversando com os dois.

 

— O que foi? — Pergunto à ele.

 

— Quando Mei passar a mão atrás da orelha, ela se sente atraída por você ou gosta de você. — Ele disse, e colocou o capacete na cabeça. — Valeu. — Ligou a moto.

 

— Valeu.

 

 Eu não entendi o porquê dele me dizer isto — talvez ele esteja começando a confiar em mim —, mas parece uma boa, agora vou poder entender um pouco como ela se sente.

 Atravessei a rua logo após a partida de Matheo, e, entrei no carro, sentando atrás. Mei está conversando com Alexy na frente. Ela está atrás junto comigo. Eu passei a mão por trás dela, pousando a mão no ombro dela, puxando-a para mais perto de mim. Mei colocou a cabeça no meu ombro. Ela está mesmo mal.

 

— O que você está sentindo? — Pergunto olhando-a.

 

— Eu só estou muito enjoada... — Responde ela, fechando os olhos. Ela está cansada.

 

 Olho para Alexy na frente. Ele está dando pulinhos de alegria no banco. Desvio meu olhar agora para Mei, ela adormeceu em meu ombro. Está linda. Desci a minha mão até a sua cintura e de repente Alexy se virou para mim com um sorriso.

 

— Eu não acredito!

 

— Fala baixo. — Peço.

 

— Castiel, quando a Rosa souber disso terá um infarto. 

 

— Souber sobre o quê? — Indago curioso.

 

— Sobre a Mei, é claro.

 

— Como assim? — Não estou entendo nada do que ele está dizendo.

 

— Você não sabe nem agora? — Ele levanta as sobrancelhas surpreso com a minha falta de informação. — A Mei é minha grande diva, ou seja, a Mei é...

 

 O interrompo.

 

— Não diga nada. Prefiro descobrir sozinho, já que ela confiou isso à mim. — Falei, pensando no celular.

 

— Isso o quê? 

 

— Nada...

 

 

                         …

 

 

 Chegamos. Eu havia falado para o amigo de Alexy onde Mei mora e quanto a mesma, já se encontrara acordada. 

 Olho para ela ao meu lado, dizendo:

 

— Chegamos. — Eu analiso o corpo dela todo, dos pés à cabeça e dou um sorriso de canto. — Já que não se sente bem, eu posso levá-la no colo.

 

— Não, obrigada. — Ela dá um sorriso sínico. — Eu posso andar.

 

 Ela desceu do carro e eu fui atrás dela para acompanhá-la até dentro de sua casa. Escutei Alexy grita: TCHAU MEI!!! Me segue no Instagram ou melhor nas redes sociais, sou seu grande fã! Ele ainda deve estar sobre efeito da bebida.

 Entramos em sua casa, dando de cara com sua mãe, que a mesma correu abraçando Mei.

 

— Você não bebeu, né Mei? — Mei não respondeu nada, apenas ficou quieta, dando o sinal que bebeu. — Você sabe que não pode beber! Você sabe muito bem disso! 

 

 Mei se afastou da mãe, correndo para as escadas e subindo pela mesma.

 Por que a Mãe de Mei ficou tão revoltada com a filha por beber? Será que Mei já chegou bêbada alguma vez? Ah verdade, é que, muitas mães não gostam que as filhas bebam. Deve ser isso...

 Nora deu um suspiro e olhou para mim com um sorriso.

 

— Obrigada por trazê-la em casa, Castiel.

 

— Ela não está se sentindo muito bem... então fique de olho nela. — Falei. Mesmo sentido que eu não deveria me meter, eu decidi perguntar. — Por que ela não pode beber, Nora?

 

— Ah… é que, eu não gosto que a minha filha beba, é isso... — Responde em um tom estranho para mim. Será que ela está mentindo? Sei lá...

 

— Entendi... acho melhor eu ir... — Falei.

 

— Obrigada mais uma vez por trazê-la, boa noite.

 

— Boa noite.

 

 Passei pela porta e portãozinho  indo direto para o carro, para sim, ir embora.

 

 

             SEXTA-FEIRA,

    30 DE MARÇO DE 2018

 

                   MANHÃ

 

 Acordo mais um dia com o som do meu despertador de merda. Um dia jogarei esse troço fora. Hoje não é necessário ir para escola, pois tem show de talentos e ninguém é obrigado à ir. Ficarei em casa definitivamente.

 Eu me remexo na cama tentando mais uma vez dormir, mas não consigo, por causa de ontem e por causa dela. Da Mei. 

 Me pergunto o que aconteceria se Alexy não tivesse chegado e Mei não tivesse passado mal. Com certeza conversaríamos sobre o beijo que trocamos. Ela beijava tão bem. Eu ainda estou em choque com isso tudo... com Mei pelo beijo, celular e a história que me contou, com sua mãe que falou meio estranha comigo e com Matheo pelas coisas que ele disse.

 

“Ah é!? Tenho certeza que aquele cara conseguirá ela primeiro que você. E você não, sabe por quê? Porque você é apenas um babaca, Bryan.”

 

 Ele com certeza estava falando de mim, tanto que revelou uma mania da Mei para mim.

 

“Quando Mei passar a mão atrás da orelha, ela se sente atraída por você ou gosta de você.”

 

 Sobre o celular... eu não desbloqueie ainda. Confesso que estou nervoso com que possa conter nele. “Pode ficar, a senha é: 280848”. Ela é doida. Eu ainda não acredito que ela me entregou o celular dela, mas ela mesmo disse que queria que eu descobrisse mais sobre ela. “Não estou não, eu só quero que descubra mais sobre mim. Afinal, são coisas que eu não iria conseguir dizer logo para você.” Que coisas? 

 Me remexo na cama mais uma vez, me virando para lado do criado-mudo, vendo o celular dela. Sério, por que você está nervoso, Castiel? Se controle, você não é assim, peço mentalmente. Pego o celular, digitando a senha, ele desbloqueia como esperado.

 Eu podia ir para as Fotos, Instagram, Mensagens, Vídeos e entre outros. Mas escolhi ir primeiro para as mensagens, com os dedos tremendo.

 Abri as mensagens e apareceu um trilhão delas, muitas, na verdade, a maioria não respondidas. A última mensagem mandada mais recentemente no ano passado é de uma tal de Clarice: “Mei, eu sei que tem muito tempo que isso ocorreu, mas precisamos conversar. As suas mensagens chegam, mas você não aparece de jeito nenhum, estou preocupada. Espero que possa me responder um dia. Me desculpe.”

 Eu abri as mensagens dessa tal de Clarice para ver a conversa dela com Mei. Subi muito no começo da conversa, chegando as antigas conversas. Era por volta de seis da noite que ela conversavam.

 

Clarice: O que fizera com Lydia não tem perdão, Mei! Ela era sua melhor amiga, como pode!?

 

Mei: Agora vai cair para cima de mim como as outras!? 

 

Clarice: Claro! O que fizeste foi errado!

 

Mei: Foda-se, Clarice, já estou farta! Você só é uma invejosa e maria vai com outras! Gosta de está do lado quando todo mundo está! Agora vai aporrinhar outra! Vai! 

 

 Clarice não respondeu mais ou talvez quem sabe Mei tenha apagado a conversa. Mas mais tarde por volta das sete e pouca ela mandou uma mensagem: “Mei, eu sinto muito, deve estar sendo difícil para você. Eu espero que possa se recuperar logo...”

 Olho as conversam mais acima, elas pareciam ser bastante amigas. Sai da conversa, me perguntando o que Mei fizera ou o que acontecera com ela para essa tal de Clarice dizer “eu sinto muito”. Desci pelos contatos indo para próxima e segunda conversa, que é com um tal de Erick, subi a conversa. Essas conversas chegam a ser mais recentes, mas ainda sim, são do ano passado.

 

Mei: O que quer?

 

Erick: Você, né Mei, já está óbvio.

 

Mei: Não tenho interesse em pegar você, desculpe.

 

Erick: O que eu preciso fazer para você se interessar por mim? Você é tão linda, não canso de ver suas fotos, Meizinha. 

 

 Esse idiota é insistente.

 

Mei: Eu já disse, não tenho interesse. Não a nada que possa fazer, boa noite.

 

 Que babaca, ele mandou nudes para ela. Que filho da puta! Isso sim!

 

Mei: Você acha o quê!? Que vendo teu pau vou me interessar por você!? Você está enganado!

 

Erick: Engraçado que com os outros caras, você ficou. Ultimamente você está bem rodada, né Meizinha?

 

 Como assim com os outros caras?

 

Mei: Eles não eram idiotas como você, eles ainda tinham caracter e minha vida pessoal, não é do seu interesse, só do meu, por isso o PESSOAL. Agora me deixe!

 

Erick: Você ainda vai me querer, Mei. E quando vier atrás de mim, eu não vou querer.

 

Mei: Tá, obrigada pela informação. Bye.

 

 Droga, que desgraçado, mas é muito emocionante vê-la dá um fora nos outros do que receber.

 Se eu, um dia, cruzar com esse tal de Erick vou ficar com muita vontade de soca-lo. 

 Mudei de conversa para tal de Jonathan, subi a conversa com receio, com medo do que eu virá.

 

Jonathan: Ei, Mei, senti saudades. Bem que podíamos marcar de se encontrar mais uma vez, o que acha?

 

Mei: Hum... deixa eu pensar, por que não? Não é?

 

 Ela manda um emoji piscando para ele. 

 

Jonathan: Você encantadora, queria que fosse minha. Por que não aceita namorar comigo?

 

Mei: Você é interessante e tudo mais, Jonathan... mas é que, eu não sinto nada por você. Prefiro continuar com a nossa diversão.

 

Jonathan: Entendo, quem sabe nessa nossa próxima diversão, você mude de ideia.

 

 Droga! Eu não queria ter entendido isso... mas ela marcou de ficar com esse cara. Mudei de conversas varias e varias vezes, onde Mei, marcava de ficar com uns caras e rejeitava outros. Uns mandavam muitos nudes para ela, tentando à conquistar pelas fotos.

 Eu não sei como reagir à isso... muitos caras à desejam. Então essa é a Mei? Ela já ficou com muitos, me pergunto se ela ainda é virgem, com certeza não. Confesso que estou preocupado... eu não entendo, eu não imaginava isso dela. Estou com medo. Que porra! Por que, Mei? Por quê!?

 Desci pelas conversas mais antigas e parei em uma com uma garota chamada Lara.

 

Lara: Mei, ela era sua amiga! Por que fez isso!? Sabe de uma coisa... eu não quero nem saber! Não fale comigo.

 

Mei: Está bem, suma.

 

 Ela devia estar falando sobre algo que Mei fez com essa tal de Lydia, que era melhor amiga dela. O que ela fez?

 Fui para outra conversa com outra garota, uma tal de Emilly.

 

Emilly: Estou decepcionada com você, Mei... você ainda por cima estava namorando o Bryan! 

 

Mei: Blá, blá e blá. Você não sabe de nada, Emilly. Então por favor não se meta!

 

Emilly: Você é muito infantil! Deveria se desculpar com ela!

 

 Mei não há respondeu mais. Sai da conversa procurando pela tal da Lydia. A encontrei. Ela não tinha foto de perfil, Lydia bloqueou Mei, pelo jeito. 

 Subi as mensagens e vi que elas eram grandes amigas, melhores amigas, contavam tudo uma para outra. Pelo menos era o que parecia até agora...

 Abaixei a conversa, chegando nas últimas conversas delas.

 

Mei: Lydia, deixa eu explicar o que aconteceu, por favor! Você sabe que somos amigas, melhores amigas!

 

Lydia: Não Mei! Você não é minha amiga! Não mais! Você é uma puta! Você ainda estava namorando o Bryan! Eu tenho nojo de você!

 

Mei: Deixa eu explicar, por favor! Eu sei que fui errada, mas eu preciso te contar!

 

Lydia: Eu não quero saber! Nunca mais olhe na minha cara e nunca mais fale comigo! Suma! Eu tenho nojo de você!

 

 Depois disso, Lydia, deve ter a bloqueado, pois Mei não falara mais nada. Em muitas conversas, muitas pessoas brigara com a Mei, a única pessoa que se importara e ficara ao lado dela, foi o Matheo, pelo que percebi. 

 

Matheo: Mei, fica calma, eu sei que não é culpa sua. Eu sei que você não estava bem, não se preocupe tudo irá se ajeitar.

 

 Mei mandou um áudio para Matheo, eu apertei o “play” do mesmo: 

 

Áudio: Matheo, todo mundo me odeia. A Lydia não quer mais falar comigo, ela me bloqueou. Ela disse coisas horríveis para mim, assim como a maioria das pessoas... eu não tenho ninguém, Matheo, já bastava ser chamada de puta na frente de todo mundo... e todo mundo dizia que gostava de mim... mas eram somente um bando se aproveitadores como o Bryan!

 

 Mei chorava e soluçava dizendo aquilo tudo, e, pelo áudio, ela estava no meio da rua nesse dia, podia-se ouvir os barulhos de carros e motos como o vento igualmente.

 

Matheo: Mei, a onde você está!? Olha, esse pessoal é falso, não chore! Eu to aqui, eu sou seu melhor amigo, por favor, não chore Mei! A onde você está e para onde está indo?!

 

Mei: Estou indo para casa, mas por favor, não venha atrás de mim... quero ficar sozinha.

 

Matheo: Tudo bem, mas amanhã irei te ver.

 

Mei: Não, Matheo. Eu preciso ficar sozinha por um tempo. 

 

Matheo: Tudo bem... só fique bem. 

 

 Ela não o respondeu mais, mas alguns dias se passaram como mostra na mensagem e Matheo mandou mensagem: “Mei, a onde você está!?? Eu fui na sua casa pela terceira vez e não tinha ninguém, até que encontrei sua vizinha e ela disse que você e sua mãe se mudaram! Mei, cadê você!? Para onde você foi?! Me responde!”

 Ela não respondeu, e mais uma vez, então, os dias passaram, e, ele não parou de mandar mensagens. Porém uma mensagem dele me chamou atenção: “Mei, eu sei o que aconteceu com sua família... mas por favor, me responda. Me diga a onde você está, estou preocupado.”

 E ela mais uma vez não respondeu, dessa vez, Matheo não mandou mais mensagens. Eu não estou entendendo nada. Tento reorganizar a minha mente.

 

1. Mei é conhecida por muita gente, tanto que, não consigo nem contar nos dedos os seus contatos.
2. Muitos caras gostam dela e são apaixonados por ela, e também, eu não consigo contar nos dedos, de tantos que são.
3. Mei ficou com muitos garotos e eu ainda não sei reagir à isso... talvez seja por isso que tenham a chamado-a de puta... mas os dias das conversas não batem. E isso está me deixando confuso...
4. Mei fez algo que feriu a melhor amiga dela, chamada: Lydia.
5. O babaca do Bryan estava no meio e parece que na época ele e Mei ainda namoravam.
6. No mesmo dia do desentendimento de Lydia e Mei, algo aconteceu com ela e sua família.
7. Matheo foi o único a ficar do seu lado, ela deve ter sofrido muito com as pessoas que falaram mau dela e que a deixaram sozinha também, pois ela deveria acreditar que muitos dos seus amigos ficariam com ela. Já que tem vários contatos...
8. “Suposição”, a subjugar pela conversas de algumas pessoas principalmente de Lydia com Mei, eu estou começando a achar que Mei ficou ou pegou o garoto ou namorado de Lydia. Eu realmente não quero acreditar nisso... 

9. As coisas que acontecera a Mei nesse tempo, que tem haver com sua melhor amiga e sua família, a fizeram mudar para minha cidade, com certeza. 
10. Por alguma razão, eu “acho” que isso tudo tem o dedo do Bryan ou Debrah, pois a mesma conseguia destorcer as coisas e convencer as pessoas.

 

 Parece que cada vez mais, fico mais confuso. Eu não quero acreditar que Mei fez essas coisas, mas eu preciso começar a acreditar. Aquela frase de ontem dela acaba de passar em minha mente: “Castiel, eu não sou uma boa pessoa”. Isso me faz ter mais motivos para acreditar em tudo que pensei... que porra! Que porra, Mei!

 Meus olhos enchem-se de lágrimas, mas eu me recomponho fungando a narina. Saio das mensagens, afinal, não aguentava mais ver aquelas coisas. Parto paro os vídeos e aperto o “play” preparando para que o pior venha. 

 O vídeo carrega e neles aparecem Bryan, Matheo e Mei. Mei segurando a guitarra e Matheo também, os dois fazendo um som básico para o idiota do Bryan que começa a cantar. A Mei está linda, não consigo parar de olhá-la. Ela veste no vídeo: uma mini blusa (cropped) de manga longa com listras vermelhas com um short vermelho bem escuro — quase preto —, e nos pés, usa oque parece ser uma bota baixa com um salto (scarpin bondage). Seus cabelos pretos estão soltos que no vídeo batem em sua cintura e não passam de suas coxas como agora. Ela está linda. Muito linda. E continua linda. Eu podia passar horas a admirando, mas Bryan para de cantar, dizendo:

 

— É isso, acabamos!

 

— Até que fim. — Mei comenta, aliviada, e em seguida ela olha para câmera. — Ei, Lydia pare de filmar. 

 

— Por quê? Você é muito linda amiga. — A tal de Lydia responde se aproxima de Mei, focando o zoom na face dela. Deve ser a Lydia que agora, Mei está brigada.— Olha só que belezura!

 

— Ah, para com isso! — Diz rindo, pondo a mão na câmera. — Sai pra lá. 

 

— Fazer o quê, eu tenho uma amiga linda demais! 

 

— Ah, para com isso! — Pede constrangida.

 

— Gata, famosa e sexy. — Escuto alguém falar, logo a Lydia manuseia a câmera para filma a pessoa. Era o babaca do Bryan. — Tenho sorte de ter você como namorada, Mei. — Ele sorri, provavelmente olhando para ela que não aparece no vídeo agora. Que nojo.

 

 De repente Mei surgi no vídeo o abraçando, dizendo: Pare com isso, eu te amo, Bryan. Que carinhosa! Estou pasmo, mas também incomodado com esse abraço deles... mesmo sabendo que eles não se encontram mais juntos. Só de ver ela com ele, me dá nos nervos.

 

— Tá, chega de mostrar esse amor entre vocês. — Fala Lydia com a câmera filmando.

 

 Mei se vira para câmera com um sorriso que eu nunca vi em toda minha vida. Me pergunto se um dia poderei fazê-la sorri assim. Ela ri e sorri tão fácil nesse video, chega à ser estranho...

 De repente Lydia vira a câmera para seu rosto — ela é morena, possui cabelos curtos e castanhos, seus olhos são pequenos e castanhos claros —, falando: Esse é um dos ensaios de meus amigos retardados e minha amiga linda, gostosa e poderosa, Mei. Escuto Mei gritar no fundo: Ei! Pare de me chamar assim!

 

— Não somos retardados! — Berra Bryan e Matheo juntos, mas depois riem.

 

 O vídeo então acaba. A Mei de fato, era diferente antigamente. Ela era mais animada, sorridente e se valoriza mais... agora não. 

 Agora a Mei é distante e quer permanecer distante, não sorri e não se valoriza como antes. Talvez isso tudo deveria ser por causa do Bryan. Agora eu me pergunto: O que eu mudei nela?

 Nada, ela continua a mesma. Não, balanço a cabeça negando. Eu consegui fazê-la ri quando não queria no dia em que veio em minha casa, consegui fazê-la praticamente admitir que a minha música estava boa ontem, na verdade, ela admitiu que estava perfeita, consegui fazê-la abrir-se um pouco e contar um pouco do passado sem que eu a obrigasse, e eu consegui que ela me beijasse... eu consegui fazer poucas coisas, mas que foram muitas para mim. Acredito que não era qualquer um que iria conseguir isso dela. Tinha que ser eu, Castiel, para conseguir. Eu. 

 Eu amo a Mei, não posso mudar isso, mesmo sabendo dessas coisas que ela “talvez” tenha feito. Eu a amo. E não é isso que vai me impedir de ficar com ela. Talvez seja isso que ela esteja esperando, que eu abandone-a, mas vou mostrar à ela que pensou errado.

 Uma barra apareceu em cima do celular é o Instagram: “@Minnie curtiu e comentou na sua publicação do ano passado: Que linda! Queria voltasse a postar fotos, por causa de você, @MeiCooper, eu comprei muitas lingeries. Sou sua fã.” Eu havia me perguntado se havia lido “lingerie”, então chequei e li mais de três vezes, era realmente lingerie.

 Eu abri o Instagram de Mei e fui para o seu perfil, sentindo meu corpo gelar na hora com que li: “Cantora/Dançarina/Modelo. Atualmente trabalha mais como modelo na empresa FashionBrits”. Eu sabia que ela cantava, eu sabia que ela dançava, mas não sabia que era modelo, mas não sabia que possui tantos seguidores, não sabia que era tão famosa. Por um momento... eu senti que não sabia nada.

 Quando desci para ver suas fotos, eu quase tive um infarto. Ela estava vestidas de vários tipos de lingerie sexys, sendo modelo da empresa em que trabalha e fazendo patriciono de algumas coisas. Eu quase que cairia para trás se estivesse em pé, senão fosse a cama, eu teria batido a cabeça com força no chão e desmaiado.

 Muitas e muitas fotos dela de lingerie, muitas e muitas curtidas em suas fotos, muitos e muitos comentários nas mesmas: “Que gata! Que linda! Melhor modelo! Gostosa! Uma maravilha como sempre.” Ela realmente linda pra caramba, o seu corpo era da forma que eu imaginei. Repleto de curvas. Eu nunca a vi tão linda, mas também não sabia que tanta gente também haveria dessa maneira. O que eu faço!?

 Eu já me incomodava com Armin, Bryan e Matheo, imagina com esse tanto de gente quando à ver novamente. Eles irão ver se ela quiser voltar a ser como antes, e eu espero que ela volte, à rir e à sorrir, à ser feliz... mas sei que terei muitos problemas quando ela voltar... merda! Mei é um problema, percebi isso na primeira vez que comecei a falar com ela. Mas não sabia que ela seria um problema grande demais! 

Porra, Mei! Por que tinha que ser tão linda!??

 Eu só não quero ninguém dando em cima dela, eu só quero que ela seja minha. Porém, eu não queria ninguém a visse assim, de lingerie, só eu queria poder ver... droga...

 Desço mais pelo Instagram vendo muitas fotos de lingerie passar, mas algumas roupas dela vestida completa. De roupas normais. Paro em uma foto com Mei no meio entre a mãe dela e um homem que não conheço. Então eu leio a legenda: “Com os melhores ao meu lado, minha mãe e meu pai.”

 

                    PAI!?

 

 


Notas Finais


Só crazy!
Hihihi muitas coisas explicadas, mas é óbvio que ainda tem mais.
Parece que Castiel não está legal com isso tudo e agora? E Mei, como ela deve estar?
Espero que tenham gostado! Obrigada por terem lido! Tenham uma boa madrugada.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...