1. Spirit Fanfics >
  2. O que falta em você, sou eu (Nejihina) >
  3. Hinata

História O que falta em você, sou eu (Nejihina) - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Voltei 💛💛

Capítulo 2 - Hinata


Sentada no sofá remoendo preocupações antigas sobre o futuro deles, e com os olhos inchados de tanto chorar em menos de dez minutos, Hinata deixou o próximo episódio começar.

Não iria aceitar que eles não ficassem juntos, com certeza haveria uma forma de contornar a situação para os protagonistas superarem aquele problema. Sempre tinha. O diretor não podia ser tão sádico. Diretores sádicos tem um lugar especial no inferno.

Mesmo sendo uma série que o Sasuke recomendou, não pensava que o final seria tão devastador. Ela iria matar ele por recomendar uma coisa tão triste.

Não sabia assistir um seriado sem tomar partido daquilo, sem viver aquele desespero e ficar completamente submersa no drama. Só não ligava agora pedindo spoilers porquê o Neji estava no banheiro e só de ouvir o nome Sasuke, ele ficava aborrecido naquele silêncio oceânico que ninguém conseguia ultrapassar.

Mesmo que não compactuasse com o plano maligno do Uchiha — porque só uma mente diabólica pensaria naquilo — Hinata conseguiu resultados valiosos. Se sentia mal pela estratégia do ciúme, mas se isso seria o suficiente para fazer Neji começar a olhar para ela mais como uma mulher do que uma irmã mais nova, então poderia continuar tentando os meios uchihanianos.

E ele era gay, seus interesses eram puramente altruístas, já que de alguma forma, ficou com pena dela. Mas quem não ficaria?

O tempo passou tão rápido que já estava pronta para colocar o próximo episódio, quando ouviu o ranger da grade e esticou o pescoço reconhecendo uma Tenten meio ofegante entrando.

— Ei... E aí? — A moça jogou a bolsa na cadeira dando uma olhada ao redor, parecia estar procurando alguma coisa com aqueles olhos castanhos arregalados. — Essa escada vai me matar um dia.

Hinata achou graça pausando o episódio e levantou para pegar água na geladeira, parecia que a moça iria cair dura no chão a qualquer momento.

— Eu tô tentando me acostumar, mas tem dias que é só se arrastando mesmo. A gente tá tentando convencer o senhorio a arrumar o elevador logo, mas ele só fica enrolando...

Tenten balançou na cabeça com uma careta.

— Neji tá tomando banho, há uns vinte e cinco minutos... — A Hyuuga achou graça. — Você tá com fome? Sobrou lasanha do almoço e tem suco...

Tenten levou a mão ao estômago sorrindo e chamou Hinata com um aceno discreto, que entendeu logo que se tratava de um assunto de Estado.

Se aproximou da geladeira tirando o episódio da pausa só pra fazer barulho e ficou atenta esperando seja lá o que fosse.

— Preciso falar com você sobre algo sério... Neji não pode saber...

Hinata arregalou os olhos e indicou a porta do seu quarto, as duas foram em passos silenciosos e fechou a porta observando a moça inspecionar seu quarto com um pote gordo nas mãos.

— O que foi?

Tenten a encarou muito séria, colocando uma mão em seu ombro.

— Neji tem aracnofobia. Mas não diz pra ele que eu contei porque ele já foi muito zuado com isso e fica com raiva. — Ela disse num suspiro mórbido arregalando os olhos, Hinata pensava que fosse algo no nível de haver um terrorista cercando o bairro, então não teve reação à princípio, até sentir um aperto no peito.

Aracnofobia.

Como assim ele tinha aracnofobia e ela não sabia? Ele sempre teve? Aconteceu alguma coisa que o deixou traumatizado? Desenvolveu depois que se mudou para Tóquio? Por que nunca disse a ela? Por que? Como não percebeu isso antes?

— Como assim? — De repente, ela se sentiu uma completa desconhecida. Como não sabia de algo tão importante? — Aracnofobia?

— É meio que uma longa história... — Tenten disse tirando a tampa do pote. — Quase ninguém sabe, Lee me disse que no primeiro colégio deles ele foi muito zoado por causa disso, então não conta pra ninguém. Fizeram até aquele teste doido do medo, sabe?

Ela podia imaginar. Depois iria fazer uma pesquisa sobre o tema, mas ainda não conseguia aceitar que não sabia disso. Como não sabia disso?

Tudo bem que eles passaram muito tempo sem ter um convívio mais próximo desde que o tio se mudou, obviamente havia muita coisa que ela não sabia sobre ele, e nem ele sobre ela, e estava aos poucos descobrindo a medida que a convivência permitia. Mas mesmo assim, era como se estivesse falhando miseravelmente em sua missão na terra.

— Onde está? — Tenten perguntou olhando ao redor.

Hinata virou-se na direção do último lugar que havia visto a bichinha, mas pluf. Havia desaparecido, a danada. Não estava lá.

— Ela tava ali... E agora?

Tenten suspirou olhando seriamente para as paredes, pensando, e as duas se entreolharam com um ar investigador.

— A gente vai ter que dar uma olhada na casa...

Hinata assentiu e a busca no reino animal começou, enquanto o Neji envelhecia no banheiro.

.....

Depois que eles saíram, ficou terrivelmente silencioso dentro do espaço. Sentada com o celular lendo a respeito da fobia, a moça se perguntava se era normal aceitar a culpa de algo que nem sabia.

Devia ter se livrado da aranha antes, mesmo que tivesse um pouco de medo, mas qual era o grande constrangimento do Neji para ter que esconder algo tão sério quanto uma ARACNOFOBIA?!

Ela queria no mínimo perguntar quantos anos ele tinha mesmo, mas sendo algo que o incomodava ao ponto de preferir que não soubesse; achou melhor ficar na sua.

1X0 pra Claudinha Arachnidea.

Não era como se tivesse outro jeito, se a aranha de alguma forma saiu do quarto e foi parar em outro lugar, ele poderia acabar encontrando depois e passando mal. Não queria de forma alguma isso, então achou melhor ele e Tenten resolverem a situação lá embaixo, como se ela estivesse alheia a tudo. Embora ser deixada de lado em algo tão estúpido e simples fosse um pouco revoltante. 

Sasuke talvez tivesse um conselho pra isso, mas não poderia viver dependendo dos conselhos dele ou viraria uma depravada.

Ficou lendo sobre a fobia em uma aba do Google jogada no sofá. Às vezes, no fundo do coração, ela invejava Tenten pela intimidade que tinha com Neji. Invejava todos os amigos dele.

Nesses três meses inteiros, ele nunca fez nada capaz de magoá-la. Neji nunca fez mais do que fazê-la se sentir presa em uma redoma de gelo quando tudo que queria era um pouco mais de calor da parte dele.

Calor.

Neji era sempre um pouco frio e distante com ela, às vezes quando perdia a compostura e fazia alguma brincadeira, ou de repente a abraçava, ou beijava sua cabeça, parecia que no segundo seguinte, era possuído por uma entidade do desprezo.

Aqueles olhos claros tornavam-se tão frios e distantes quanto as geleiras, e Hinata sentia que poderia virar uma boneca de vidro sob o seu olhar cinzento.

Sempre buscava tratá-la com o máximo de respeito e reverência, como se não fosse uma garota que gostava de intimidade e brincar com seus amigos sobre besteiras e futilidades.

Por isso virou uma invejosa do bem, recorrendo ao conselhos imorais do Sasuke, antes que fosse realmente tarde demais.

Ela ligou o flash e colocou sua playlist enquanto continuava caçando a Claudinha pela sala, olhando em todos os lugares possíveis, ajoelhando-se pelo chão e olhando debaixo do sofá quando ouviu a porta abrindo e Neji voltou, arregalando os olhosquando a viu toda torta no chão.

— Ei...

Ela levantou toda risonha, pega em flagrante sem saber como disfarçar então apenas desligou o flash indo na direção dele. O rapaz parecia apenas risonho segurando uma embalagem de pastéis e indo para a mesa, despejando tudo lá em cima.

Uma mensagem chegou.

Tenten: Eu disse que peguei a aranha, tenta ficar de olho por aí, ok?

Hinata entrou em pânico.

O plano era Tenten arrastar ele até lá embaixo e convencê-lo a dormir fora enquanto ela procurava a maldita Claudinha, mas algo aparentemente deu errado. Neji não iria deixar a prima sozinha no apartamento, talvez. Parecia bem a cara dele isso.

E agora? Ela nem teve tempo de procurar no quarto dele!? E se a Claudinha aparecesse de madrugada e se enfiasse nos cobertores? E se fizesse uma teia e descesse sobre ele de noite? Andando sobre seu rosto?

O que ela faria se ele tivesse uma crise de fobia? Seu coração estava quase saindo pela boca. E ainda assim, estava radiante de ver que ele havia voltado.

Precisava de uma estratégia para entrar no quarto dele.

— Você quer que eu seque seu cabelo? — Ela perguntou notando que eles estavam molhados ainda, ao mesmo tempo que procurava sinais de patinhas pretas nas paredes.

Nada.

Neji a observou por alguns segundos, Hinata ostentando sua melhor expressão de paisagem.

— Pode ser...

Ela sorriu e foi para o quarto, fechando a porta depois que entrou. E se jogou no chão olhando embaixo da cama, atrás das prateleiras, pelo forro, mexendo em tudo e ao mesmo tempo entrando em pânico por não ver a maldita em lugar nenhum.

E não poderia deixá-lo sozinho na cozinha! E se ela estivesse em algum lugar na mesa e pulasse na cara dele? E se ela lhe desse uma ferroada? E se ela o matasse?

Pegou o secador e saiu encontrando Neji no sofá mexendo no celular enquanto a sua série já tinha pulado vários episódios, tinham pessoas chorando, prova de que o diretor iria queimar no inferno assim como Hinata se algo acontecesse com Neji.

Ela sentou no sofá atrás dele e ligou o secador, mexendo nas mechas longas e macias do cabelo dele. Neji automaticamente soltou o celular, olhando para frente enquanto Hinata passava os dedos pelos fios macios. 

Seu coração de repente se aquecendo como um balão prestes a sair desbravando os céus em uma aventura alucinante.

Quando ele fechou os olhos, jogando a cabeça para trás, deixando-a secar o couro-cabeludo, não conseguia desviar os olhos das suas linhas de expressão, as sobrancelhas castanhas e os lábios rosados em uma linha tênue. Ele tinha lábios bonitos. 

Tudo em Neji era bonito como um desenho, Hinata era fascinada nos contornos de seu rosto, em como ele era simétrico, perfeito, a obra perdida de Michelangelo.

Seus dedos desceram pelas sobrancelhas dele e o rapaz abriu os olhos, aquele mar profundo e calmo de um violeta intenso que incendiou seu peito em um piscar de olhos. Mal conseguiu encará-lo por muito tempo.

— Você é bonito... — Ela disse, e por um segundo, parecia que toda sua vida estava ali; no olhar cruel e gelado que ele lhe lançou, embora Hinata não tivesse medo dele.

Por que ela teria?

E atrás da TV, as patinhas pretas e peludas surgiram quando Claudinha desceu pela lateral, desaparecendo em algum lugar ali atrás.


Notas Finais


🤭


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...