História O que houve com a Grace? - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 6
Palavras 1.336
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Mistério, Policial, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


...

Capítulo 2 - Carta 2


Então alguns dias depois, aproximadamente uma semana, eu recebi outra carta. Parecia ser uma brincadeira estúpida, mas eu sentia uma sensação estranha toda vez que encostava; tocava nos envelopes.

Me sentei na mesa da cozinha, de um modo um tanto sutil, procurei não ansear demais por respostas, me sentia animado com essas "cartas", porque as coisas ficaram interessantes apartir daqui.

"Não temos muitas provas. Eu tenho medo de me mudar, também. Estamos todos preocupados e perturbados, martelando nossas cabeças por uma solução. Eu queria poder dizer que...nós ao menos temos uma ideia, mas estamos longe...

Os olhos da minha mãe parecem distantes. A mente dela está exausta, e o meu pai não consegue mais parar de tomar energéticos para socorrê-la em suas crises de choro noturnas. No confinamento de meu quarto, escrevo tudo que sei. Não quero explicar muito...é uma forma minha de extravasar, o peso sobre as minhas costas é enorme, me sinto incapaz de carregá-lo sozinho...Grace me odiaria se eu não tentasse, e afinal, por que não tentaria?

Nós estamos falando da minha irmã no momento, e escrevi um pequeno relatório no bloco de notas do meu notebook sobre as únicas pistas que foram divulgadas. Meus pais estão sobre vigia, nós meio que estamos na suspeita, na verdade, não se pode confiar em ninguém aqui...

Nesse lugar, nunca confie seus bens ao por exemplo, seu vizinho, você nunca sabe quem é o psicopata maníaco prestes a torturar sua próxima vítima. Que no caso, pode ser você se duvidar.

Eu tenho uma teoria estranha...acho que a Grace pode ter tido um colapso mental, talvez uma amnésia, e então por não se lembrar, seguiu para algum lugar, sozinha. Mas não acredito em mim mesmo...por quê então a presilha se soltou do cabelo? E por quê não existem pegadas? Não existe sequer uma filmagem que comprove isso!

A mulher que estava cuidando dela naquele dia (Maria Chanelli), foi encontrada morta, pouco metros a frente da escada, saía muito sangue da cabeça dela, mas não havia nenhum sinal de agressão ou algo do tipo. Eles disseram que ela caiu da escada, mas não afirmaram nada, e alguns até dizem que foi um AVC. Mas e se não for verdade? Acho que estamos cada vez mais longe da resposta...

Grace só tem 13 anos! Como uma pré adolescente, teria algum sinal do que ocorreu com ela, certo? Mas é tão difícil e complicado...é como um pequeno corte no pulso, se abrí-lo um pouco mais, você pode morrer, ou até mesmo perder seus movimentos! Me sinto confuso...e com dor de cabeça...

22/04/2008"

10 dias depois da primeira carta, dentro de 11 anos, só havia sido entregue naquele dia.

Eu abanei a cabeça, devo envolver a polícia? Eis a questão...mas é algo tão velho...não tem nada que eu possa fazer...

Me dirigi, novamente, para a caixa a onde estava a primeira carta. Joguei a recém chegada lá, e tentei esparecer lendo um livro e até mesmo escrevendo uma folha do meu trabalho de história. Mas as palavras escritas de Ellis ofuscavam minha mente de um jeito brilhantemente bizarro. Eu iria enlouquecer se recebesse mais uma carta.

O irmão louco da menina desaparecida em 2008 estava me assustando. Eu torci para que aquela fosse a última vez, mas não é bem assim que as coisas funcionam, certo?

Agora já passaram-se 7 dias depois do último envio, foi quando o carteiro gritou lá fora o meu nome, me senti atordoado de certa forma.

Bom, você já deve imaginar o que era a entrega, não é? Mas dessa vez não era um envelope apenas, era uma caixa. Lacrada com durex, e estava um tanto pesada.

Com medo de deixá-la cair e quebrar o conteúdo, tomei todo o cuidado do mundo, como se estivesse carregando um bebê ou um animalzinho. Me encarreguei de rasgar aquela fita com uma faca, repousando toda a minha força, porque estava tão bem lacrada que...ugh!

Abri, e aí você imagina:

"Oh! Era uma cabeça humana?!" Não, não é isso. Era menos pior, eu diria.

O conteúdo era uma fita VHS, na verdade, três delas, tinha um bilhete meio detonado pelo tempo grudado no fundo da caixa.

"Falta uma. Uma fita."

Em letra cursiva. Ao lado, outro envelope, estava em cima de um bloco de notas todo rabiscado, o qual se posicionava em cima de um livro grosso.

Por isso que mais parecia um chumbo 'pra carregar!

Escorreguei meus dedos pelo envelope, era do Ellis, como sempre. Não fiz sequer um esforço para ignorar o fato de que cada vez mais, me sentia mais atraído por aquele estranho mistério.

"As fitas são sobre a Grace. Eu olho para o rosto dela, está estampado nas revistas também, é impossível esquecer.

A última fita, eu não consegui achar...talvez no próximo mês quando puder clarear minha mente com um pouco de organização no meu quarto. Como não posso subir no porão, nem descer no sótão frequentemente, eu acredito que infelizmente não vou poder..."

Nada que aquele cara diz faz sentido. Eu respirei fundo naquela hora, obriguei minha mente a engolir aquele jogo de palavras. 

"Enfim, enfim...eu desconfio que não foi um sequestro como todo mundo diz. Talvez...talvez tenha sido algo bem diferente... Esse livro do Pica pau amarelo era o favorito dela, eu não quero mantê-lo comigo, estão me vigiando o tempo todo, além de que não posso deixar ninguém tocar nas provas que tenho. Tenho que me livrar disso, as memórias sobre Grace não podem estar perto de mim.

25/04/2008."

Retirei o livro da caixa, "O poço do Visconde"  intitulado bem grande na capa, parecia fragilizado, e tive medo de rasgá-lo no ato de folhear.

Analisei as fitas, me lembrei do meu leitor de fita VHS(lê-se dvd) que eu trouxe por acidente da casa dos meus pais. Mas de qualquer forma, era meu.

Vasculhei meus pertencer até encontrar o mesmo, e iniciei o processo de conexão com a TV para fazer rodar. Ele continuava 'num bom estado, tirando o excesso de poeira.

Como elas não estavam assinadas, nem com uma indicação, coloquei 'pra rodar a prima das três.

No vídeo, era a Grace no balanço, parecia ser em um parque ou lugar aberto da casa deles. A câmera estava tremendo um pouco, e acredito que a voz masculina soando perto da câmera é de Ellis.

"Quantos anos?"

O garoto segurando a câmera pergunta, e então a boca da menina se abre.

"12."

"Parabéns!"

Algumas risadas descontraídas de fundo. Grace se levanta do balanço, ela balança a saia segurando suas pontas, em um gesto nobre.

"A gente não vai ter que assistir Chicken Little hoje a noite, né, Ellis?"

O ângulo está totalmente voltado para uma vista panorâmica dos sapatos dele. 

A conversa gira entorno dela amar Chicken Little, e por algum motivo o irmão iniciou um assunto estranho sobre galinhas. O vídeo é encerrado assim, do nada, no meio de uma discussão sobre peru recheado de natal, e frango assado.

Retiro a fita do tocador, e coloco-a de volta na caixa, encaixando a segunda da pilha, cuja estava fora da caixa, para que eu não confundisse.

O VHS parece totalmente deteriorado. Riscando a tela e por várias vezes um chiado ruidoso.

"Vem cá, Ellis!"

A voz de Grace parece abafada, e travada. Pude ver a imagem da pequena entrando em um quarto vazio, atrás dela, o irmão mais velho a filmando.

Não pude assistir, estava tão detonado que desisti na metade. Faço o mesmo processo que o da anterior, e posiciono no encaixe, a última.

"Se alguém sumisse, não seria surpresa, viu só?"

A voz dela corta o silêncio do vídeo.

"Mas 'óia, que boca de santo!"

Novamente, o irmão.

Um casal. Homem e mulher, presumo que sejam os pais, estavam sentados em um sofá bege.

A mãe sorri para eles, o pai então suspira dizendo:

"Vimos um caso de desaparecimento hoje cedo, sabia Grace?"

A resposta obtida, foi um rosto surpreso de ambos.

O vídeo para, não porque acabou, mas não quer terminar de rodar. Até tentei fazer dar certo, mas infelizmente não funcionou.


Notas Finais


Livro citado: O poço do Visconde
Artista: Monteiro Lobato
Créditos a ele!
(Descanse em paz...❤️)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...