História O que o futuro reserva - Capítulo 5


Escrita por:

Visualizações 50
Palavras 2.514
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


a falta de feedback tem me desanimado nessa fic. quase que esse capítulo não foi escrito. Os próximos capítulos devem demorar mais pelo mesmo motivo.

Capítulo 5 - Primeiros dias de aula


O passar dos dias e das semanas logo trouxe para Danny e Sam o início das aulas na universidade. Depois de muitos abraços e lágrimas por parte da família de ambos, o casal saiu de Amity Park em direção à Maryland de avião. Chegando lá, os dias que se seguiram foram focados em entender a dinâmica universitária, se estabelecer, achar um dormitório, e coisas do tipo.

Danny entrava no dormitório masculino segurando um papel que indicava qual seria seu quarto. Com a mochila nas costas e a mão direita carregando a mala que tinha suas coisas, Danny sorria levemente admirando a bagunça e a agitação do dormitório da universidade enquanto se sentia cada vez mais um universitário. A alegria do rapaz era tanta que não notou as meia dúzia de olhares boquiabertos de pessoas que sabiam quem ele era. Pais ajudavam os filhos a achar o seu novo quarto e amigos se abraçavam matando a saudade depois das longas férias quando Danny parou diante da porta que seria seu dormitório. O rapaz metade-fantasma deu um longo suspiro ao abrir a porta perguntando-se se seu colega de quarto misterioso já havia chegado.

Quando abriu a porta, viu que não estava sozinho. Um menino asiático e gordinho olhou para ele quando abriu a porta. Reconheceu o garoto como o rapaz nervoso do dia da entrevista.

- Não creio! - exclamou o asiático - Danny Phantom vai ser meu colega de quarto?!

- A-Ah… oi… - disse Danny meio inseguro checando o número no papel e o número na porta do quarto novamente - Parece que vou sim.

- Espero que não se importe. Peguei a cama da direita, pode ficar com a parte da esquerda do quarto. Aliás, me chamo Li, Li Shang. Meus pais são chineses e até nasci na china também mas me mudei para Washington quando tinha sete anos. Minha mãe vive falando que isso não foi uma boa ideia porque acabei me rendendo à culinária americana. Como consegue ficar tão magro vivendo praticamente à base de hambúrguer? Quer dizer.. ok, sei que tem como comer outras coisas, mas nada é tão American Style quando hambúrguer né? Por mais que o hambúrguer tenha se originado na Alemanha, na cidade de Hamburgo, por isso o nome. E bem, imagino que lutar contra fantasmas ajude você a ficar em forma e tudo mais. Você vai para academia pra ficar em forma para caçar fantasmas? Meu pai acha que eu deveria ir para a academia para tentar perder peso e ficar forte. Mas eu simplesmente odeio academia. É tanto cheiro de suor junto, nem ao menos um pouquinho de vento natural para bater no rosto e aliviar. Não que eu goste de sair para correr no parque e coisas do tipo também, sou bem preguiçoso. Eu estou falando demais? Tenho mania de falar demais quando estou nervoso.

- N-Não… imagina… - disse Danny um tanto inseguro, e talvez até intimidado, mentindo. Tinha sim achado que o menino tinha falado demais. Na verdade, mal tinha conseguido absorver as informações que ele tanto falava. - Porque está tão nervoso?

- Ora, porque você é Danny Phantom! Não sei como não perceberam a identidade secreta de Daniel Fentom porque é meio óbvio o jogo com o sobrenome e o apelido. Mas o fato é que você salvou o mundo! Teve a coragem de juntar um monte de fantasmas e salvar o mundo. Eu nunca teria coragem disso. Eu tinha um amigo que gostava muito de histórias de terror e eu nunca tive coragem de ouvir as histórias dele até o final. Quando eu fui aprender japonês a professora leu um livro de história de terror para crianças e …

Notando que Li parecia tagarelar de novo por puro nervosismo, Danny foi até ele, botou a mão em seu ombro interrompendo as palavras que jorravam da boca do colega de quarto, e simplesmente falou:

- Calma…

- T-Tá… calma…. - disse Li.

- Respira, cara. Tá tudo bem. - disse Danny.

Li inspirou e expirou diversas vezes. Algumas vezes de olhos fechados, outras olhando para Danny. Claro que Danny iria preferir não ter um fanático como colega de quarto, isso deixava as coisas um pouco estranhas, mas isso não significava que não poderia tentar ser amigo de Li. Algumas vezes Li abriu a boca na tentativa de falar algo mas, sentindo que as palavras iriam sair sem qualquer controle, ele voltou a fechar a boca mais uma vez.

- Quantos anos tem? - perguntou Danny querendo tentar a conversa de novo.

- 18. Eu fiz aniversário mês passado e sai c…. q-quer dizer… - disse Li parando e respirando fundo novamente - e você?

- 18 também - disse Danny dando leves tapinhas no ombro do rapaz.

Notando que Li parecia estar mais sob controle de seus nervos, Danny virou-se para a sua metade do quarto e abriu a sua mala começando a por as coisas em ordem.

- Está fazendo que curso? - perguntou Danny notando o silêncio do garoto que ainda estava o encarando como se estivesse hipnotizado.

- Engenharia Elétrica. E você? - disse Li.

- Engenharia Aeroespacial

Li soltou um longo assobio expressando sua admiração e Danny soltou uma risada logo falando que o curso de Li também era bem admirável. Depois disso, Danny encontrou-se com Sam e ela não teve muito para contar sobre a colega de quarto. “Uma estranha quieta”, nas palavras dela.

- Não, sério, você deveria ver - dizia Sam - Eu cheguei toda simpática falando oi e me apresentando e ela só disse “Gwen”. Nem tirou os olhos do desenho dela.

- Parece que ambos vamos nos divertir nos dormitórios - disse Danny dando uma leve risada- Não acha que ela pode estar ocupada com algum trabalho?

- As aulas só começam mesmo depois de amanhã - disse Sam revirando os olhos.

Os dias que se seguiram foram totalmente voltados para a universidade. Danny logo notou que existia uma grande diferença entre o nível das aulas da universidade e as da escola. A diferença de nível nem se devia tanto aos professores, visto que, assim como tinham professores aparentemente geniais nas aulas de Danny em sua nova universidade, também havia aqueles professores que simplesmente só liam o slide que claramente nem tinha sido eles que fizeram.

Alternando entre aulas chatas ou desesperadoras, os dias foram se passando com uma calmaria que fez Danny estranhar não ter nenhum fantasma atacando ele.

- Não acha estranho? - perguntou Danny certo dia - Lá em Amity Park eu estava claramente sendo procurado, mas até agora nenhum fantasma apareceu.

- Vai ver sua fama já te segue tanto que você afugentou os fantasmas que já existiam aqui - disse Sam.

- Tá, mas e o Skulker? Ele não é de desistir das queridas presas dele assim.

- Talvez não perceberam ainda que você saiu de Amity Park? Ou não descobriram para onde foi? - sugeriu Sam dando de ombros.

- E logo vão descobrir provavelmente - disse Danny dando um pesado suspiro.

Apesar do medo de Danny, o seu primeiro semestre na universidade passou calmamente. Para tristeza dele, não tinham conseguido achar um dia no qual pudessem encontrar Tucker. O antigo amigo sempre se dizia extremamente ocupado mas ao menos tinha prometido achar um dia para se reunirem quando chegassem as férias. Além disso, embora Danny tenha conseguido criar uma amizade com Li, o mesmo não podia ser dito sobre Gwen e Sam.

Certo dia, ele já estava na semana das provas finais. Ou seja, estava tendo dificuldades até de ficar acordado. O desespero pelas provas e trabalhos finais forçaram Danny à ficar acordado até tarde e quase virar o dia estudando. Danny olhava para a folha de prova, sua última prova do semestre. Seus olhos pesavam enquanto ele revisava a prova pela milionésima vez. Em paz com o que tinha feito nas questões, ele entregou a prova para o professor e então saiu da sala.

Do lado de fora, sentada em um banco lendo um livro de Edgar Alan Poe, estava Sam. Seus olhos violetas fitaram o garoto e ela abriu um pequeno sorriso fraco que expressava bem a pena que estava sentindo do namorado.

- Você parece destruído. - disse Sam

- É exatamente assim que eu me sinto - disse Danny deitando o banco e deitando a cabeça nas coxas dela.

Sam deixou o livro de lado e concentrou seus dedos em fazer cafuné nos cabelos de Danny que, de olhos fechados, relaxava. O passar das semanas da universidade até aquele dia também tinham aprimorado o visual de Sam que, não só tinha terminado a tatuagem da coxa antes de chegarem até Maryland, como também tinha começado outra tatuagem no braço direito.

- Ao menos acha que foi bem na prova? - perguntou Sam.

- Eu não sei mais de nada. Não pergunte porque não quero mais pensar nisso - resmungou Danny soltando um pesado suspiro.

- Pra relaxar, podíamos ir para uma festa. O que acha? - perguntou Sam.

- Festa? Desde quando você é fã de festas?

- Não fomos em nenhuma desde que entramos e essa é bem gótica.

- Ah, essa última palavra explica - disse Danny sentindo como se pudesse dormir ali no colo de Sam mesmo - Quando é?

- Daqui à três dias. Para comemorar o fim do período letivo.

- Pode ser.

Danny ficou mais alguns segundos ali deitado apenas aproveitando as coxas da namorada, quando a fumaça saindo de sua boca provaram que algo estava errado. Danny se levantou de uma vez e, notando também o alerta do sentido fantasma, Sam também se levantou. Não tinham enfrentado uma batalha contra fantasmas ainda no meio da universidade e se preocupavam com como os alunos iriam reagir. Sam pegou dentro de sua mochila uma arma de laser ectoplasmático e cada um deles olhava para uma das pontas do corredor prontos para atacar ou defender. Ignoravam os olhares de estranhamento dos alunos que passavam. Afinal, o foco agora era outro. Tais olhares de estranhamento foram logo mudando para várias reações diversas quando Danny mudou para sua forma fantasma.

O olhar de Danny estava focado no final do corredor mas, com o canto do olho, viu que algo estava errado logo ali, do lado deles. Era discreto, mas ele pode ver a parede começando a brilhar no típico azul fantasmagórico. Tudo que ele teve tempo de fazer foi empurrar Sam para longe.

- CUIDADO! - Disse ele ao empurrar Sam.

Sam caiu de joelhos e rapidamente se virou para ver o que tinha acontecido com o namorado. O forte laser azulado havia atingido Danny fazendo ele se chocar contra a parede sem atravessá-la pois garras mecânicas fantasmagóricas apareceram como se estivessem ali invisíveis desde do começo. Elas eram parecidas com patas de uma aranha e foram capazes de o prender contra a parede impedindo que ele atravessasse a parede ou as patas.

- DANNY! - gritou Sam.

Os alunos já notavam que obviamente tinha algo errado. Enquanto alguns eram sábios em sair correndo pelas suas vidas, outros insistiam em tirar o celular do bolso para filmar o que iria acontecer.

Sam correu até Danny e tentou puxar uma das patas mas logo viu que não tinha forças o suficiente para fazer isso.

- Sam, sai daqui. Fuja. - disse Danny.

- Não mesmo. - disse Sam ao pegar sua arma e apontar para as juntas da pata onde estas se conectavam com a parede - Depois de tantos anos ainda fica pedindo uma coisa idiota dessas?

Diversas vezes ela atirou torcendo para que conseguisse fazer as patas se quebrarem. Danny também não ficou parado. Fazia força e congelava as patas tentando se soltar. Contudo, os tiros de Sam logo mudaram de direção quando ela viu um ser branco se aproximando.

Skulker não precisou anunciar sua presença, pois logo estava desviando e revidando os tiros que Sam atirava.

- Admiro muito sua escolha de namorada - disse Skulker com um sorriso um tanto maquiavélico.

Com ajuda de seus poderes de gelo e de raios fantasma, Danny conseguiu quebrar as garras que o prendiam ao mesmo tempo em que a mesma segunda fantasma da outra vez aparecia atrás de Sam. Sam não pensou duas vezes antes de girar o corpo e atirar na cara da fantasma que gritou de dor. Enquanto isso, Danny se jogou em cima de Skulker dando-lhe um soco certeiro no rosto antes de começar a congelar o corpo do fantasma-robô o máximo que conseguia.

- Quem está te contratando dessa vez, Skulker? - perguntou Danny.

- Acha mesmo que eu não posso vir atrás de você por conta própria? - disse Skulker.

Embora conversasse com Skulker, a atenção de Danny frequentemente ia até Sam que parecia, até então, estar se entendendo bem com sua adversária. Sam havia apertado dois botões, um em cada pulseira que exibia em cada um dos braços. O fato de existir um botão nas pulseiras eram provas de que não eram meras pulseiras, eram Fentom-pulseiras. A garota estendia os braços com as mão fechadas em punhos na direção da fantasma que gritava de dor com as mãos nos ouvidos devido às ondas sonoras emitidas pelas pulseiras em sua direção.

- Acho só que dessa vez não é por conta própria - disse Danny enquanto Skulker quebrava o gelo ao fazer bastante força.

Era desnecessário dizer que, com isso, várias estacas de gelo se fincaram nas paredes do corredor que estava começando a sofrer com a batalha.

Quando Skulker se preparou para atacar Danny, o garoto fantasma não deixou que o ataque se completasse pois começou a dar uma sequencia de chutes e socos envolvidos em energia ectoplasmática para aumentar a potência. A sequência de golpes trocadas entre os dois fantasmas que usavam todas as habilidade de ataque e defesa que possuíam rapidamente ia causando um estrago no corredor da universidade. No entanto, o estrago poderia ser bem maior se não fosse o fato de tanto Danny quanto Skulker conseguirem se concentrar o suficiente para atravessar uma parede ou objeto quando necessário.

Talvez os anos de lutas com fantasmas tivessem dado à Danny uma maior confiança nas habilidades de Sam, mas mesmo assim, ele ficava sempre checando como ia a situação com ela. E, por isso, vez ou outra, mesmo quando ela conseguia usar as habilidades das Fentom-pulseiras para socar a fantasma sem atravessá-la, Danny ainda ousava lançar um ou outro raio ectoplasmático na direção da fantasma.

- Concentre-se em sua batalha, garoto fantasma - disse Skulker.

Foi alguns segundos depois disso que um fantasma enorme e musculoso apareceu e pulou em cima de Sam agarrando-a e atravessando o chão e a parede com ela. Danny gritou o nome da namorada mas a breve distração fez ele ser atingido por um forte golpe de Skulker e bater a cabeça na parede pois não estava se concentrando para ser intangível. Quando o adversário de Danny apertava-lhe o pescoço fazendo com que engasgasse, os olhos do garoto estavam na janela onde via Sam se distanciando e se debatendo sendo levada pelo fantasma musculoso misterioso.


Notas Finais


e bem. é isso por hoje. espero que tenham gostado. aceito comentários e críticas. apareçam fantasmas, se é q tem alguém ai.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...