1. Spirit Fanfics >
  2. O que tem nela de tão especial? >
  3. Deveríamos fazer algo assim, mais vezes.

História O que tem nela de tão especial? - Capítulo 16


Escrita por:


Capítulo 16 - Deveríamos fazer algo assim, mais vezes.


- Sejam muito bem-vindos ao meu lar doce lar.- Bella anunciou assim que passou pela porta da frente de sua casa.

O interior era bastante moderno. Desde uma televisão de última geração, ao sofá caro que continha uma coxa roxa o cobrindo. No canto da sala havia uma poltrona de couro marrom, aparentava está nova devido ao seu estado. O chão da casa era feito de uma madeira rústica mas muito bem polida, parecia está encerada também, pois reproduzia as imagens que acontecia em cima de si.

As paredes eram tingidas de um cinza escuro, e havia alguns quadros pendurados em quase todo o espaço. O interessante era que não era nenhuma fotografia e sim quadros com certificados ou até mesmo frases interessantes, mas nenhuma fotografia.

Rosalie colocou as mãos no bolso do moletom agradecendo Alice internamente por escolher essa peça de roupa para ela. A loira teve dois segundos para compreender que aquele espaço era de Isabella, e querendo ou não, essa informação tinha uma importância gritante. Alice por outro lado estava bastante a vontade, o cheiro de Bella estava impregnado em cada detalhe da casa, e ela estava familiarizada com o perfume natural da garota. Ela sorriu quando viu alguns objetos antigos exposto em cima de alguma mobília, em toda a sua existência ela havia visto esses objetos ao longo da mudança e evolução da sociedade, e voltar a revê-los é como se uma onda de nostalgia a atingisse.

- Eu estou com fome.- Diz Jacob andando até o lugar onde as visitas juraram que era cozinha.

- Só não come toda a comida, ok?

Edward jurou que as bochechas de Jacob ficaram vermelhas.

- É impossível comer toda a comida, Bella.- Ele diz tentando arrumar o constrangimento que sua amiga havia lhe causado.

- Atualmente estou em dúvidas sobre isso, você está tendo uma fome surreal garoto.

Bella parecia não está ciente de todo o constrangimento. Ela colocou as sacolas no chão debaixo de uma mesa, depois ela acariciou a mão para que a marca que havia ficado graças ao peso da sacola desaparecesse.

Seus cabelos estavam mais brilhosos que o normal, o vermelho mais predominante. Bella estava incrivelmente linda, mais do que as duas vampiras se lembravam.

Os anéis de seus dedos tomavam quase todo o espaço que havia ali. Ficava bastante estiloso nela.

Jacob resmungou algo mas mesmo assim seguiu para cozinha apenas para voltar logo em seguida.

- Vocês querem comer também?- Ele indagou. Todos os Cullens negaram com vêermencia. – Sério? Porque se quiserem eu vou fazer uns sanduíches de peru super gostoso para todo mundo.

- Está tudo bem, não queremos. Nós estamos muito bem.- Edward respondeu.

Jacob Black seguiu para a cozinha enquanto Bella atendia uma ligação. Ela pediu um momento e seguiu para o corredor que dava para os fundos da casa.

Alice se interessou por um relógio antigo que era moda em Londres nos anos de 1980. Ela se aproximou rapidamente, como uma humana normal, e observou todos os detalhes daquela peça. Era um modelo caro, quase de um valor de um carro nos tempos atuais, e continha algumas partes feitas de ouro o que a impressionou. Os Swan’s teriam muito dinheiro?

Rosalie sentiu que estava invadindo um espaço que não lhe pertencia, por essa razão ela se manteve parada perto da porta. Havia uma certa ansiedade surgindo em seu estômago, daquelas que reviravam todos os órgãos a procura de algo que não estava escondido naquele espaço.

Edward deixou as duas irmãs na sala, e sem ser convidado, ele caminhou até a cozinha onde jazia barulhos de algo cortanto contra a tábua de madeira e um litificador funcionando a todo vapor. O garoto nativo-americano cortava alguns pedaços de alface e o que batia era leite com alguns pedaços de morango, provavelmente milk-shake.

Jacob assobiava um som melodioso de uma música animada. Ele dava alguns passinhos para o lado e mexia as mãos, não estava ciente de seu novo telespectador.

Edward deu um mínimo sorriso e se sentou na cadeira de frente para o balcão. Jacob levou um baita susto quando a imagem de uma pessoa extremamente branca sentou em sua frente.

- Que susto.- O moreno disse e colocou a mão em cima de seu peito onde seu coração batia freneticamente. – Pensei que fosse um cadáver.

Edward riu mas não disse nada.

- Está com fome?

- Não, não estou. Gosto de ver pessoas cozinhando.

Jacob deu um mínimo sorriso e continuou a cortar o alface. Edward se sentiu perdido quando sem querer ele entrou nos pensamentos de Jacob Black.

Dever de casa.

Sucatas de carros para serem arrumados.

Peter e Quil enchendo as paciências.

O pessoal da reserva.

Cobranças de seu pai.

Mortes de pessoas próximas à Forks.

Sentimentos confusos em relação a Bella Swan.

Edward Cullen.

O vampiro presente franziu o cenho e tentou com todas as forças não adentrar mais os pensamentos do garoto, mas a cada segundo que passava parecia que o pensamento sobre si sobressaia os outros. Estava quase gritante e preocupante para dizer no mínimo. Mesmo a contra gosto, os pensamentos de Jacob abriram espaço em sua confiança e foi invadindo suas próprias idéias, e sem controlar, todos os receios de Jacob estavam expostos em cima do balcão para que o vampiro pudesse lê-los.

O garoto parecia está com... Medo. Ele não sabia o que fazer para puxar uma conversa agradável com Edward, e muito menos tinha confiança para falar algo inteligente, em sua cabeça, Jacob não tinha capacidade mental para conversas reais e espertas. Mas claro que ele era muito depressiativo em relação a si próprio, pois para Edward, ele tinha pensamentos que deveriam ser levados a sério e ideias de verdadeira ídole real.

Jacob também estava com vergonha, era evidente em suas bochechas vermelhas e sua tremedeira que aparecia em suas mãos trêmulas que no momento cortavam um peito de peru. Ele estava com vergonha por muitas razões, mas principalmente, ele não sabia como começar um assunto interessante como o que eles tiveram na festa da menina que estuda junto com Bella.

- E como anda a escola?- Edward indagou quando Jacob puxou seus pensamentos para um tom depressivo demais

- Bem, temporariamente falando.- Jake parecia não levar muito a sério a escola, o que intrigava Edward.

- Uau. Muito animador sua resposta.

Jacob riu.

- Desculpe. Eu não me importo muito com a escola, para falar a verdade. Acho que não vou terminar a escola.

Edward sabia a resposta do porque.

Eles se manteve em silêncio, até que a faca escorrega do pedaço de carne e cai sobre o dedo deixando um fino corte que escorre mais sangue do que o necessário.

Jacob sibila um som inaudível e geme de dor. O sangue escorre do dedo até pingar no chão. Dois, três, quatro pingos de sangue.

Edward não se sente ameaçado pelo sangue, e por incrível que pareça, o cheiro não é nem mesmo agradável. Ele levanta de seu banco e mais que depressa socorre o menino apertando um pano branco que estanca o sangramento.

Por um momento surge algo diferente. Quando os olhares se encontram e os rostos estão tão próximos, tem algo ali. Mas essa sensação não dura nem mesmo segundos, pois logo o constrangimento surge pela próximação repentina.

- Obrigado!- Jacob diz. Suas bochechas vermelhas mais que o próprio tomate em cima da mesa.

- Disponha.

Edward sai de perto sentindo o calor se esvaindo, algo que não o encomoda.

Enquanto isso, Alice desbrava toda a sala de Bella enquanto Rosalie sibila para que ela não toque nas coisas.

- Alice! Não mexa nisso!- Rosalie esbravejou quando Alice tocou em uma vitrola antiga que parecia está apenas de enfeite.

- Isso é tão legal, Rosalie! Vem ver, é muito antigo.- Alice disse e levou a mão para tocar no disco.

- Alice, não!

Rosalie usou sua habilidade de velocidade vampírica e logo estava do lado de sua irmã. Sua mão segurou o braço de Alice que impedia de tocar na agulha da vitrola velha.

Alice riu feliz como se estivesse acabado de ganhar um brinquedo muito querido.

- Finalmente.

- Finalmente o quê?- Rosalie indagou com sua voz raivosa que causava medo em qualquer um, menos em Alice.

- Finalmente eu consegui te tirar da posição de uma estátua viva.

Rosalie revirou os olhos mas largou o braço dela. A loira se sentiu uma estúpida, claro que Alice faria de tudo para vencer essa batalha que só as duas sabiam que travavam, mesmo não tendo consciência de batalha nenhuma.

Passos se ouviu do corredor por onde Bella havia saído alguns minutos atrás. Ela voltava enquanto saltitava como se estivesse feliz por algo.

- Oh... Me desculpem por deixá-las sozinha. Tive que falar com meu pai.

- Tudo bem, não há nenhum problema.- Rosalie respondeue abanou a mão como se este fato fosse irrelevante.

Alice continuou a explorar ignorando totalmente a presença de Bella. A garota sorriu quando a vampira de cabelos espetados mexeu em um vaso caríssimo mas muito antigo, parecia ser algum vaso vindo do Oriente Médio.

Rosalie se viu sentindo esse sentimento de ciúmes novamente. Bella e Alice eram praticamente melhores amigas, a intimidade das duas era claro até mesmo para uma pessoa que não conhecia sobre nada em relação à elas. Bella tinha uma paciência tão bem construída, e Rosalie poderia até mesmo compará-la com Jasper, a forma como a garota sorria para algumas coisas que Alice dizia ou como ela olhava as vezes para a vampira mais baixa.

Era algo tão... Real.

Rosalie engoliu em seco. Sua posição continuou como a de uma estátua, e ela nem mesmo se importava se Bella ia ou não questionar seu comportamento nada humano.

Mas era mais seguro assim. Tanto para Bella como para Alice.

Rosalie sentiu que seus ciúmes estavam se transformando em raiva, e esse sentimento era preocupante. Então a vampira loira preferiu se manter como uma estátua do que se mexer freneticamente pela sala.

- Onde está Edward?

Bella indagou, mais próxima de Rosalie do que a mesma poderia prever. E como algo normal, Rosalie se sentiu bem, mais leve e menos perigosa.

- Ele foi para a cozinha.

Rosalie pigarreia quando sua resposta sai com uma voz mais grave do que o natural.

Bella sorri.

- Não conta para ninguém o que vou te dizer.- Bella disse baixinho apenas para que ela e Rosalie escutassem. – Mas você se lembra da festa na casa da Jéssica?

E como Rosalie poderia esquecer? Essa noite se passou tantas vezes em sua cabeça, a forma como tudo ocorreu e como as coisas foram tratadas de forma tão leve e natural.

A loira assente.

- Então, Jacob e Edward tiveram... Algo lá.- Rosalie franze o cenho. – Sim, eu sei. Talvez seja algo inimaginável mas... sim, aconteceu algo lá. Eles deram tão certo juntos, como amigos é claro, mas... De alguma forma, para Jacob é maior. E eu confio nos instintos do meu amigo.

Algo caiu no canto da sala e deu para perceber que era Alice que estava explorando mais algum objeto interessante. Ela parecia está ciente das palavras, e Rosalie sentiu-se vingada. Como se ter uma coisa que só ela e Bella conhecia era quase um segredo, e ter concepção que Alice não fazia ideia do que se tratava exatamente, era mil vezes melhor.

- Espera, você está dizendo que...- Rosalie parou no meio da frase e Bella sorriu amplamente enquanto balançava a cabeça com vêermencia.

- Sim.

- Isso parece ser um pouco estúpido.

- Mas não é, e se você analisar... Verá o que estou dizendo.

Rosalie negou com a cabeça mas só de ver o sorriso de Isabella valia por um milhão de motivos para ser feliz.

Que coisa estranha. Que sentimento tão errado, puro e avassalador.

- Ok, eu prometo analisar.- Ela diz se dando por vencida e Bella pula de alegria.

Por um momento há um abraço das duas. Bella passa os braços pelo pescoço de Rosalie, e a loira passa as mãos pelas costas da morena. Ambos os seios se encostando, o que deveria incomodar Rosalie, mas não incomoda. Pelo ao contrário chega a ser agradável, muito agradável, porque é quente, confortável, e tem sensação de está abraçando alguém que aplaca a saudade.

Sim, Rosalie sabe que isso é loucura. E bem no fundo da sua alma há algo que implora para que essa coisa passe logo, porque se não ela vai ficar maluca. Completamente doida de pedra.

- Isso é uma folha do amor dramático de Romeu e Julieta?- A voz de Alice se é ouvida um pouco mais longe de onde as duas estão.

Bella se separa rapidamente. Ela arruma o colarim do moletom de Rosalie e saltita até Alice. Ela parecia está feliz, como se estivesse recebendo visitas inesperadas mas muito agradável.

E para não ficar para trás, Rosalie segue as vozes das duas.

- Sim. Esse pedaço de papel foi passado de pai para filho na geração dos Swan’s.

Era uma folha rasgada e emoldurada em uma parede. A folha estava desgastada e até mesmo em um tom amarelado, mas pelo menos as letras davam para ler.

- Por quê? É apenas mais uma página do livro.- Alice disse aparentemente interessada no assunto.

- Na verdade, existe uma teoria que diz que o próprio Shakespeare deu essa folha para algum dos Swan’s pessoalmente.

- E você acredita nisso?- Rosalie indagou cruzando os braços e parando ao lado de Bella e Alice que analisavam o quadro como apreciadoras de arte.

- Não. Creio eu que algum antecessor rasgou essa folha de algum livro da biblioteca e levou para sua casa. E para dar uma pequena essência a esse pedaço de papel, ele falou que foi o próprio Shakespeare que havia lhe dado.

- Interessante.

Ambas vampiras sussurraram.

- Por que Romeu e Julieta?- Alice voltou a indagar.

- Porque é um romance histórico, talvez. Ou porque na época não tinha muitos livros interessantes.

Rosalie olhou para Bella e algo pareceu captar sua atenção. Um brilho da forma como Isabella olhava para o quadro com a escritura do romance mais falado de todos os tempos.

- E o que você acha de Romeu e Julieta, Bella?

Bella sorriu sem mostrar os dentes e seu olhar se voltou para a beldade loira ao seu lado.

- Não acho que seja... Real.

- Real?- Alice indagou franzindo ainda mais o cenho. – Como assim? Eles são muito reais.

Bella ri zombateira.

- Ok, podem até ser, mas é um romance muito mal construído. Eles só tem 14 anos.

- Ok, e daí?

- Como eles vão saber que acharam o amor da vida deles se esse foi o primeiro amor. Eles julgaram que o primeiro amor valia pena a própria morte?

Alice arqueou a sobrancelha. Era como um clique em sua cabeça, e ela não deixou de comparar a relação de Romeu e Julieta com sua relação com Jasper.

Como ela poderia julgar Jasper como o amor de sua vida se ele foi o seu primeiro amor e ela nunca se relacionou com ninguém mais?

Mas a vampira afastou todas essas dúvidas apenas com um balançar simples de cabeça.

- Que insensível, Isabella.- Rosalie debochou mas seus pensamentos também estavam conturbados.

Por que só agora ela foi pensar desse jeito?

Jacob e Edward ressurgiram da porta da cozinha. O garoto arrancava pedaços do sanduíche e mastigava, parecia está bastante gostoso pelos sons que ele reproduzia. Edward também estava confortável com a presença de seu mais novo amigo.

- O que foi com o dedo?- Bella indagou se virando completamente para a recente chegada.

- Cortei, nada demais. E aí? O que vocês estão fazendo?

Bella passa os dois braços sobre os dois ombros, tanto de Rosalie quanto de Alice. Ambas as vampiras poderiam ter ficado tensas, um ser humano tocando elas da forma mais íntima possível é algo realmente pertubador, se parar para pensar que com a proximidade pode vim a morte desse humano, mas com Bella é diferente. É até mesmo confortável ter o calor dos braços dela repousando em pedaços de carne gelada.

Edward segurou o riso quando os pensamentos surgiram em frente seus olhos.

- Estamos apenas conversando sobre Romeu e Julieta.

- Ah, então vocês duas já sabem o quanto Bella é anti-romantica.- Jacob diz se virando para as duas irmãs.

- Então, ela é assim naturalmente?- Alice indagou brincando e Bella tirou o braço de seu ombro para empurrá-la para longe.

- Você é a pior Alice Cullen.- Bella exclama e olha para Rosalie do seu lado. Os olhos âmbar se encontram com os marrons. – Rosalie é a melhor, com certeza.

A vampira dá um mínimo sorriso se deleitando com a atenção de Bella voltada apenas para si.

Alice franze o cenho com aquela visão.

Ok. Tem algo ali.

As duas pareciam conseguir entrar facilmente para o mundo na qual elas já haviam construído há algum tempo. Elas pareciam muito ter um certo apego, dizendo assim.

- Bom, vamos pintar o seu quarto Bella?- Jake perguntou enquanto engolia o último pedaço de sanduíche.

- Claro.- Ela se afastou e correu para o canto da sala onde estava a tinta de parede. – Deixa eu esclarecer algo. Vocês, minhas ilustres presenças, não precisam de forma alguma ajudar eu e Jacob a pintar o meu quarto. Só a presença dos Cullens na minha casa é uma dádiva real.

- O quê? Não, não mesmo. Eu quero muito ajudar, eu amo decorações. Não fazer parte de uma é quase um ultraje.- Alice exclamou e correu para ajudar Bella a pegar a sacola de tinta.

Prontamente Rosalie e Edward concordaram com Alice e eles seguiram para preparar todos os instrumentos. Começou-se uma conversa agradável, o que parecia estranho pois esse era um dos grupos mais improváveis de se formar, mas incrivelmente eles davam certo.

- Se vocês forem ajudar a gente precisam de roupa apropriada.

Rosalie, Alice e Edward franziram cenho com a fala de Bella.

- Você acha que nós... Nos vestimos mal?- Alice indagou incerta.

- Não! Claro que não! Mas, vocês estão com roupas de grife. É caro a roupa, vamos colocar algum conjunto mais simples porque se sujar de tinta não haverá problemas.

- Ok, mas que roupas?- Rosalie indaga se escorando no sofá.

Bella olha para Jacob como se ela estivesse realmente em dúvidas, portanto, depois de dois minutos a mesma sorri e faz um gesto para Jacob.

- Ele pode emprestar algumas coisas para Edward.

O vampiro franze o cenho olhando com atenção para a humana. Como ele gostaria de ler o que se passa na mente dela.

- E eu posso emprestar algumas peças para as meninas.- Então Bella se vira para as outras Cullens. – Tudo bem para vocês?

Rosalie dá de ombros juntamente de Alice que assente. Elas podem até mesmo está desfarçando por fora, mas por dentro há uma luta de... Sentimentos e nervosismo.

Jacob alega que tem algumas roupas na mala que está no carro de Bella. Ele e Edward seguem para fora da casa enquanto as três pessoas do sexo feminino sobem as escadas em direção ao quarto da mais nova. Em um momento, Rosalie que estava vindo atrás de Bella com Alice, toca a mão de sua irmã. Ela não sabe exatamente o porque fez isso, talvez seja apenas porque ela esteja nervosa demais e quer que alguém explique isso a ela, ou porque ela precisa de algum apoio.

Não importa.

O que importa é que Alice retribuiu o aperto como se dissesse:. Você não está sozinha, eu também estou sentindo isso.

Bella ao mesmo tempo que tem uma coordenação motora admirável, ela parece perder essa postura quando fica nervosa. Em um dos lances da escada, Bella tropeça e perde o equilíbrio. Ela procura segurar no corrimão, mas dá errado pois ela pende para trás.

Um par de mãos pende em sua cintura enquanto outro par de mãos segura suas costas e seu braço direito. Um rubor vermelho sobe as bochechas de Bella e ela procura se aprumar para que as mãos das mulheres atrás de si não precisam tocá-la.

Rosalie sente algo diferente, como se as mãos dela coubessem perfeitamente na cintura de Isabella. Para provar do contrário, ela dá um mínimo aperto apenas para se certificar seu seus pensamentos são todos... Incabíveis, mas o que ela recebe é um gemido de dor.

- Me perdoe Isabella.- Ela diz soltando rapidamente o corpo da humana que parece perder ainda mais o equilíbrio. Ela cairia se não fosse pelas mãos ágeis de Alice.

- Tudo bem. Eu que sou desatenta.

Bella explica e Alice ri. Ela se certifica de que a humana ficará bem e a larga também. Sua atenção portanto se volta para a irmã que parece até mesmo fora de órbita. Seus olhos estão perdidos e a Cullen menor torce para que Bella não perceba a desorientação de sua irmã.

As três continuam o caminho mas agora há uma Bella falante. Ela fala de tudo, sobre escola, família, amigos, deveres e de outras coisas. É como se ela soubesse que o clima está muito ruim para se ficar calado.

- E então foi por isso que eu quase fui para a prisão. Mas vocês não podem de hipótese alguma contar para o meu pai.

Alice diz algo sobre nunca dizer nada enquanto Rosalie apenas dá um mínimo sorriso. Ela ainda parece está um pouco perdida.

Portanto isso tudo se vai quando a porta do quarto de Bella é aberto.

Não é um local diferente de um hábitat natural de um adolescente. Há uma cama de casal que está coberta por um plástico assim como todos os móveis, provavelmente para que a tinta não os prejudique. Um guarda roupa enorme com todas as roupas organizadas mas vários pôsteres de diversas bandas pregadas na porta. A tinta das paredes eram de uma cor muito... Morta? Talvez.

Mas o que era de mais interessante no local era o constante cheiro exótico de Isabella Swan. Um almiscarado de doce e novo, como algo perigoso e gostoso, como um cheiro beirando a insanidade. Um vampiro inteligente manteria distância desse lugar para o bem de quem portava o cheiro, pois se não mantesse, com certeza esse humano passaria a ser sua presa mais desejável.

Mas Alice e Rosalie estavam sendo testadas todos os dias com Bella por perto, e incrivelmente elas estavam tendo sucesso de se manterem sã.

- Ok.- Bella murmurou enquanto analisava o espaço. Sua voz atraiu a atenção das duas Cullens. – Eu nunca tinha trazido ninguém aqui, apenas Jacob. Então, se sentirem qualquer coisa em relação a desorganização podem dizer.

- Não é desorganizado.- Alice disse enquanto tomava a frente e passava por Rosalie. – A oficina dela que é desorganizada.

Rosalie revirou os olhos quando sua irmã apontou para trás, em direção a si.

- Oh, você gosta de consertar carros?- Bella indagou interessada. Alice começou a andar pelo quarto olhando tudo como se fosse um museu e ela fosse apaixonada em história.

- Na verdade, tudo que envolva veículos eu me interesso.

- Isso é incrível! Sempre gostei da ideia de uma mulher controlar máquinas mortíferas e ferozes como carros.

Rosalie sorriu e deu de ombros como se o entusiasmo de Bella não tivesse a atingindo.

- Jacob também curte mexer com carros, agora eu tenho dois amigos mecânicos. Lucro para mim!- Bella fez uma comemoração divertida o que gerou risadas de Alice e Rosalie.

Bella tinha a constante força de ser fofa.

- Se você deixar Rosalie, todo dia ela vai está na sua casa para que você conserte a lata velha dela.- Jacob exclamou bem humorado quando chegou no topo das escadas.

Edward vinha logo atrás.

- Ei! Não fale assim da Carol. E eu não sei de você lembra, mas foi seu pai que me vendeu ela.

- Você dá nome para carros?- Edward perguntou rindo.

- Não enche Eddy. As meninas ainda precisam trocar de roupa. Tem o banheiro e o quarto do Charlie, vocês escolhem onde querem se trocar.

Bella escolheu duas camisas de banda para as vampiras e duas calças de moletom de cor preta e cinza.

- Eu fico com o banheiro.- Alice gritou enquanto corria pelo quarto.

- Toma cuidado para não cair! O espaço é bem apertado.- Bella gritou também.

O clima estava calmo e descontraído. Já faz um tempo que Rosalie não frequenta esse tipo de local e se sente normal.

Bella Swan tem dado muitas coisas que a loura não sentia a muito tempo.

- O que me testou foi o quarto do seu pai.- A vampira mais alta disse rindo e pegou as roupas da mão de Bella.

- Não se preocupe. Essa semana eu dei uma limpeza geral e joguei todas as camisinhas usadas fora. Você não encontrará nada comprometedor, assim eu espero.

Rosalie riu gostasamente e seguiu para o quarto do cherife da cidade.

Edward mostrou para Bella o tamanho da camisa de Jacob. A peça de roupa era muito grande comparado ao seu corpo magro e pálido. Era uma camiseta com o desenho de algum filme que ele não conhecia, tinha um cheiro perigoso de sabonete raro com uma fragrância irreconhecível para Edward Cullen. Além de que portava o belo repleto calor de Jacob Black.

- Ficou legal em você.- Bella deu sua opinião enquanto sorria e pegava na bainha da camisa.

Não fale merda, Bella.”

Jacob colocou as mãos no bolso de sua calça e deu um sorriso sem graça para Edward quando o mesmo se virou para olhar seu rosto.

- Sim, ficou. Eu falei para ele que não era necessário a calça.- Edward explicou quando Bella questionou a calça de grife com o olhar.

- Compreendo. Bom, vou na cozinha pegar um gole de café. Vocês querem?

Jacob falou que sim e Edward negou. A garota então saiu do quarto e já ia pulando de degrau em degrau quando escutou grunidos no quarto de seu pai. Como pensou que Rosalie precisasse de ajuda, Bella deu apenas dois toques.

- Rosalie? Tudo bem aí?

A loura não respondeu o que preocupou Isabella.

- Rosalie?

No quarto, a vampira mordia o lábio inferior enquanto espraguejava baixinho. Nunca tinha acontecido isso de o sutiã prender na sua blusa de lã, mas incrivelmente e naquele dia em específico, o feicho do sutiã que ficava na parte de trás havia se enrolado na sua blusa favorita de lã. E assumindo com derrota para si mesma que ela precisava de ajuda externa, Rosalie murmurou um oi envergonhada.

- Está tudo bem?- Bella voltou a indagar. A vergonha bateu com mais força na consciência de Rosalie que cogitou até mesmo rasgar a blusa para não ter que dizer que estava com problemas em algo tão banal.

Mas se ela fizesse tal ato, Alice arrancaria sua cabeça do corpo.

- Sim, quer dizer, não! Eu estou com um pequeno problema.

Houve um silêncio mas a respiração de Bella que batia contra a madeira da porta indicava que ela ainda estava do outro lado.

- Hmn... Você quer... Ajuda?

Rosalie gruniu mais uma vez antes de responder sim.

Bella entrou no quarto de cabeça baixa com as bochechas tingidas de vermelho sangue. Ela provavelmente estava mais envergonhada que Rosalie por ter que invadir um espaço tão íntimo. A loura quase riu se não estivesse em uma situação quase igual.

- Me ajuda com o sutiã, por favor?- A beldade vampiresca pediu com a voz mais baixa que o ar que tomava o dia de forma violenta e com uma destreza animalesca. Dava-se para ouvir até medo os galhos das árvores recotiarem o espaço.

- Tudo bem.

Sem esperar por nada mais, Bella se posicionou atrás da vampira. Ela usou as pontas dos dedos para desenrolar a blusa de onde prendia. Mesmo tomando todos os cuidados para que não houvesse um contato mais íntimo que aquele, as pontas dos dedos quentes e macio tocaram as costelas de Rosalie quando Isabella puxou o sutiã para baixo. Foi como um choque. Era eletrizante e real. Quente e frio. Confortável e ardente.

Mesmo a pele de Rosalie sendo dura como gelo porém macia, ela sentiu como se seu corpo fosse humano novamente. O toque de Bella era mais quente que brasa, para Rosalie em vida de vampira ela nunca havia entrado em contato com algo tão... Fervente.

Assim como um choque, Bella puxou sua mão para longe das costelas de Rosalie. A loura sentiu até mesmo uma pontada de algo diferente abaixo de seu umbigo, no pé da barriga. Um nervosismo especial e completamente novo, algo inesperiente. Ela queria virar-se para trás e perguntar se Bella também havia sentido aquilo. Mas algo em seu interior disse que ela se decepcionaria com a resposta.

- Pronto.- A voz doce de Bella entrecortou o espaço deixando um clima estranho entre elas.

Antes que Rosalie pudesse agradecer, a porta do quarto já se abria e fechava depressa indicando a recente passagem de Isabella.

...

Eles estavam pintando uma das paredes quando um assunto entrou em pauta. Até um momento atrás, eles riam e conversavam sobre coisas tão banais que para os vampiros presentes aquilo era completamente novo e surreal. Pareciam até mesmo adolescentes vivendo uma vida completamente peculiar para seres sobrenaturais que eles eram.

- As lendas locais de Forks me dão arrepios.- Jacob exclamou enquanto tomava um gole de café na xícara que Bella havia trazido.

Edward comentou sobre assombrações de forma bem casual para que não gerasse assunto sobre outros seres místicos.

- Em mim também. Sempre tive medo de lendas. Acho que os contadores de histórias tem o bom e velho dom de fazer qualquer um ficar com medo.- Bella deu sua opinião enquanto subia em uma escada, que eles haviam trazido do fundo do quintal da casa, para pintar a parede superior do quarto.

- Lendas não são tão ruins. Acho até mesmo divertido.- Rosalie passou o pincel repetidas vezes até a tinta se tornar escassa e ela mergulhá-lo na lata para refazer tudo de novo. A loura não curtia muito decoração tanto quanto Alice, mas fazer isso incrivelmente parecia ser uma terapia momentânea.

- Qual parte você acha divertido? A parte que todos eles morrem?- Bella indagou baixinho e olhou para baixo tendo consciência do olhar de Rosalie em cima de si. As duas sorriram uma para a outra e depois voltaram a fazer o que estavam fazendo.

- Já eu acho uma perda de tempo.- Alice disse em voz alta enquanto pulava em cima da cama coberta de plástico. Ela eram bem menor que o recomendado para sua vontade de pintar o teto do quarto, até.

- Alice Cullen, a rebelde sem causa.- Bella disse e do outro lado do recinto se ouviu a risada cintilante da vampira morena. - Por que exatamente você acha isso?

- Acho que não conta a história real dos monstros. Sempre colocam eles como vilões, sendo que na maioria das vezes eles são vítimas.

Alice falava isso pessoalmente, claro. Porque afinal, ela era um monstro das lendas horripilantes.

- Compartilho da sua ideia, Alice. Acredito que o mundo precisa-se de vilões, mas eles não reconhecem que são os próprios vilões das próprias histórias.

- Bella hoje está filosófica. Na maioria das vezes ela fala nada com nada, e eu não consigo acompanhar o raciocínio dela.- Jacob exclamou.

- Quem manda você ser desprovido de inteligência.

O garoto nativo-americano mostra o dedo do meio para sua amiga.

Os outros três soltam risadas divertidas.

Edward estava tão concentrado em seu trabalho que não percebeu o enorme caixote posto no chão em frente a cama de Bella. Ele dá pequenos passos para o lado e seu pé direito se choca com algo duro que repele um barulho de toque na madeira. Por um momento todos param para ver o que produziu aquele barulho.

Era um baú bem grande mas de medida pequena. Aparentava estar pesado mas o barulho que reproduziu quando Edward o tocou mostrava que ele poderia também está vazio. Era um baú bastante velho, de madeira desgastada pelo tempo e até mesmo havia alguns musgos pregados nas bordas da madeira. Ele também estava coberto por um plástico transparente para que a tinta não o atingisse e estragasse todo o seu visual velho e histórico.

- O quê tem aqui dentro?- Sem se conter, Edward se viu fazendo uma pergunta totalmente evasiva. Mas ele não voltaria atrás, estava muito curioso para saber o que aquele velho objeto portava.

- Lendas.

Bella simplesmente respondeu. Todos franziram o cenho, até mesmo Jacob que não fazia ideia do que continha ali.

- Como... Papéis escritos?- Alice chutou e Bella maneou a cabeça.

- Mais ou menos isso. Aí dentro tem uma variedade de coisas... Históricas por assim a dizer.

- Como algo do Egito?

- Sim, um pequeno artefato do Egito e de outras localidades do mundo que tem uma história valiosa por trás.

- Você roubou isso tudo do museu?!- Jacob fez uma pergunta e ele parecia mesmo pertubado por essa pequena realidade.

- Não.- Isabella riu e voltou a pintar a parede incentivando a todos a fazerem o mesmo. - Quando eu fui morar com a minha mãe, ela estava quase casando-se com um arqueólogo. De primeira eu realmente não gostava dele, e para me conquistar ele prometeu que me traria variados monumentos históricos de suas escavações ao longo de vários locais do mundo.

- Resumindo... Aqui tem um museu mesmo?

- Exatamente. Não tanto quanto um museu contém tantos artefatos históricos, mas tem muita coisa.

- Mas você não está infligindo a lei tendo todos esses artefatos que deveriam está em seu devido lugar?

Bella deu de ombros.

- Não me importo muito com isso. Essas coisas são muito pessoais, e quem sabe depois que eu... Morrer, eles podem levar tudo isso para um museu. Portanto, por enquanto é meu.

A conversa se deu por encerrada, mas Alice sentiu que o que estava guardado lá dentro tinha muito mais história do que Bella queria fazer parecer.

O que se seguiu foi uma bagunça divertida, mas as paredes agora eram da cor mais claro de roxo, quase lilás. No final, todos eles estavam pintados. 

Bella queria fazer com que eles tomassem um banho antes de partirem para a família Cullen, mas Edward estava irredutível e mais do que preocupado pois logo Carlisle estaria em casa.

- Alice você não quer mesmo tomar um banho? Imagina ficar toda pregada de tinta?- Bella tentou fazer a cabeça da vampira que sentiu até um arrepiou e uma vontade grande de entrar debaixo do chuveiro. Porém seu celular se acendeu com uma mensagem de Jasper.

- Eu tenho que ir.- Ela diz e levanta os olhos para a garota que pelo visto havia lido a mensagem. Seu rosto estava um pouquinho retorcido mas sem marcas em sua testa.

- Ok, eu entendo.

Ela por último puxa a vampira para um abraço mais apertado. Alice chega até mesmo suspirar quando aquele contato de familiaridade atinge o centro do seu peito, ela até mesmo enche o pulmão de ar com o cheiro de Bella Swan apenas para que fique guardado em sua consciência.

Rosalie termina de se trocar e deixa as roupas de Isabella dentro da máquina na lavanderia da casa. Antes que ela possa sair do local, sua visão é tomada por um abraço caloroso das duas pessoas a sua frente. Rosalie fecha os olhos e conta até dez, ela nem sabe o que tanto a incomoda. Apenas incomoda, e muito.

Quando seus olhos se abrem, Alice e Bella estão na saída da casa. Ela segue atrás sem fazer o mínimo barulho, sem querer um contato maior com elas para que nenhuma perceba seu desconforto.

Porém, Bella capta sua postura e rapidamente toca seu pulso. Alice corre para se despedir de Jacob que conversava com Edward.

- Obrigada por isso hoje. Foi um dos melhores dias da semana.

Rosalie tem vontade de dizer que também foi um dos melhores dias de suas décadas. Calmo e confortável, como se ela fosse normal. 

Mas ela apenas assente.

Bella deita a cabeça para o lado e com a ponta dos seus dedos ela retira uma mecha de cabelo da frente de seus olhos âmbar.

E novamente o toque é eletrizante descarregando 1000 voltz em suas veias, queimando mais do que o veneno que corre por seu corpo.

- Deveríamos fazer algo assim, mais vezes.

- Sim, deveríamos.

Rosalie sente vontade de abraçar Bella, como se ela fosse uma amiga que não via a muito tempo. E ela não precisa nem mesmo se mexer, pois Bella logo se aproxima cautelosa e abraça seu corpo gelado transformando-o em quante. Rosalie não gosta nem um pouco de coisas clichês, mas agora ela se sente dançando sobre a primavera.

Enquanto os Cullens partem para longe da casa dos Swan's, eles se sentem com vontade de fazer aquilo novamente.

Ser alguém vivo novamente.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...