1. Spirit Fanfics >
  2. O que você viu em mim?! - SasuSaku (ABO) >
  3. Voltando para casa.

História O que você viu em mim?! - SasuSaku (ABO) - Capítulo 7


Escrita por: Srt_Sabaku

Notas do Autor


Olá, mocinhas(o) bonitas(o)!

GENTE 1K COMO ASSIM?????? OBRIGADA MEU AMORES, VOCÊS SÃO INCRÍVEIS DEMAIS!💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕💕 NÃO SEI NEM O QUE DIZER, NÃO ESPERAVA QUE FOSSE CHEGAR A 1K TÃO RÁPIDO!😱😵😵😵😍👏

Voltando... Recuperei a postura!😵

Quando tiver uma conversa entre "aspas" e em itálico, é sempre uma lembrança do passado, a conversa da Sakura com a mãe dela é uma lembrança.

Qualquer dúvida, perguntem.

Boa leitura!👉👈

Capítulo 7 - Voltando para casa.


Sasuke a colocou na cama, a olhando preocupado, Sakura olhou de volta e negou com a cabeça, dizendo silenciosamente que não sabia o que tinha acontecido, então não era para tocar mais no assunto. 

Se acomodou melhor na cama, respirando fundo e sentindo-se um tanto culpada, agora meio que entendia o motivo da sua filha estar a olhando daquela maneira. Seus olhinhos brilhantes estavam pedindo para ela parar, pois estava deixando-a desconfortável e queria mamar, mas não ia conseguir sendo intimidada daquela forma. Talvez, Sakura estivesse com medo de ser rejeitada muito antes de ver a filha e ao vê-la, acabou deixando seus pensamentos e lados negativos falarem mais alto. Era a primeira e última vez que algo assim aconteceu, da próxima vez que fosse levada para amamentar Sarada, ela ia estar tranquila e ciente de que a sua filha, mesmo sendo tão pequena, a amava mais do que qualquer coisa naquele mundo. 

— Você já tinha visto ela de perto? — Perguntou depois de longos minutos em silêncio, Sasuke concordou e encostou a cabeça no encosto da poltrona. — Já pegou ela no colo?

— Ainda não. Ela nasceu muito fraca, não chorou e levaram ela imediatamente a incubadora. — Sakura não disse nada, não sabia como tinha sido, pois estava inconsciente quando a filha nasceu, então queria ouvir. — Os médicos foram divididos, uns foram cuidar dela e os outros ficaram cuidando de você, já que estavam quase sem batimentos cardíacos.

— Eu não tinha certeza se teria a oportunidade de segurá-la e é uma sensação surreal. Não é como segurar qualquer criança, segurar o próprio filho nos braços não tem explicação. — Fechou os olhos, sentindo aquele calorzinho gostoso dentro do peito, sua filhinha era linda. — Eu segurei o meu mundo nos braços.

— É bom saber que agora você tem alguém que é realmente digno e merecedor de você. — Sorriu, Sakura também sorriu e ficou olhando para ele de um jeito estranho. — Ué, o que foi?

— É que de qualquer forma, a vida ainda foi injusta comigo. — Suspirando, fechou os olhos novamente, mas acabou sorrindo. — Ela se parece muitoooo com você. Acredito que ela não tem nada que puxou para mim. 

— Eu já tinha notado isso, mas não quis falar nada 'pra não te deixar irritada. — Soltou uma risada, Sakura fez um biquinho e gemeu em frustração. — Espero que na personalidade, ela se espelha em você.

— Hum…


(...)


Quando Sakura soube que iria receber alta e que sua filha iria ficar no hospital até está com os quilos adequados para ser liberada para voltar para casa, ficou muito chateada, não queria sair do hospital de jeito nenhum, mas não teve muitas escolhas quando seu marido a carregou e a colocou dentro do carro, fechando a porta antes que ela pudesse reagir. 

Como ainda estava de resguardo por conta da cesária, não poderia fazer muito esforço, então Sasuke chamou novamente a Konan para trabalhar ali. Ela ficou responsável por cozinhar e levar as refeições de Sakura, por incrível que pareça, naqueles dias, Sasuke não foi trabalhar e estava sendo um marido muito dedicado. Agora era ela que demonstrava não ser feliz na presença dele, não gostava de saber que estava pagando com a mesma moeda, mas voltar para aquela casa, era como sentir o peso de todo o sofrimento que passou quando esteve ali antes da sua filha nascer. 

Sasuke estava arrependido, estava buscando se redimir e compensá-la por todo mal que lhe causou, Sakura reconheceu isso, mas não queria mais se envolver com ele. Eles seriam casados, iriam morar juntos para o bem de todos, mas não seriam mais como um casal. Sasuke estava livre para ficar com quem bem entendessem, como ele sempre esteve, afinal Sakura nunca se impôs ou se meteu na vida dele. Às vezes que isso chegou acontecer, era apenas porque estava preocupada e tentou alertá-lo sobre as suas escolhas. 

— Eu vou morar nessa casa, mas não pense que eu me agrado disso, porque não é nada confortável para mim ter que pisar nesse lugar novamente. — O marido nada disse, apenas formou uma linha fina com os lábios, esperando ela terminar. — Vou tentar viver ao seu lado para o bem da minha filha, e só para deixar bem claro, somos apenas conhecidos de moradia. Nada além disso.

— Vai ser difícil 'pra mim… — Ele sussurrou, Sakura apenas deu de ombros, vendo-o suspirar pesadamente. — Mas eu vou respeitar a sua decisão, na esperança de um dia a gente recomeçar.

— É pela Sarada, não confunda as coisas. — Deixou bem claro, em seguida colocou uma expressão ainda mais dura em seu rosto. — E não volte a tentar me beijar, ou vai se arrepender.

Teve essa conversa com Sasuke uma semana depois de estar em casa quando ele fez menção de beijá-la, por sorte ela conseguiu desviar. Não queria mesmo ter qualquer envolvimento com ele, além de uma amizade, se é que Sakura considerasse aquela relação como uma amizade. Naquele dia, Sasuke chorou muito, ela nunca imaginou que ele fosse chorar tanto por causa dela, mas não tinha mais nada o que fazer, já que ela ficou muito tempo a disposição dele e ele sequer chegou a reconhecê-la como uma amiga, mesmo depois dela entregar para ele tudo de mais precioso que tinha:

Sua inocência.

Seu amor. 

Sua paciência. 

Seu corpo.

Seu coração. 

Sua vida. 

Nada daquilo nunca foi o bastante, então ela pegou de volta as migalhas de si mesma que ainda restou e não queria entregar novamente para a mesma pessoa que não valorizou quando ganhou pela primeira vez. Ainda o amava, deixou claro isso para Sasuke naquela conversa que tiveram, ele até mesmo confessou que também a amava, no entanto, tiveram que acontecer muitas coisas até ele reconhecer isso e o único que sofreu todas as consequências foi ela. Não queria ter que passar por tudo aquilo novamente, não queria se dedicar a amar alguém que ficou cego pelo rancor e se perdeu no ódio, machucando as pessoas sem medir as consequências. 

Sasuke era alguém legal antes deles serem casados, durante o casamento uma vez ou outra a tratou bem e tiveram momentos felizes juntos, mas parece que quando ele percebia que estava sendo feliz, alguma coisa cutucava a sua alma e ele voltava a ser tão escroto. Queria ter tido o Sasuke verdadeiro mais vezes, mas as únicas vezes que o teve por vários dias seguidos, foram quando eles estavam no cio. Ele era muito, muito carinhoso e disso Sakura nunca reclamou, por isso muitas vezes desejou que aquela semana do mês chegasse o quanto antes, apenas para se sentir amada e adormecer no peitoral do marido, enquanto ele acariciava seus cabelos. 

Ele realmente a tinha em suas mãos, mas por vontade própria a deixou ir. No começo Sakura não queria, porém, ele a ensinou e deu motivos para ela voar, assim como deu motivos para ela não voltar. Então, ela não queria mais voltar.

— Cuidado, Sasuke! — Sasuke a olhou sem entender o motivo da preocupação desnecessária. — Eu vou matar você se isso cair em cima de mim!

— Então eu acho que você ia morrer primeiro. — Sakura o olhou com uma expressão séria, Sasuke gargalhou e terminou de pregar na parede a prateleira. — Além do mais, deveria confiar na minha força e não deveria ficar aí.

— Eu estava aqui primeiro e se quisesse que eu saísse, teria pedido. — Provocou, Sasuke sorriu e desceu do sofá. — Agora só falta colocar as bonecas e buscá-la no hospital.

— É… — Sentou-se ao seu lado no sofá, olhando para ela e recebendo o seu olhar de volta. — Tem certeza de que também vai dormir aqui?

— Tenho.

 — Aquele quarto é seu, Sakura. Você pode dormir lá e eu durmo em outro quarto. — Negou com a cabeça, aquele seria o quarto da sua filha e o seu quarto. — Você que sabe.

— Sei. — Levantou do sofá, estava bem melhor, afinal já tinha se passado um mês desde que Sarada nasceu. — Vamos terminar de arrumar as coisas. Amanhã você vai buscá-la junto comigo? 

— Você quer que eu vá? — Deu de ombros e Sasuke já tinha percebido que quando ela fazia isso, era porque queria dizer sim, mas fingia não se importar. — Tá, amanhã eu vou com você.

Sakura realmente estava decidida a ficar no mesmo quarto da sua filha, por mais que Sasuke estivesse sempre dizendo que aquela casa era da Sarada e dela, ela não queria nada dele. Se Sasuke quisesse dar alguma coisa para Sarada, tudo bem, era ele quem decidia, a filha também era sua e quando eles conversaram, Sakura aceitou que ele fosse um pai presente na vida do bebê, afinal querendo ou não, se o desejo dele atualmente era de fazer parte da vida delas, não tinha problemas, apesar de todo o mal que a causou, não era justo proibi-lo de ver a própria filha por vingança. Nunca foi do seu caráter ser alguém vingativo ou alguém de desejar o mal e a desgraça dos outros. Se chegou a encostar a mão em Karin, foi apenas para se defender e porque não aguentava mais ser tratada como lixo. 

Até mesmo o lixo é valorizado, pois é reciclado e recebe uma nova função. 

Quando Sasuke terminou de colocar as pelúcias e alguns outros brinquedos na prateleira, saiu do quarto dizendo que iria tomar banho. Sakura se encontrou sozinha no quarto, estava bonito, eles começaram a decorar o quarto de Sarada duas semanas antes e tudo estava no lugar depois de muito trabalho. Entendia agora um dos sentimentos da sua mãe sobre querer o melhor para os filhos, mas ainda assim, Sakura jamais forçaria a sua filha a casar com alguém que ela não gostava ou que não gostasse dela, apenas para ter uma vida boa. 

Sakura teve uma vida muito boa em relação a alimentação e roupas, mas não recebeu o que realmente desejava e o que era importante para um casamento, então não adiantou viver bem, se o seu casamento era um pesadelo na maior parte do tempo. Era engraçado, ela ainda não conseguia entender, será que ela estava agindo como Sasuke agiu no passado? 

Será que estava perdendo a sua essência por causa do rancor? 

Essas perguntas passavam pela sua mente desde que sua mãe comentou sobre isso:

"— Você não acha que está fazendo a mesma coisa que ele fez com você?

— Do que está falando? — Perguntou, enquanto fitava o teto daquele hospital. — Não entendi o que a senhora quer dizer.

— Não acha que está agindo como ele agiu no passado? — Sakura compreendeu de imediato, não conseguindo responder, afinal nem sabia o que pensar naquele momento. — Você está colocando o rancor acima dos seus verdadeiros sentimentos.

— Ele me magoou, não merece os meus sentimentos.

— Certo, você que sabe. — Concordou, evitando olhar para a sua mãe, essa que perguntou algo logo em seguida que mexeu muito com a sua mente: — Vai conseguir ser feliz e viver bem consigo mesma desta forma?

— Vou…

— Só não vá perder sua essência por causa do rancor, meu bem."

Sua primeira noite dormindo no quarto da filha foi tranquila, Sasuke chegou a pedir para ela ir dormir no outro quarto, mas ela não queria e seu lugar agora era no quarto da Sarada. O berço da filha ficava em um dos lados da parede e a sua cama ficava do outro, tinha o guarda-roupa ao lado da cama e uma cômoda na mesma parede que ficava a janela. Sasuke mandou pintar o quarto de lilás e branco, duas paredes lilás e duas paredes brancas. Estava bonito, a sensação de saber que ele estava mesmo disposto a participar da vida da filha e de que ele se importava muito com ela, era gratificante. 

— É, seria mesmo muito estranho. — Sussurrou sozinha no quarto, após deixar vários pensamentos falarem mais alto.

Ela estava pensando: Seria muito estranho, até mesmo quase impossível que eles tenham convivido tanto tempo juntos e Sasuke nunca tivesse desenvolvido nenhum tipo de sentimento perante a eles. Agora ela sabia que ele desenvolveu, ainda era difícil acreditar que Sasuke a amava, mas tudo bem, respeitava os sentimentos dele e esperava mesmo que fosse verdade. Saber sobre os sentimentos dele, era algo que ela sempre quis, porém, ficou sabendo de uma maneira a qual ela nunca imaginou. 

Antes, ela gostaria de saber, de beijá-lo e dizer que estava muito feliz, mas as coisas não foram daquela forma.


Notas Finais


Como eu disse anteriormente, a Sakura vai lidar com a situação de forma madura e vai tentar viver bem com o Sasuke para o bem da Sarada.

Até amanhã!👉👉👉


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...