1. Spirit Fanfics >
  2. O Rei corvo e a Rosa >
  3. A rosa espinhenta

História O Rei corvo e a Rosa - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Aqui iremos conhecer o segundo protagonista da fic. Espero que gostem !!!!

Capítulo 2 - A rosa espinhenta


Alexander estava sujo de lama da cabeça aos pé, e seus cabelos outrora bem penteados e castanho-mel agora pareciam um emaranhado de raízes enlameadas e tão marrons quanto bosta de auroque.  

 

- Nunca mais pise na minha taberna seu fidalgote de merda ! - Um homem alto e roliço igual á um leitão adulto, vociferou enfurecido, para o rapaz caído na poça de lama.  Aquela não fora a primeira vez que o filho caçula de Lorde Willas Tyrell e sua esposa Cassandra Hightower era escorraçado de algum lugar igual aquele. O garoto tendia a se embriagar e acabava arrumando brigas e confusões por onde passava. Lorde Willas tinha tentado controlar a rebeldia e libertinagem do filho inúmeras vezes; desde mantê-lo recluso na fortaleza da família até enviá-lo para Vilavelha a fim de transformá-lo num respeitável meistre, no entanto; Alexander sempre encontrava uma maneira de burlar as restrições e táticas do pai e voltava a desafiá-lo. Na Cidadela, ele tinha sido expulso após deflorar inúmeros colegas de estudos e conceber um casal de gêmeos bastardos com uma meretriz qualquer. Alexander escapava de qualquer cativeiro e usava métodos bastante persuasivos e perniciosos, como por exemplo; praticar sexo oral nos guardas em troca de liberdade, entre outros truques.   

 

Alexander amava a sensação de liberdade e a adrenalina da vida boêmia que escolherá para si. O Tyrell era versado na arte das espadas e da cavalaria; porém, também apreciava a companhia de belas donzelas, prostitutas e homens bem-apessoados e mais velhos. A vida nos bordéis e tabernas podia se provar tão desafiadora e divertida quanto um torneio da corte ou uma justa amistosa. 

 

- Eu sou rico seu velhote bêbado ! O vinho dourado é mil vezes melhor se comparado a porcaria de rum que você vende ! - Alexander escarneceu e do bolso de seu gibão verde retirou um veado de prata e o jogou para o dono da taberna. O velho roliço apanhou a moeda e a mordeu a fim de conferir se era verdadeira. Ele pouco se importava com a procedência do dinheiro desde que fosse de verdade. 

 

- Como eu disse… eu sou rico ! - Alexander cospe as palavras igual uma serpente inocula veneno, e em seguida se retira assobiando a ´´noiva do dornês`` animadamente pelas ruas. 

 

O jovem recebe olhares curiosos, e até debochados, de todas as direções. A plebe ficava em choque quando alguém da alta-classe se prestava a vexames, e Alexander naquele momento estava gerando tal entretenimento a eles. O cunhado do senhor daquela região se envolvia em situações semelhantes aquelas constantemente e a cada nova travessura o rapaz ganhava ainda mais fama. O povo comum apelidara o Tyrell rebelde como a ´´rosa espinhenta`` e Alexander adorava aquela alcunha. Sua tia-avó Olenna Redwyne tinha um título semelhante, e devido a isso, ele entendia que pessoas apelidadas eram - de uma forma ou de outra - notórias. 

 

- Lord Alexander ! Alto ! - A voz estrondosa de Sor.Symon Rosewood ressoou alta o suficiente para chamar a atenção do rapaz a quem procurava. O mestre armeiro de Jardim de Cima vinha acompanhado por outros dois cavaleiros e um jovem escudeiro. Eles estavam montados em belos alazões e usavam armaduras ornadas de jóias e flores. Lorde Bronn adorava a moda sulista e exigia aos seus homens  que ostentassem o máximo possível. 

 

- Sor.Symon ! Deixe-me adivinhar…  meus pais retornaram e ordenaram que viessem à minha procura ? - Alexander debochou, ciente de que seria obrigado a ouvir sermões exaustivos da mãe e pragas coléricas do pai. A quase duas quinzenas o novo Rei dos Seis Reinos convocou seus vassalos da Campina até a sua Fortaleza em Porto Real e durante aqueles dias o irrefreável Tyrell se viu livre deles. Jocelyn e Bronn pouco se importavam com o que ele fazia ou deixava de fazer, e portanto, Alexander passou aquele tempo festejando, transando e usufruindo do bom e do melhor. Em uma lua; ele tinha experimentado o gosto da anarquia parietal e amara tal experiência enquanto durou. Agora Willas e Cassandra tinham retornado, e a vida de Alexander voltaria a ser o que sempre fora até então. 

 

- Sim milord ! Eles o aguardam e exigem sua presença imediatamente ! - Symon respondeu e Alexander se resumiu apenas a assentir e concordar em seguir com eles. 

 

- Cadê a minha égua ? Eu preciso de uma montaria ! - O  rapaz reclamou irritado. 

 

- Lady Jocelyn e Sor.Bronn a pegaram emprestada milord ! O corcel de sua irmã está doente e é melhor repousar por agora ! - O cavaleiro explicou e o rosto de Alexander se contorceu em raiva. 

 

- Ótimo… vamos lá… - O Tyrell concordou a contragosto e decidiu acabar logo com aquele problema. Trilharia o mesmo caminho tortuoso que Baelor, O abençoado percorrerá até Dorne se fosse necessário para se ver livre de tais chateações. 


 

                                            … 


 

Ao chegar na sede de Jardim de Cima o jovem fidalgo se apresentou aos pais no salão principal, onde o trono dos antigos reis Gardner residia intocado a mais de trezentos anos. 

 

Lorde Willas e Lady Cassandra ficaram ultrajados ao vê-lo naquele estado deplorável, entretanto estavam habituados as impulsividades do filho, e portanto, decidiram ignorar a sujeira e o lodo impregnado em suas caras vestes. Eles queriam ir logo ao ponto. 

 

- Recebemos uma proposta de casamento do próprio Rei Brandon na capital ! Ele deseja unir forças com a nossa Casa e prometeu ajudar com a rebeldia insurgente se aceitássemos a oferta ! - Cassandra falou e Alexander lhe dispensou um olhar confuso. Ele sabia que provavelmente seria obrigado a casar cedo ou tarde, porém não esperava se juntar à alguma dama de Porto Real. Ele acreditava que uma Florent, ou alguma prima distante da família de sua mãe, seriam as suas possíveis pretendentes. 

 

- O Rei quer me casar com a prima dele ou algo do tipo ? - Alexander questionou e naquele momento seus pais se entreolharam inquietos. Havia algo de errado e ele podia sentir a tensão pesando no ar. 

 

- Na verdade… - Lady Cassandra começou. 

 

- O Rei propôs um casamento entre você… e ele ! - Willas respondeu e seu filho caiu na gargalhada enquanto recebia aquela informação como uma espécie de piada do pai. O sisudo Lorde Willas podia ser engraçado afinal de contas.

 

- Está falando sério ? Quase acreditei em você ! Acho que a corte do Rei Corvo fez bem ao seu humor ! - Alexander zombava enquanto se via forçado a enxugar algumas lágrimas provindas de seus risos histéricos. Ele estava levando a situação na brincadeira e nada além disto. 

 

- Estamos falando a verdade seu pirralho insolente ! O Rei deseja se casar com você e aceitamos a proposta ! A nossa casa irá ser altamente beneficiada com essa união, e o melhor, é que herdeiros serão dispensáveis tendo em vista o novo sistema de sucessão da coroa adotado pelo pequeno conselho ! - Cassandra estava impaciente com a índole imatura do filho, no entanto concordava com a absurdo daquela situação. Um casamento entre dois homens parecia algo impensável, e improvável de acontecer. A reação dos demais senhores poderia ser péssima, entretanto a rosa precisava da ajuda do lobo-gigante se quisesse preservar sua posição e títulos. 

 

A revelação aos poucos começou a ser digerida por Alexander e instantes depois ele negou veementemente aquela proposta insana. Pelos sete infernos; eles tinham enlouquecido completamente ! 

 

- Isso é loucura ! A fé nunca permitirá algo assim ! - Alexander esbravejou furioso. 

 

- O casamento será celebrado perante a antiga fé do Norte ! O alto septão não poderá intervir nesse caso ! - Cassandra explicou. 

 

- Ainda sim… é arriscado ! Algo assim nunca aconteceu antes e as outras províncias podem reagir mal ! - O garoto enlameado tentava colocar juízo na cabeça de seus pais. Eles pararam e analisaram a colocação do filho. Ele estava certo, porém Bran havia lhes assegurado de que tinha a maior parte dos grandes senhores aliados a ele e contavam com aquilo. 

 

- Bran, O Quebrado possui laços estreitos com as demais casas e  nos assegurou disso ! - Willas respondeu, no entanto, o caçula se mantinha resiliente aquela idéia. 

 

- Eu não me colocarei em risco dessa maneira ! Eu recuso ! - Alexander afirmou. Ele sabia que aquela insanidade terminaria em desastre e não faria parte daquilo. 

 

- A lei nunca proibiu uniões dessa natureza ! Os órfãos de sangue verde do Roine celebram uniões entre pessoas do mesmo sexo, porque seria diferente conosco ? E devemos ressaltar o seu gosto desenfreado por peitos e pau ! Não fará diferença para você ! - Cassandra argumentou e parecia bastante segura de si. Ela obrigaria o filho a fazer aquilo, ele querendo ou não ! 

 

- Nossa casa precisa de apoio e força bélica ! Temos inimigos em todos os cantos da Campina ! Uma aliança com o Trono De Ferro seria inestimável ! - Lorde Willas explicou. O Trono de Ferro em si, havia sido destruído, porém a força do hábito permaneceu naqueles submissos a ele durante tantos anos. 

 

- Me perdoem… mas estou fora ! - Alexander deu seu ultimato e se virou a fim de se retirar e fugir da loucura de seus genitores. Ele nunca se deixaria afundar pelo desespero infundado de Willas e Cassandra. 

 

Willas dispensou um olhar a Sor.Symon e este imediatamente barrou a passagem de Alexander que se virou ao pai e entendeu o que aquilo queria dizer. Novos joguinhos de gato e rato na corte das rosas. 


 

- Você irá me obedecer desta vez garoto… senão iremos arranjar um lugar especial para você na nova Patrulha da Noite ! O negro lhe cairia bem ! - Willas intimidou soando ameaçador. Alexander soube que ele estava falando a verdade. Ele era o filho que sobrara e não herdaria nada. Garlan tinha herdado a fortuna e o castelo de seus pais, enquanto Jocelyn se tornará a Lady de Jardim de Cima, algo impossível aquela ramificação da família até então. Ou Alexander se mostraria útil ou poderia ser desertado e coisa pior. A patrulha definitivamente era bem menos segura que a corte entediante de Brandon Stark. O jovem Tyrell sabia que pouco sobreviveria naquele lugar gelado e inóspito. Ele definitivamente não desejava aquele destino para si. 

 

- Eu aceito o casamento… quando irei conhecer o meu futuro marido ? - Alexander perguntou e abriu o sorriso mais amargo de toda a sua vida até então. 

 


Notas Finais


O Alexander é meio ´´difícil`` por assim dizer, porém eu o criei para ser inicialmente assim, mimado e bem egoísta, no entanto ele - assim como os demais personagem irão evoluir no decorrer da trama. Espero que tenham gostado, Qualquer dúvida, teoria, elogio ou crítica construtiva é só deixar nos comentários ! Até a próxima !!!

Valar Morghulis, Valar Dohaeris !!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...