1. Spirit Fanfics >
  2. O roubo das rosas >
  3. O roubo das rosas

História O roubo das rosas - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Vamo que vamo maluco, espero q gostem pessoas :)

Capítulo 1 - O roubo das rosas


Fanfic / Fanfiction O roubo das rosas - Capítulo 1 - O roubo das rosas

Era em uma tarde chuvosa que os dois amigos se encontravam no mesmo bar, mais uma vez bebendo para esquecer os problemas que não eram poucos, Julinho chegou com mais um copo e brindou com o amigo já um pouco tonto pelo efeito do álcool no seu sange
- essa vai para todas as coisas belas da vida!
Exclamou o loiro já quase que gritando no ouvindo do menor, após o brinde deram um gole na cerveja gelada
- diz aí, oque você acha mais bonito nesse mundo depois de mim?
Disse o mais alto em um tom brincalhão já puxando seu amigo para um abraço de lado
-acho que rosas. Tem um significado muito bonito
Disse o mais baixo em um tom de sabedoria tendo plena certeza sobre sua resposta
-qual é o significado então?
Perguntou o mais alto se levantando para ir em bora e descendo o batente do bar quando, ouvirá um grito chamar pelo seu nome
-escolta aqui Júlio, se você não me pagar agora oque deve eu vou te matar!
O dono do bar exclamou com um tom sério e raivoso, realmente agora os dois não tinham outra escolha, pois Júlio se encontrava sem dinheiro no momento, na verdade, ele nunca tinha dinheiro, mais na quele momento com certeza o dono do bar não ia dar chance para seus discursos enrolados
- você falou que tava com dinheiro!
Exclamou Maurílio já pegando velocidade na corrida, mal sabia que o amigo tinha mentido apenas para sair do tédio com ele, ele não dispensaria uma fuga emocionante com o mais novo, nem mesmo uma noite de bebidas
- Eu menti, foi só para sair do tédio!
Disse já perdendo o fôlego após correr quase 2 quarteirões, não que o mais novo já não fosse acostumado com a sua mentira, mais quase lhe custou a vida, e não queria assistir o noticiário no dia seguinte e saber da morte de seu amigo.
Em um puxão rápido entraram em um beco, lá não escutavam mais os passos apressados do dono do bar
- ei, olha aquilo!
Exclamou o mais baixo quase sem fôlego pela corrida, ele apontava para um lindo buquê de rosas vermelhas que estavam penduradas em uma árvore dentro de uma casa
- são muito lindas!
Exclamou o mais novo com um olhar de desesperança e um certo peso na sua fala
- a suas ordens moreno
Disse o mais alto correndo e se agarrando ao buquê de flores em um salto grande, logo o mais novo olha espantado para ele, que tira o buquê de rosas em suas mãos, logo os dois ouvem um barulho estrondoso vindo do portão da casa, era da dona da casa, dona Lurdes, que não estava nem um pouco feliz por saber que dois idiotas estavam roubando o recém comprado pé de rosas
- oque os dois babacas estão fazendo! Devolvam minhas flores agora!
Disse a senhora em um berro estridente que fez os dois amigos temerem pelo destino de suas almas
- corre! Não olhe para trás
Disse o mais alto iniciando sua nova fuga do dia, suas pernas se moveram com tanta agilidade que deixaram algumas rosas caírem de suas mão largas
- seu burro, se a polícia vir atrás de nos, a culpa é toda sua
-voce é cúmplice
- não fui eu que pedi!
- mais icinuou
Os dois amigos gritavam um com o outro quase perdendo o ar em uma fuga desesperada, já estavam cansados, era a segunda confusão do dia, segunda fuga por conta do loiro, era por isso que não aceitava seus convites frequentemente, porque toda vez que saiam, a vida de um deles era ameaçada. A velha corria como nunca, não queria perder seu presente de Natal para dois babacas, logo jogando seu chinelo já pocisionado em sua mão, acertando em cheio a cabeça do menor, que deu um pulo para frente quase caindo
- devolve essas plantas ou ela vai nos matar !
Exclamou Maurílio sentido a extrema dor de um chinelo de borracha voando na sua cabeça
- droga!
Exclamou o mais velho apenas jogando o buquê para trás, com rosas caindo para todo lugar. A velha conseguiu pegar o buquê e logo parou de correr para recuperar seu extremo fôlego, e catado as rosas soltas pelo chão exibindo um sorriso orgulhoso. Os dois amigos se enfiaram em um beco apertado para recuperar o resto de fôlego que lhes restava
- tem como eu sair uma vez com você e agente não quase morrer?
Perguntou o mais baixo respirando fundo já suado
- vai dizer que não gosta?
Perguntou o outro suado e cansando com a correria, mais por mais que gostasse de fazer aquilo sozinho, com o mais novo tinha mais adrenalina, sabia que estava fazendo algo errado, mais não estava sozinho
- não era uma ideia ruim se não tivéssemos falhado
Diz o mais novo em um tom triste já abaixando a visão
- quero minha recompensa
Exclamou o mais alto tirando uma rosa de trás dele, com um sorriso malandro em seus lábios, a rosa se encontrava um pouco amassada pela correria, e o mais novo não sabia como ele conseguiu guardar aquela rosa em meio a tanto desespero, talvez estivesse ocupado demais tentando não morrer de dor de cabeça pela chinelada
- não acredito, como conseguiu?
Disse o mais novo indo pegar a rosa, quando o mais velho afastou a mão dele, ainda sorrindo
- cadê minha recompensa
Disse com um sorriso divertido e chegando mais perto do mais baixo quase encostando suas testas, oque realmente fez Maurílio ficar vermelho como um tomate
- pode ser um abraço?
Disse o mais baixo em um tom envergonhado e com o seus olhos voltados para o chão
- queria dinheiro, mais um abraço não é tão ruim
Disse Julinho em um tom brincalhão, já sorrindo. O mais baixo se aproximou já estendendo seus braços indo de encontro a o pescoço do mais alto, e o mais alto apoiou uma de suas mãos no muro ao seu lado e a outra na cintura do mais baixo, assim o apertou sendo retribuído pelo pequeno, depois de alguns minutos de apertos, o mais novo vira sua cabeça indo de encontro com a bochecha do mais alto e depositando um minúsculo pequeno quase imperceptível beijo, Julinho por mais que fosse desatento ao extremo, percebeu o pequeno ato, assim sua face começou a corar, o mais novo de desfez do abraço indo pegar a flor na mão do mais alto já redindo com um sorriso bobo em seus lábios
- obrigado, até mais
O mais velho apenas o olhou de longe com um sorriso de orelha a orelha acenando para o amigo
- até mais

Fim


Notas Finais


:) bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...