História O Sequestro - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Naruto Uzumaki
Tags Hinata, Naruhina, Naruto, Toneri
Visualizações 267
Palavras 3.690
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi pessoal. Bom, essa é minha primeira fanfic, então me deem desconto. Minha idéia inicial foi de fazer uma fanfic completa, e tenho muitas ideias para fazer isso acontecer, mas tenho medo de não termina-la, então resolvi aplicar em um simples One. Pretendo fazer mais ones, quando eu obter experiência ou um pouco de coragem posso fazer uma história longa. Por enquanto me manterei neutra. Bom, sem mais enrolação, vamos a fic.

Capítulo 1 - O Sequestro


Ainda não sei o que me deixou nessa situação, acho que não deveria ter saído do restaurante daquele jeito, afinal, se eu tivesse escutado o que ele tinha pra falar, se eu tivesse sido tolerante ao ponto de escutar sua explicação. Mas com certeza esse é o menor dos meus problemas agora, já que estou no porta malas de um carro - depois de relutar muito com meus sequestradores - com os pulsos atrás do meu corpo ardendo devido as amarras e um pano sobre minha boca, impedindo que eu grite, mas que também impedem de escutar os meus soluços que estão descontrolados causados pelo choro. Minha situação certamente não é a das melhores.

Bom, devo ter esquecido das apresentações, sou Hinata Hyuuga, policial do Departamento de Polícia de Nagoya. Certamente você deve estar pensando: O que aconteceu? Saiba que primeiramente eu estava em um restaurante com Naruto , o meu namorado – e por incrível que pareça, o meu chefe na delegacia, ele é o delegado. E uma discussão boba, rendeu a uma Hinata correndo e um Naruto correndo atrás, mas antes que ele me alcançasse, dois homens encapuzados me seguram e puxam brutalmente para dentro do carro. Tentei lutar com eles, mas eles eram dois brutamontes comparados a mim, então fiz a única coisa que estava ao meu alcance, tentar tomar o controle do carro, eu pulei para frente e virei o volante, fazendo o carro desviar da pista, mas logo sou contida. Nesse momento eles apertaram mais as amarras e me colocaram no porta malas. Espero que Naruto tenha visto a placa do carro, tenho um mal pressentimento a tudo isso.

De repente o carro para, tenho a impressão que meu coração vai sair fora do peito, o que farão comigo? O porta malas é aberto, o olhar que esses homens lançam para mim faz meu corpo inteiro estremecer de medo, enquanto eles me puxam bruscamente fora do carro, me fazendo acompanhar seus passos nada curtos comparados aos meus. Poxa, eu tenho 1,60 de altura, enquanto esses caras devem ter mais de 1,90, é difícil acompanhar enquanto sou arrastada e vou tropeçando nos pés.

Não consigo ver nada além da cor dos cabelos, o da direita tinha cabelos loiros, enquanto o da esquerda era um ruivo. Estávamos indo em direção a entrada de uma casa, não tinha nada além de mato ao redor, parecia ser uma fazenda bem afastada da cidade, estou perdida! A porta é aberta, a imagem faz meu estômago embrulhar, havia sangue espalhado pelo chão ao lado de um corpo de uma mulher imóvel, seria isso que aconteceria comigo? Um desespero começa a dominar meu ser, que me faz relutar para tentar me soltar daqueles homens, mas não é preciso muito para eles me segurarem, obviamente. Sinto meu rosto arder após um alto estalo, havia levado um tapa, que me faz cair no chão com força. Força que vem em dobro para me levantar bruscamente, com certeza ficaria marcas.

- Ei vocês dois, trouxeram a minha encomenda? - Uma voz grave é ouvida ao fundo da sala, que fez meu corpo tremer desesperado. Seus cabelos eram brancos, que acompanhavam sua pele, quase tão branca como o cabelo, olhos azuis muito claros e estavam foscos, mas inegavelmente bonito, não como meu loiro, é claro. Eu conhecia ele. Toneri. Esse maldito me sequestrou porque recusei o casamento com ele, que os Hyuuga arrumaram apenas para as riquezas da família aumentarem. Pelo menos essa é a única explicação plausível para a obsessão dele por mim.

- Sim, chefe. Leva-la para interrogatório? - Foi a vez do loiro falar, tirando o capuz, com certo desinteresse na voz. Eu já vi a ficha dele, ele se chama Deidara Watanabe, suas principais acusações são formação de quadrilha, contrabando de armas e drogas.

- Não, deixe ela descansar e amanhã será feito o interrogatório. - Falou o albino olhando para mim, com um desejoso olhar, me fazendo pensar o que ele poderia fazer comigo, confesso que meu pensamento me fez me assustar mais do que deveria.

Os homens me puxaram com força pelo braço até o porão, me jogando em uma cadeira sem o mínimo de cuidado, prendendo com novas cordas minhas pernas na cadeira, realmente não pouparam na força. Em seguida, eles saíram, minha primeira reação foi gritar e espernear por ajuda, fazer barulho com a cadeira ou com qualquer coisa que poderia chamar a atenção. Não percebo quando minhas lágrimas começam a sair de meus olhos, só quando os soluços se tornam alto o bastante para que os mesmos homens que me sequestraram entrarem na sala e vir gritando para eu calar a boca, mas ao contrário do que ele disse, apenas gritei mais alto ainda, fazendo com que eu leve um tapa forte o suficiente para conseguir ver tudo ficando escuro, meus últimos pensamentos são em como eu queria acordar na minha cama ao lado do meu loiro preferido , dentro da minha casa. Aos poucos esses pensamentos vão se esvaindo lentamente, enquanto a escuridão me abraça.

《□■□》

Acordo lentamente com a visão que eu menos esperava, com Toneri me olhando com o mesmo desejo de ontem. Minha reação foi apenas abaixar a cabeça e encarar o chão, mas reunindo um pouco da minha coragem diante daquela situação, pergunto:

- Por que está fazendo isso? Não fiz nada contra você! - Minha voz não passa de um fraco sussurro.

- Você foi minha encomenda, te observei por muito tempo. Agora posso te ter aqui, principalmente para me dar informações sobre Naruto Uzumaki. Aquele filho da puta conseguiu pegar de mim o que eu almejei por tanto tempo, mas agora não, agora eu tenho você, minha cara. - Ele falava com tanta calma que me assustava, ele não conseguia aceitar um não?

- O que ele fez com você, Toneri? - Questionei-o levantando o olhar, ainda mantendo a voz baixa.

- Me tirou você, ele não tinha o direito de passar por cima do acordo feito com nossas famílias. Você me pertence, Hinata. Você recusou o casamento arranjado comigo, mesmo sabendo que eu era o pretendente, apenas para ficar com ele. Não entendo. - Toneri sempre soube sobre minha opinião com casamentos arranjados, não é porque minha família faz isso significaria que fosse segui-la, mesmo com as consequências que vieram a mim.

- Você é um louco, não trocaria Naruto por ninguém! - Falei mais alto, para entender que eu não faria as vontades dele.

- Ele não vai te tirar de mim, Hime. Entenda. - Sua tranquilidade era transmitida de forma falsa, sei que ele não é nada disso, eu conheço ele, por dentro deve estar se controlando muito.

- Não sou sua Hime, também não falarei nada sobre Naruto pra você nem ninguém! - Espero que isso tenha ficado claro a ele.

- Sasori. - Ele gritou do porão, dando um eco incrivelmente alto no cômodo, logo o ruivo aparece no lugar, com um soco inglês. "Merda", penso. Algo vai dar errado. - Não precisarei usar isso, apenas vou precisar de novas cordas e um pano para fechar a boca dela... - Não deixei de ficar aliviada por esse esclarecimento. - ...por enquanto. - Ele completa sua fala fazendo meu coração bater apressado, eu serei agredida por ele mesmo? O ruivo sai da sala após assentir em silêncio com o albino, deixo a cabeça baixa, sem encara-lo, ciente de que o olhar do homem a minha frente está sob mim. Logo Sasori volta a sala com os pedidos do chefe, com sua voz quebrando o silêncio do lugar:

- Mais alguma coisa, Toneri-san? - Ele olha para o albino, esperando a resposta.

- Não, pode ir. Já devem estar a caminho daqui. - Eles quem? Me pergunto, será que é Naruto ou a polícia? Por Kami, que seja eles. - Está com fome ou sede? Posso lhe dar se nos dar algum a informação. - Confesso que minha garganta queimava pedindo por água, mas diante das circunstâncias terei que aguentar, Toneri não tirará nada de mim, a não ser sangue, caso queira usar violência.

- Não lhe falarei nada. - Foi mais um sussuro do que uma fala, não duvidaria se ele não tivesse escutado.

- Se não falar nada ficará sem comer ou beber, é isso que deseja? - Ele com divertimento na voz, acho incrível como ele não se sente mal causando tanto sofrimento as pessoas.

- Sim, é o que desejo. - Falei calma, mesmo em meu interior eu estar mais confusa e agitada do que transpareça. Uma risada é solta por Toneri enquanto saia do lugar, mas ele da um passo para trás e se vira.

- Então boa sorte, Hyuuga. - E com isso sai do porão, me deixando sozinha e desesperada." Naruto, onegai, me ache. " meu pensamento faz um pedido de socorro, mesmo ele não sendo alcançado por ninguém.

《□■□》

Não sei quanto tempo passou, mas em um certo momento em meio ao silêncio Toneri surge com Sasori e Deidara, tenho medo do que eles podem fazer, instintivamente me encolho na cadeira com os olhares lançados a mim. Devem haver mais seguranças cuidando da casa, os três nunca estariam juntos aqui se não houvesse.

- Ora Hinata, estamos aqui de novo, acho que você tem coisas a me dizer sobre Naruto, não é? - A voz de Toneri corta o silêncio.

- Não conseguirá me pressionar, Toneri. Você sabe. - Ele sabe que eu sei de muitas coisas, que eu poderia limpar a ficha dele na polícia, já que Naruto é o delegado, mas nunca faria isso nem que para isso eu seja morta.

- Como já esperávamos. - A voz do loiro é referida a mim, nesse momento a determinação se apodera de mim, mesmo o medo e desespero estando presentes.

- Calma, Deidara, já está querendo se divertir? Teremos tempo, antes vamos tentar obriga-la a falar. - Sasori fala pela primeira vez ali na sala, com um sorriso sádico no rosto. Como se divertir? Meu interior gela, será que eles tentariam fazer alguma coisa comigo. Kami me ajude.

- Então vamos começar com os procedimentos, Sasori. Quer dar as honras? - Toneri se pronuncia, com seu típico sorriso sínico.

Então quando menos percebo, já recebo um soco no estômago, o ar me falta, mas o meu tempo de recuperação não é respeitado, pois sinto uma sequência de socos fortes no rosto, sentindo a dor de cada um deles, a cada segundo de agressão que passa parecem horas e quando o ruivo para, consigo sentir o líquido quente escorrendo por meu nariz e o canto da boca, que arde de uma forma intensa.

- Tem certeza que não quer falar nada, boneca? - Sasori me pergunta, mas levo um tempo para compreender o que ele fala, meu raciocínio foi comprometido pelo desgraçado. Eu sei o que eles queriam, queriam saber sobre a delegacia e sobre os horários de entrada e saída de Naruto, para fazer seja lá o que é. Mas não comprometerei ninguém, disso eu sei.

- Vão pro inferno. - Falo baixo, sentindo dor no canto da boca em cada palavra dita, mas não me arrependo. Logo sinto novas dores, mas agora é no corpo inteiro, fui tirada da cadeira em instantes e jogada no chão bruscamente, com ondas de dores causadas por socos e chutes, não causadas por uma só pessoa, mas sim pelos três homens. Tenho certeza que algumas costelas minhas foram quebradas com a intensidade dos chutes, cada machucado novo me fazia soltar um novo grito de dor, junto com lágrimas que desciam fartas sobre meu rosto, que ainda era alvo de pancadas fortes.

- Tem certeza absoluta Hyuuga? - Falara Toneri, se pronunciando finalmente, fazendo os capangas pararem de me espancar.

- Vai se fuder, Toneri. - Falei colocando toda minha raiva nessas três palavras mágicas.

- Que pena, pois não vai ser apenas isso, minha cara, você vai se arrepender por isso. Tirem a roupa dela, agora! - Toneri fala autoritário, os homens nem hesitam em começar a tirar a jaqueta de couro, após a bota, com todo o desespero tomando conta de meu ser, revido, dando um soco no rosto seguido em um outro soco no estômago de Deidara o deixando atordoado , logo em seguida uma joelhada nas partes íntimas de Sasori, o fazendo cair no chão gemendo de dor, tento levantar e sair correndo, mas além das minhas pernas me traírem, meu cabelo é puxado bruscamente para trás, era Toneri, que me derruba e chuta fortemente uma das costelas, me fazendo soltar um grito de dor que ecoou no lugar, dando espaço a novas lágrimas. - SUA MALDITA. – Mais um chute em meu corpo. - SEUS IMBECIS, NÃO CONSEGUEM NEM DAR CONTA DE UMA POLICIAL SOZINHA E SEM ARMAMENTO. - Toneri desconta toda a raiva nos homens que se recuperavam dos golpes dados. – Esperem a vez de vocês para sua diversão, irei primeiro.

- NÃO, NÃO PODE FAZER ISSO COMIGO! - Grito em pleno desespero e medo, não poderia deixar isso acontecer. Toneri chega perto enquanto eu me arrastava para o mais longe possível, mas sou segurada e minha blusa é a arrancada de mim, revelando meu sutiã preto, os olhares deles me diziam que era pra temer, temer muito ao que fariam. Quando eles iriam tirar a minha calça jeans, agora suja de sangue, um barulho de tiro é ouvido, em seguida, a porta sendo arrombada, fazendo um barulho enorme. Quase temi, mas suspirei aliviada ao saber que eram da polícia, e agradeci a Kami quando vi meu loiro entrando no porão, seguido de guardas, que já estavam contendo os outros capangas de Toneri.

- Você está preso em nome da lei, Toneri. Se renda. - Naruto fazia seu trabalho perfeitamente bem, ele ainda não tinha me visto, mas meus colegas sim, e se assustaram com minha situação. Sasori pegou sua arma escondida e atirou no policial que o segurava, vindo em minha direção, me levantou bruscamente e apontando a arma minha cabeça, ameaçou:

- Se atirar nele, ela morre. - Ele mais cuspiu as palavras do que falou, a fúria era perceptível em seu tom de voz. Vi Naruto perder a cor quando me olhou, eu realmente estava acabada e cheia de sangue, foda-se se eu estava apenas de sutiã, isso é o que menos importava nesse momento. Vi a fúria controlando Naruto, seus olhos chegaram a ficar vermelhos de tanta raiva.

- Hinata.. - Ele sussurrou pra si, a surpresa de me encontrar daquele jeito logo deu espaço para uma fúria incontrolável de sua parte, enquanto eu tentava não desmaiar naquele momento, o que eu sentia que iria acontecer. - SEU FILHO DA PUTA, ACHO MELHOR SOLTAR ELA. - Ele tinha perdido o controle, eu precisava agir.

Deidara tenta se soltar e de alguma forma, Kiba, o policia que estava contendo ele, deixa a arma cair em uma investida de Deidara, que tenta pegara arma o mais rápido possível, mas Kiba chuta a arma para perto de mim, enquanto tentava segurar o loiro, meu plano era simples, eu devia fazer uma distração para dar tempo e pegar a arma. Apenas precisava me abaixar pouco, mas isso iria chamar a atenção de Sasori, eu estava de mãos atadas. Naruto parecia com uma raiva enorme.

- Ou o que, delegado? Investigamos sua vida, seu único ponto fraco é ela, então é simples, mato ela e você mata Toneri, uma perda para cada lado, é justo. - Sasori tinha um sorriso sádico. Toneri fuzilava Sasori com o olhar.

- Está esquecendo que sou seu chefe, não é, Sasori? – Sasori manteve seu olhar frio e arrogante para Toneri.

- Não, não esqueci, mas quem tem mais chances de sair daqui sou eu, não você. – Então Toneri parte pra cima de Sasori, com uma fúria pairando em si, o ruivo me joga no chão, me fazendo gemer de dor, mas isso não me impede de me arrastar até a arma. Era dessa distração que eu precisava. Essa conversa me permitiu, engatilhar a arma, apontei sem mira certa em Sasori e disparei, mas não foi o único disparo, quando percebi uma queimação na pele, seguida de uma dor horrível, havia sido atingida, ao olhar Sasori, ele se engasgava com o próprio sangue, enquanto caia de joelhos. Ao lado, Toneri estava sendo preso.

Olhei ao redor, vendo minha consciência se esvair aos poucos, pude ver apenas Toneri sendo preso e Naruto vindo ao meu encontro, ele parecia gritar, mas eu não escutava nada além de um zumbido, dou um sorriso quase imperceptível e me entrego a escuridão, não sabendo se era a morte me levando, ou apenas uma consequência das agressões. Só sabia que estava nos braços de Naruto, e isso já era um conforto ótimo em saber que talvez tivesse chances, ou não tivesse, mas mesmo assim, me sentia pronta pra morrer.

《■□■》

Meus olhos ardem. E isso é motivação o suficiente pra deixar os olhos fechados. A claridade machuca, mas não posso me dar ao luxo de fingir que não quero saber o que aconteceu. Não lembro de muita coisa, apenas alguns breves flashes. O sequestro, Toneri e tiros. Ai Kami-sama! Tiros. Eu fui baleada. Essa constatação me faz abrir os olhos rápido demais, meus olhos ardem mais que antes. Minha visão percorre meu corpo, não deixo de ficar surpresa ao ver que estou cheia de ferimentos e machucados. Vejo que meu braço direito enfaixado, deve ter sido ali onde o tiro acertou. Percorro meu olhar para o quarto, reconheço o lugar, deveria estar em um quarto de hospital. Mas o que realmente surpreende é ter um loiro com a cabeça encostada na borda da cama, dormindo. Sem pensar muito, levo minha mão esquerda -a única boa – para seus cabelos, fazendo um carinho ali, lançando um carinhoso olhar. Como senti saudades dele. Aos poucos ele vai despertando, me olhando com uma preocupação perceptível a quilômetros.

- Hinata! – Naruto fala com emoção na voz, se levantando rápido e me abraçando com o maior cuidado possível. – O que está sentindo? Está bem? Tá doendo? Fiquei tão preocupado com você. – Não deixo de sorrir diante dessa reação, mas logo sinto meus olhos arderem, mas dessa vez embaçando um pouco a visão. Puxo ele para um abraço forte, pressionando ele contra mim, eu precisava disso. Finalmente as lágrimas escaparam, junto com arfar de dor, eu ainda estava machucada. – Hey, calma Hime. Estou aqui com você. Está tudo bem... quer que eu chame o médico? – Ele passava tranquilidade, o que eu mais precisava no momento.

- O que aconteceu? – Falo baixo, secando as lágrimas que escorriam. 

– Depois que você desmaiou, nós conseguimos prender Toneri, Sasori e Deidara foram para a emergência, mas Sasori não sobreviveu, Deidara está sendo encaminhado para a prisão. Você atirou bem em Sasori, como sempre a sua mira é ótima. – Ele solta um pequeno suspiro desviando o olhar para a janela, mas logo volta a olhar em meus olhos. – Eu fiquei preocupado, se passou três dias que você estava desacordada, a Sakura-Chan disse que se você não acordasse até amanhã era possível que você ficasse em coma, quando ela disse isso meu mundo desabou, porque foi culpa minha tudo isso que aconteceu. Eu fiquei desesperado quando vi que você estava sendo levada, corri pra delegacia e localizamos pela placa. Eu te amo, Hina, se eu te perdesse não sei o que faria, você é meu mundo. – Naruto fala com tanta convicção que quando percebo já estou chorando.

- Eu também te amo muito, Naruto, não foi culpa sua, eu não deveria ter corrido como uma louca. – Solto uma pequena risada, fazendo Naruto rir também. – Pelo menos eu estou aqui, bem, ou pelo menos eu acho que estou. O que a Sakura disse que eu tenho? – Realmente estava curiosa, meu corpo estava todo dolorido e eu queria saber o que tinha quebrado.

- Você quebrou 3 costelas, tem vários hematomas de espancamento e você foi baleada no braço, por enquanto não há risco, mas terá que se afastar um tempinho da delegacia para descansar. E também ficou desidratada. – A voz dele denunciava a raiva que ele sentia por eu ter sido espancada de forma tão injusta, tres contra um (sendo que o um já estava machucado) não é digno de se considerar uma luta. – Eles acabaram com você, eu deveria estar lá antes de tudo isso acontecer, mas cheguei quase no final, quando eles estavam quase pior parte. – Podia perceber a dor que Naruto sentia ao falar aquelas palavras, se culpando dessa forma, peguei sua mão e apertei, fazendo ele olhar para mim.

- Não se culpe por algo que não tem culpa, Naruto. Você pode ter chegado depois que eles me bateram, mas chegou antes que a pior parte acontecesse, a que mais machucaria minha alma. Esta tudo bem. Só preciso de comida agora. – Falo dando um sorriso simples, ele assente e logo volta com Sakura-Chan e um prato de sopa. Não consigo esconder a cara de desânimo, fazendo os dois presentes na sala darem uma gargalhada.

- Sakura-Chan, sopa não! – Falo manhosa, a olhando com olhar pidão.

- Sopa sim, senhorita Hyuuga. Precisa de comida saudável. – Ela fala em meio as risadas. – Por enquanto seu quadro está estabilizado, mas ainda está sob observação, vai receber alta amanhã ou depois. Sente dores? – Ela pergunta com calma, me olhando.

- Sinto, principalmente nas costelas. Isso é normal?

- Sim. Não se preocupe. Precisa tomar banho depois, aí só chame as enfermeiras. Preciso ir, se cuide, Hina-Chan. – Ela fala dando um beijo na minha bochecha e sai, deixando Naruto e eu sozinhos.

- Se quiser eu posso te dar banho. – Naruto fala com malicia na voz, me fazendo soltar uma gargalhada.

- Acho melhor não, Naru, estou toda quebrada e você não vai se contentar apenas em banho. Fica pra próxima. – Falo dando um sorriso.

- Aff, tudo bem então. Mas eu quero que saiba que vou cobrar. – A gargalhada dele foi gostosa de escutar, dou meu melhor sorriso e pego na sua mão. – Eu te amo, Hina.

- Eu te amo, Naru. – Naruto se aproxima e termino nossa distância iniciando um beijo de saudade.


Notas Finais


Foi isso, espero que tenham gostado. Não deixem de me seguir.
Beijooos ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...