1. Spirit Fanfics >
  2. O seu jeito | Kim Namjoon >
  3. 🍑01

História O seu jeito | Kim Namjoon - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olha quem voltou!
Agora estou trazendo mais uma obra de minha autoria. Espero realmente que gostem. Comentem, favoritem e compartilhe com quem gosta desse estilo.
E se cuidem. Não saiam de casa, só se for extremamente necessário. Lavem as mãos e passem álcool em gel.
Boa leitura!

Capítulo 1 - 🍑01


South korea, Seul

13:30 p.m


P.o.v Hye-jin


Com toda a certeza desse mundo todo, mudança é algo bem chato e cansativo. E não adianta vir com aquele papo "mas mudar faz bem" , o caramba! Não aguento mais carregar caixa por essa escada enorme. De quem foi a ideia de fazer os quartos lá em cima?


E por incrível que pareça, ou não, eu não estou chateada com minha mãe, ou brava por estar me mudando, eu só estou cansada de carregar essa bagagem toda para o segundo andar. Céus, de onde eu tirei tanta coisa?


Chego na porta de cor clara e amadeirada do meu novo quarto, depositando as últimas caixas sobre o piso levemente escorregadio, me jogando no chão logo em seguida levemente ofegante. Fazer umas 5 viagens subindo e descendo escadas não é para qualquer um, só os fortes conseguem.


— Hye. — minha mãe aparece na porta, com um pano em seu ombro de cor lilas, e outro em sua mão da mesma cor. — Hye! O que eu te disse sobre se jogar no chão antes de limpa-lo? 


Minha mãe poderia ser um pouco- ou muito - preocupada com a minha saúde, ou até mesmo psicopata por conta disso. Eu até que tento entender seu lado por eu ser filha única, mas as vezes é difícil.


Ela está assim desde que meu pai saiu de casa para trabalhar e não voltou mais. Ela tem medo de me perder também, por isso não reclamo.


— Mãe, eu estou cansada e a única coisa que eu pensei, foi em me jogar nesse chão e descansar meu lindo corpinho. — sorrio, tentando convencer ela a me deixar ficar em paz pelo menos um pouco.


— Mas o chão não é lugar de se deitar. Anda, levanta daí! — Ela pega uma vassoura, começando a passar para me expulsar do chão.


— Ta bom, ta bom, já estou saindo mulher, calma. — Me levanto rapidamente, antes que ela me varra por inteira. — ainda quero casar, sabia?


Por sua vez, a mais velha estala a língua no céu da boca várias vezes, fazendo com que eu franzisse a minha testa.


— Minha filha, eu já te disse, homem nenhum presta. Por mais educado, atencioso e engraçado que seja, todos eles não prestam. — balanço levemente minha cabeça de forma negativa, rindo anasalado. — Agora vai arrumar suas coisas. Estarei lá em baixo para preparar o jantar. 


Ela me entrega a vassoura, logo seguindo seu caminho até a cozinha.


Eu não entendo essa sua paranoia com os homens. Ta, eu até entendo, mas nem todos vão ser que nem o papai e me largar.


Solto um suspiro cansado, enquanto varria o local que estava um pouco sujo.


[...]


Me jogo no chão, agora completamente limpo e brilhando. Dava até pra ver o meu reflexo. Solto uma risada por conta do meu pensamento.


— HYE, VEM COMER. — já era umas 14:30 e minha mãe já quer que eu coma. Essa mulher quer me engordar só pode.


— VOU SÓ TOMAR UM BANHO. — grito de volta, suspirando cansada e me levantando daquele chão gostoso e gelado. 


Me direciono até minha meu guarda-roupa, pegando uma peça confortável para passar a noite, uma toalha e um sabonete líquido que cheira muito. 


Caminho lentamente até o banheiro que tem em meu quarto, trancando a porta atrás de mim. Tiro minha roupa por completo, colocando no cesto e entrando no box. Ligo o registro, deixando a água levemente fria bater em minha pele, me relaxando por completamente.


Depois de terminar o banho, já me encontrava com meu pijama de seda fresquinho. Começo a descer as escadas, indo até a cozinha e encontrando minha mãe em frente ao fogão.


—Quer ajuda mamãe? — falo perto dela, espiando a comida que seria, com as mãos nas costas. Ela leva um pequeno susto, fazendo com que eu dê uma risadinha.


—Você ainda vai me matar um dia desses menina!— fala em um tom de repreensão, me fazendo segurar o riso agora. — E não, não preciso de ajuda.


—Eu nunca faria isso com a senhora, mamãe. — falo me aproximando dela, a abraçando por trás — Eu te amo! — sorrio, depositando um selar demorado na bochecha da mais velha.


—Aish, também te amo meu bebê. —ela fica toda bobinha, me fazendo sorrir com aquilo.


Sempre fui muito aberta com minha mãe, e sempre conversei com ela, independente do assunto. Eu amo a minha mãe, e farei de tudo para retribuir tudo que ela faz por mim todos os dias.


Apesar dela não ter falado que não precisava de ajuda, começo a arrumar a mesa para nós duas. 


Minha mãe havia cozinhado Budae jjigae apenas para nos duas, e confesso que aquilo havia me dado água na boca. 


Me sento na mesa em frente a mais velha, pegando meu hashi o prendendo entre meu dedos, agradecendo em seguida pela comida.


— Humm, deve estar muito gostoso mãe. — pego um pouco do Bundae colocando em minha boca, apreciando o sabor em seguida —está perfeito! Deveria abrir um restaurante como nossa fonte de renda. —falo tudo com a boca um pouco cheia.


—Não sei filha... mas prometo que irei pensar nessa possibilidade —ela dá um sorriso, me fazendo sorrir também.


—Pense direitinho. — volto a comer rapidamente, apreciando cada sabor.


[...]


Estava deitada de barriga para cima em minha cama, enquanto lia algo no meu celular. 


Depois de ajudar minha mãe com a louça, vim direto para cá fazer vários nadas. 


Amanhã seria um dia um pouco cheio. Pois será meu primeiro dia de aula. Confesso que estava nervosa, ainda mais por eu ser tímida. Só por isso mesmo, até por que eu não ligo para o que dizem ou acham da minha aparência. Eu amo minha pele bronzeada, meus olhos puxadinhos - mas não tanto -, e meu lindo cabelo, parecendo molinhas com uma cor escura.


Suspiro ansiosa e nervosa, deixando meu celular com o despertador. Me ajeito por baixo dos meus lençóis, me aconchegando ali e dormindo em seguida.


South korea, seul

6:30 A.M.


Me espreguiço na cama, assim que ouço meu alarme tocar, desligando ele em seguida. Me sento na cama, bocejando de sono. 


Me levanto, indo para o banheiro fazer minha higienes, tomar banho e entre outras coisas. 


Meu uniforme até que era bonitinho, estilo anime. Só não me sentia confortável com aquelas saias, um pouquinho acima dos joelhos. E a camisa social com um colete, marcavam um pouco demais o meu busto. Deixo essas coisas de lado e coloco meu óculos de armação redonda, e em seguida pegando minha mochila e descendo. 


Já na cozinha, vejo minha mãe ajeitando a mesa. Deposito um beijo em sua bochecha e ela faz o mesmo na minha. Tomamos o café da manhã.


Me levanto e ajeito meu cabelo, amassando um pouco ele, fazendo dedinho em alguns cachos e só.


— Boa sorte no seu primeiro dia filha! — ela sorri e acena, enquanto me vê subindo na bicicleta.


— Até mais tarde mãe — mando um beijo no ar para ela, começando a minha trajetória para o colégio.


[...]


Já estava em frente ao colégio. Respiro fundo e sorrio.


Seja você mesma Hye! — falo baixo para mim mesma, andando até o estacionamento de bicicletas, colocando a minha alí e travando. 


Seguro nas alças da minha mochila, começando a andar para dentro do colégio. 


Ao adentrar no edifício, sinto alguns olhares sobre mim, logo abaixando um pouco a minha cabeça. 


Estava andando até a diretoria de cabeça baixa, até que esbarro em alguém alto, me fazendo ir um pouco para trás e olhar para cima.


— D-desculpa.. — faço uma reverencia, um pouco envergonhada.


O menino sorride forma doce, fazendo com que seus olhos virassem dois risquinhos e as suas covinhas aparecessem. Me encanto com a beleza daquele garoto, me fazendo corar um pouco e desviar o olhar, reprimindo os lábios.


— Tudo bem. Quer ajuda? — pergunta de um jeito calmo, fazendo eu voltar a olhar seus olhos escuros.


—se... não for muito incomodo.. — Droga de timidez — poderia me informar onde fica a diretoria?


— Sim. Fica logo mais para frente, à esquerda. — ele me indica o caminho.


— obrigada. — sorrio timida e me curvo — e desculpa mais uma vez — falo, começando a andar.


— Não precisa se desculpar. Até algum dia. —ele sorri e vira de costas, indo para algum lugar.


Suspiro, voltando ao meu caminho até a diretoria.


De alguma forma, ele mexeu comigo.


Sorrio com meu pensamento, olhando para frente pra não esbarrar em mais ninguém.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!
Muito obrigada por ler e até a próxima 💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...