História O Seu Toque (ABO) - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Abo, Fluffy, Lemon, Originais, Shonen-ai, Violencia, Yaoi
Visualizações 41
Palavras 2.027
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shonen-Ai, Sobrenatural, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi gente, e aí? Tudo bem com vocês?
Então, um outro dia eu estava conversando com a minha amiga (DUDA, EU SEI QUE VOCÊ TÁ VENDO!), e pensei em postar uma oneshot Larry... O que vocês acham? Menos você, Duda.
Ah, antes de lerem o capítulo, eu preciso de alguém para fazer uma capa para a história. Se conhecer alguém ou quiser fazer, por favor entre em contato.
Bjs, boa leitura!

Capítulo 3 - Conhecendo o território


O Seu Toque

“Conhecendo o território”

Iuri abriu os olhos, se sentando lentamente.

Havia acabado de acordar. Depois de muita insistência, acabou por dormir mais ao fundo da caverna. Ficou com medo, afinal, quem não ficaria com uma caverna escura e assustadora atrás de si? Então, para não passar vergonha e pedir para dormir com os maiores, tentou dormir o mais rápido possível, o que funcionou.

Levantou-se vendo que os mais velhos ainda dormiam, então tentou acordá-los. Os dois tinham leves ereções matinais, mas nada com que se preocupar.

Iuri começou a sacudir Edward, que parecia o mais fácil de se acordar, mas acabou sendo surpreendido por dois braços circulando sua cintura, o puxando para deitar.

– Veio deitar comigo, pequeno? – Perguntou Adam, um pouco embriagado pelo sono, já deitado com Iuri entre seus braços.

O menor corou e se desviou dos braços do alfa, o olhando em seguida.

– N-não! A-apenas vim acordar vocês dois – disse olhando para qualquer lugar, menos para os olhos de Adam – pela posição do sol, devem ser mais ou menos umas nove ou dez da manhã! Não acha que deveríamos chegar mais cedo? – Perguntou um tanto ansioso, afinal, como seria seu tal noivo? Seria alguém legal e engraçado ou um completo pé no saco?

Adam arregalou os olhos, despertando rapidamente, se levantando e olhando para o céu para conferir as horas, e realmente. Não devia passar das dez da manhã, mesmo assim estava tarde.

O alfa esticou seus braços até Ed e começou a sacudi-lo, até ele acordar.

– Hm... O que você quer? – Resmungou o mais alto dali, ainda querendo dormir mais.

– Cara, acorda! Já são dez horas! – Nem precisou terminar de falar que Ed se levantou em um pulo, tirando a poeira que grudou em si, em seguida ajudando Iuri a se levantar, ajudando o mais baixo a tirar a poeira também.

– Que droga! Por que não acordamos mais cedo? – Iuri corou com o mais velho passando as mãos por seu corpo nu, mesmo que não tenham segundas intenções envolvidas.

– Calma, não está tão tarde... – Falou Adam tentando acalmar Ed.

– Mas é claro que já está tarde! Vamos logo, precisamos correr – Edward falou sério, pegando Iuri no colo, com o mesmo protestando. Adam revirou os olhos levemente.

– Tá bem, me dê ele aqui, eu levo. Você guia – disse esperto. Desde quando Edward confiaria em si para guiar uma viagem?

O mais velho estreitou os olhos.

– Ok... – Adam sorriu e abriu os braços, pronto para pegar Iuri no colo, mas Ed parou e disse baixinho no ouvido de Iuri.

– Se precisar, grite – disse olhando desconfiado para Adam, que já estava impaciente. Iuri assentiu, não entendendo muito bem.

Enfim, começaram a andar até a alcateia. Iuri se sentia estranho. Ainda estava tendo os sintomas do pré-cio, mas agora eles pareciam ter piorado. Seu baixo-ventre ainda doía, mas era suportável.

No meio do caminho, a dor começou a aumentar, até o ponto dele começar a se contorcer de dor.

– O que foi, pequeno? Está se sentindo mal? – Perguntou um tanto preocupado. Edward parou de guia-los para ver Iuri.

– N-nada! E-eu estou b-bem, vamos continuar... – Falou com um pouco de dificuldade, mas os mais velhos não acreditaram.

– Vamos nos sentar ali – disse Edwad, apontando para baixo de uma árvore. Afinal, aquele sol de meio dia estava quente demais.

Antes mesmo de Adam se sentar, Iuri enterrou a cabeça no pescoço do alfa, soltando um gemido sôfrego. Adam sentiu um líquido escorrer das pernas do menor.

– Ed, ele vai perder a consciência! – Falou Adam, usando uma mão para cobrir o nariz. O cheiro de Iuri era maravilhoso, mas não podia arriscar.

Edward entrou em desespero, e tapou o nariz para se manter sóbrio.

– Rápido, se transforme! Assim chegamos mais rápido na aldeia! – Falou Ed, já se transformando em um lobo de pelagem castanho claro, enorme.

Adam colocou Iuri no chão, encostado na árvore e se transformou no lobo negro que Iuri já conhecia.

Iuri entendeu, num fio de sanidade que era para subir em Adam, e lentamente o fez. Adam tinha se abaixado, o que facilitou o menor.

Assim que o menor subiu e se segurou firme, os dois começaram a correr o mais rápido que podiam, para não perderem a sanidade.

Iuri já não estava muito bem...

Adam sentia o mais novo começar a rebolar um pouco, tentando mais contato com o alfa... Ele não estava mais aguentando, o cheiro de Iuri era muito bom! Um ômega no cio todo entregue rebolando sobre si era algo que fazia qualquer alfa largar tudo o que estava fazendo...

Mas não podia! Como Ed disse, ele está noivo, além disso, é uma criança!

Continuaram correndo até verem a entrada da enorme caverna na qual ficava a aldeia...

Isso mesmo, uma aldeia subterrânea.

Não uma aldeia, uma cidade inteira!

Eles correram mais rápido, e conseguiram entrar, com Iuri respirando ofegante, com lubrificante saindo de seu ânus, chamando atenção de alguns alfas e betas ali, afinal, o cheiro estava realmente forte.

Os alfas correram o mais rápido possível em direção ao casarão principal.

Ao chegarem, chamaram mais atenção ainda, pois o casarão era vigiado por alfas.

Desviaram de todos que tentaram alcançar Iuri, que já não estava em sã consciência.

Sentia uma onda de calor enorme por seu corpo, um prazer que precisava ser saciado. Precisava de algo o preenchendo...

Chagaram ao salão, onde o líder e seu filho conversavam com alguns lobos, também alfas.

– Senhor! Logan! – Esbravejou Ed, correndo até o grupo de homens ali, enquanto Adam rosnava para os alfas que se aproximavam de Iuri.

Céus, mas que problemão!

Hugo rapidamente se virou para os três, ao perceber o cheiro do ômega. Como já tinha ômega marcada, o cheiro não lhe afetava. Mas era percebido pelo mesmo.

Por outro lado, Logan mal se controlava... O cheiro de seu ômega era ótimo.

Logan, esse era o nome do tão famoso filho de Hugo. O herdeiro de tudo aquilo.

– Mas o que é isso? – Perguntou o mais velho, tentando afastar os outros alfas de Iuri. A maioria voltou a consciência, ajudando Hugo a tirar os que ainda estavam meio grogues pelo cheiro forte.

– Ele entrou no cio! Safira atiçou os hormônios dele, mas não achávamos que ele entraria no cio mesmo! – Falou Edward, olhando para Iuri, preocupado. E se Logan resolvesse abusa-lo? Se aproveitar da situação?

Não que Edward esteja totalmente no controle de suas ações, mas, depois de Hugo, ele era o mais controlado.

Adam não estava diferente. Nunca sentira um cheiro tão bom em sua vida... Como era o mais novo entre os alfas ali, era o menos experiente, estava mais atiçado, tentando esconder uma ereção entre as pernas.

Droga! Já era a segunda vez que ficava excitado pelo ômega!

Logan era o pior. Estava meio que entre a sanidade e a loucura, mas não poderia machucar seu ômega, e nem deixar que ele passe pela dor do cio só. Ah, porque aquilo estava acontecendo agora? Ele sentia os olhares de Adam e Edward em Iuri, mas pensava que era apenas efeito do cheiro extremamente forte de morangos, com uma pitada de chocolate. Sua sobremesa favorita... Em todos os sentidos que você possa imaginar...

Hugo, vendo aquela troca de olhares entre os alfas, e o cheiro de Iuri se intensificar, foi até a porta do salão e chamou por uma loba empregada, a pedindo para chamar Safira.

Nesse meio tempo Iuri começou a gemer e a se esfregar em Edward. Teriam que resolver isso, e rápido!

– Venha, dê-me Iuri – disse. Como era o único “imune” ao cheiro do ômega, o levaria para longe dos alfas.

– A-alfa...! – Iuri gemeu quando, com muito esforço, Ed o deu para Hugo, esse que antes de sair correndo pela porta, deu de cara com Safira, cheia de ervas em uma cestinha.

– Safira! Chegou bem na hora! O que faço com Iuri? Nunca fiquei com um dócil no cio! – Esbravejou o velho, tentando não demonstrar seu alívio ao ver a irmã de Noma.

– Acalme-se. Deixe-o perto dos meninos – ditou a velha.

Hugo a olhou como se fosse louca.

– Está maluca?! Iuri é um adolescente em formação! Se algum deles perder o controle – apontou para os alfas mais ao canto do grande cômodo, que se controlavam, prestando atenção em casa movimento e gemido que Iuri ainda dava. Coisas como “A-alfa!”, “Tá doendo!”, “Me ajuda, alfa!” ou “Preciso de você!” – Iuri pode engravidar, e isso seria um problema, para o pirralho e principalmente para a alcateia.

Safira revirou os olhos. Hugo não tinha jeito mesmo. Ela pediu que Hugo não saísse dali, ou as coisas ficariam piores. Ela andou até os alfas, e sem desviar atenção do ômega, que chamava algum deles (não dava para saber por quem o ômega queria, pois este só gemia “Alfa!” ou “Você!”). Colocou uma pulseirinha, amarrada a uma folha escura e macia no pulso de cada um, logo os fazendo a encarar duvidosos.

– Eu... Eu não sinto mais o cheiro de Iuri! – Falou Adam depois de alguns seguntos, surpreso.

– Eu também não. Safira – acusou Logan, já cobrando uma explicação da alfa que o encarou com um olhar indiferente.

– Essa pulseira – apontou para o pulso de Adam, esse que mexia na mesma – contém uma folha de araucária. O cheiro, para alfas é tão cítrico que anula até mesmo o cheiro de um dócil no cio, como podem perceber – apontou para Iuri.

Sim, eles sentiam o cheiro de Iuri, mas parecia que o efeito havia se anulado, de repente.

– Ok... Então, o que faremos? – Perguntou Adam.

– Bem... – Safira foi interrompida por Logan, que se aproximava de seu pai e pegava Iuri no colo.

– Eu cuidarei dele. É meu ômega, afinal – disse enquanto sentia Iuri forçar para baixo e roçar em seu membro. Infelizmente (lê-se felizmente) isso ele sentia. Ah, como ele sentia.

Safira negou.

– De jeito nenhum! As folhas podem morrer dentro de algumas horas, e se você estiver perto de Iuri, não terá mais volta! – Agora foi a vez de Safira pegar Iuri, este que apenas choramingou, gemendo baixinho.

– Tá mas o que faremos? Trancaremos ele em um quarto? – Perguntou Ed ironizando, mas Safira assentiu – está falando sério?!

– Sim, quero dizer, teremos que dá-lo alguns brinquedos humanos, eles ajudam bastante – falou se referindo aos brinquedos sexuais que os humanos usavam. Eles tinham algumas coisas dos humanos, mas não se passam de apenas objetos primários. Edward fez uma cara de nojo. – Ou prefere que o coloque nas mãos de um beta? – Perguntou retórica.

– Quem você pensa que ele é?! Eu sou o alfa de Iuri, você deveria perguntar isso para mim, e não para eles. E de jeito nenhum que deixaria Iuri nas mãos de alguém que não fosse nas minhas! Afinal, o que Adam fazia junto de Edward? Eu não tinha dito que, para esse tipo de serviço, apenas Edward?

Safira estava cansada de tantas perguntas e ordens do alfa. Certamente que Iuri teria dificuldades para se apaixonar por Logan, mas ela tinha esperanças.

Via também que Adam e Edward eram uma ameaça ao relacionamento dos dois, mas nisso ela não poderia interferir, afinal, quem realmente mandava era a mãe natureza, essa sim fazia o que queria.

Todos tinham uma personalidade diferente.

Adam era extrovertido e animado. Sabia como manter uma atmosfera boa.

Edward era mais sério e mais responsável, pensava entes de fazer tudo.

Já Logan era mais animalesco e possessivo, uma fera sem nem mesmo precisar de esforço que já foi domada pelo ômega.

Safira se aproximou de Logan e pegou Iuri de seus braços, saindo da sala sem dizer mais nada com o ômega em seus braços, já de longe ouvindo as reclamações e protestos de Logan.

Aquela seria uma longa semana...

Com Iuri no cio, alfas atrás dele e três lúpus morando debaixo do mesmo teto que o pequeno... Safira pedia aos deuses que deixassem Iuri longe de encrencas, e que o jovem ômega reaja bem ao seu primeiro cio.

Com certeza a semana seria longa... Bem longa... Para todos. Seria difícil manter os alfas longe dele, principalmente com o cheiro demasiado forte. Iuri sofreria bastante. Mas ele é novo demais para engravidar, então não passará o cio acompanhado... O que será que vai acontecer?

Até o próximo...


Notas Finais


Espero que tenham gostado!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...