1. Spirit Fanfics >
  2. O Sol a Lua e a verdade >
  3. Amigos - Parte I

História O Sol a Lua e a verdade - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Hey. Eu sei que demorei, mas é que ocorreram alguns imprevistos. o dia em que eu ia postar faltou energia na metade da rua para cima e como eu tenho uma ótima sorte, minha casa fica na parte de cima da rua, ou seja não deu.Espero que entendam meus motivo. Espero que gostem do cap, ele foi dividido em duas partes.

Capítulo 15 - Amigos - Parte I


Percy ainda estava abraçado a Annabeth quando ela pediu para que ele a tirasse daquele lugar. A loira se sentia totalmente fraca, e dali alguns segundos os sócios desceriam e iriam encontrá-la naquela situação. E isso era tudo que ela menos queria. 

O moreno vendo o estado da garota que estava em seus braços fez o que lhe foi pedido. Já no carro Annabeth tentava secar as lágrimas que ainda insistiam em cair, Percy preocupado perguntou:

– Você está bem? - o moreno se sentiu um tolo, já que a garota não aparentava estar bem.

Annabeth só lhe direcionou um sorriso para mostrar que estava bem, a loira achou legal da parte dele se preocupar com ela, mas uma lágrima teimosa desceu por seu rosto, Percy quase que instantaneamente esticou a mão direita e secou a lágrima, a loira fechou os olhos assim que Percy tocou seu rosto. O moreno aproveitando que a loira estava com os olhos fechados analisou bem cada traço angelical de seu rosto, desde sua sobrancelha um pouco arqueada, até seus lábios levemente rosados. Depois de alguns minutos Percy tirou a mão do rosto de Annabeth o que fez com que ela abrisse novamente os olhos.

– Percy? - Annabeth disse depois que o moreno se virou para frente.

– Sim? - Percy disse ainda atordoado.

– Você poderia me levar até o apartamento dos meus pais? - Ela perguntou receosa.

– Claro. - Percy respondeu - Onde fica?

– No Upper East Side. - Annabeth disse menos receosa já que ele a levaria.

O caminho foi silencioso, Annabeth só dizia a direção que Percy deveria tomar. Quando chegaram, os dois se dirigiram até a portaria, onde foram cumprimentados por Philipe, o porteiro. O senhor ficou feliz em ver Annabeth novamente no prédio. Depois subiram até o andar onde Annabeth morava há um mês. Quando a loira abriu a porta, ela esperava encontrar o local sujo, já que tinha passado um mês que ninguém morava naquele apartamento, mas ao contrário disso, o lugar estava devidamente limpo, o que pegou a loira de surpresa. E tal fato só significava que alguém tinha passado por lá, mas Annabeth deixou para pensar nisso depois.

Percy também se surpreendeu ao entrar no apartamento, a sala era bem ampla, no meio dela possuía um grande sofá preto, e atrás dele tinha uma espécie de mesa onde tinha diversos portaretratos. A decoração da sala era incrível, a cores claras das três paredes davam contrastre com a parede cinza, onde estava televisão. A cor cinza fez com que Percy se lembrasse de uma tempestade, e com isso ele também se lembrou dos olhos de Annabeth. O moreno balançou a cabeça e tentou prestar atenção no resto do cômodo, do seu lado direito tinha uma enorme cortina cinza claro o que denunciava que atrás dela existia uma janela tão grande como a cortina. Percy ainda analisava a sala, quando Annabeth chamou sua atenção.

– Se quiser pode ligar a televisão. - Percy só assentiu com a cabeça, e logo depois viu Annabeth subir as escadas.

O moreno se aproximou do sofá e analisou as fotos que estavam na mesa, em muitas delas Annabeth estava presente, uma em particular chamou a atenção do rapaz. A foto mostrava uma mulher alta e sorridente que estava com o braço no ombro de uma... Parecia que uma versão menor dela. Logo, o moreno notou que se tratava de Annabeth e sua mãe, as duas possuíam os mesmo olhos cinza tempestade os cabelos, praticamente dourados devido o a luz do sol. A única diferença entre as duas era que Annabeth tinha os cabelos cacheados, já a outra mulher estava com o cabelo liso. Depois de analisar o restante das fotos, Percy ligou a TV e esperou Annabeth descer.

Já no andar de cima, Annabeth se deparou com o enorme corredor, primeiro ela foi até o seu antigo quarto. A garota já esperava encontrar ele limpo como o andar de baixo estava. Ela analisou o quarto que só estava mobiliado já que suas coisas pessoais foram levadas para a casa da Thalia, depois de passar no seu quarto, ela caminhou até o quarto de seus pais.

O cômodo estava como foi deixado. A enorme cama ainda estava no meio do quarto, coberta de lençóis amarelos e logo atrás dela uma enorme cortina igual a da sala só que dessa vez ela era branca. Ao lado da cama tinha dois criados mudos, em cada um tinha um abajur e um porta-retrato, Annabeth passou direto e se encaminhou ao closet, logo na entrada encontrou os inúmeros pares de sapato de sua mãe, ao entrar mais um pouco ela pode visualizar os diversos vestido de Atena, a garota pegou um vestido longo azul e o aproximou do rosto. A fragrância do perfume de sua mãe

ainda era muito presente, o que fez com que Annabeth fechasse os olhos impedindo que lágrimas caissem. Ela devolveu o vestido no lugar e foi até a parte que pertencia a seu pai, lá a loira encontrou as diversas gravatas de Frederick, e logo depois ela caminhou até a penteadeira em que sua mãe costumava se arrumar.

Quando tinha festas que seus pais eram convidados, Atena se sentava em frente ao espelho e penteava seus longos cabelos loiros, Annabeth admirava a mulher se arrumar escondida entre os vestidos de Atena, logo depois entrava seu pai com a gravata em volta do pescoço ainda sem o nó, Atena ria do marido que fechava a cara, a mulher andava até ele arrumava adequadamente a peça e lhe dava um selinho, depois ela olhava na direção da filha e a chamava para um abraço. Depois disso os dois colocavam a filha na cama e se despediam dela.

Annabeth voltou à realidade e começou a procurar a tal caixa que sua mãe dissera no vídeo. A loira a encontrou na última prateleira acima dos vestidos, Annabeth olhou em volta a procura de algo que a ajudasse a alcançar a caixa e encontrou uma cadeira, ela subiu e quanto estava quase alcançando o objeto, a loira se desequilibrou, ela fechou os olhos esperando o encontro com o chão, mas só ouviu o som da caixa, logo depois sentiu dois braços a segurarem, que por sinal já eram conhecidos por ela.

– Está bem? - Percy perguntou assim que soltou Annabeth. A loira passou a mão na barriga ainda assustada, se ela tivesse realmente caído, ela poderia ter perdido seu bebê.

– Estou. - ela disse ainda atônica.

Os dois se abaixaram para pegar as coisas que caíram da caixa, Annabeth pegou a foto do casamento de seus pais, ela a admirava quando uma voz grossa chamou sua atenção:

– São seus pais? - Annabeth olhou para seu lado esquerdo onde Percy estava.

– Sim. - a loira respondeu e voltou a olhar a foto.

Percy estava indeciso se contava que Thalia lhe dissera o que aconteceu com os pais da loira, ou deixava que ela contasse quando achasse melhor. O rapaz de olhos verdes optou por fazer um comentário:

– Fiquei sabendo do que aconteceu com seus pais. - o moreno disse analisando a expressão da loira - Se quiser falar sobre isso. - Percy disse, mas depois viu que parecia estar pressionando ela a falar. - Clã...Claro se você quiser. - o moreno se embaralhou para falar, já que estava nervoso. Annabeth soltou uma risadinha diante o nervosismo de Percy.

A loira travava uma batalha mental entre contar ou não para Percy como se sentia. O moreno se mostrou ser uma pessoa confiável nos últimos dias, mas Annabeth só o conhecia a menos de uma semana, achava muito cedo para falar sobre isso com ele. Quando ela decidiu o que fazer, um barulho vindo do andar de baixo chamou a atenção deles.

Percy desceu sendo seguido por Annabeth, o moreno estendeu os braços para trás como se fizesse um escudo para Annabeth, a loira sentiu-se estranha diante o movimento do moreno, quase ninguém fazia isso por ela, a não ser seu pai e certo cara loiro que ela ainda tentava esquecer.

– Você fica aqui e eu vou ver o que é. - Percy disse sussurrando e Annabeth abriu a boca para discordar, mas o moreno fez sinal de silêncio e continuou aos sussurros - Pelo bebê.

Annabeth mesmo contrariada, ficou na sala vendo Percy ir na direção da cozinha.

O moreno estava quase chegando ao que ele deduziu ser a cozinha, quando sentiu algo bater em sua cabeça.

– AI! - ele disse alto e olhou para seu lado esquerdo.

O moreno se virou já com o punho fechado para bater em seu agressor, quando encontrou uma mulher de tamanho médio, cabelos grisalhos segurando um daqueles rolos de macarrão, e com certeza o moreno não bateria naquela senhora. A mulher ameaçou levantar o rolo para bater em Percy, quando uma voz a sobressaltou.

– Percy você está bem? - Annabeth disse olhando para a cabeça do moreno, ela ainda não tinha notado a presença da mulher até que a mesma falou:

– Menina Chase? - Annabeth olhou assustada na direção da voz.

– Marta! - a garota exclamou feliz e foi abraçá-la.

– Vocês se conhecem? - Percy perguntou ainda com a mão na cabeça e com cara de dor.

– Claro. Ela era nossa governanta. - Annabeth respondeu.

Marta começou a trabalhar para Max, ainda muito nova, e quando Atena voltara para Nova York junto com o marido e a filha, Max pediu que ela fosse trabalhar com sua filha, e como Atena já a conhecia aceitou de bom grado os serviços de Marta. A mulher criara muito afeto por Annabeth e a garota pela mulher.

– Você o conhece menina Chase? - Marta perguntou para Annabeth que assentiu com a cabeça. - Mil perdões rapaz. Achei que fosse um ladrão. - a mulher disse envergonhada - Venha colocar gelo. - ela disse adentrando mais na cozinha sendo seguida pelos dois jovens.

Percy se sentou e esperou que Marta lhe trouxesse o gelo, Annabeth também se sentou e começou a conversar com a senhora de cabelos grisalhos.

– Então é a senhora que esta mantendo o apê limpo?

– Sou sim. - Marta disse ainda virada para a geladeira - Seu avô quer que ela continue limpa. - agora ela já se encontrava olhando na direção dos dois. - Eu sinto muito pelo que aconteceu menina Chase. - a senhora disse com pesar. - Eu não consegui descobrir onde você estava. Se não teria ido ter ver antes.

– Que isso Marta. Aliás eu estou morando na casa da minha amiga Thalia. Você se lembra dela não é mesmo? - Annabeth perguntou tentado mudar o rumo da conversa.

– Aquela garota das roupas estranhas? - Marta perguntou e Annabeth juntamente com Percy riram da descrição da mulher para Thalia. - A menina Grace, certo?

– Ela mesma. Esse daqui é o irmão dela. - Annabeth disse apontando para Percy que ainda colocava o gelo na cabeça. - Percy essa é a Marta. Marta esse é o Percy. - a loira disse apresentando os dois.

– É seu novo namorado? O que aconteceu com o menino Castellan? Vocês terminaram? Ele me parecia um menino tão bom. - Marta metralhou Annnabeth com perguntas, e a primeira fez com ela e o moreno corassem ao extremo.

– Não. Nós não somos namorados. - Annabeth respondeu quando Percy desviou o olhar para a janela. - Já o "Menino Castellan" não era tão bom quanto parecia. - Annnabeth disse olhando para o chão. Marta percebendo que o assunto era delicado mudou de assunto.

– Me deixa preparar algum coisa para vocês já esta quase na hora do almoço. - a senhora voltou-se para a geladeira e tirou algumas coisas dela. Enquanto preparava a comida ela conversava com os dois.

Quando o almoço estava quase pronto, o cheiro tão costumeiro da comida de Marta preencheu as narinas de Annabeth, e o que ela pensou sentir saudades fez com que um enjôo lhe tomou conta e a loira correu para o banheiro.

– O que essa menina tem? - Marta perguntou espantada com a velocidade de Annabeth.

– Gravidez. - Percy respondeu divertido ao ver a mulher arregalar os olhos.

Quando Annabeth voltou à cozinha Marta a olhava interrogativamente e ela logo percebeu o porque dela estar assim, a loira mandou um olhar feio para Percy que simplesmente deu de ombros.

– Eu posso explicar. - a garota disse se sentando novamente. - O filho é do Lu... Castellan. Annabeth não conseguiu pronunciar o nome do loiro. - E bom ele não aceitou muito bem a noticia.

– Você quer dizer que ele não assumiu a criança? - Marta disse atônica e Annabeth assentiu com a cabeça - Eu não acredito! Aquele muleque. Como ele pode fazer isso?

– Eu me pergunto isso todos os dias. - Annabeth disse firme, porém seu olhar estava distante.

Depois do que Annabeth disse, todos os presentes ficaram em silêncio, e pelo que Percy percebeu Annabeth ainda ficava mexida ao mencionarem o nome de Luke. Marta serviu os dois com um lanche e ambos comeram, o silêncio ainda se fazia presente no ambiente que chegava a ser desconfortável, depois que Annabeth terminou, ela se levantou e disse: 

– Marta como sempre estava uma delicia! – Marta deu um sorriso de agradecimento – Mas como tudo que é bom dura pouco. Eu tenho que ir agora.

– Mas já? – Marta perguntou surpresa – Você passou pouco tempo aqui.

– Eu tenho algumas coisa para resolver. – Annabeth disse e abraçou a mulher. – Eu sei onde você mora, prometo ir te visitar.Tudo bem? – com o que a loira disse, Marta deu uma aliviada.

– Promessa é divida. – Marta disse para assegurar que a garota iria visitá-la.

– Já deixei de cumprir com a minha palavra? – Annabeth disse se fingindo de ofendida.

– Claro que não. Mas só para assegurar. – Marta disse e notou que Percy já havia se levantado e estava atrás de Annabeth.

– E você. – ela disse apontando para o moreno – Mil desculpas pela bancada. Se soubesse que era você isso não teria acontecido. – Marta disse e parecia mesmo arrependida.

– Que isso. Foi para sua defesa. – Percy disse deixando a mulher mais aliviada. – Até que não doeu tanto. – Percy disse, mas estava mais que claro que ele estava mentindo. – Foi um prazer te conhecer. E acho que você iria adorar conhecer Maria. Vocês duas tem mãos divinas.

– Com isso eu vou ter que concordar. – Annabeth se intrometeu.

– Que isso. Assim vocês me deixam envergonhada. – Marta disse.

– Bom, agora nós temos que ir. – Annabeth disse se dirigindo para a sala sendo seguida por Marta e Percy, a loira pegou a caixa vermelha, olhou novamente para Marta lhe deu um beijo seguido de um abraço e chamou Percy que se despediu da mulher e logo estava entrando no elevador.

Em vez de irem para o térreo, Annabeth apertou o botão do subsolo o que deixou Percy confuso.

– O que vamos fazer na garagem? – perguntou o moreno intrigado.

– Eu vou pegar meu carro. – Annabeth respondeu simplesmente.

– NÃO. – Percy disse rapidamente. – É que com eu te trouxe, não acho nada mais justo do que te levar de volta. – completou na mesma velocidade que disse o “não”.

– Percy não precisa. Além de que se eu pegar meu carro agora, não precisarei te incomodar sempre que quiser sair. – Annabeth disse.

– Sério. Eu te levo. – Percy queria que no caminho de volta ela falasse alguma coisa em relação de como se sentia, assim ele podia ajudá-la.

– Tudo bem. – Annabeth disse e apertou outro botão do elevador, esse que agora os levariam para o térreo.

Percy e Annabeth se despediram de Philipe e entraram na caminhonete preta que estava estacionada do outro lado da rua, Percy deu a partida, mas não andou muito já que o trânsito o impediu. Ainda olhando para frente, o moreno notou que Annabeth ligou o rádio, no momento ele não ligou para qual passava no rádio, porque logo depois foi chamado pela loira a lado.

– Percy?

– Sim? – ele disse ainda olhando o trânsito, ele esperava que Annabeth fosse dizer alguma coisa sobre a pergunta que ele havia feito para ela no quarto de seus pais, mas para total surpresa do moreno ela falou:

– Eu estou com desejo de tomar Milk-shake de abacaxi com kiwi. – ela disse receosa, já que o moreno poderia achar estranho o pedido dela.

– Então vamos tomar Milk-shake. – Percy disse – Afinal, não queremos que essa criança nasça com cara de abacaxi e kiwi, não é mesmo? – o moreno fez graça para tirar a tensão e o silêncio presente no veiculo. E funcionou já que Annabeth riu e disse:

– Não mesmo.

Percy mudou o caminho, se dirigindo ao shopping mais próximo.

 


Notas Finais


E ai? Será que Annabeth vai abrir o jogo? Ou será que não? O que vai acontecer no shopping?
se quiserem saber não perca o procimo capitulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...