História O sol da juventude - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Youngjae, Yugyeom
Tags Aventura, Comedia, Drama (tragédia), Got7, Insinuação De Sexo, Jaebum, Lgbt, Linguagem Imprópria, Novela, Romance, Universo Alternativo, Yaoi (gay) homossexualidade, Youngjae
Visualizações 4
Palavras 2.133
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


aaaaaaaa espero que gostem!

Capítulo 1 - Primeiro tombo


Fanfic / Fanfiction O sol da juventude - Capítulo 1 - Primeiro tombo

Minha mãe e eu sempre tivemos momentos importantes juntos. Depois do falecimento do meu pai isso se tornou mais presente em minha vida; quando eu era pequeno costumávamos sempre jogar bola juntos e agora como minha mãe está debilitada não podemos, por mais que as vezes eu apenas ficasse em um canto da quadra sentado observando os meninos jogando com seus familiares, eu sempre recebia boas mensagens da minha mãe. Coisas que fizeram meu coração por muitas vezes sorrir e às vezes até mesmo chorar.


YoungJae, a juventude é como o sol, uma vez você vai estar brilhando e depois pode já estar apagado então, por mim, por você, pelo seu 

 pai… aproveite sua juventude.


Suas palavras filosóficas sempre me deixava com lágrimas nos olhos e pensamentos aflorados; foi quando por um descuido da saúde ela acabou desenvolvendo um câncer e ficou internada no hospital durante muito tempo até que sua sentença com deus fosse finalmente acabada e ela pudesse partir em paz. 

Após sua morte minha vida não fazia mais sentido, quem iria me dizer tantas coisas filosóficas que me deixariam quase chorando, quem me apoiaria até não poder mais, aquilo faria mais falta do que eu pensava.


Uma mãe nunca poderemos trocar, acabei entrando em uma profunda depressão após seu falecimento e com isso minha vida se tornou algo monótono, acordar todo dia, ir trabalhar, voltar, comer e ir dormir para no dia seguinte minha vida continuar a mesma coisa. Olhar para o canto da sala em um sofá e ficar sentado enquanto choro imaginando seus braços me rodeando e me abraçando tão forte que me fazia quase colocar meus órgão para fora.


Após muitos dias após sua morte e enterro eu consegui entrar em seu quarto para pegar suas roupas para doação, meu coração sentia-se quebrado em meio aquela situação. Ver sua cama desarrumada sabendo que quem deitava nela não está mas aqui. Direcionei-me até seu grande guarda-roupa e o abri, o cheiro do seu perfume exalava pelas roupas. Segurei muitas e as tirei do guarda-roupa as colocando sobre a cama, continuei com isso até ver que todas suas coisas estavam sobre a cama. Encarei as mesmas por longos minutos até ter a total certeza de que estava tudo ali, então novamente foi ao guarda-roupa pegar os casacos mais grossos e ao tocar um dos casacos eu consegui sentir algo em seu bolso. Coloquei o casaco sobre a cama e minha mão entrou pelo seu bolso alcançando o tal negócio que havia ali dentro. Consegui notar que era um papel e ao tirar do bolso de seu casaco consegui ver qual era o tal papel, eras na verdade um panfleto, sim um panfleto sobre uma competição de skate que ocorreria a alguns meses.

Minha mãe sempre amou skates, eu notava o modo como ela olhava quando passávamos em frente a lojas que vendiam skates. Provavelmente ela me mostraria e me pediria para participar, claro… Como um bom filho eu me esforçar para participar e ser classificado mas, infelizmente não vou participar já que meu principal motivo não está mais aqui. Apenas joguei o panfleto em um local qualquer assim pegando as roupas e as levando para a caixa.


Após aquele dia minha vida continuou com a mesma monotonia que tinha antes, porém meus pensamentos sobre aquele campeonato me deixaram curioso, será aquele o último desejo de minha mãe? Me pegava pensando diversas vezes enquanto trabalhava na fábrica de pães. 


Quando cheguei em casa na madrugada sentei-me sobre o sofá ligando a TV, minhas pernas estavam doendo e a dor se espalhava sobre meu corpo, mudava os canais diversas vezes até achar uma matéria sobre uma pista de skate que havia sido construída perto de minha casa. Parecia que tudo estava a favor daquele campeonato, resolvi prestar atenção naquela matéria.

Diversas vezes mostrava os meninos andando de skate mas, o que me deixou totalmente impressionado foi o garoto que estava na pista, suas manobras eram incríveis e algumas vezes enquanto assistia parecia que ele ia cair e a agonia que aquilo me causava.


— Como se chama? —, Perguntava o jornalista que entrevistou o menino das manobras de skate.


— Im Jaebum, eu sou algumas aulas para crianças. - Falava orgulhoso de si mesmo, seu nariz empinado me fez pensar que talvez aquele menino fosse metido demais para dar aulas para um adulto.

Meu celular despertou tocando em tom alto uma música qualquer, significava que estava na hora de dormir, apesar de amanhã estar de folga seria bom demais poder dormir cedo e acordar bem tarde. Ao menos era esses meus pensamentos. 

Fui me deitar após fazer algumas coisas e quando notei já estava adormecido como uma criança.

No dia seguinte pela manhã eu acabei me acordando tive a pacata ideia de sair, ir ao parque ver como funcionava essa questão de skatista, me interessei tanto que a noite cheguei ao ponto de sonhar que estava me apresentando em uma pista de skate com minha mãe ali presente o que me fez escorrer algumas lágrimas.


Assim que terminei de fazer as coisas diárias que tinha para fazer, coloquei uma roupa esportiva e sai em direção ao parque, não precisaria do meu carro já que morava praticamente na frente do parque. Já era cerca de 10:00 quando cheguei no parque e vi muitas crianças e suas famílias. Era bom ver aquilo, me fazia lembrar de minha infância que parecia ter sido ontem; continuei com meus passos até observar a pista e alguns garotos na mesma, mas aquele do jornal não estava ali presente. Achei que ele vinha todos os dias mas, aparentemente eu estava errado, virei me para trás e com isso dei-me de cara com o garoto. 

Ele estava se segurando para não rir da pequena “tombada” que demos um no outro eu confesso que também me segurava para não rir.


— Desculpa! Foi um acidente. —, dizia enquanto arrumava meu casaco que estava fora de meus ombros.


— Tudo bem, foi apenas um simples acidente. —, Citei com um breve sorriso e logo arrumei meu casaco tirando as mãos dele do mesmo.


— Então… Quer andar de skate? Vi o modo como olhava para pista. —, ele riu assim me vendo negar diversas vezes, eu não iria andar de skate. Apenas estava levemente curioso sobre isso.


— não, não, não! Eu estava apenas observando. Não sei andar de skate. —, O garoto riu brevemente assim sorrindo, Youngjae logo olhou para o skate assim sorrindo.


— Que pena, você parece aprender rápido. —, Jaebum estava saindo de perto de mim quando segurei em seu braço.


— Vai ter algum campeonato? —, Perguntei enquanto o encarava, sabia da resposta, mas mesmo assim o perguntei.


— Ah na verdade sim, mas Incheon não irá participar, teve uma briga muito feia no último campeonato. —, Ao ouvir aquelas palavras saindo de Jaebum, meus olhos se fecharam por alguns segundos e logo suspirei os abrindo novamente.


— Está tudo bem? —, Perguntou o garoto enquanto me olhava e tocava meu ombro com sua mão forte.


Minhas bochechas tomaram um tom rosado e eu nem sabia o que dizer mas, então logo suspiros revelando o real motivo de eu estar presente naquele local.


— Minha mãe deixou um folheto desse campeonato e achei que ela quisesse que eu participasse… 


— Talvez ela quisesse que você fosse ver… —, me aconselhar, dando leves sorrisos meigos eu apenas assentiu, talvez realmente ela quisesse que eu visse aquela competição como se ela estivesse junto a mim. — Me passa seu número? Se quiser podemos ir juntos. —, Sorria animado o jovem garoto tatuado em minha frente.


— Claro… —, Pegando meu celular no bolso eu rapidamente passei meu kakao, assim sorrindo e encarando alguns skates que estavam por ali.


— Quer tentar andar? —, Perguntou Jaebum enquanto via como eu estava a olhar para os skates.


Dei leves assentiram para o maior enquanto ele pegava o skate, o nervosismo tomava conta do meu corpo, não conseguiria ficar nem em pé naquele negócio quem diria conseguir fazer alguma manobra.

Assim que ele se aproximou de mim com o skate em suas fortes mãos um sorriso bobo surgiu sobre meus lábios e com isso segurei em sua mão, nem ligava se estava segurando sua mão, apenas queria ficar me sentindo mais seguro de subir naquele negócio.

Segurei em seus ombros e subi no skate enquanto ria de forma infantil. Jaebum estava com as mãos em minha cintura e a outra em meu braço me segurando caso eu caísse que era provável de ocorrer já que seria minha primeira vez andando de skate.

Me empurrava levemente algumas vezes enquanto eu Mantia um risonho sorriso, parecia que toda tristeza que antes dominava meu corpo tinha desaparecido. Talvez a presença de Jaebum ali comigo, me ensinando a andar de skate por mais simples que seja tenha feito eu me sentir especial.


Por uma vez eu tentei andar sozinho, soltou meu braço e levemente foi me “libertando” da sua segurança para que eu seguisse o caminho com o skate, mas então por um leve descuido e insegurança acabei por empurrar para frente os pés e com isso fui jogado para trás, mas então ele estava ali Jaebum me segurou, meus olhos subiram para seu rosto e com isso fiquei o encarando por um longo tempo até que ele sorriu e começou a rir do meu quase tombo. O modo engraçado que eu quase cai realmente fez muitas pessoas que estavam ao nosso redor rirem.


Enfurecido pelas risadas rondando meu ouvido e me deixando nervoso eu saí correndo, era normal eu fazer isso, sempre fui do tipo que não conseguia levar as coisas na brincadeira. Corria o mais rápido que conseguia para que eu conseguisse me distanciar daquela praça e das pessoas que estavam por lá, inclusive Jaebum.


— Eu nunca deveria ter pensado em tentar andar nesse troço! —, Sussurrava para mim mesmo enquanto caminhava em leves passos para minha casa, olhei para trás a espera de que talvez Jaebum fosse vir atrás de mim. Mas isso não ocorreu, apenas ficou lá enquanto provavelmente ria da minha cara enquanto eu saia correndo do local.


Não demorou muito para que eu chegasse em casa, entrei emburrado e tirei os sapatos os jogando em um canto qualquer da minha sala de estar; eu já estava suado quando passei a mão pelos meus curtos e macios fios de cabelo e eu estava encharcado de suor. Parece que aquela corrida acabou comigo, então fui para meu banho deixando o celular sobre a pia e tirando a roupa. 

Após alguns curtos minutos eu estava dentro da banheira e esfregava meu corpo com o sabonete, quando escutei meu celular tocando, levantei-me pegando o mesmo após secar minhas mãos e então era uma ligação de Jaebum.

Suspiros ecoavam pelo banheiro e então eu deixei o celular sobre a pia, tocando… enquanto eu voltava para a banheira para terminar meu banho que estava perfeito.


Os toques não paravam e já estavam me deixando irritado, se não eram as ligações eram as mensagens, milhares de mensagens e isso estava me deixando nervoso. Rapidamente levantei assim secando as mãos e atendendo a ligação com raiva o que era notável pelo tom de voz usado.


— YA! O QUE FOI? —,  Gritei em meio ao meu telefone.


— Nossa, eu só liguei para saber se você estava bem. Saiu correndo do nada. —, O tom de voz baixo de Jaebum mostrava o quanto estava nervoso após meu grito eufórico ao telefone.


— Por nada? Aquelas pessoas estavam rindo de mim! O que queria que eu fizesse? —, Perguntei voltando para a banheira, dava para escutar o barulho da água então Jaebum soltou uma breve risada.


— Tudo bem… estava tomando banho? —, Perguntou o que já estava bem óbvio.


— Sim, você está atrapalhando meu banho… posso desligar? —, Perguntei enquanto Mantia minha voz séria.


— Pode sim, espero que tenha um bom sono e banho… cuidado está muito frio e vai chover, se cubra bem. —, Logo ele desligou, achei engraçado o modo que se preocupou comigo depois de nem ter vindo atrás de mim para ver o que teria ocorrido, mas estava tudo bem. Eu o perdoei, apesar de ele não saber sobre isso. 


Minutos se passaram quando terminei meu banho e já estava deitado sobre a cama mexendo em meu celular, vendo vídeos, notícias esse tipo de coisa. 

Um bocejo se espalhou pelo quarto e era o sinal de que o sono estava presente, coloquei meu celular sobre a cômoda ao lado da cama e Fechei meu olhos abraçando ao meu travesseiro com um pequeno sorriso, sentia como se abraçasse a minha mãe. Adormeci rapidamente, lembrando de como minha mãe acariciava meus cabelos quando eu era menor antes de eu ir dormir profundamente.


Notas Finais


Agradeço ao @Koreanforever pela capa e banners incríveis! E a responsável por tal é a @wanbyeog


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...